O Bule Voador, blog oficial da Liga Humanista Secular do Brasil, diz que apóia Direitos Humanos. Segundo seu editor Eli Vieira, o Bule Voador é “um blog cético” que “acredita em argumentos”. Entretanto, por defender Direitos Humanos e por apresentar argumentos contrários aos dogmas sexistas e racistas de alguns movimentos sociais que o Bule Voador apóia, no dia 19/08/2011 eu fui bloqueado no blog do Bule Voador – quase ouço os gritos de “Blasfêmia!” – numa demonstração clara de dogmatismo, intolerância e incapacidade de manter um diálogo respeitoso e baseado em argumentos quando seus dogmas são questionados.

Bule Voador 2


Tudo começou com a postagem no Bule Voador do artigo “TJ Kincaid – Dia do Orgulho Hétero em São Paulo (Martinsburgo)” que contém um vídeo em que o tal TJ Kincaid desanca debochada e ofensivamente a cidade de São Paulo devido à proposta de criação do Dia do Orgulho Heterossexual.

Entre muitas demonstrações de desprezo e poucos argumentos, como chamar a cidade por outro nome (Martinsburg) por sua incapacidade de pronunciar “São Paulo” corretamente, o sujeito entoa o mantra de sempre contra qualquer um que ouse equiparar a heterossexualidade à homossexualidade em termos de legitimidade de expressão de orgulho: “heterossexuais não precisam de um dia de orgulho”.

Os primeiros 19 comentários apoiaram o achincalhamento de TJ Kincaid contra os heterossexuais.

O 20° comentário foi de Félix Maranganha, autor do blog O Calango Abstrato, cuja leitura recomendo – e tenho certeza de que meus leitores vão apreciar imensamente textos como “O Dia do Orgulho dos que Gostam de Pimentão e sua Polêmica“. Quando terminarem de ler este artigo aqui, leiam o artigo do Félix sobre os pimentões. Prometo que só os intolerantes terão azia.

Pois bem, depois de 19 comentários contra, o Félix disse que não vê nada demais num “Dia do Orgulho Hetero”. E defendeu sua posição com uma série de argumentos que, para mim, beiram à obviedade, de tão simples, objetivos e ponderados que são.

Eis alguns extratos significativos:

Quando defende-se o direito de os homossexuais serem reconhecidos, defendemos pela igualdade de direitos entre homossexuais e heterossexuais. E direitos iguais, pessoal, são direitos iguais. Significa que se temos um dia da consciência negra, é igualmente permitido em uma sociedade que se permita um dia da consciência branca. Os homens têm tanto direito a um Dia do Homem quanto uma mulher tem direito ao Dia da Mulher. Quando tiramos o direito de homens brancos heterossexuais e católicos de terem uma data que os represente, estamos tomando a mesma posição dos mais reacionários dentre eles, que têm o mesmo pensamento conservador.

(…)

Depois aparece um heterossexual, propõe uma data (talvez vítima de heterofobia, não sei), e a galera faz até mesmo abaixos-assinados, e vem uma galera que se diz Humanista Secular e Laica, e acha-se no direito de determinar que os heterossexuais não devem ter o direito a uma data comemorativa equivalente ao Dia do Orgulho Gay, com isso adotando a mesma intolerância, tratando essas pessoas como piada e desrespeitando seus motivos.

O que me assusta é que acho que vocês esqueceram que quando a constituição (e a DUDH) dizem que os direitos são iguais para todos, eles são DE FATO iguais para todos, independente de qualquer condição a que eles pertençam. A igualdade de direitos, pela DUDH, é direito inalienável.

(…)

Por essas e outras que muitos que se dizem humanistas não são considerados humanistas por mim, pois não prezam pelo humano, mas por ideologias particulares.

A discussão que se seguiu foi extensa e não vale a pena reproduzi-la aqui. Quem quiser pode clicar no título do artigo do Bule Voador lá no segundo parágrafo deste artigo e ler a discussão no site original. Eu selecionei somente umas poucas postagens do Eli Vieira, Presidente da Liga Humanista Secular do Brasil, para dar uma idéia do quanto ele “acredita em argumentos”:

Félix Maranganha,

muito interessante sua argumentação. E ela é tão interessante quanto assimétrica e míope.

Um primor de ad hominem ofensivo, vindo do presidente da LiHS como resposta a uma crítica dura, porém polida e bem fundamentada.

E mais abaixo:

Félix,

eu sei que você tem uma tendência de apelar para o relativismo epistemológico, mas estamos num blog cético, e aqui acreditamos em argumento.

Então, se eu estou errado, eu estou errado e ponto final, fazendo você o certo. E se eu estou certo, então você está errado, e a vida segue. Não existe esse negócio de todas as opiniões serem igualmente justificadas.

Incrível: na mesma frase ele consegue desqualificar os argumentos do interlocutor atacando-o com um ad hominem e afirmar que acredita em argumentos. Na frase seguinte consegue reduzir um debate político complexo sobre o qual não há qualquer concordância quanto à validade das premissas a um maniqueísmo trivial do tipo “certo ou errado”. E com essa brilhante intervenção o sujeito acha que encerra a discussão…

Já irritado com as generalizações absurdas e ofensivas contra “homens brancos heterossexuais” e incomodado com o tratamento que foi dispensado ao Félix, eu entrei no debate com esta mensagem:

Este é o primeiro parágrafo de um artigo que publiquei em meu blog:

“Abriram um tópico na comunidade de Direitos Humanos sobre a aprovação pela Câmara de Vereadores da Cidade de São Paulo do “Dia do Orgulho Heterossexual”. As reações à notícia mostraram tamanha intolerância, com manifestações irônicas, debochadas e agressivas contra os heterossexuais, que me fizeram perceber que as acusações de “Ditadura Gayzista” estão longe de ser infundadas.”

Agora fico pasmo em ver o mesmo tipo de intolerância repercutido aqui no Bule Voador – como bem disse o Félix, vindo de gente SUPOSTAMENTE humanista.

A continuação do artigo está aqui:

http://arthur.bio.br/2011/08/03/sexismo/o-dia-do-orgulho-heterossexual-e-a-ditadura-gayzista

Nos próximos dias virá mais chumbo contra a absurda DISCRIMINAÇÂO INVERTIDA travestida de “igualdade” que estão tentando meter goela abaixo da população masculina, branca e heterossexual no Brasil.

Arthur Golgo Lucas

Sutil como um rinoceronte tendo um ataque epilético numa loja de louças, reconheço, mas como se deve reagir quando se está sendo ofendido e ridicularizado por afirmar que “direitos iguais são direitos iguais” e por não se submeter docilmente à humilhação de ter que aceitar calado afirmações como “homens brancos heterossexuais não tem motivo para ter orgulho” quando se é um homem branco heterossexual que por mais de duas décadas e meia lutou por direitos iguais para todos e agora se vê tratado como um canalha opressor?

O recado era claro: “As reações à notícia mostraram tamanha intolerância, com manifestações irônicas, debochadas e agressivas contra os heterossexuais, que me fizeram perceber que as acusações de ‘Ditadura Gayzista’ estão longe de ser infundadas.” Mas estavam todos tão cegos por ver seus dogmas questionados que não viam os abusos e as ofensas que cometiam.

E, como o Eli Vieira havia apresentado toda uma série de falácias sobre o significado de “igualdade”, logo abaixo eu apresentei os seguintes questionamentos:

Certo, Eli. Então, responde isso:

Conferir um direito a A e não conferir o mesmo direito a B é lutar pela IGUALDADE?

Exaltar a luta de DIREITOS IGUAIS quando A luta e execrá-la quando B luta é lutar pela IGUALDADE?

Dizer que A deve ter orgulho de sua sexualidade e que B deve ter vergonha de sua sexualidade, quando ambos requerem idêntica oportunidade para manifestar o orgulho por sua sexualidade é lutar pela IGUALDADE?

Dizer que o orgulho gay é luta por direitos para si enquanto o orgulho hetero é tentativa de negação de direitos dos outros é lutar pela IGUALDADE?

Nenhuma das quatro perguntas jamais foi respondida. Ao invés disso, o Eli Vieira respondeu o seguinte:

Arthur Golgo Lucas,

para começo de conversa, falar em “ditadura gayzista” é discurso de reacionário. Curioso ver você e o Olavo de Carvalho se unirem nesse discursinho.

Ninguém está negando direitos a heterossexuais, os heterossexuais podem fazer a parada do orgulho hétero quanto quiserem. Mas um projeto propondo o reconhecimento estatal de um dia de demonstrações de luta pela reafirmação de uma maioria política é uma provocação ridícula e não cabe numa democracia.

A parada LGBT começou a acontecer antes de reconhecimento estatal, por que a parada hétero não faz o mesmo? Cadê a parada hétero? A última que eu vi era de um grupinho de neonazistas.

O projeto de lei é uma provocação contra o movimento social de uma minoria.

Ao menos que você esteja sendo obrigado a se casar com um homem, Arthur, melhor pensar duas vezes antes de repetir o discursinho podre do Olavo de Carvalho por aqui.

Abraço.

Traduzindo:

– Começou me ofendendo.

– Arrogou-se o direito de decidir do alto de sua infalibilidade papal o que cabe e o que não cabe numa democracia.

– Arrogou-se o direito de decidir como devem agir os movimentos sociais e os legisladores para obterem legitimidade e “insinuou” que Orgulho Hetero é coisa de nazista.

– Apresentou seu ponto de vista ideológico do projeto de lei que instituía o Dia do Orgulho Heterossexual como se fosse A Verdade inquestionável.

– Terminou fazendo uma ameaça.

Eu perguntei:

Senão o quê? Qual é a ameaça? Quem diverge será bloqueado e terá suas postagens deletadas pela ousadia de não comungar com os excessos dos movimentos sociais? Tudo que os gays disserem tem que ser aceito como verdade revelada sem chance de questionamento caso contrário os infiéis sofrerão a fervura eterna no Chá do Bule?

Proféticas palavras.

Primeiro o Eli Vieira postou o seguinte comentário:

Reacionários são reacionários, não importa de onde vêm ou que alegações fazem em benefício próprio.

Pão pão, queijo queijo.

Depois ignorou uma série de perguntas e argumentos que apresentei e saiu-se com esta clara confirmação de que o tempo todo em que falou comigo partiu da falácia do pote envenenado:

Desculpe, mas quem fala em “ditadura gayzista” hoje no Brasil é reacionário sim. É uma coisa meio automática, sabe?

Boa sorte aí você e seu exército de um homem só.

Finalmente, quando fui responder a um comentário que me citava nominalmente, no dia 19/08/2011, eu descobri que havia sido bloqueado no Bule Voador: ao tentar responder a uma citação nominal que me foi feita, meus comentários sumiam ao serem postados.

No início não acreditei que a intolerância do Bule Voador pudesse chegar esse ponto, mas quando postei o mesmo comentário com outra identificação e o comentário foi imediatamente aprovado, ficou bem claro que não era a estrutura do comentário que tinha causado o bloqueio e sim a minha identificação.

E, para jogar uma pá de cal sobre qualquer dúvida que pudesse ter restado, o comentário que havia sido aprovado foi posteriormente deletado ao perceberem que era meu. Evidentemente, o Bule Voador não quer que seus demais leitores sejam informados de que eu fui bloqueado, nem que conheçam o meu ponto de vista nesta história.

Tanto quanto no Antigo Testamento, agora está claro que pela cartilha do Bule Voador não basta excomungar os hereges, é necessário queimar suas casas, matar seu gado e jogar sal em suas lavouras, para que nada possa nascer ali.

Conclusão

A menos que esteja lidando com trolls de internet, quem tem razão em um debate não precisa abusar do poder de moderação para calar o interlocutor. O Eli Vieira e outros membros do Bule Voador conhecem meu blog, me conhecem pessoalmente e sabem que não sou um troll de internet. Ao me bloquearem e deletarem meus comentários em função de meras divergências na avaliação da atuação dos movimentos sociais, eles mostram que o Bule Voador age do mesmo modo fundamentalista e intolerante que tanto criticam nas religiões que vêem seus dogmas irracionais questionados.

Que feio, Bule Voador. Que vergonha.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 21/08/2011

69 thoughts on “A seita fundamentalista do Bule Voador

  1. Pra quem chegou até aqui, favor ler o artigo seguinte: “como defender Direitos Humanos sem sectarismo”.

  2. Paulo Luiz Mendonça.

    17/09/2011 — 11:36

    O mistério das nossas vidas aqui na terra.
    Todos nós seres humanos sem nenhuma exceção, estamos envoltos em um grande mistério aqui neste planeta. O mistério continua a nos desafiar, não adianta a maioria da humanidade que seguem alguma religião dizer que tem certeza do motivo da nossa viajem aqui na terra.
    Desde os primórdios da raça humana tudo que se especulou sobre o mistério foram apenas suposições e teorias, verdade mesmo, provada, concreta, até o dia de hoje não existe nada.
    Não precisa ser nenhum gênio em inteligência para perceber, tudo que se diz com referencia a um Deus criador, são apenas teorias, pois o mistério continua no mesmo patamar. O que estamos fazendo aqui neste pontinho minúsculo do universo. A única coisa a qual podemos observar e que estamos aqui fazendo uma coisas que é essencial, ou seja, transportar nossos genes, tanto nós como todos os animais e plantas, as funções são as mesmas, perpetuar as espécies.
    Cada religião tem sua teoria, uma diz que estamos aqui para resgatar dividas de vidas passadas, outra diz que quando morrer iremos para um paraíso maravilhoso onde só há paz e tranqüilidade, enfim as esperanças são as mais variadas, mas até hoje ninguém voltou do tumulo para nos dizer como é o outro lado, portanto se não houve nenhum ser humano retornado da morte, não temos nenhuma prova concreta.
    A conclusão que posso tirar desta situação é que os viajantes deste planeta sabem apenas que estiveram aqui e partiram sem saber o porquê desta viagem. Um sentido figurado para demonstrar nossas vidas, imaginamos um trem de ferro correndo em uma ferrovia, quando o mesmo para em uma estação, muitos passageiros sobem outros descem e a viagem continua, na próxima estação a mesma coisas vários passageiros embarcando e outros desembarcando, assim vai seguindo de estação em estação, este trem pode-se dizer que é circular não tem uma estação final, o final é sempre para aqueles que desembarcam, o inicio é para aqueles que embarcam, podemos chamá-lo de trem da vida.
    Dentro deste comboio férreo onde os passageiros se comunicam entre si, discutem o significado da viagem, todos estão ali sem saber para onde vão e nem sabem em qual estação irão descer, daí surgem as mais variadas teorias. A grosso modo é igual a nossa viagem na terra, todos tem suas teorias , mas a verdade mesmo ninguém sabe, quando digo ninguém é ninguém mesmos, todos nós estamos no mesmo barco da incerteza, e a viagem continua uns nascem outros morrem, uns nascem e outros morrem. Isso se perpetuará para todo o sempre, não se esqueçam, tudo está sempre envolto no mais profundo mistério.
    Paulo Luiz Mendonça.

  3. O Caneco Avoado é um site GLS, feminista e abortista que apenas usa a capa de ateísmo para atrair retardos fanáticos para a militância dessas causas. São tão fanáticos quanto um muçulmano xiita. E fascistas pois defendem liberdade de uns e restrição da liberdade de outros. Ditadores que expulsam, xingam e fazem buylling com todos os ateus que postam qualquer comentário que contrarie os seus dogmas hedonistas. A tal de Liga dos Hedonistas Sensualistas é uma grande farsa.
    Pra representar os ateus (e não apenas 50% deles, os que concordam com a agenda gayanista: http://planetaateu.blogspot.com/2011/08/pesquisa-comprova-nao-acreditar-em-deus.html) eles teriam que conceder o espaço a todos os ateus postarem artigos os pró-gays e os contrários ao homossexualismo; aos feministas e aos não-feministas; aos abortistas e aos pró-vida; aos hedonistas e aos pró-família. E todos deveriam ser igualmente respeitados. Por isso mesmo não pode falar em nome dos ateus, pois não representa a todos os ateus, apenas a banda podre. Eles são uma seita proselitista antiteísta, anticristã, anti-eclesiasta e antirreligiosa. Não tem nada de ateísmo que é simplesmente ausência de crença em deuses.

    1. Damião, agora vais aprender que o inimigo do teu inimigo não é teu amigo.

      Li algumas coisas na porcaria do teu sitezinho homofóbico e visualmente poluído. Os argumentos ali expressos são do mesmo nível das atitudes do “Caneco Avoado”. A única diferença entre vocês é em que direção cada um devota sua intolerância. A distância que eu quero de cada um de vocês é a mesma: quanto mais longe, melhor. Ao contrário de um e de outro, eu sou um humanista sério, defensor radical dos Direitos Humanos.

      Está de bom tamanho?

  4. Um bule quebrado, como o fanatismo pode atingir o ateísmo – Nihil Lemos
    1. Valeu, Nihil. Vou reunir mais alguns destes depoimentos sobre o Bule Voador e organizar um índice para os interessados! 🙂

    2. E eu achando que meu caso era o unico… somos legião!

    3. Um bando de demônios, Gerson? 😛

    4. É tão bom fazer piada pra gente com cérebro… faz recuperar a esperança no ser humano 🙂 !

  5. Artur e Félix Maranganha, parabêns pela lucidez de ambos.

  6. Cheguei aqui através de um link no último post do blog do Nihil Lemos, que sempre acompanho. Eu já tinha acompanhado uma imbecilidade semelhante do tal Eli com o Nihil no Facebook, também pelo Nihil ter discordado de um ponto de vista. Esse Eli é sua LIHS estão enfiando os pés pelas mãos.

    1. Pois é… isso é algo que eu lamento imensamente. Fui a duas “tavernas céticas”, achei o evento interessante e promissor, mas sob o manto do ceticismo e da busca da racionalidade acabei descobrindo uma seita fundamentalista intolerante com dogmas políticos inquestionáveis… 🙁

      Volta sempre, Luiz, aqui o contraditório não é deletado e bloqueado devido à incapacidade argumentativa do autor do blog!

  7. Já salvei na barra de favoritos…. 😉

  8. [Comentário deletado a pedido do autor.]

  9. Gente, peço desculpas pelo último comentario, peço que apaguem pois postei no blog errado.

    Abraços.

    1. Resolvido, Italo.

  10. [Atualizado] Uma Verdadeira Ameaça ao Ceticismo: O Bule Voador | O Corvo
  11. Coisas estão a acontecer n´o Bule:

    http://bulevoador.haaan.com/2011/12/31205/

    Hmmmmmmm…

    1. “Não censuramos comentários minimamente educados, ainda que radicalmente contra o conteúdo de posts ou de outros comentários.”

      Isso é uma mentira deslavada.

      “Somos uma organização democrática, pluralista e racionalista.”

      Outra mentira que me fez gargalhar aqui.

      “(…) isso não significa que queiramos impor a quem quer que seja uma visão de mundo. Estamos abertos a críticas (…)”

      HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!!!!

      “prezamos pela liberdade de expressão, respeitamos às diferenças e o contraditório”

      NOOOOOOOOOOOOOOOOOOOSSA!!!! Agora querem competir com o Casseta & Planeta? 🙂

      .
      .
      .

      Mas tem um detalhe interessante ali: o Eli Vieira não assina o comunicado!

  12. Tambem notei. E a diretoria tambem mudou.

    Torço pra que eles se acertem. Mas ainda tenho minhas dúvidas.

    1. Que tipo de bicho normalmente nasce de um ovo encontrado em um ninho de serpentes?

  13. Eu resisti a aceitar, mas tenho que admitir que o bule já FOI um ótimo blog. Ultimamente (desde 2011, pra mim) tem sido difícil engolir o extremismo “pró-gay” deles. Não que eu tenha algo contra, tenho muitos amigos/amigas gays e quem me conhece sabe que não sou preconceituoso nem nada, mas o site perdeu o foco e muito da racionalidade que clamam possuir.

    1. Victor, os movimentos sociais feminista, negro e gay há muito tempo não são mais movimentos de defesa contra a opressão de pessoas estigmatizadas por sexo, cor e orientação sexual. Eles foram pervertidos – ou sua perversão interna aflorou – e se tornaram movimentos contra “o patriarcado”, “a supremacia branca”, “a heteronormatividade”.

      Eles não avançam mais em defesa de ninguém, porque salvo ações isoladas de reacionários brutais já não há contra o que defender alguém. O nosso sistema legal não confere um único direito a um homem que não confira a uma mulher, mas confere vários direitos às mulheres que não são extensivos aos homemns, não confere um único direito a um branco que não confira a um negro, mas confere vários direitos aos negros que não são extensivos aos brancos, e não confere um único direito a um heterossexual que não confira a um homossexual, mas o movimento gay está tentando obter alguns privilégios na esteira dos outros dois movimentos aliados. Enquanto isso, o artigo 5° da CF/88 e a DUDH vão para o lixo.

      O Bule Voador é apenas mais um reduto corrompido por esta tendência. Humanismo secular lá é manga de colete, eles não são nem humanistas, nem seculares, são uma seita fundamentalista que elegeu “nós e eles”, uns para acobertar mesmo quando culpados e outros para atacar mesmo quando inocentes. A irracionalidade e a intolerância tomaram conta do Bule Voador.

  14. Estive relendo o post do Bule Voador indicado pelo Gerson B logo acima e só posso dizer que fico extremamente feliz de ter sido sacaneado e ofendido tão rapidamente, antes que eu tivesse estreitado laços de amizade naquele ambiente.

    Já foi ruim o suficiente a decepção que eu sofri após uma aproximação apenas inicial, baseada na expectativa de ter “encontrado minha turma”, então imagino como teria sido demolidor se eu tivesse me envolvido afetivamente com o grupo. Tive muita sorte.

  15. Arthur, acabei de citar o Pensar Não Doi no Bule Voador:
    http://bulevoador.haaan.com/2012/02/32641/comment-page-2/#comment-39130
    às 07:48 de hoje. Foi en passant, mas foram escritas coisas que pareceram uma referência a este espaço. Posso estar errado, claro.

    1. Admirável tua paciência de continuar tentando extrair leite de pedra, Gerson.

      Não sei se a referência era a mim, mas não me surpreenderia se fosse e não me incomodaria também. O Eli Vieira me fez um grande favor ao mostrar logo que tipo de pessoa é e assim tornar-se irrelevante para mim de modo tão rápido, consistente e definitivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *