Uma vez fui assaltado por um ladrão muito bem-educado: ele me abordou na rua, pediu licença, desculpou-se pelo transtorno causado, informou que se tratava de um assalto, pediu que eu por favor não reagisse e falou que se tivesse mais do que R$ 50,00 na carteira eu poderia ficar com a diferença, que ele não achava justo sobrecarregar uma pessoa só com uma subtração excessiva, preferia distribuir o ônus deste tipo de “contribuição compulsória” por mais pessoas para que ninguém fosse obrigado a passar pelas dificuldades que ele enfrentava!

Bem, eu não tinha na carteira sequer a quantia citada, então ele pegou todo o dinheiro, agradeceu, devolveu a carteira, despediu-se e saiu caminhando. Aí me caiu a ficha que eu tinha ficado sem dinheiro até para voltar para casa de ônibus, e chamei o sujeito com um “ei, espera aí”. Ele se virou com um “sim?” e eu perguntei se ele poderia me deixar um Real para que eu voltasse para casa de ônibus, porque eu estava muito longe de casa. “Mas é claro!”, disse ele, e solicitamente remexeu nos bolsos, pegou um Real e me entregou, desejando-me boa viagem.

Mais tarde eu tentei registrar a ocorrência exatal como havia acontecido, mas o policial de plantão recusou-se a fazer o registro, teve um piripaque histérico dizendo que isso não existe e me colocou para fora da delegacia sob ameaça de detenção caso eu tentasse “pregar outra peça daquele tipo” na polícia!

Fiquei pensando… há ladrões que roubam milhões dos cofres públicos, e por mais que isso traga prejuízos e custe vidas ninguém os chama de “bandidos”, no máximo se usa o termo “corrupto”. Já o sujeito que me assaltou com a maior educação e delicadeza provavelmente seria tachado de “bandido” e muitos ao lerem isso aqui vão dizer que ele merecia levar porrada, apodrecer na cadeia sob maus-tratos e ser “ressocializado à bala” servindo de adubo numa vala rasa.

É aquela velha história: quem rouba pouco é ladrão, quem rouba muito é esperto. Que mundinho esse em que vivemos…

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 14/04/2010

OBS: o fato ocorreu há mais de vinte anos. Não me lembro os valores exatos envolvidos, por isso usei o que julgo ser um equivalente aproximado em valores de hoje. Postado originalmente no Orkut em maio de 2007.

10 thoughts on “Nem todo ladrão é “bandido”

  1. Tem uma banda aqui do Balneário Decadente q tem uma letra q vai na levada do final do seu post, de repente o material deles te interessa:

    “Quem rouba pouco é ladrão
    Quem rouba muito é barão
    Quem rouba e ainda se esconde
    Passa de barão a visconde
    Ladrão que rouba ladrão é quem?
    Não há quem não queira um vintém
    Quem é que me ensina a pescar?
    Sem vara, sem peixe e sem mar” (3 Pratos de Trigo para 30 Tigres Tristes – http://www.elefecto.com.br/)

    Abraço.

  2. Um ladrão digno, honesto! Porém burguês!!

  3. Caro Porthos, preciso de um cruzamento de armas: multiplicar o http://romacof.wordpress.com/2010/04/15/desta-vez-voce-esta-armado/
    Ctrl-C + Ctrl-V a vontade. Se cada um mandar para dois blogueiros isto pode se transformar numa bandeira. Aramis.

  4. Arthur, me apresenta este ladrão que eu voto nele pra deputado. Seremos melhor representados. Até abro mão do meu “999-Confirme”. Fiquei impressionado com a tua narrativa. Bota este homem na televisão. Dá um horário gratuíto pra ele. Tá eleito. Que educação! Que finesse! Que senso de humanidade e consciência! Porque não foi comigo o assalto? Eu ia ser o marqueteiro dele. Homens como este não são encontrados todos os dias. Se não é invenção tua pra gente pensar que há gente honesta no mundo… Não sei não, pois “nunca antes na história deste país” se ouviu tal coisa. Compreendo perfeitamente o policial que queria te enquadrar!

  5. Isabeau D'anjou

    23/09/2010 — 18:25

    ladão bom é ladrão morto. Os condescententes nunca devem ter perdido sua paz ou sua integridade física por não terem, nomomento do roubo o que o ladrão esperava que tivessem.

  6. http://www.youtube.com/watch?v=DKOzIWJIbWQ

    ………….
    Video exemplar, filme perfeito.

  7. Tropa de elite 2 é o melhor filme para o Brasil, mostrou para o povo alienado a realidade brasileira que qualquer policial já conhecia faz tempo, esta merda de pais onde bandido é defendido por causa de interesses políticos, direitos humanos é a maior hipocrisia já inventada na historia da humanidade, nunca vai existir ressocialização de preso aqui ou em qualquer lugar o mundo, todo ser humanos deve merecer o respeito e não ser respeitado por ser humano simplesmente, essa historia só serve pra engodo político fora ser a maior hipocrisia alienante existente, bandido bom é bandido preso e alguns principalmente os de colarinho branco mortos, na China corruptos são mortos e a família ainda paga a bala, seja no governo ou na Rua, aqui eles estão no comando, não podem ser presos tem todo tipo de feriado para fugir regalias em geral, quantos militantes de DHs e advogados eu já vi fazerem parte de organizações criminosas que possuem rede de pedofilia e organizam seqüestros no Brasil, centenas por mês. Melhor filme do Brasil, onde o Brasil é o inimigo do honesto que não agüenta mais ser assassinado nessa merda de “nação”.
    Arthur eu sei que vc demonstra ser uma pessoa de carater e boa vontade mas vc tem que acordar, o unico proposito dos DHs no Brasil e no mundo geralmente é interesse politico, quem defende bandido da pior especie geralmente quer algo em troca.

  8. Leandro, vc não entendeu bem o filme, né? 😉

  9. Só pra não parecer trollagem da minha parte, segue a opnião do diretor e do ator principal… veja se bate com as suas ideias.

    http://www.youtube.com/watch?v=bc_cxgFrRpQ

  10. Eu citei apenas a parte relacionada aos “direitos humanos”, esse filme eu já vi faz tempo por sinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *