Adultério não é crime, mas pode custar caro!

Tem gente aí me chamando de machista e de alienado. Normal, estou acostumado com os ad hominens sempre que discordo da cartilha dos intolerantes, que se distribuem principalmente entre os seguintes grupos: as feministas, que acham que a culpa é sempre do homem; os racistas-de-sinal-trocado, que acham que a culpa é sempre do branco; os esquerdistas, que acham que a culpa é sempre do capitalismo; e os politicamente corretos, que acham que a culpa é sempre de quem discorda deles. Neste artigo eu ofereço um prato cheio para os defensores do oba-oba, que acham que a culpa é sempre de ninguém: eu afirmo que sim, as pessoas devem ser penalizadas quando ferem conscientemente a dignidade alheia. Aproveitem para me chamar de conservador e retrógrado. Continue reading “Adultério não é crime, mas pode custar caro!”

Como perder seu homem em três dias

Observando o bizarro comportamento humano, eu freqüentemente me sinto como um alienígena explorando um mundo desconhecido e incompreensível. Vocês assistiram a comédia romântica “como perder seu homem em dez dias”? Pois a vida real traz exemplos muito mais tragicômicos de atitudes que afugentam pessoas em muito menor tempo. Continue reading “Como perder seu homem em três dias”

Como trazer de volta o futebol da década de 1970

Eu tenho uma teoria sobre como tornar os jogos de futebol em geral mais animados, como eram antigamente: basta aumentar a punição da falta. Esse simples detalhe é capaz de alterar completamente a dinâmica dos jogos de futebol, tornando-os muito mais interessantes para os torcedores e mais seguros para os atletas. Continue reading “Como trazer de volta o futebol da década de 1970”

Educação doméstica (homeschooling) versus a péssima qualidade de ensino no Brasil

O Aristein postou um comentário no artigo “Meus filhos não irão à escola!“, eu comecei a responder e logo percebi que a resposta daria um novo artigo sobre a qualidade do ensino no Brasil. Eu passei por todo o sistema educacional brasileiro, da pré-escola ao pós-graduação, e considero simplesmente medíocre sua estrutura, seu funcionamento, seus objetivos e suas pífias tentativas de aprimoramento, que não passam de surtos de maquiagem em um Frankenstein. Precisamos com urgência criar alternativas que substituam gradual porém rapidamente este monstrengo reprodutor de mediocridade. Continue reading “Educação doméstica (homeschooling) versus a péssima qualidade de ensino no Brasil”

Nem todo ladrão é “bandido”

Uma vez fui assaltado por um ladrão muito bem-educado: ele me abordou na rua, pediu licença, desculpou-se pelo transtorno causado, informou que se tratava de um assalto, pediu que eu por favor não reagisse e falou que se tivesse mais do que R$ 50,00 na carteira eu poderia ficar com a diferença, que ele não achava justo sobrecarregar uma pessoa só com uma subtração excessiva, preferia distribuir o ônus deste tipo de “contribuição compulsória” por mais pessoas para que ninguém fosse obrigado a passar pelas dificuldades que ele enfrentava! Continue reading “Nem todo ladrão é “bandido””

Meus filhos não irão à escola!

Eu considero péssima a educação formal brasileira. O currículo do MEC é um show de alienação sem fundamento nem rumo. A formação dos profissionais da área da educação é precária. A filosofia de ensino, quando existe, é “politicamente correta”, voltada para a ineficiência. A qualidade do ensino público e privado é sofrível. Eu não estou disposto a permitir que meus filhos sejam obrigados a perder um tempo precioso, que será muito melhor aproveitado sob minha supervisão direta, para enfrentar este caos. 

Continue reading “Meus filhos não irão à escola!”

Andar nu pela rua: “o mais básico de todos os Direitos Humanos”

Eu sempre disse que o naturismo nada mais é que a simples expressão da mais pura humanidade. Há pouco tempo descobri a existência de Irwin, alguém que pensa exatamente do mesmo modo que eu, mas tem a sorte de viver em um país um pouco mais civilizado que o Brasil. Na Espanha, se por um lado ainda existe o mesmo ranço cultural que contamina o mundo inteiro com a noção absurda de que o corpo humano deve ser coberto porque sua simples visão constitui “atentado ao pudor”, por outro lado já é possível viver legalmente o ideal naturista. Falta muito para chegar ao nível da Alemanha, onde se pode tomar banho de sol nu em qualquer praça sem que ninguém ao redor se importe, mas os naturistas somos pontas-de-lança de um movimento por um mundo mais saudável e digno. Continue reading “Andar nu pela rua: “o mais básico de todos os Direitos Humanos””

A paranóia feminina por arrumação na hora errada

Mulheres sempre acham que o melhor momento para trocar o sofá de lugar é aos trinta minutos do segundo tempo da final do campeonato. Mulheres sempre acham que a vontade de dar uma rapidinha pode esperar até secarem o cabelo. Os exemplos poderiam chegar à casa dos milhares, mas felizmente eu sou um homem escrevendo um artigo e não uma mulher discutindo relação. Suspire com alívio e deixe a porcaria da casa para arrumar depois de ler este texto, raios!

Aviso Anti-Aporrinhação: xô mau humor! Continue reading “A paranóia feminina por arrumação na hora errada”

Drogas: de velhas amigas a novas inimigas

As drogas – quase todas elas – são velhas conhecidas da humanidade, tendo sido utilizadas em praticamente todas as culturas, inclusive nos grandes centros da civilização ocidental, sem que isso resultasse em violência ou desagregação social. Por incrível que pareça, a paranóia proibicionista é muito recente e não tem nenhuma relação com os motivos usualmente alegados, como supostas preocupações com a saúde pública ou com a segurança pública. Continue reading “Drogas: de velhas amigas a novas inimigas”