Estávamos no Orkut debatendo sobre racismo quando surgiram algumas alegações de que certas atitudes seriam válidas quando partissem de uma das raças em relação à outra, mas não no sentido contrário, em função dos antecedentes históricos. Uma lógica que pode ser descrita como “se ‘A’ tomar algo de ‘B’ é roubo, mas se ‘B’ tomar algo de ‘A’ é justo, porque outros ‘As’ tomaram algo de outros ‘Bs’ no século XIX“. E na orelhinha não vai nada?

Minha posição é muito bem definida: se a atitude “X” é considerada racismo quando aplicada pela raça “A” em relação à raça “B”, então necessariamente é também racismo se aplicada pela raça “B” em relação à raça “A”. Não há antecedente histórico que justifique um “racismo unilateral” nem um “racismo retributivo” – e o simples fato de procurar tal justificativa já é uma atitude racista.

Exemplo concreto: se é “bonito” um negro usar uma camiseta escrito “100% negro”, também é “bonito” um branco usar uma camiseta escrito “100% branco”. Alegar que o negro tem o direito de ter orgulho de sua raça em função de “antecedentes históricos” e negar este direito aos brancos é uma atitude racista e altamente discriminatória.

Vou contar uma história pessoal ocorrida há quase duas décadas, mas que ainda recordo como se tivesse ocorrido ontem: o dia em que percebi que o racismo é uma via de duas mãos.

Um amigo negro me convidou para uma festa. Quando cheguei lá, percebi que eu era o único branco entre mais de trezentos negros. Alguns perguntavam “quem é esse cara?” e vários me encaravam de alto a baixo sem dizer nada. O clima ficava tenso quando eu passava, e meu amigo tanto percebeu isso que me abraçou e andou abraçado em mim até chegarmos ao bar, para que todos percebessem que eu estava ali a convite dele.

No bar ele me apresentou a duas meninas e ficamos conversando os quatro. Ele logo saiu para dançar com uma delas, e a outra começou a olhar em volta, visivelmente descofortável, apesar de o papo estar animado até então. Questionei o motivo diretamente e ela respondeu sinceramente: estava queimando o filme conversando sozinha com um branco.

Se isso não é racismo, então o que é?

Postado originalmente no Orkut em setembro de 2007.

17 thoughts on “Racismo: uma via de duas mãos

  1. Alex adora fazer polêmica, é muita falta de humildade e do que falar.

    As pessoas tem que pensar mais, [i]só isso[/i]. Maluquice a quantidade de preconceitos no mundo… Acho que Hitler já provou que não é uma coisa muito legal, conflito social.
    E que a Índia também está mostrando como investimento em educação trás benefícios para o país e gera pessoas mais capazes e com menos preconceitos.

    Aiai…

    Mas quem sou eu pra falar qualquer coisa né!

  2. não foi Marido da Ana, foi a Ana mesmo.

    1. O Alex vê o conflito como uma força motriz da democracia. O problema é que isso torna a vida das pessoas um inferno. Existem estratégias menos danosas de promover agitação democrática.

  3. Caro Arthur! O racismo não existe! O que existe é o idiota de qualquer raça! O DNA é o mesmo, há 4 milhões de anos, com desprezíveis variações entre os primatas, desde antes do homem ser Homo. Se alguém acredita em Darwin já deu para perceber que na origem nós e o pé de alface só somos diferentes em quem come quem!

    1. O pé de alface é espada? Porque o ser humano sempre sifu, como diria aquele grande filósofo…

  4. racismo faz parte. Enquanto existir os diferenciais (e sempre existirão) irá existir, talvez seja um problema psicológico de aceitação ou baixa auto-estima por partes dos idiotas que são racistas, assim tentam subjulgar o diferente. E nao é o desconhecido, é o diferente mesmo, nós vemos que mesmo com a globalização ainda temos racismo, misturou tudo e continuamos tendo os atos racistas, as próprias raças, tribos têm preconceitos e fazem questão de se formarem “puras” com nenhuma interferência externa de pessoas diferentes.

  5. Caro Arthur,te admiro muito.Mas em algumas coisas, por conta da minha história pessoal,não posso concordar contigo.
    Tua opinião é a de uma pessoa que nunca conviveu com o racismo.
    Eu conheço essa mancha de perto.
    Dói muito quando vemos quem amamos ser,cruelmente,discriminado.
    Nossa sociedade,que não é racista, é muito cruel.
    Ser negro no Brasil,é uma barra.Especialmente no sul e nordeste,lugares que conheço bem.
    Eu que tenho sangue índio e fisionomia de europeu,sei o quanto pesa ser diferente.
    Muita gente fica revoltada porque assumo esse meu sangue.
    O que fazer? ele é meu.
    Mentir sobre ele adianta?
    Resolve alguma coisa fingir que ele não existe?
    Seria tão mais fácil dizer que tenho sangue italiano e alemão e portugues, o que não seria uma mentira,mas também não seria uma verdade absoluta.
    E meu sangue judeu fica onde ?
    Sou uma grande salada de frutas.
    Entendo que para quem não vive a realidade do racismo,é muito difícil entender a realidade dos negros.
    Nada existe,até que exista na nossa realidade.

  6. Quer dizer então que tu entra na festa e sente o cutuco, quero dizer, sentiste o que sente um negro qdo entra em festa de branco… e não gostaste? Acredito que nem o negro gosta de ser olhado de cima abaixo em festa de branco… nos outros é refresco… daí tu leva isto em conta pra ter razão em sentir-se mal??? Os negros sentem isto desde que nascem e tu sentiu uma vez só e aí já gritou. Ainda bem que tu sai da festa e o mundo é teu pq segue a lei dos brancos. Imagina o negro que sai da festa e a coisa piora pro lado dele. Bem vindo ao mundo racista que os brancos criaram.

    1. Nara, ninguém “leva em conta” coisa alguma para sentir-se bem ou mal. Sente-se bem, sente-se mal, isso é tudo. E não foram os brancos que criaram o racismo. Existe racismo de branco contra negro, de negro contra branco, de branco contra branco e de negro contra negro, isso sem nem falar dos mestiços e das raças vermelhas e amarelas.

      Supersimplificar dizendo que o branco é malvado e o negro é vítima é exatamente o tipo de aberração “politicamente correta” da atualidade contra a qual eu me insurjo.

    2. branco azedo

      18/03/2011 — 10:07

      segue as leis dos brancos? que eu saiba são negros que tem cota nas universidades e não precisam de mérito para entrar.

  7. Arthur, veja bem, eu não falei que levas algo em conta para sentir-se mal, mas levas algo em conta para “ter razão”, o que é bem diferente.
    Segundo ponto: o racismo do qual falas foi criado pelo branco. É deste que estamos falando. Uma coisa de cada vez.
    Último: eu não disse que o branco é malvado. Esta foi a tua interpretação mas não é o que eu disse. Eu não generalizei, mas o fato contado por ti insere-se no mundo racista criado pelo branco (sociedade em que eu e tu estamos agora). Aliás, um mundo em que ainda tem lugar para KKK, isto sim é uma aberração. E os negros têm o direito e o dever de se defender, ora bolas. Lei da ação e reação.

    1. O racismo não foi criado pelo branco. Os escravos que vieram para o continente americano foram negros vendidos por negros. Em todos os tempos e lugares houve discriminação racial de todas as raças contra todas as raças. É o fim da picada colocar a culpa de tudo em quem é branco hoje.

  8. Arthur,poderia me mostrar como é possível que os negros que vieram para a América foram vendidos por outros negros?Eu não acredito nisso,porém gostaria de fonte confiável para conferir…Na sua opinião,você se considera racista?Você admite a existência de raças,e de conflito de raças,você juga certo o seu raciocínio baseado em uma análise fiel e representativa da história,ou você acha que você carrega consigo uma carga emocional adquirida em razão dos acontecimento históricos no contexto da luta de classes e da escravidão promovida séculos atrás?Abraço!

    1. Ronaldo, na África negros escravizavam negros. A cultura americana era escravagista. Você fala “negros”, mas eram vários povos diferentes, muitos se guerreavam ou capturavam. Brancos já escravizaram brancoa, amarelos escravizaram amarelos. Ainda hoje existe trabalho escravo no Brasil.

      Escravidão não é um fenômeno racial. Às vezes pode até ser, mas não é a essência.

    2. Assino embaixo do Gerson novamente. Não tenho links para mostrar sobre a questão de negros terem vendido negros para o comércio de escravos… lembro disso lá da época do ensino fundamental. Mas isso é fato histórico comprovado por inúmeras fontes.

      Não sou racista, abomino o racismo e quero mais é que todo racista vá lamber sabão, porque este é um blog sem restrição de idade.

      Eu considero estéril esse debate sobre se há ou não há “raças” na espécie humana e se é ou não é verdade que uma raça tenha características distintas da outra além da simples aparência. Que diferença faria? Gente é gente e deve ser tratada com igual dignidade e respeito.

      Sabe aqueles argumentos do tipo “negros são tão xxxxxxxxxxx quanto os brancos” ou “judeus são tão yyyyyyyyyyy quanto os arianos” e similares? Que diferença faz? Se uns não fossem tão zzzzzzzzzz quanto os outros, isso justificaria algum abuso ou desrespeito? Não, né? Então, pra que trazer essas comparações inúteis à tona?

      E quanto à “luta de classes”, isso non ecziste, é pura ideologia desmiolada. 😉

  9. E europeus foram escravizados por negros africanos. E não existe luta de classes.

    1. Hehehehe… e eu não tinha lido este comentário quando escrevi a resposta acima! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *