Peço especial atenção aos amigos e internautas que me acompanham há tempo, mas todo mundo pode opinar. O futuro do blog depende do que rolar na caixa de comentários deste artigo.

O passado

Eu sei que piada explicada é uma porcaria, mas descobri que é necessário explicar a origem do nome e do sub-título deste blog porque tem gente interpretando tudo de modo muito diferente do que eu tinha em mente quando os criei.

Observe o desenho no alto à esquerda. Ele mostra um sujeito empoleirado numa árvore, cortando despreocupadamente o galho no qual está sentado, sem perceber que vai se arrebentar no chão junto com o galho exatamente quando tiver sucesso em sua tarefa de cortar o galho. Foi este desenho que motivou o nome do blog.

A relação entre o desenho e o nome do blog me parecia muito simples e evidente. Se o sujeito pensasse um pouco melhor, não cairia. Logo, ele deveria pensar mais, porque cair dói, mas Pensar Não Dói.

Observe agora o sub-título do blog. Ele diz que o blog está “em busca de vida inteligente na Terra.”

A intenção original era estabelecer um trocadilho entre a idéia absurda de que não há vida inteligente na Terra e a idéia plausível de que o blog busca contribuir para que a vida na Terra se torne mais inteligente.

Para minha grande consternação, após mais de um ano de funcionamento do blog, achando que a ausência de comentários a respeito indicava que praticamente todo mundo entendia a piada, descobri que a ausência de comentários significava que praticamente ninguém sequer percebia a piada!

O alerta vermelho soou com toda a força quando recebi este comentário:

Você montou um blog com o nome de “Pensar não dói, em busca de vida inteligente na Terra”, o que, com toda a franqueza, é de um cabotinismo sem par, pois sugere que você é o Diógenes do pensamento universal com sua “lanterna-blog” e 99% das pessoas são beócios cegos vagando a esmo pela pobre blogosfera burra.

Uau!

Se o sujeito que me fez o favor de mandar essa delicada crítica construtiva entendeu assim, sendo ele muito inteligente e perspicaz, então é evidente que a composição visual do blog está passando uma mensagem errada e que deve ter muito mais gente entendendo a mesma coisa.

É bem possível que a composição visual do blog esteja espantando em segundos muita gente legal que poderia estar aqui trocando idéias numa boa porque o pessoal olha, tem uma má primeira impressão e cai fora antes de ter qualquer contato com o conteúdo dos artigos.

Argh! Que catástrofe!

O futuro

E agora? Bem, eu sou o cara das soluções radicais. Vai mudar tudo.

Não vai sobrar pedra sobre pedra. O blog vai sofrer uma reengenharia radical. Vou trocar o tema, vou trocar a imagem fixa, vou eliminar as imagens rotatórias, vou mudar as cores e provavelmente vou mudar até a cor do texto, deixando de escrever em verde pela primeira vez desde quando surgiram Orkut e MSN. Ainda não sei como isso vai ficar, pretendo estudar. A mudança não tem data marcada. Ia mudar tudo. Devido às manifestações positivas dos leitores e à bela divulgação do Pensar Não Dói feita no blog do Hempadão, decidi manter a identidade visual do blog.

Mas não vai ser isso que vai mudar. Eu também vou mudar.

Neste pouco mais de um ano blogando, muitos leitores já conhecem meus pontos fortes e meus pontos fracos e conhecem os diversos tons e estilos que uso: do otimista ao pessimista, do pacifista ao combatente, do esclarecedor ao mobilizador, do pontuador ao contista, do jocoso ao indignado, do crítico ao propositor, do técnico ao viajandão, do provocador ao enternecedor, do fútil ao gravíssimo, do pessoal ao político, do econômico ao ecológico, do virtual ao real, eu transitei, mostrei o que penso e debati em todos os tons possíveis.

Agora quero saber que imagem ficou a partir deste caleidoscópio.

Eu gostaria de saber se mais alguém além ficou com a impressão que eu acho que sou a última bolachinha recheada do pacote da promoção especial, se eu transpareço bom humor ou se minhas tentativas de fazer graça são um desastre, se quando eu escrevo com seriedade eu transmito confiabilidade ou apenas pretensiosidade, se a variedade tem sido legal ou se eu deveria ter maior foco, se vocês acham que eu tenho salvação como blogueiro ou se deveria fechar logo essa porcaria de blog e ir meditar em uma caverna pelos próximos trinta anos.

Por favor, critiquem-me. Impiedosamente. Ou elogiem, se quiserem. Apontem pontos fortes e fracos. Perguntem-me o que precisarem para poder embasar seus conselhos, ou interajam uns com os outros. Lavem roupa suja em público ou incluam o código “xxx-privado-xxx” no corpo das mensagens para que elas sejam encaminhadas á fila de moderação e somente eu tenha acesso. Façam como preferirem, a casa é de vocês.

Para mim, este será o artigo mais importante desde que comecei o blog.

Escrito por vocês.

53 thoughts on “Não vai sobrar pedra sobre pedra!

  1. hahaha, tou aqui miacabando de rir, pensando no ‘sêo’ Pedro, de chapéu e terno escuro, lambendo senhoras e senhores pelas outrora pacatas ruas de Belo Horizonte… 😀
    Mas tá vendo só? O diferente é que é legal. Eu também não conseguiria escrever um blog como o seu (ler é fácil!), passar férias em Bagdá tá meio fora de cogitação. Londres nos idos tempos das bombas do IRA já foram suficientes pra mim, tá de bom tamanho.

    Câmeras? Como dizia o George, ‘Big Brother is watching you’. Aliás, tá watching todos nós… 😛

  2. Verdade, véi!!! esse banner rotativo acaba fazendo as vezes de cabeçalho do blog e tira a atenção do banner pessoal.

    Notei esse bagulho dias atraz, e achei perfeito. Se tirasse o banner rotativo e mantivesse somente o seu pessoal, ou colocasse algo que completasse ele, faria um bem do caráleo!!!

    1. A questão é que eu gosto de tudo no tema Atahualpa, menos o banner rotativo. Se eu soubesse como removê-lo (ou substituí-lo por anúncios, hehehehe) este problema seria facilmente resolvido. Tem a solução simples de remover todas as fotos e deixar só uma bem neutra, mas é meio tosco fazer isso se eu não tiver algo para colocar ali que possa se tornar parte da identidade visual do blog.

  3. A propósito, o comentário que fiz da briga mencionada no outro post, foi engolido. O Captcha condicional me exigiu a parada e mesmo eu respondendo ele a contento, e não mencionando link algum, jogou meu comment pra escanteio.

    Seria bom explicar que ele exige que o primeiro e quinto caracteres devem ser digitados, no caso de aparecer alguém que não saca inglês.

    1. O CAPTCHA condicional lança o comentário na caixa de SPAM para avaliação. É para evitar SPAM inserido manualmente. Pra alterar isso só mexendo nas entranhas da programação do plugin, o que eu não sei fazer.

      E os caracteres a serem digitados devem variar. Não sei, nunca vi o CAPTCHA, porque não tem como postar no próprio blog e parar no SPAM. Nem me dei conta que a tralha estaria OBVIAMENTE em inglês…

  4. Não entendi…kkkkkkkkkkkkkkkk…..

    Vais trocar tudo porque ALGUÉM não entendeu?

    Me poupe!!!!

    Se fizeres isso é porque não ligas nadinha para ti mesmo.

    Cara….te liga….quem gostar gostou…..e ponto!

    Quem Não GOSTAR… que faça um blog para si mesmo….ou coma menos.

    Se vais trocar tudo a cada
    crítica que receberes…..te preparas para uma longa terapia,rs.

    1. Não, o pessoal já me convenceu a manter o visual. Mas eu vou analisar com muito cuidado cada crítica que recebi.

  5. Bela foto….Arthurzinho,rs.

    1. Obrigado, Lya. Estava na de trocar aquela que eu sempre usava, né? Era uma foto de 2002 ou 2004, não lembro bem. Muito antiga. Propaganda enganosa. 😛

  6. Ele ficou numa cara de tiozinho usando esse terno e grava, Lya.

    Mas ficou legal, tá parecendo advogado, huahua!!!!

    1. Já te mandaram ir plantar batatas hoje?

      .

      Eu aproveitei o dia da formatura de um amigo para bater essa foto. Até acho bonita a composição visual formada pelo conjunto de terno e gravata, mas é muito pouco prática e raramente confortável.

      Eu uso terno e gravata apenas nas (festas á fantasia) ocasiões que requerem esse traje específico. Decidi usar essa foto como avatar porque gostei da expressão de meu rosto nela, só isso.

      O que eu acho (divertido) tragicômico é que tem gente que pensa que pode julgar a seriedade ou a porralouquice de alguém pela aparência. Será que assim estou ganhando pontos com os conservadores e perdendo pontos com os vanguardistas? 😛

  7. Verdade, verdade, aqueles mods porra loucoas dos anos 60 só usavam ternos bem cortados, incrível, e o Keith Moon do The Who chutando sua bateria de terninho, e Pete Townshend quebrando as guitarras, rock and roll nos anos 60 era uma coisa legal haha. Eu gosto do visual de terno, mas na sua foto não é camisa, gravata e colete?

    1. WOW! É mesmo, nem tinha percebido… a foto que coloquei no avatar não é a foto de terno e gravata, é que bati tantas fotos até sair uma decente que nem me dei conta que essa era uma das que bati sem o casaco. 😛 Não é um colete, é um blusão de lã. Estava bem frio naquele dia.

  8. Agora que este artigo saiu de evidência eu tenho que confessar uma coisa aqui… eu pensei em um outro nome para o blog que tem até mais a ver comigo e que não descaracterizaria a proposta original. 🙂 Vai ficar na gaveta mais um tempo, até eu me decidir quanto ao que fazer…

  9. Não , não se esconda. O seu blog é algo que não consegui fazer até agora, que é de tentar passar (tá bom , passar não é o certo, questionar, levantar a bola) sobre temas variados sem ser cansativo, pedante, panelístico, paranóico, etc. Eu tenho me decepcionado com muitos blogs por aí, que se dizem progressistas mas que não se dão ao trabalho de ouvir algo que destoe de sua harpa da celeridade mental. Eu não tenho preconceito, leio de tudo e o seu está, como disse aquele rapaz inteligente chamado Aristóteles, entre os virtuosos, pois está bem temperado. Ah, terminando eu queria dizer que você, na medida do possível, redigisse algo sobre essas aberrações anti-humanísticas chamadas de ‘feministas’ (pus entre haspas pois acredito em feministas que são coerentes e sabem das nossas singularidades e nossos perfis de gênero. Eu me diverti muito como post: ‘Não existe feminista em navio que está afundando’. Eu que o diga. Eu adoro as mulheres, apenas recuso as ‘feministas’.Abs.

    1. “Eu adoro as mulheres, apenas recuso as ‘feministas’.” [2]

      E mais uma vez obrigado pelos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *