O verdadeiro mal não é aquele que nos faz sentir medo ou indignação, que provoca uma forte reação e que rejeitamos sem qualquer dúvida. O verdadeiro mal é aquele que nos tenta com uma barganha conveniente, que não provoca mais que uma breve dúvida ou um leve desconforto e que abraçamos porque decidimos que o preço a pagar é barato – o que nunca é verdade.

Uma vez eu vi um filme em que dois jornalistas homens disputavam o afeto de uma colega. Como sói acontecer com as mulheres, ela preferiu o canalha.

O cara bonzinho, ao descobrir que a moça estava inclinada a ficar com o outro, deu um piti daqueles e disse com todas as letras que o tal sujeito era um mau caráter.

Ela discordou. Disse que o sujeito “não era tão mau assim”. E aí o cara bonzinho disse uma coisa que me marcou profundamente e que provavelmente mudou minha percepção de mundo e minha vida.

Não me lembro das palavras, mas me lembro muito bem do conceito:

O mal não chega até nós com um rosto ameaçador, fedendo a enxofre, agindo de modo repugnante. Se fosse assim, nós o identificaríamos com facilidade e prontamente nos afastaríamos dele.

O mal chega até nós com um sorriso simpático, oferecendo algo agradável que nos seduz, cobrando em troca “apenas” que baixemos os nossos padrões só um pouquinho.

O motorista de táxi oferece cobrar um valor que sabemos ser menor que a média para um determinado trajeto, desde que com o taxímetro desligado.

O médico oferece um desconto razoável na consulta, desde que não precise fornecer recibo.

O policial oferece não aplicar a multa, desde que colaboremos com a “caixinha do cafezinho”.

O problema é que qualquer uma destas pequenas economias nunca é somente uma pequena economia, é também um rebaixamento dos nossos padrões éticos só um pouquinho.

Um pouquinho ontem, um pouquinho hoje, um pouquinho amanhã.

De pouquinho em pouquinho, tornamo-nos uma nação que cultua a Lei de Gerson, a maioria querendo levar vantagem em tudo, fingindo indignação quando vê os “espertos” se darem bem, invejando entretanto o sucesso deles.

Obviamente, sempre há uma justificativa para a queda do padrão. “Eu bem que gostaria que isso fosse diferente, porém, se eu não fizer, outro fará.”

E é assim, de pouquinho em pouquinho e sempre com uma justificativa “razoável”, que vamos ladrilhando com boas intenções – ou nem tão boas assim – o caminho para o (inferno) atoleiro ético em que se encontram a cultura, a política e a economia no Brasil e na maior parte do mundo.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 23/08/2011

34 thoughts on “A verdadeira face do mal

    1. Ufa! 🙂

      Eu já estava com medo de perder a leitora depois de ter bancado o cabeça-dura no artigo sobre a Rede Globo…

  1. Joaquim Salles

    23/08/2011 — 02:22

    Olá Arthur

    A frase “Como sói acontecer com as mulheres,” ta correta?
    Um palpite – logo pode ser besteira – parece que você não terminou o texto, apenas acabou. O inicio ta muito bom

    abraços

    1. 1. Sobre a frase “como sói acontecer com as mulheres”:

      Sim, a frase está correta. Dizer “como sói acontecer” significa “como é costume acontecer”. O verbo soer é de uso arcaico ou erudito, tendo praticamente desaparecido no linguajar coloquial brasileiro, mas em minha família – por algum motivo que ninguém sabe – é de uso corriqueiro.

      Segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa:

      soer |ê|
      (latim soleo, -ere)
      v. tr. e intr.
      1. [Pouco usado] Ter por costume; ser frequente. = COSTUMAR
      como sói: como é costume.

      Fonte: http://www.priberam.pt/dlpo/dlpo.aspx?pal=soer

      Encontrei também esta interessante explicação:

      “O verbo soer, sinónimo de costumar ou ser frequente, é actualmente de uso raro na língua, conjugando-se principalmente nas terceiras pessoas do presente (sói, soem) e do pretérito imperfeito (soía, soíam) do indicativo.

      Pesquisas em corpora e em motores de busca revelam uma frequência mais elevada deste verbo nos séculos XV e XVI, nomeadamente em obras de autores como Fernão Lopes, Garcia de Resende, Bernardim Ribeiro, João de Barros ou Luís de Camões, ocorrendo em construções transitivas, sobretudo com orações infinitivas (ex.: que reis e duques soíam temer), e intransitivas (ex.: e ali folgou o rei mais do que soía; que os navios fossem e voltassem como soíam).

      Presentemente, o emprego do verbo soer é essencialmente erudito, recaindo maioritariamente em construções com orações infinitivas como complemento directo (ex.: um filme alternativo, como sói dizer-se; a figura do professor, que soía ser uma referência, tem vindo a esbater-se) ou como sujeito (ex.: soía fazer frio no Inverno, mas agora nem as aves migram).

      Cláudia Pinto, 14-Mar-2007″

      Fonte: http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica.aspx?DID=1987

      2. Sobre o final do texto:

      De fato, reli o texto e fiquei com a mesma impressão, além de achar que citar só as “boas intenções” e ter removido as “nem tão boas assim” na última edição do texto acabou introduzindo uma certa inconsistência no argumento.

      Fiz as seguintes alterações:

      – Recoloquei um “obviamente” que havia sido removido na última edição, por motivos estéticos.

      – Recoloquei um trecho entre travessões que eu havia suprimido em função da consistência lógica.

      – Quebrei o último parágrafo em dois, para efeito de ritmo de leitura.

      – Acrescentei uma oração explicativa no início do último parágrafo, entre a primeira e a segunda vírgulas, tanto por estética textual quanto para evitar que o leitor tenha que recordar ou recalcular o que é o “assim”, quebrando o ritmo de leitura bem na conclusão.

      Melhorou?

  2. Manga-Larga

    23/08/2011 — 09:57

    Pra maioria dos brasileiros, corrupção é uma coisa que os políticos fazem lá em Brasília.

    1. É, o mesmo cara que reclama da roubalheira dos outros chega em casa todo orgulhoso contando como foi esperto porque viu que o cobrador do ônibus devolveu um Real a mais no troco e embolsou a grana. Não é mole.

  3. A hipocrisia humana chega a ser engraçada. Um antigo professor de máquinas elétricas vivia indignadinho com os corruptos, mas certa vez ele presidiu uma banca de concurso para professor e teve a atuação mais nojenta que eu já fiquei sabendo em concursos do tipo, deixou constrangidos os demais membros da banca.

    1. Fiquei curioso pra saber o que ele fez. 🙂

    2. Entre diversas coisas, o mais grave (em relação aos demais membros da banca) era o fato de, enquanto todo mundo dava as notas usuais (7,75, 8,35, 8,55, etc.), ele lascava 10 para o candidato de sua preferência e 8 para todos os demais.

    3. Bá, já vi isso acontecer. É realmente um acinte.

  4. Joaquim Salles

    23/08/2011 — 11:33

    Olá Arthur

    Quem disse que a gente nunca pode aprender? Aprendi mais uma sobre o verbo “soer”, legal “:)”

    Acho – minha opinião – que ficou melhor o texto.

    Lendo e relendo o texto novamente, não sei por que motivo, fez-me lembrar da “broken windows theory” (teoria das janelas quebradas) ver http://www.jefersonbotelho.com.br/2009/08/15/teoria-das-janelas-quebradas-a-desordem-e-a-criminalidade/ ou http://jus.uol.com.br/revista/texto/3730/janelas-quebradas-tolerancia-zero-e-criminalidade. Pode ser que essa pequena redução moral esteja dentro do contexto da teoria. Qual a sua opinião?

    Abraços

    1. Que bom que gostaste das mudanças. 🙂

      Sobre a Teoria das janelas Quebradas, eu já escrevi um artigo detalhando minha posição: http://arthur.bio.br/2010/08/31/seguranca/tolerancia-zero-e-a-teoria-das-janelas-quebradas Dá uma olhadinha lá. 😉

  5. Como sói acontecer com as mulheres, ela preferiu o canalha.
    (Arthur)

    Lamento te informar que homens e mulheres são iguais,neste particular.

    E penso que não se deve generalizar,já que sabemos o que estamos fazendo.

    Porque ao agir assim estamos ajudando aquele “mito” feio que é a guerra entre homens e mulheres.

    No meu círculo de amigos,e de familiares,homens e mulheres são pacíficos.

    Conheço alguns homens e algumas mulheres que radicalizam tudo,mas também conheço pessoas doentes e pessoas que se cuidam para não adoecer,rs.

    Como feminista,do tempo da da pedra lascada,eu não poderia deixar de te dizer isso.

    Sei que não tens a intenção de jogar pessoas umas contra outras,só que às vezes a gente erra,mesmo quando quer acertar.

    Eu sei disso por experiência própria,e dolorosa.

    Tiveste uma má experiência com as mulheres,eu lamento.

    Eu também tive relacionamentos que me marcaram profundamente,e definitivamente.
    Vejo o bem e o mal andarem
    pari passu,e para minha alegria tenho encontrado mais gente boa,íntegra,generosa,justa.

    Eu sou feminista,não dessas que desfilam com bandeiras rasgadas e bolorentas,com palavras de ordem gastas pelo tempo,mas daquelas que morreram para que eu possa ser a mulher livre e independente que sou.

    Por minha causa,minha filha também é livre e independente,tem marido amado e filhos.

    Enquanto existir uma única mulher amordaçada no planeta.
    Enquanto existir sociedade que mata,mutila e desqualifica a mulher,por ela ser mulher…..eu serei feminista assumida.

    Enquanto existir um único homem no planeta que negue minha história de mulher,eu serei feminista…….porque as mulheres ainda irão precisar de minha voz,de minha coragem e de tudo que sei contar sobre minha jornada até aqui.

    Uma história que não é só minha,mas que vem de geração após geração,passando por bisavós,avós,mães,filhas,netas…

    Eu conto essa história porque ela não é só minha…ela pertence também aos homens maravilhosos que nos ajudaram e ajudam…com carinho,amizade,proteção,respeito,dignidade,justiça,amor.

    Sou imensamente grata a esses homens,são eles os nossos faroleiros,sem eles jamais teríamos chegado tão longe.

    Eu,particularmente, estou cercada desses anjos.

    Te peço,amorosamente, que tentes entender,me entender.

    Essa é só uma reflexão que ouso fazer,no teu espaço.

    1. Em não tive “má experiência com as mulheres”, Lia.

      Eu tive péssima experiência com o feminismo sempre que me aproximei de feministas ou que feministas se aproximaram de mim. E mesmo quando, à distãncia, feministas interefriram direta ou indiretamente em minha vida, nunca veio algo de positivo.

      O que eu tenho a te dizer sobre o movimento feminista tu já leste várias vezes da minha pena: se no início ele era justo porque a busca de direitos para as mulheres era uma busca de direitos iguais, isso em nada – absolutamente nada – muda o fato de que a luta das feministas nunca foi por igualdade e sim por dieitos para as mulheres.

      Quando as mulheres tinham menos direitos que os homens, essa luta era justa. Agora as mulheres possuem muito mais direitos que os homens e as feministas continuam pressionando para tirar até a última gota de sangue dos homens.

      Eu sou homem, eu estou sendo prejudicado por este movimento sectário, eu luto por igualdade e não tenho mais paciência para ver defesas ingênuas de um movimento que faz todo esforço possível para me transformar em um cidadão de segunda classe. O fato de tu assumires esse rótulo e seres uma pessoa que eu reconheço ser bem intencionada e verdadeiramente comprometida com belos ideais não faz do feminismo real um espelho da tua visão de mundo.

      Espera o artigo com a análise da Lei Maria da Penha para veres as conseqüências práticas e reais da atuação do movimento feminista prático e real.

  6. Somos todos humanos,cheios de falhas.

    Estamos num processo evolutivo,
    lento e constante.

    São pessoas que erram.

    Eu também me sinto atingida,como mulher,pelas palavras terríveis que muitos homens usam em relação as mulheres.

    Me ofendem,me humilham,me envergonham.
    E mesmo assim,JAMAIS direi que todos os homens são canalhas,estúpidos e de péssimo caráter….porque sei que não são.

    Eu tenho tentado mostrar a história das mulheres,na esperança de que vejam a diferença entre “ondas” de um mesmo movimento,em vão.

    No entanto,os homens não passam sem uma mulher,mesmo que seja a MÃE.

    O bom é que independente de qualquer radicalismo,e eles existem em ambos os lados,homens e mulheres não deixam de se amar por isso,rs.

    Eu amei profundamente os homens que passaram pela minha vida,pessoas iluminadas que me ensinaram muito,e que ainda ensinam.

    Tenho a sorte de ter muitos homens ao meu redor,todos comprometidos com sua evolução
    espiritual e humana.

    Procuro ter uma visão realista da vida.
    Procuro ser assertiva,coerente.
    Mesmo sabendo que durante a caminhada vou cair mil vezes,e mil vezes irei me levantar….com a ajuda daqueles que conseguem me amar de verdade.

    A minha alegria é saber que não existe ninguém perfeito sobre a terra,mas seres que duramente buscam um aprendizado que muitas vezes não conseguem,mas tentam.

    1. Lia, olha pro teu discurso. Tu estás discursando sobre a bondade e a ética enquanto as feministas organizadas estão lutando para obter privilégios legais que tornam o homem um cidadão de segunda classe perante a mulher. Quem apóia a redação sexista da LMP, por exemplo, simplesmente não entende ou entende e pretende se beneficiar da tremenda ditadura sexista que ela impõe.

      Um cara pega a mulher na própria cama com outro. Muito “civilizadamente”, ele apenas decide se separar. Sai com os amigos para encher a cara num bar e conta que vai se separar. Os amigos perguntam o motivo e ele conta: “peguei minha mulher com outro na cama”. Quarenta e oito horas depois, ele pode ser afastado de casa e responder processo por “violência contra a mulher”.

      Quem acha que isso é impossível porque “viola o bom senso” deve dividir o aluguel de uma kitnet com a Alice, lá no País das Maravilhas. No Brasil já teve mãe que ficou dois anos presa e perdeu a guarda do filho porque roubou um pote de margarina de um supermercado. Basta pegar uma juíza feminazi e o desgraçado é capaz de ir preso por ter a ousadia de não se deitar na sarjeta para a mulher pisar em cima e passar.

      Acorda, Lia. Levanta a bandeira dos Direitos Humanos universais, inerentes, inalienáveis, iguais para todos os membros da família humana. O feminismo não tem interesse nenhum nisso.

  7. Estou com a Li em todas suas colocacoes, apesar de nao ter tido a mesma sorte de amar somente homens bons e generosos. Ainda assim acredito nos homens em me sinto privilegiada por poder interagir com os que conheco.
    Se ficasse ruminando obscessivamente um mau relacionamento ou ma’ experiencia eu estaria me privando de meu proprio futuro e, por conseguinte, de meu presente. Eua trancaria a minha propria vida.
    Foi desagradavel? Deixar passar, desencana, esquece. Nao percas ou teu tempo e energia com quem nao merece!!

    1. E quem é que está falando de maus relacionamentos, Paulinha? Eu não estou. Eu não chego nem perto de feministas, que dirá partilhar minha intimidade com um bicho pernicioso desses.

      Pra variar, escrevi uma história tão longa pra te responder que vai virar artigo. 🙂 Aguarda a história da feminista na pizzaria.

  8. E’, mas eu acho que na verdade tambem seja feminista. Nao sou feminista xiita. Teria sido se tivesse a idade de minha mae.
    Por isso concordo com Li.
    E tb contigo; prefiro distancia de machistas e feministas xiitas.
    Prefiro distancia de xiitas.

    1. Tá publicado o artigo. O título é “o legado de Valerie Solanas”.

  9. Só para que não paire alguma dúvida,rs.

    Feminismo:movimento que preconiza
    a ampliação legal dos direitos
    civis e políticos da mulher,ou a equiparação dos seus direitos aos dos homens= FEMINISMO.

    Como em todo movimento,existem os radicais.
    Essas mulheres me dão orgulho e fazem de mim o que sou e o que serei,com a lembrança de sua coragem e ousadia,e nem todas levantaram bandeiras.Apenas tiveram a coragem de enfrentar um mundo que não as queria ver.

    As mulheres de minha família.
    Ana Neri-
    Anita Garabaldi…
    Leila Diniz
    Jovita Feitosa
    Antonietta de Barros
    Lili Lages
    Maria Luíza Bittencourt
    Ivete Vargas
    Eunice Michiles
    Júnia Marise
    Ada Rogato
    Fernanada Herbella
    Lúcia Stefanovich
    Myrthes Gomes de Campos
    Maria Leopoldina
    Chiquinha Gonzaga
    Rita Lobato Velho
    Deolinda Daltro
    Alzira Soriano de Souza
    Maria Lenk
    Carlota Pereira de Queiroz
    Raquel de Queiroz
    Celina Viana dos Guimarães
    Conceição da Costa Neves
    Maria da Penha……….que teve que recorrer a uma Corte Internacional,para que seu marido fosse punido,pelas vezes em que atentou contra sua vida e NÃO FOI PUNIDO.

    E todas que ainda hoje são mortas,violadas,mutiladas pelos parceiro.

    É por isso que sou feminista,sem bandeira,sem alarde,apenas com a condição que Deus me deu: Mulher.
    Adoro homem,tenho um orgulho imenso em ser mulher,rs.

    1. “Feminismo:movimento que preconiza
      a ampliação legal dos direitos
      civis e políticos da mulher,ou a equiparação dos seus direitos aos dos homens= FEMINISMO.”

      Ah, claro. Tiveram a chance de escrever uma lei para proteger todo mundo da violência doméstica e fizeram questão de proteger só as mulheres, alegando na cara-dura que “homem não precisa de proteção porque é mais forte”, mas se o homem usar de força física para se defender pode ser alvo de “medidas protetivas” antes de poder provar que estava só se defendendo… e dizem que luatm pela “igualdade”.

      Acorda, Lia. Aqui é o Brasil, não é o País das Maravilhas da Alice. Teu discurso fazia sentido quando as mulheres tinham menos direitos que os homens, mas hoje elas tem mais direitos que os homens e as feministas continuam querendo mais e mais privilégios legais.

      Isso não é luta pela igualdade há muito tempo, é mera luta pela hegemonia política. E estão usando uma parte da população como bode espiatório com critérios sexistas e racistas (homem branco heterossexual = demônio a ser exorcizado).

  10. Grata,Paula!

    Porque sofremos na pele o radicalismo dos homens,que ainda existe,é que me declaro
    herdeira de um movimento tão importante em minha vida.

    Sem ele eu não estaria aqui,escrevendo essas coisas.
    Sem ele eu não poderia ter tirado a roupa na “colina do sol”.
    Sem ele minha família teria me obrigado a fazer um aborto,ou a dar minha filha.
    Sem ele eu não saberia o que é ter orgasmo,rs.
    Sem esse movimento eu não teria tudo que tenho.

    1. E eu, porque sofro na pele o radicalismo das feministas, que me escolheram para bode espiatório em sua luta pela hegemonia política com critérios racistas e sexistas, vou lutar por Direitos Humanos e contra as terríveis distorções que esse movimento mal intencionado e suas inocentes úteis sonhadoras estão provocando na causa dos Direitos Humanos.

  11. Li, Ivete Vargas?

  12. Sim,peguei de uma lista de mulheres que fizeram história.

    Ivete foi Deputada Federal em 1950,e cassada em 68.
    Lutou pela anistia e ajudou a refazer o PTB.

  13. Obrigado. Agora entendo. Não conheço todas na lista, mas não a colocaria entre as pessoas que admiro.

    O fato dela ter tido o apoio do Golbery e do PTB ter sido concebido para neutralizar o Brizola e isolar o PMDB (o PDT e o PT não estavam nos planos) não consta dessa lista, consta?

  14. Gerson,é uma lista de pioneiras.

    Também não gostei do que ela fez com o Brizola.

    1. Não gostaste do que ela fez e mesmo assim a defendes só porque ela é mulher. E não achas que és sectária, né?

  15. arthur, eu acho que teus argumentos neste setor de teu blog estao apelativos. sao de uma intolerancia quase irritante. e nao invalidam o texto que os antecede, apesar de aparentemente terem este objetivo. desculpe a franqueza, mas eu acho que e’ importante estar aberto para ideias divergentes da nossa.

    ninguem nunca vai ser unanimidade.

    eu tb discordo com muitos atos de muitos que admiro. isso nao faz eu diminuir minha admiracao pelas coisas importantes que fizeram, e que, como Li mencionou, me dao a chance de exercer meu papel na sociedade.

    1. Tens certeza que publicaste este comentário no lugar certo, Paulinha? Porque eu até esperava um comentário do gênero em algumas de minhas postagens sobre o feminismo, mas não em uma postagem sobre ética.

      Ou estás comentando os meus comentários sobre os comentários da Li? Se for esse o caso, eu reitero meu comentário anterior:

      “E eu, porque sofro na pele o radicalismo das feministas, que me escolheram para bode espiatório em sua luta pela hegemonia política com critérios racistas e sexistas, vou lutar por Direitos Humanos e contra as terríveis distorções que esse movimento mal intencionado e suas inocentes úteis sonhadoras estão provocando na causa dos Direitos Humanos.”

      Minha posição está bem clara: eu não sou intolerante a não ser contra a intolerância, porque tolerar a intolerância implica ser conivente com a destruição da tolerância.

      E não é porque tem gente bem intencionada que ainda não acordou para os terríveis excessos que certos movimentos sociais estão impondo que eu tenho que fazer de conta que não me importo com o que eles estão fazendo e aceitar mansa e pacificamente seus abusos só para não incomodar os inocentes úteis, tadinhos.

      I HAVE A DREAM, e este sonho é um sonho de igualdade, de respeito mútuo, de fraternidade, em que cada ser humano assume a responsabilidade pelo bem estar de cada outro ser humano na face da Terra. Se, no meio do caminho, eu tiver que esbarrar em quem está construindo desigualdade, em quem não respeita os outros, em quem vê o outro como inimigo e não como irmão, em quem só quer saber de seus problemas e não se importa em destruir o bem estar do outro para se satisfazer, bem… lamento muito, mas tudo isso é exatamente o que eu combato, não posso mudar de idéia porque alguns inocentes úteis se apaixonam por movimentos sociais que fingem promover mas não promovem as idéias em que acredito.

      Sou apelativo e intolerante por isso?

      E, quanto a estar aberto a idéias divergentes, eu sempre estou… é por isso que eu vivo rodeado de malucos… mas isso não quer dizer que eu tenha que aceitar numa boa as idéias e as práticas que causam danos às pessoas, á liberdade, á igualdade, à fraternidade, à justiça, à sustentabilidade do planeta e às outras coisas que defendo.

      Eu não sou daqueles “politicamente corretos” que diz que “todo mundo tem a sua verdade”. Quem espera isso de mim pode ir puxando o banquinho e sentar, porque vai cansar. O cara que me diz que dois e dois são cinco está errado e ninguém vai me convencer a “respeitar a opinião dele”.

      Quem me criticar por isso vai ter que responder o seguinte: ué, mas por que eu tenho que respeitar a verdade do outro e você não respeita a minha verdade de negar a verdade do outro?

      Se todas as “verdades” são válidas, então nenhuma “verdade” é válida.

      Podemos até discutir os critérios para chegar à verdade ou para nos guiarmos enquanto não chegamos a um consenso sobre a verdade, mas não podemos aceitar que “verdades” incompatíveis são igualmente válidas, sob pena de nada mais fazer sentido e de ter que resolver todas as divergências através do uso da força.

  16. Arthur, eu nao sei porque tu achas que es perseguido por feministas. Ate’ onde eu perceba, tu persegues aquelas tanto qto elas te perseguem. Ha’ mencoes sobre blogs alheios de parte a parte. Esta discussao parece mais uma ruminacao. Como tal, nao vai levar a nada. E’ por isso que eu opto por nao continuar o bate-boca gratuito.

    A mim nao interessa quem, quando, como. O passado passou. E com ele, AINDA BEM, algumas coisas inaceitaveis que eram esparadas da mulher.

    Da’ uma olhadinha neste texto de 1955: http://1.bp.blogspot.com/-oq8t3OEg3Lc/TdsuTayOqRI/AAAAAAAAAZE/FE27D4lj0mk/s1600/Goodwifeguide.jpg

    Se mulheres se revoltaram e lutaram para que esta realidade mudasse e eu HOJE posso escolher carreira, lugar para morar, etc, eu as admiro. Simples assim. E se alguem chegar aqui e disser que tudo vai ser como antes, que a religiao muculmana vai dominar o mundo e eu vou ser obrigada a andar por ai vestida com uma Burca senao levo chumbo ou sou apedrejada ou enforcada em praca publica, eu vou ficar louca da vida sim.

    1. Por que eu “acho”, não, Paulinha. Se bem prestares atenção ao texto sobre Valerie Solanas, verás que eu já estive do lado de lá da cerca. A minha nova atitude perante o feminismo é resultado exclusivo de mais de duas décadas de observação e análise cuidadosa.

      Se o feminismo já foi importante para garantir dignidade e igualdade de direitos para a mulher, hoje este movimento não trata mais disso. Pelo menos não no Brasil, com certeza.

      Rigorosamente 100% dos direitos que um homem tem no Brasil são partilhados com as mulheres. Eu disse 100%. Não há uma única exceção. Mas o inverso não é verdadeiro, nem de longe. As mulheres possuem muito mais direitos que os homens hoje. E as feministas estão com as garras afiadas em busca de mais, mais e mais. (
      Aliás, eu já provei isso no artigo “os movimentos sociais feminista, negro e gay não defendem direitos humanos”.)

      Se algum dia o feminismo lutou por igualdade, isso faz parte de um passado distante. Hoje em dia o feminismo luta por privilégios injustificáveis, utilizando argumentações falaciosas e pervertendo a causa dos Direitos Humanos, demonstrando um revanchismo ressentido e pernicioso.

  17. Em todos ose lugares “modernos” do planeta a mulher ainda recebe honorarios inferiores do que o homem para desempenhar a mesma atividade.

    Pessoas publicas do sexo masculino no brasil sao chamados pelo seu sobrenome, ou que da’ o espaco adequado. Mulher e’ do povo e chamada pelo primeiro nome. Ou mesmo vale para advogadas, engenheiras, médicas, dentistas, etc.

    E’ o Sr. Lucas num ambiente oficial, mas no mesmo lugar e’ a Paula. No maximo, a Dra. Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *