O mundo precisa de uma língua para intercâmbio cultural, científico, político e econômico. Mas que língua? Certamente não uma língua nacional imposta pela força das armas, pelo poder econômico ou pelo imperialismo cultural. O mundo precisa de uma língua internacional que a todos os povos beneficie igualmente, sem privilegiar alguns em detrimento de outros. Esta língua existe: é o ESPERANTO, criado em 1887 por Zamenhof e pertencente a toda a humanidade.

O Esperanto nasceu para ser a segunda língua de todos os povos, permitindo comunicação eficiente, clara e em pé de igualdade, sem que um povo precise abrir mão de sua cultura ou soberania em favor do outro para poder se comunicar.

O Esperanto, por ter sido construído especialmente para esta finalidade, é muito mais rápido de aprender do que qualquer outra língua existente na face do planeta, graças a suas peculiaridades gramaticais (simples, flexível e sem exceções). Como tempo é dinheiro, as implicações econômicas deste fato são imensas.

A adoção internacional do Esperanto como língua de comércio, turismo, intercâmbio cultural e científico traria bilhões de Euros de economia anualmente, principalmente para os países em desenvolvimento. E protegeria as culturas minoritárias, que estão sendo engolidas pela propagação das línguas e culturas dos poucos países mais fortes no cenário econômico mundial.

Você pode fazer algo concreto pelo direito de cada povo ver sua língua e sua cultura respeitada no cenário internacional: aprenda a falar Esperanto e descubra o mais fascinante canal de intercâmbio cultural do mundo. Nenhum outro idioma pode lhe oferecer acesso a tantas culturas diversas de modo tão rápido, tão barato e tão fácil.

(Existem inúmeros cursos de Esperanto online, na maioria gratuitos.)

Atualização em 05/09/2009: Fatos sobre o Esperanto

A Mônica postou um comentário instigante:

“Mas acho que uma língua dessas não ganha mais adeptos exatamente pelo motivo que poderia torná-la popular: ela não pertence a ninguém, a nenhum povo, a nenhuma cultura. E as línguas estão fortemente ligadas a essas questões, né? Ela é limpinha, sequinha, esterilizada e tudo mais, mas não tem história, não tem dinâmica. Ou, como diria uma tia, não tem ‘borogodó’.” (Mônica)

Esta visão sobre o Esperanto é bastante difundida, então resolvi responder detalhadamente. Só que eu me empolguei e escrevi algo que gostei tanto que decidi incluir a resposta para a Mônica no corpo do artigo, na esperança que mais pessoas se beneficiem do esclarecimento. Por isso fiz esta atualização.

O Esperanto possui uma cultura riquíssima, uma história muito interessante e quase a mesma dinâmica lingüística de qualquer outra língua. O mito de ser uma “língua estéril” é propagado pelos detratores do Esperanto, aqueles que lucram com o imperialismo cultural, com serviços de tradução, com acordos ortográficos inúteis e caríssimos, etc. (Não é “teoria da conspiração”, é puro puro interesse mercadológico.)

Embora a língua seja instrumento de transmissão cultural, não são as riquezas culturais de um povo que tornam sua língua difundida e sim seu poderio bélico e econômico. O latim não se expandiu por toda a Europa em função do potencial expressivo de suas declinações, nem em função da beleza da arquitetura romana. O francês não foi a língua culta do mundo em função da beleza de sua pronúncia, nem em função da alta qualidade (cof, cof) do cinema da França. O inglês não é a língua do comércio e da ciência na atualidade em função de sua gramática simples, nem da elevadíssima (cof, cof) cultura estadunidense. Em todos estes casos, bem como em todos os demais em que houve a expansão e o domínio de uma língua sobre outras, os fatores que levaram à “escolha” da língua que seria utilizada para a comunicação internacional foram a imposição pela força das armas e os interesses do poder econômico.

Como toda língua nacional ou étnica é propriedade de um povo, a solução para o problema da comunicação internacional só pode vir de uma língua que não seja nacional ou étnica. E o único tipo de língua que pode atender esse requisito é uma língua planejada.

Dentre os milhares de projetos de língua internacional propostos por filósofos, lingüistas e outros idealistas, o Esperanto é a única língua não-nacional e não-étnica que sobreviveu à morte de seu autor e gerou uma comunidade de falantes que se mantém por suas próprias forças.

O Esperanto é um fenômeno único na história da humanidade, com um potencial tão libertário que os esperantistas foram perseguidos e assassinados por quase todas as ditaduras do século XX, incluindo Stálin, Hitler, Mussolini, Franco, Mao e outros. Os pequenos ditadores se tornam grandes ditadores exatamente por sua habilidade de identificar e neutralizar as lideranças e fenômenos capazes de promover a emergência de quaisquer ideais libertários e fenômenos democratizantes. Pelo mesmo motivo o macarthismo também perseguiu os esperantistas.

A Liga das Nações, precursora da Organização das Nações Unidas, aprovou uma moção de apoio ao ensino do Esperanto nas escolas públicas de todos os Estados-membros e quase adotou o Esperanto como língua de trabalho. Isso só não aconteceu em função da forte oposição da França, que alegava que o francês já era a língua internacional de fato e via no Esperanto uma ameaça a seus interesses econômicos.

A ONU, por sua vez, tem a Associação Universal de Esperanto como entidade consultiva, mas as propostas de adoção do Esperanto como língua de trabalho são hoje rejeitadas por pressão dos EUA, sob a mesma alegação da França no século passado.

O Esperanto é uma solução tão combatida porque permite o contato direto entre os indivíduos dos mais diversos países, etnias, culturas e idiomas. Ele elimina a um baixíssimo custo e muito rápida e eficientemente a barreira que impede que os povos mostrem uns aos outros o que pensam, o que desejam, o que sentem.

Como seria possível atiçar o ódio e demonizar outros povos se uns pudessem ler os blogs dos outros e verificar que no outro povo as crianças também brincam pelas praças, os pré-adolescentes também escrevem poesias apaixonadas, os jovens gostam de se divertir com os amigos, os adultos passam pelas mesmas dificuldades para sustentar suas famílias, os empresários reclamam dos impostos, os trabalhadores reclamam dos salários e todo mundo reclama dos políticos?

Como seria possível promover uma guerra se um grande contingente de cidadãos em cada país pudesse ligar um computador e conversar diretamente com o povo “inimigo”?

É portanto um grande equívoco acreditar que a adoção do Esperanto seja dificultada pelo fato de nenhum povo ser o dono da língua ou pela sua regularidade e simplicidade gramatical. Estes são os pontos fortes do Esperanto.

O Esperanto é ativamente combatido pelos governos, empresas e profissionais que lucram explorando o problema da comunicação internacional, justamente porque o Esperanto é uma solução muito mais rápida, barata, simples e eficiente que qualquer uma das outras soluções disponíveis no planeta. E principalmente porque pode trazer grandes mudanças sociais.

Eu cronometrei meus estudos iniciais: dominei toda a gramática do Esperanto em apenas 28 horas de estudo autodidata. Dois meses depois apresentei uma palestra em Esperanto para um grupo de esperantistas. Pense em uma língua que você nunca estudou e responda sinceramente: você se arriscaria a palestrar nesta língua após estudá-la sozinho por apenas dois meses? Eu palestrei, respondi as perguntas da platéia e fui aplaudido ao final. Aí está uma coisa que eu não tentaria fazer em outra língua.

Pense:

Se uma língua muito mais rápida, barata e fácil de aprender que qualquer outra no mundo fosse ensinada nas escolas em todo o planeta, quem seria beneficiado?

Seriam beneficiadas as potências hegemônicas ou seriam beneficiados os povos dos países mais pobres? Quem é que hoje é obrigado a dispender imensas fortunas no ensino de línguas estrangeiras, obtendo apenas um resultado pífio, sem que seus povos se capacitem realmente para qualquer tipo contato internacional, por mais básico e elementar que seja?

Seriam beneficiadas as grandes empresas de comunicação ou seria beneficiado o contato direto entre os povos? Quem é que hoje escolhe a informação que você recebe sobre o que acontece no resto do mundo, sem que você possa checar o que pensa a população de outros países acessando a blogosfera deles?

Ah, sim, não vai faltar quem diga que “hoje em dia o inglês cumpre esta função”. O único problema desse clichê é que ele é totalmente mentiroso. Só quem realmente consegue usar o inglês para estes propósitos é uma pequena elite altamente privilegiada. Para o povão qualquer coisa em língua estrangeira continua sendo fator de exclusão social.

A verificação desta realidade é fácil: o inglês tem sido língua de estudo obrigatório nas escolas do Brasil inteiro há décadas. Quantas salas de cinema no país passam filmes em inglês sem legendas nem dublagem? Quantos noticiários em inglês são exibidos na TV aberta por semana, ainda que no horário da madrugada? Quantos jornais impressos possuem um suplemento semanal com pelo menos uma página em inglês?

O mercado desmente todas as alegações sobre a acessibilidade e a utilidade do inglês para o povo. Se contabilizarmos os milhares de horas-aula gastas sem que a maioria das pessoas adquira sequer a capacidade de assistir um filme ou um noticiário em língua estrangeira, mais os abandonos de curso e as repetências provocadas pelo fracasso em língua estrangeira, mais as carreiras interrompidas ou estagnadas devido à falta de fluência, veremos que estamos investindo uma imensa quantidade de recursos para obter um resultado péssimo. O balanço econômico deste investimento é provavelmente negativo.

Imagine agora que tenhamos a coragem de investir em uma solução realmente inovadora e libertadora: a inclusão do Esperanto no Ensino Fundamental.

Esta notícia rapidamente correrá o mundo. A comunidade esperantista internacional, como é sua tradição, virá imediata e gratuitamente dar apoio ao projeto através da internet. Países menos desenvolvidos que o Brasil verão no ensino do Esperanto a oportunidade de ocupar rapidamente um nicho de comércio direto com o Brasil, agora acessível a um número maior de seus cidadãos devido ao baixo custo e alta eficácia do ensino de Esperanto. As relações comerciais internacionais do Brasil se intensificarão.

Com a emergência deste novo mercado, novas parcerias comerciais surgirão entre nossos parceiros comerciais, promovendo a multilateralidade e tornando todo o mercado menos vulnerável aos abalos econômicos ocorridos em qualquer país específico. Benefício incontestável para todos.

Como sói acontecer no mercado internacional, as empresas dos países mais desenvolvidos aos poucos perceberão o novo filão aberto e utilizarão o Esperanto para ingressar neste mercado, enquanto seus governos perderão o bonde trem-bala da história esbravejando discursos patrióticos para captar os votos dos conservadores assustados com a nova tendência. Em pouco tempo veremos a formação de um grande mercado internacional em Esperanto, descentralizado e muito mais acessível a todos graças à eliminação das barreiras lingüísticas.

A beleza desta solução é que, devido às características peculiares do Esperanto, seria promovida tanto a intensificação das relações internacionais quanto a valorização das culturas nacionais. É óbvio: o Esperanto, justamente por não pertencer a qualquer povo em particular, é neutro em relação à nacionalidade e etnia, portanto não impõe a cultura de um povo a outro. O intercâmbio cultural continua existindo, mas pela primeira vez se estabelece em bases igualitárias no terreno lingüístico.

Quem vê um esperantista entusiasmado falar sobre o Esperanto tem a impressão que ele acha que o Esperanto pode resolver todos os problemas das relações internacionais, como se a política, a diplomacia e a cooperação econômica fossem secundárias, mas esse não é o caso. Nós estamos plenamente conscientes que a humanidade ainda tem pela frente uma longa jornada para a construção de uma ordem econômica mais justa e solidária, e reconhecemos que muito trabalho ainda terá que ser feito para que isso se realize.

O entusiasmo dos esperantistas em divulgar o Esperanto vem de sabermos que temos em mãos um instrumento valiosíssimo para promover o desenvolvimento econômico, a democratização das relações entre os povos e a promoção de uma cultura planetária de paz. E queremos compartilhar tudo isso com você.

Aprenda Esperanto!

46 thoughts on “Esperanto: a melhor solução para o problema da comunicação internacional

  1. Décio Pontes

    26/02/2013 — 12:04

    ha muito tempo que tento comprar o livro Esperanto sem Mestre e não consigo. Esta é uma das dificuldades . Se alguém puder me ajudar, eu agradeço .

    Lernu Esperanto !

    1. Putzgrila… Não tinha visto isso.

      Acho que a BEL (Brazila Esperanto-Ligo) tem o livro.

    2. Giovanni Andrade

      31/12/2014 — 15:29

      Nesse link da FEB você faz o download do livro…
      http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/06/EsM-p.pdf

    3. Obrigado Giovanni Andrade. Legal que o livro em pdf permite ir a cada capitulo diretamente, aparece um índice à esquerda da tela.

    4. GENIAL!!! Muito obrigado, Giovanni!!!

    1. Não, mas conheço o fenômeno. Isso é o “famoso” valor propedêutico do Esperanto.

      Pensa nisso: Digamos que tu queiras aprender inglês. Eu te dou duas alternativas de programa de estudo:

      a) Estudar primeiro seis meses de Esperanto e depois um ano e meio de inglês.

      b) Estudar direto dois anos de inglês.

      Em qual dos casos achas que terás melhor conhecimento gramatical e fluência verbal EM INGLÊS ao final dos dois anos, na alternativa “a” ou na alternativa “b”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *