O texto abaixo abaixo anda circulando pela internet em inúmeros blogs, fóruns e sei-lá-o-que-mais, com ligeiras variações, por isso não é possível atribuir a autoria, mas não é meu, por isso não vai em verde. Fiz questão de guardá-lo no blog para relembrar o bom tempo da sabedoria dos antigos. 😛 (Se você quiser ler sugestões mais modernas e realistas de “como fazer seu casamento durar”, veja o quadro ao final do artigo.)

Sabe porque os casamentos no passado duram mais do que hoje em dia? É porque publicações davam dicas de como manter o seu relacionamento no eixos:

Frases retiradas de revistas femininas das décadas de 50 e 60.

“Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas”.
(Jornal das Moças,1957).

“Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto, sem questioná-lo”.
(Revista Cláudia, 1962).

“A desordem em um banheiro desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa”. (Jornal das Moças, 1965).

“A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas, servindo-lhe uma cerveja bem gelada. Nada de incomodá-lo com serviços ou notícias domésticas”.
(Jornal das Moças, 1959).

“Se o seu marido fuma, não arrume briga pelo simples fato de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa”.
(Jornal dasMoças, 1957).

“A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido às experiências pré-nupciais, mostrando que era perfeita e única, exatamente como ele a idealizara”.
(Revista Cláudia,1962).

“Mesmo que um homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu”.
(Revista Querida, 1954).

“O noivado longo é um perigo, mas nunca sugira o matrimônio. Ele é quem decide – sempre”. (Revista Querida, 1953).

“Sempre que o homem sair com os amigos e voltar tarde da noite,espere-o linda, cheirosa e dócil”.
(Jornal das Moças, 1958).

“É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido”.
(Jornal das Moças, 1957).

E para finalizar. . .

“O lugar de mulher é no lar. O trabalho fora de casa a masculiniza”.
(Revista Querida, 1955).

É… não se fazem mais revistas como antigamente!

Se você quiser ler sugestões mais modernas e realistas de como fazer seu casamento durar, leia estes dois artigos:

O segredo do sucesso nos relacionamentos

Batalha entre duas generosidades

17 thoughts on “Como fazer o seu casamento durar

  1. ahahhahahah
    O meu marido vai amar isso!

  2. Bugala…realmente eu amei isso…

  3. HAAAAAAAAAAAA!!! “Pensar não dói” bancando o cupido!

    Vou abrir uma categoria de conselhos matrimoniais! 🙂

  4. Ainda bem que os tempos mudaram!!!! Né?
    Que isso as mulheres tinham um casamento duradouro mais eram “infeliz”, por ser submisa demais!!!
    Não concordo com nada com revistas femininas de antigamente!!!
    Vai pra merda homens magistas e mulheres que submetem absurdos…

    1. Todo tipo de sexismo é reprovável, seja o sexismo machista, seja o sexismo feminista, seja o sexismo homofóbico, seja qualquer outro.

  5. devem exirtir melhores maneiras de agradar o marido sem precisar de tanto esfoço em trabalhos domesticos rsrsrs

  6. A DEDICAÇAO NAO TORNA ALGUEM INFELIZ,FAZER SEMPRE O MELHOR EM TUDO E TAMBEM NO CASAMENTO

    1. Sabrina, obrigado pela visita e pelo comentário.

      Sempre lembrando que a dedicação ao relacionamento deve ser de ambos os parceiros, né? “Relacionamento de mão única”, como diria o padre Quevedo, non ecziste.

  7. Caracas gente, ninguém tem agradar ninguém as pessoas devem é respeitar as outras e ponto.

    1. Ahn… discordo. É tão bom quando a gente consegue fazer feliz quem a gente ama! É tão bom saber que a pessoa que amamos também se preocupa com nosso bem estar! É tão bom quando um cuida do outro, com uma troca cúmplice e reconfortante. Na minha opinião, um relacionamento amoroso tem que ser um porto seguro em que nunca temos medo de baixar a guarda. Se é pra se virar sozinho na vida, sem apoio emocional, desconfiando sempre de infidelidade… melhor ficar sozinho.

  8. Concordo contigo,pena que muitos homens e muitas mulheres não saibam disso,rs.

    1. Lya, o pior é que, ao invés de aprender isso com os fracassos, geralmente as pessoas desacreditam dos relacionamentos.

  9. ~ Concordo com a Crucifère:
    “Ainda bem que os tempos mudaram!
    As mulheres tinham um casamento duradouro mas eram “infelizes”, por serem submisas demais!!!
    Não concordo com NADAAA dessas revistas de antigamente!”

    Ui.. Credo!

    E qto ao teu último post, 🙁
    eu achO q me encaixo um poco nele.. :'(

    1. Desacreditar dos relacionamentos é a maior fria, Fabrine. Não é porque encontramos uma tranqueira ou outra pelo caminho que devemos desacreditar do caráter e das intenções de todas as pessoas que conhecemos. Muito melhor é ir aprendendo com as desventuras da vida, corrigindo nossas próprias deficiências e amadurecendo. Se perdermos o entusiasmo pelas pessoas e pelo que de belo o mundo tem para oferecer, que chance teremos de ser felizes?

  10. EU
    _mas o q ele te falo eh o q sempre quiz te dizer
    *so q ele se expresso bem

    – Fabrine(F) diz:
    *mas, nadadissomudameu jeito de pensar
    *eu entendo oq ele qr dizer e qo tu qr dizer
    *mas p mim é mtooo dificil
    *não é simples assim
    *ahh.. vou mergulahr num relacionamento assim como se tudo fosse lindo e perfeito
    *EU sei q não é
    *e q tud muda com o tempo
    *e q tudo pod mudarDERREPENTE

    1. Gente… não é difícil entrar em um relacionamento confiando no parceiro ou na parceira. Difícil é entrar desconfiando!

      Pensem bem: se nós confiamos ou se desconfiamos, isso não muda o caráter nem a integridade moral do outro. Portanto, é melhor confiar e deixar o outro livre para manifestar quem ele realmente é.

      Se começamos desconfiando e controlando, além de não conseguirmos aproveitar a relação, minando-a pela desconfiança, corremos o risco de estimular que o outro se torne mais dissimulado e acoberte mais eficientemente os aspectos mais desagradáveis de seu caráter. O resultado é que seremos enganados por muito mais tempo, talvez descobrindo os podres do outro só quando estivermos irremediavelmente ligados por um filho em comum ou pelo menos muito mais envolvidos do que estaríamos se tivéssemos deixado o outro se mostrar livremente desde o princípio.

  11. Eu concordo em parte com os comentários dessas revistas feministas de antigamente, mas notei seu sarcasmo no final. Muito cômico.
    Mas enfim, não acho que a mulher (nem o homem, que no caso é minha mulher) deva perder seu tempo sendo extremadamente submisso ao outro. Acredito que amar é amar e ambos são responsáveis pelo amor. O legal dessas revistas é que incentivavam o respeito e o aceitar do outro. Mas ao mesmo tempo revelam que a pessoa não deve estar aberta a novas opiniões. Não sou casada, sou adolescente, e como feminista acredito que o mundo deveria ser aberto para ambos os pensamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *