A idéia de que a posição de algumas estrelas no céu no momento do nascimento influencie a personalidade das pessoas é tão ridícula, tão absurda, tão estapafúrdia, que eu não consigo entender como é que alguém pode levar a sério algo assim – e tem muita gente que leva tão a sério que toma decisões importantes baseadas no mapa astral, desde investir ou não em um relacionamento amoroso até contratar ou não um funcionário.

A piada maior é que a astrologia inteira se baseia em uma ilusão de ótica: as constelações que vemos simplesmente não existem. Em muitos casos, as próprias estrelas que vemos não existem mais há milênios. E certamente nenhuma das estrelas que vemos se encontra onde a vemos. O céu estrelado é uma ilusão total: nada daquilo existe. Logo, qualquer coisa baseada em algo que não existe…

As distâncias espaciais são tão imensas que nossos olhos não possuem a menor possibilidade de identificar a diferença de proximidade entre a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol, a apenas 4,22 anos-luz, e Rho Cassiopeiae, a 10.000 anos-luz, a mais distante estrela visível a olho nu, por absoluta falta de paralaxe. Ora, se a mais próxima e a mais distante são indistinguíveis entre si, todas hão de parecer se encontrar às mesmas distâncias, embora não tenham qualquer relação entre si.

Como o que vemos é a luz que cada estrela emitiu há milhares de anos, pode ser que a estrela não estja mais lá, pode ter explodido, pode ter se deslocado tremendas distâncias ou pode ter sido engolida por um buraco negro muito antes do início da Era Cristã e nós estamos vendo uma mistura de vestígios de épocas diferentes de estrelas que estão em outros lugares ou não existem mais.

Aí dizem que se a ilusão de um conjunto inexistente de objetos inexistentes estiver visível no momento do nascimento de alguém, esta pessoa terá esta ou aquela característica de temperamento ou personalidade.

Ah, pára! Picaretagem total!

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 11/03/2010

Publicado originalmente no Orkut em maio de 2009.

25 thoughts on “Astrologia: isso non ecziste

  1. Eu não acredito em astrologia em si, concordo com tudo o que você diz, mas discordo da passagem:
    "A piada maior é que a astrologia inteira se baseia em uma ilusão de ótica: as constelações que vemos simplesmente não existem. Em muitos casos, as próprias estrelas que vemos não existem mais há milênios. E certamente nenhuma das estrelas que vemos se encontra onde a vemos. O céu estrelado é uma ilusão total: nada daquilo existe. Logo, qualquer coisa baseada em algo que não existe…"
    Existe "algo" sim, embora não existam mais as estrelas. A radiação que elas emitiram há milhões de anos e que hoje chega à Terra é alguma coisa (e que não é pouca). Mas, claro, dizer que essa radiação atua na vida das pessoas de maneira a influir na "sorte" das pessoas é bobeira. No mais, é legal ler aquelas mensagens furtivas e genéricas "Ariano: algo de bom e de ruim acontecerá na sua vida devido a transição de Vênus sobre Capricórnio" hahaha
     

    1. Marcus, se a influência que as estrelas supostamente exerceriam sobre as pessoas no momento do nascimento fosse devida à radiação que elas emitem, então as lâmpadas da sala de parto teriam milhares de vezes mais influência que todas as estrelas do firmamento juntas. 😛

      Dá até pra lançar uma nova picaretagem pseudo-científica: “considerando que a influência dos astros na personalidade se dá através da radiação emitida, desenvolvemos uma fórmula para desenvolver traços positivos de personalidade em seu filho através do correto balanceamento de influências luminosas na sala de parto, cuidadosamente planejadas após décadas de cálculos”.

      Uma espécie de “feng-shui luminoso astrológico-mimético”. 🙂

      E toca tirar dinheiro dos trouxas!

  2. hahahahahah, verdade!!
    nunca acreditei em signos, mas confesso que já li, seja pra dar risada ou curiosidade mesmo.

    Um colega meu jornalista, cuida da parte do horoscopo de um jornal de grande circulação aqui no RS, e ele simplesmente escreve o que lhe vem na cabeça na hora de digitar o horoscopo do dia seguinte…. HAHAHAHA e as pessoas ainda acreditam…

    1. Conheço gente que se dá o trabalho de escrever horóscopos com toda a fundamentação dos mapas astrais… mas que tem dois ou três livros “sérios” de astrologia que dão resultados completamente diferentes para os mesmos “cálculos”. 🙂

  3. Arthur,

    Como boa Leonina, eu também não acredito nessas coisas de horóscopo… 🙂

    Mas um pequeno comentário, se me permite: a astrologia baseia suas informações no movimento e posição dos planetas, não tem nada a ver com as estrelas não. Tirando os 9 planetas (acho que eles ainda não sabem o que fazer com Plutão, coitados dos escorpianos!), só entram mesmo a Lua e o Sol. Daí que as estrelas estarem ou não estarem por ali não faz muita diferença…

    1. Mônica, os “signos” e os “ascendentes” são determinados de acordo com a posição das constelações no momento do nascimento. Como as supostas “constelações” são meras ilusões de ótica, segue que tudo que faz referência a “signos” é baseado em uma ilusão.

      As “casas” em que os planetas se encontram ou pelas quais passam são os signos. Aquele papo de “ele tem a lua em câncer” ou “a passagem de saturno em aquário” se trata exatamente disso: posição ou movimento dos planetas em relação a uma ilusão de ótica. 😉

      Além disso, tem mais um “pequeno” porém: a posição das supostas constelações retrograda ao longo dos anos, cerca de três graus por século. Como estes “signos” foram codificados há mais de dois mil anos, temos que:

      20 séculos X 3 graus por século = 60 graus de deslocamento.

      Cada signo ocupa 30 graus na abóbada celeste (360 graus divididos por 12 signos = 30 graus para cada signo.)

      Portanto, quem acha que é do signo X hoje em dia, na verdade é do signo x menos 60 graus, ou seja, dois signos antes.

      Portanto, o teu “signo verdadeiro” não é leão, é gêmeos. 🙂

      E o mesmo balacobaco vale para o suposto “ascendente”.

      Detalhe: esse erro ocorre em todo o ocidente, mas os orientais fazem essa correção. Como as descrições das “características psicológicas dos signos” são as mesmas há dois mil anos, temos três alternativas:

      – ou os astrólogos do ocidente estão todos certos e os do oriente estão todos errados;

      – ou os astrólogos do oriente estão todos certos e os do ocidente estão todos errados;

      – ou todos os astrólogos são um bando de picaretas.

      A única alternativa logicamente impossível é tanto os astrólogos do oriente quanto os do ocidente estarem certos. 🙂

  4. Certamente, a margem para a picaretagem é vastíssima. A cada semana há um golpe novo na praça. Mas esse do horóscopo é antigo, eficiente, publicado e extremamente profissional (hahaha). Sobre a radiação (e fazendo um gancho com o cinema) o filme Stalker, do genial cineasta soviético Andrei Tarkovsky, conta a história de um “guia” que conduzia as pessoas a uma antessala superprotegida pelo exército. Nessa antessala as pessoas poderiam fazer um pedido e o mesmo seria realizado.
    O filme faz alusão ao que ocorreu com o acidente de Mayak, conhecido como desastre de Kyshtym, na URSS. A população nunca foi esclarecida sobre o incidente. Tiveram muitos curiosos e não demorou pra que conotações místicas e religiosas fizessem que romarias fossem ao local do acidente.
    Andrei Tarkovsky morreu em 1986, 5 anos depois, com câncer de tireóide devido as gravações em instalações cuja radiação alcançava níveis calamitantes.

  5. A propósito! Qual é o teu signo? 🙂

    1. Libra com ascendente em escorpião, e no horóscopo chinês, macaco. Eu sabia também no horóscopo cigano, parece que era moedas, mas não lembro mais dessas pataquadas.

      Claro que eu estudei a coisa antes de meter porrada, né? 😉

  6. Idem! Sou taurino…! 😉

  7. …ascentente em aquário.

  8. Que a astrologia seja um tremendo equívoco, não tenho duvidas disso. Mas, as razões que vc citou no seu texto também estão equivocadas. As estrelas que estão a muitos anos-luz da Terra podem não estar lá no momento que as observamos aqui na Terra. No entanto, esse fato não tem nenhuma importância para nós. Sua influência gravitacional e sua emissão de ondas eletromagnéticas ainda estão presentes aqui, e é isso o que nos importa. Se o Sol explodisse (por um motivo bizarro) neste exato momento, ainda estaríamos sob sua influência gravitacional e eletromagnética por mais uns 8 minutos. Durante esses 8 minutos, o fato de que o Sol estivesse explodindo não teria nenhuma importância para nós: ele estaria no céu como sempre esteve e sua benéfica influência sobre nós ainda seria sentida.
    A astrologia se baseia no fato de que os corpos celestes têm influência sobre nossas vidas, e isso é uma afirmação em perfeita conformidade com a ciência. O campo gravitacional da Lua influencia as marés, o Sol mantém a Terra numa trajetória relativamente estável, a influência gravitacional de Jupiter nos livra da colisão com muitos cometas, etc. Mesmo o fato de vc cortar o cabelo em certas fases da Lua não é uma hipótese completamente absurda. Ninguém ainda estudou em detalhes a influência gravitacional da Lua sobre nosso organismo, mas certamente HÁ uma influência (seja ela de que intensidade for).
    O equívoco da astrologia está em basear suas conclusões em coisa nenhuma, não apresentar nenhuma evidência que corroborem suas afirmações e simplesmente não possuir nenhum método científico de prova.

    1. “A astrologia se baseia no fato de que os corpos celestes têm influência sobre nossas vidas, e isso é uma afirmação em perfeita conformidade com a ciência.”

      Que ciência?

      Não a física, não a química, não a biologia, não qualquer uma das ciências reconhecidas como tais por estas.

      A astrologia só é reconhecida pelos próprios praticantes e por outros charlatães e praticantes de outras pseudo-ciências como “ciência dos cristais”, “ciência espírita” e quejandos.

      “Ninguém ainda estudou em detalhes a influência gravitacional da Lua sobre nosso organismo, mas certamente HÁ uma influência (seja ela de que intensidade for).”

      Sim, claro, ela nos puxa gravitacionalmente com uma intensidade ínfima. E só.

      Alguns organismos utilizam as fases da lua para regular certos ciclos, em função da variação de luminosidade percebida. E deu.

      Daí a dizer que “Fulano é tímido porque tem a lua em câncer”… nem merece comentários.

  9. Outra coisa: o céu estrelado não é uma ilusão. Muitas estrelas não existem mais (no lugar que elas estão), mas existem aqui (no lugar que a influência dessas estrelas é sentida). Uma coisa EXISTE para vc simplesmente porque vc sente a influência dessa coisa chegar a vc (e essa influência leva um certo tempo para chegar a vc). No ponto referencial que vc está, a influência das coisas que chegam a vc é o que define a existência dessas coisas. Influência e existência são sinônimos, no ponto referencial que vc está. Concluindo, o céu estrelado não é uma ilusão: as estrelas REALMENTE EXISTEM AQUI E AGORA, embora já não mais existam lá (no ponto referencial que elas estão).

    1. Nem por esse parâmetro dá pra tentar salvar alguma coisa da astrologia, porque as supostas constelações são realmente ilusórias sob qualquer ângulo de análise, uma vez que nem mesmo a distância entre a mais próxima e a mais distante (a Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol, a apenas 4,22 anos-luz, e Rho Cassiopeiae, a 10.000 anos-luz) pode ser diferenciada em função da indetectabilidade da paralaxe. Simplesmente os supostos agrupamentos são resultados da incapacidade de nossos sistemas biológicos ou tecnológicos perceberem a realidade ao invés de perceberem uma projeção desta realidade.

      Favor ler A Caverna de Platão para compreender que os astrólogos e outros pseudocientistas, místicos e charlatães atribuem realidade às sombras projetadas e que a ciência é o instrumento que quebra os grilhões e permite andar até a luz.

      Triste é perceber quão pouco a humanidade evoluiu desde Platão.

  10. Arthur,
    Não é necessário ser um Físico para saber que o Sol tem influência sobre nossas vidas!!!! Os corpos celestes têm influência sobre nossas vidas sim, e isso é uma afirmação da Física (que é uma ciência). Afirmar que os corpos celestes não exercem influência sobre nossas vidas é uma afirmação absurda (que vai de encontro aos preceitos mais básicos da Física).
    A intensidade do campo gravitacional da Lua levanta mais de um metro de água nos oceanos de todo planeta (e dos dois lados). Se considerarmos o ser humano sobre a Terra, a intensidade do campo gravitacional da Lua pode ser considerada “ínfima” (mas isso não é uma afirmação científica). A palavra “ínfimo” não faz sentido se tratada como qualidade absoluta. O certo seria perguntar “ínfimo em relação a que?” ou “ínfimo para causar o que?”. Estudar a influência do campo gravitacional da Lua sobre nosso organismo é uma tarefa difícil, pois seria impossível tirar a Lua do céu e ver o que acontece com o nosso organismo a longo prazo. Por isso, a Física ou a Biologia não sabe afirmar categoricamente qual é a consequência dessa influência. Por enquanto podemos dizer que é praticamente ínfima.
    As constelações não são ilusórias. Já expliquei isso. E o que eu expliquei não é uma opinião minha, é uma afirmação encontrada em qualquer livro de Física Básica. A paralaxe de uma estrela não tem nada a ver com isso.
    “Realidade” e “projeção desta realidade”????????? Acho que vc está misturando alhos com bugalhos. Afinal de contas, o que é uma projeção da realidade???? O que eu escrevi acima não tem nada a ver com isso.
    Onde é que Platão entra nesta história????? Alias, Platão e Sócrates não gostavam dos filósofos (anteriores) que se interessavam em estudar a natureza. Os pré-socráticos foram muito mais interessantes do esses dois. Pelo menos os pré-socráticos eram interessados na natureza das coisas (criaram uma protociência). Platão e Sócrates tinha uma visão mística do mundo natural. Colocar Platão e Sócrates num debate sobre ciência é como mencionar a Mãe Diná num debate sobre Física Quântica.

    1. “Camelo”, eu não disse que o Sol e a Lua não têm influência nenhuma em nossas vidas. Eles têm influência, sim: exercem gravidade, emitem ou refletem ondas eletromagnéticas… e só. Influências físicas bem definidas.

      Isso não tem nada a ver com exercer influência na personalidade de quem quer que seja em função de uma posição relativa a qualquer coisa, que é do que se trata a picaretagem astrológica.

      Quanto a meu uso da palavra “ínfima”, pensei que tinha ficado bem claro que eu estava me referindo à atração gravitacional da lua sobre nossos corpos, que é, sim, “ínfima”, ou seja, “irrelevante para qualquer propósito prático”.

      Dizer para um biólogo que a física e a biologia não conhecem as conseqüências da gravidade lunar sobre nossos organismos é temerário. 🙂 Vou te responder apenas o seguinte: sim, conhecemos, as conseqüências são nulas para qualquer propósito prático. E adivinha: o ônus da prova é de quem afirma que existe alguma conseqüência. 😉

      Platão entrou nesse debate porque o mito da caverna retrata exatamente o que a astrologia tenta fazer em relação ao brilho das estrelas. Tanto quanto as sombras projetadas no fundo da caverna não são o mundo real nem sequer o retratam razoavelmente, também a ilusão de que haveriam constelações é uma mera projeção que nem é real nem sequer retrata adequadamente a realidade das estrelas.

      Aliás, mesmo que existissem constelações, caberia ainda o ônus da prova aos astrólogos para mostrar como aquelas estruturas afetariam algum aspecto da personalidade de alguém. Obviamente nenhum astrólogo pode esclarecer isso, porque nem sequer o efeito é demonstrável, muito menos o suposto mecanismo.

  11. Se me dão uma licença poética,rs.

    Nada existe,se não acreditarmos que existe.

    Vejam a função do placebo,rs.

    Dos sonhos,da fé,da esperanças.

    Em 25 anos eu já ensinei como usar o melhor antiinflamatório do mundo para umas 200 pessoas que conheço,se 10 puderam comprovar a eficácia do barro,foram muitas.

    Uso Própolis desde criancinha,rs.

    E minha mãe acreditava tanto nos chás que eles acabavam funcionando.

    Tudo depende da visão que a pessoa tem.

    A astrologia é puro conhecimento de si mesmo.

    O problema é que nós não nos conhecemos.

    Cada signo tem suas qualidades e defeitos.

    O que a astrologia nos faz, é trabalhar esses defeitos.

    Todos os signos(pessoas) precisam educar o equlíbrio.

    A astrologia nos ajuda nesse conhecimento.

    Se existem pessoas que a utilizam de forma equivocada,o problema não é dela.

    Tanto é fato que o sol tem poder sobre nosso corpo que precisamos tomar sol para não adoecer.

    Eu preciso de sol,ordem médica,rs.

    Assim como as cores também
    influenciam nosso humor e nosso comportamento.

    A vida é uma grande aventura,limitar essa aventura porque decidimos nos “enformar” em idéias disto ou daquilo, não nos ajuda em nada.

    O correto seria deixarmos tudo em aberto, para não tirar o brilho do mistério dos dias.

    A vida é fantástica,tem tanta coisa que ainda não sabemos, tem tantas coisas que um dia ainda iremos descobrir.

    A vida é maravilhosa porque,por mais que não acreditemos,ela continua a ser o que é.

    O fato de alguém acreditar ou não na astrologia,não muda sua essência.

    Ela pode ajudar,mas só se aceitarmos sua ajuda,rs.

    é a nossa alma que faz o mundo ser um uma coisa mágica.

    Um mundo onde uma rosa não tem permissão para ser uma rosa, não tem graça.

    O que seria do mundo sem os loucos,os visionários,os apaixonados, os poetas, os sonhadores, os que acreditam em fadas?

    Meu amigo, não perca a criança que existe em você!

    Olhe para a vida com olhos generosos,com olhos de admiração,de deslumbramento,de encantamento….com olhos de criança.

    E o mistério das cartas estelares,dos bolinhos da sorte,dos sonhos….vai existir.

    1. “Nada existe,se não acreditarmos que existe.”

      Tá, vou tentar não acreditar em balas se alguém atirar em mim. 😛

      “Cada signo tem suas qualidades e defeitos.”

      Prova.

      “Tanto é fato que o sol tem poder sobre nosso corpo que precisamos tomar sol para não adoecer.”

      Sim, para a fixação da vitamina D. Jamais para determinar a personalidade de alguém conforme o horário de nascimento.

      “O fato de alguém acreditar ou não na astrologia,não muda sua essência.”

      Exato: não muda o fato que isso non ecziste. 🙂

      “Meu amigo, não perca a criança que existe em você!”

      Ela está bem viva. E o adolescente também. Mas eu fiz questão de matar o crédulo, que aceita qualquer coisa que muitos digam sem explicação convincente.

      Uma rosa é linda porque eu posso perceber sua beleza.

      A astrologia é falsa porque eu posso perceber sua ilusão.

      Logo abaixo explicarei isso.

    2. Olha, em Astrologia eu não acredito nadica de nada. Dei uma olhada nela por uns 3 anos e hoje sou um DEScrente convicto.

      Posso aceitar hipóteses como variações de radiação do Sol que tenham efeitos ainda não descobertos. Quiçá até da Lua. Mas o ônus da prova caberia aos astrólogos, e se fosse descoberto algo assim provavelmente não teria nada a ver com signos.

    3. “Provavelmente”? 🙂

      Bota otimismo nisso…

  12. Se bem me lembro o fato que vou relatar ocorreu na Inglaterra na década de 1980, mas não tenho mais as referências para conferir. Se alguém encontrar as referências, favor informar para que eu as inclua no artigo.

    Foi feito um estudo investigando em cartórios os registros de casamentos e de divórcios de alguns milhares de casais. Não houve qualquer correlação estatística significativa entre quaisquer signos para definir uma maior compatibilidade entre os noivos, tanto na avaliação dos casamentos quanto na avaliação dos divórcios. Nada. Tanto os casamentos quanto os divórcios tiveram distribuição absolutamente aleatória entre os signos, demonstrando a total irrelevãncia desta suposta característica.

    Lógico, aí surgiu um espertinho dizendo que a pesquisa não deu certo porque também deveria ser considerado o ascendente, visto que ele assume maior importância após os 30 anos e isso é que influenciaria a taxa de divórcios.

    Para quem tem formação científica seria necessário explicar que, se o fator principal não teve influência significativa, então muito menos teria um fator secundário. Porém, como a intenção do estudo era demonstrar os fatos para um público leigo, os cientistas decidiram refazer todos os cálculos utilizando os ascendentes também.

    O estudo foi ampliado e nesta segunda etapa foram buscados os registros de nascimento de cada indivíduo incluído no primeiro estudo. Para evitar novas alegações de que “o ascendente não é suficiente, tem que ver a posição da lua” e depois “a posição da lua não basta, tem que ver a conjunção de vênus com urano para descobrir se a regência do aspecto afetivo não estava em fase de retrogradação” e assim por diante ad infinitum, os cálculos foram feitos em duas etapas: a primeira levou em consideração somente o signo e o ascendente, para refutar a alegação de que era o ascendente que influenciaria os divórcios após os 30 anos; a segunda utilizaria um pesado algoritmo de análise multivariada para procurar qualquer possível relação significativa no mapa astral inteiro.

    O resultado foi cabal: nenhuma relação significativa foi encontrada nem para signo e ascendente, nem para qualquer outro conjunto de características do mapa astral.

    Não surpreendentemente, a publicação dos resultados deste estudo não alterou absolutamente nada do discurso dos astrólogos nem da credulidade popular na astrologia.

    Conclusão: crença, fé e irracionalidade andam de mãos dadas.

    1. Na real isso dá um artigo novo. 🙂

  13. Arthur, tenho referêcias de uma pesquisa feita, em 1948 por Bertram Forer, com alunos que respondiam a um teste psicológico depois de ter lido sua coluna de horóscopo no jornal, e que diz sucintamente que as pessoas tendem a acreditar nas similaridades de seu signo e ignorar as mesmas similaridades dos outros signos, somente porques estes não são seu signo… e já em 1948! O_O

    Veja mais em:
    http://www.sdr.com.br/Ideias004/014.htm

    http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:c4YAL8xJXoEJ:www.deusmeodeia.com/tag/astrologia/+astrologia+bertram+forer+1948&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

  14. Pensar Não Dói » Você acredita em coisas irracionais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *