O que quer que você faça,
Em qualquer lugar onde esteja,
Olhe para o seu estado mental.
Manter continuamente a consciência atenta
Para realizar benefício aos outros
É a prática de um bodhisattva.

Pronto. Isso é tudo que você precisa saber.

A mania de decorar detalhes é prejudicial.

Decoreba de preceitos não desenvolve a sabedoria.

Nenhum “manual de instruções para a vida” foi, é ou será detalhado o bastante.

Você tem que assumir a completa responsabilidade, ou morrer tentando.

Caso contrário, meu caro, você já está morto, só não percebeu isso ainda.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 09/09/2011

.

.

.

Explicação para quem não conhece o termo:

Bodhisattvas são seres de sabedoria elevada, que seguem uma prática espiritual que visa remover obstáculos e beneficiar todos os demais seres sencientes. O estado de bodhisattva é o último estágio de desenvolvimento espiritual antes da completa iluminação.

Três pessoas estão andando por um deserto e encontram um muro alto à frente. Elas se aproximam e circulam o muro, mas não há qualquer porta ou entrada. Uma sobe nos ombros das outras, olha sobre o muro, grita de alegria e pula para dentro. A segunda pessoa, em seguida, sobe e faz o mesmo. A terceira então sobe o muro sozinha, com grande esforço, sem que ninguém a ajude, e vê um belíssimo jardim. Ele tem água fresca, árvores, frutos, etc. Mas, ao invés de saltar para o jardim, a terceira pessoa salta de volta para o deserto e procura andarilhos do deserto para falar sobre o jardim e como encontrá-lo. A terceira pessoa é o bodhisattva.

(Adaptado de Os Três Votos)

– Você é um bodhisattva?

 

12 thoughts on “As trinta e sete práticas de um bodhisattva

  1. Prefiro chamar o bodissátiva (relaxe, eu aportugueso indiscriminadamente) de “Cabra-de-Pêia”, o famoso Sangue-Bom, Moral, Legalzão, Boa-Praça… Vejo o bodissátiva como alguém que sabe que todo mundo é um buda, e assume a função de fazer as pessoas se aperceberem disso.

    1. Putzgrila… se é pra aportuguesar, entre “bodissátiva” e “bodisatva” eu preferiria a segunda… Até pra não dar margem a trocadilhos como Bodi sativa, a “iluminação cultivada”. 😛

      Mas na real o bodisatva é um guia, mesmo. E, para poder ser um bom guia, ele precisa conhecer o caminho. E, pra mostrar que ele conhece o caminho, ele precisa provar isso com sua realização – ou seja, seu comportamento cotidiano precisa refletir sua elevação espiritual.

      Por isso que eu digo: não entre no consultório de um nutricionista gordo, de um pneumologista fumante, de um psicólogo neurótico; não contrate um professor que só distribui seminários, um mecânico cujo carro é todo enjambrado, um pedreiro que não tem seus próprios prumo e esquadro; não namore uma mulher que fofoque que o ex brochava, não vote em um político de um partido envolvido em vários episódios de corrupção, não trabalhe para um cara que trai a esposa. Na boa, aonde essas pessoas podem te levar? Qual é o caminho que elas conhecem e trilham? Quem vai para o sul pode te guiar para o norte?

  2. Muito bom, Dog. Nós adoramos complicar o que é simples, multiplicar o que é unitário, turvar o que é cristalino.

    1. Oi, Fernanda! Que bom te ver por aqui. A isca foi saborosa? 🙂

      De fato, eu acho interessante a lógica do budismo numerar um monte de ensinamentos: as Quatro Nobres Verdades, o Nobre Caminho Óctuplo, os quatro pensamentos imensuráveis, as seis perfeições, porque isso é mnemônico… mas me parece que em algum ponto do caminho a idéia de facilitar o aprendizado se perdeu e o que era diático passou a ser contábil, complicando o que deveria ser mantido simples.

      Deveríamos adotar uma “navalha de Occam Espiritual”, não achas?

  3. Manga-Larga

    09/09/2011 — 11:14

    Sou mais Cannabis Sativa

    1. Um dos 84.235.583.924.673.123.840 preceitos do budismo é não fazer uso de substâncias embriagadoras, porque elas nublam a percepção.

      Por outro lado, há religiões que dizem que certas plantas de poder possuem a propriedade de gerar estados alterados de consciência que permitem atingir insights poderosos que permitem compreender aspectos ocultos da realidade.

      Tem gente que pratica a meditação budista sob efeito de alguma destas plantas de poder em busca de insights, mas depois re-medita sobre estes insights em estado de sobriedade para poder avaliá-los na plenitude da lucidez.

      Mas isso tudo não tem nada a ver com fumar um baseado para relaxar ou para curtir com os amigos: “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”, só para cometer um clichê.

  4. O bodhisattva pode ser uma pessoa muita chata. Esta história me lembrou de fanáticos religiosos que acham que encontraram o seu paraíso na sua religião e vão atrás de novas pessoas dizendo que aquele é o único caminho para o paraíso.

    1. O bodhisattva não é um cara que “acha” que encontrou alguma coisa. Ele fez um esforço, foi lá, viu, experimentou, sabe como ir até lá e oferece o mapa para quem quer ir também até o local onde ele já esteve.

  5. Bodi sativa, a “iluminação cultivada”?

    HHUAUAUAUAUuHAuhahauUHAUHAUUAhAuhauAhuAHUHAUAUHAuuaUHUAH!!!

    1. A diferença que faz um espacinho… 🙂

  6. Tscupaê, mas falou em Bodisatva e eu só lembro do Steely Dan…

    1. Qual é a ligação???????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *