Entre rir e chorar por causa da estupidez humana, eu optei pela primeira alternativa porque não quis correr o risco de morrer de desidratação severa todos os dias após o jornal. Pois hoje alguém postou num fórum de debates uma notícia antiga que me fez chorar de tanto rir. Trata-se de mais um episódio hilariante da tragicomédia da (des)educação no Brasil.

Os conceitos

O Método Paulo Freire é uma daquelas metodologias que, se aplicadas com zelo pela técnica, aumenta muito a eficácia da alfabetização, porque se utiliza de elementos que são tomados da realidade do estudante e por isso são facilmente reconhecidos por ele, ao contrário das apostilas que usam “Girafa” como exemplo para a apresentação da letra “G”.

“O processo proposto por Paulo Freire inicia-se pelo levantamento do universo vocabular dos alunos. Através de conversas informais, o educador observa os vocábulos mais usados pelos alunos e a comunidade, e assim seleciona as palavras que servirão de base para as lições. A quantidade de palavras geradoras pode variar entre 18 a 23 palavras, aproximadamente. Depois de composto o universo das palavras geradoras, elas são apresentadas em cartazes com imagens. Então, nos círculos de cultura inicia-se uma discussão para significá-las na realidade daquela turma.”

“Um ponto fundamental do método é a discussão sobre os diversos temas surgidos a partir das palavras geradoras. Para Paulo Freire, alfabetizar não pode se restringir aos processos de codificação e decodificação. Dessa forma, o objetivo da alfabetização de adultos é promover a conscientização acerca dos problemas cotidianos, a compreensão do mundo e o conhecimento da realidade social.”

Fonte: Wikipédia.

Obviamente o método é completamente distorcido pela maior parte dos seus aplicadores, que aproveitam a idéia de “promover a conscientização” para “promover a doutrinação” segundo o ideário marxista, mas esse não é o foco agora.

Pelo contrário, eu trago um excelente exemplo de aplicação correta do Método Paulo Freire, que no entanto deu errado pela incapacidade de leitura da realidade de indivíduos não diretamente envolvidos porém interferentes no processo de ensino.

A aplicação dos conceitos

Esta é uma prova de matemática apresentada a alunos de uma região com alto índice de criminalidade, onde o tráfico de drogas é uma atividade absolutamente ubíqua:

1) Zaroio tem um fuzil AK-47 com carregador de 80 balas. Em cada rajada ele gasta 13 balas. Quantas rajadas poderá disparar?

2) Biroska comprou 10 gramas de coca pura que misturou com bicarbonato na proporção de 4 partes de pó para 6 de bicarbonato. A seguir, vendeu 6 gramas desta mistura ao Cascudo por R$ 150 e 16 gramas ao Chinfra por R$ 40 a grama. Então:

a) Quem é que comprou mais barato? Cascudo ou Chinfra?
b) Quantos gramas de mistura o Biroska preparou?
c) Quanto de cocaína contém essa mistura?

3) Jamanta comprou 200 gramas de heroína que pretende revender com um lucro de 20% graças ao “batismo” com pó de giz. Qual é a quantidade de giz que ele terá que colocar?

4) Rojão é cafetão na Praça Mauá e tem 3 prostitutas que trabalham para ele. Cada uma cobra R$ 35, dos quais R$ 20 são entregues a Rojão. Quantos clientes terá que atender cada prostituta para poder comprar a sua dose diária de crack no valor de R$ 150?

5) Chaveta recebe R$ 500 por cada BMW roubado, R$ 125 por carro japonês e R$ 250 por 4X4. Como já puxou 2 BMW e 3 4X4, quantos carros japoneses terá que roubar para receber R$ 2.000?

6) Pipoco está na prisão por assassinato pelo qual recebeu o equivalente a R$ 5.000. A mulher dele gasta R$ 50,00 por mês. Quanto dinheiro vai restar quando Pipoco sair da prisão daqui a 4 anos?

As questões acima não são fictícias. Elas foram de fato aplicadas nas provas de duas turmas de alunos de uma escola de São Paulo, no início deste ano, por um professor de matemática.

A conseqüência da aplicação dos conceitos

Eu adorei a criatividade do tal professor de matemática. Infelizmente, o coitado foi afastado das atividades docentes por 120 dias para fins de inquérito administrativo e acusado de apologia ao crime (o Judiciário já arquivou a acusação, mas não sei o que aconteceu na esfera administrativa).

E por que motivo a mãe de uma aluna registrou B.O.?

Por isso:

A prova deveria ser respondida e entregue ao professor, mas uma das alunas, de 14 anos, sem entender os enunciados, levou para a casa e pediu ajuda aos pais.

“Fiquei chocada. Nas questões o crime só dá lucro”, diz a mãe da menina que procurou a direção da escola e registrou um boletim de ocorrência na polícia.

Comentário lúcido: HAHAHAHAHAHAHAHA!!!!!

Dá pra entender por que a alienadinha de 14 anos não entendeu os enunciados: no mundo de faz-de-conta da mãe dela, o crime tem que dar prejuízo, porque é uma coisa ruim!

Conclusão

A aplicação do Método Paulo Freire é impossível justamente onde ele é mais necessário, porque as pessoas não querem entender a realidade, elas querem que a realidade se conforme magicamente a suas expectativas deturpadas.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 16/11/2011

 

31 thoughts on “Método Paulo Freire – aplicação impossível

  1. Eu tambem teria ficado chocada com a prova. Apesar de o crime estar entre nos, ha’ muitas outras coisas que sao parte da nossa realidade e que poderiam ter sido empregadas pelo professor na tal prova de matematica. Eu teria registrado BO. Voce nao precisa chocar alunos de 14 anos e seus pais com uma prova destas para faze-los “entender” a realidade.

    1. Ô Paulinha, que falta de senso de humor! Olha o que disse este outro estudante, colega da alienadinha:

      “A gente viu as questões e deu risada. Se fosse algo mais suave ninguém teria prestado atenção”, diz Renato dos Santos Menezes, 18, estudante da sala do 3º ano que também fez a prova.

      Só achei exagerada a dose diária de R$ 150,00 da questão quatro – quem fuma tudo isso não consegue mais trabalhar naquele ramo, vira ladra, perde a clientela e acaba mal…

  2. Evidente que não há qualquer tipo de apologia ao crime. Mas duvido que essa contextualização dos exercícios iriam funcionar indefinidamente (poderia até funcionar num primeiro momento). O método Paulo Freire funciona muito bem na alfabetização, quando se quer tirar o analfabeto do zero absoluto. Para estudos mais avançados algum grau de alienação e esforço a custo “perdido” por parte dos alunos será sempre necessário.

    1. É, é evidente que não há qualquer tipo de apologia ao crime… para quem tem pelo menos dois neurônios funcionais. Mas houve quem achasse que a prova constituía apologia ao crime porque “nas questões o crime só dá lucro”.

      E eu particularmente não vejo motivo para tanta gente babar loas ao Método Paulo Freire, porque é o óbvio do óbvio que utilizar palavras que o aluno reconhece dá melhor resultado que utilizar palavras que ele não reconhece…

  3. A prática do dia-a-dia demonstrou que o método Paulo Freire dá mais resultado em zona rural. Pra zonas de violência urbana, o método de Ausubel é o mais indicado.

    1. E que tal o Método Fernandinho Beiramar de ensinar educação física?

      Engatilha a pistola, aponta pro aluno e diz “corre, desgraçado”. 😛

      Um primor de simplicidade e eficácia! 🙂

  4. Por que ele não formulou nenhuma usando temática uma orgia de baile funk proibidão?

    Essa vanguarda, sempre me surpreendendo…

    1. É que ele é professor de matemática, não de sanitarismo…

  5. E eu que não sabia que o crime dá lucro!!… vá que isso caia nos ouvidos da politicalha!

    1. Psssssst!!!!! Abafa o caso!!!!!

  6. Saulo Gonçalves da Silva Filho

    20/11/2011 — 20:35

    Olá, Arthur!
    Gostei muito do que você escreveu, principalmente a frase final: “A aplicação do Método Paulo Freire é impossível justamente onde ele é mais necessário, porque as pessoas não querem entender a realidade, elas querem que a realidade se conforme magicamente a suas expectativas deturpadas.”. Como estudante de pedagogia, devo concordar com você.

    1. Bem-vindo ao Pensar Nâo Dói, Saulo! Há outros artigos sobre educação por aqui. Não deixa de dar uma olhada.

  7. Tá engraçado, mas achei q o professor de matemática tá precisando estudar estatística. O cara acha q o crime pode constituir 100% da vida de alguém.

    Uma “leitura da realidade” melhor mostraria q 99% de tudo q o criminoso *tem e usa* foi inicialmente produzido industrialmente e distribuído comercialmente dentro da lei: comida, roupas, mobília, construção, transporte –até suas armas. Ou seja, a Legalidade é 99 vezes mais fundamental prä vida dum criminoso do q a Ilegalidade.

    Enfatizar o crime equivale à incentivar o consumismo, a subserviência à idéias alheias. Acho q o grande barato da escola é incentivar o producionismo, a criação e realização de idéias. Esse é um dos problemas do método PFreire: girar em torno do q o aluno é, em lugar de almejar a criação do q ele *pode* se tornar.

    1. É, “girar em torno do que o aluno é” pode ser um bom ponto de partida, mas é um péssimo ponto de chegada, porque não sai do lugar.

  8. Rapaz, apoiar isso é coisa de retardado e é um tipo de apoio aos crimes descritos. Se não acredita, então vejamos:

    Digamos que foi aplicada a prova num local onde recentemente houve espancamento de negros por skinheads, onde há estupros constantemente, e pra completar onde os traficantes da região tem o conhecido costume de comer as “novinhas” (11 anos, etc.), com as questões:

    1- O traficante Taradão de 33 anos quer colocar seu pau na buceta de uma garotinha de 10 anos. O pau tem 17 centímetros e a buceta tem apenas x centimetros. Quantos centimetros de pau podera ele enfiar sem danificá-la de vez?

    2- O estuprador Babão está perseguindo uma vítima para praticar sexo anal e posteriormente enfiar um cabo de vassoura, a vítima está a correndo e a 50 metros de distância dele. A uma velocidade x, quanto tempo ele demorará para pegá-la e estuprá-la?

    3- O skinhead Aryan Pride 88 quer espancar um negro com sua gangue e enfiar taco de beisebol em seu ânus. A renda de aryan pride é 500 reais mensais, com desepsas de 350 reais mensais. O taco que ele quer custa 350 reais, quantos meses ele deverá esperar para comprar o taco e enfiar no cu do negro?

    Etc…

    Só porque esses exemplos acontecem na realidade, são apropriados para mostrar a garotas de 14 anos? Acho que não.

    Ou você vai dizer que os meus exemplos são extremos demais e os da prova não foram? Ora, mas qual o problema de ser extremo, se é real, e se o fato de ter exemplos assim na prova não incentiva o crime?

    Se exemplos assim não incentivam os crimes descritos, não há motivos para não usá-los.

    1. Não devia, mas não consegui evitar de cair na gargalhada com esse teste…

    2. “Ou você vai dizer que os meus exemplos são extremos demais e os da prova não foram?”

      Exatamente.

      “Ora, mas qual o problema de ser extremo, se é real, e se o fato de ter exemplos assim na prova não incentiva o crime?”

      Em primeiro lugar, a baixaria.

      Em segundo lugar, por que estás perdendo tempo reclamando de uma prova aplicada em uma turma de 30 alunos ao invés de montar uma ONG para exigir a censura das novelas da Globo e do Jornal Nacional?

  9. Ora, você não respondeu minhas perguntas.

    A crítica do exemplos usados na prova original são justamente a mesma que você fez aos meus exemplos: São extremos demais. O problema é que você não quer que digam isso dos exemplos da prova, mas arbitrariamente quer negar o uso dos meus exemplos com a mesma crítica que fizeram aos exemplos que você apóia.

    Quanto ao seu “primeiro lugar”, você acha que os exemplos usados na prova original são o que? Alta cultura? Todos são crimes, o problema é que os meus tocam no tabu do sexo, mas de um ponto de vista libertário e naturalista, não vejo porque seria considerado baixaria. Acho que voce vai ter que elaborar mias.

    Quanto ao seu segundo lugar, considero-o uma tentativa desesperada de satirizar minha pessoa pois sabe que você está errado.

  10. Para simplificar e deixar a discussão mais dinâmica, suponha que nos meus exemplos a linguagem chula seja substituída por uma mais técnica. (pau=penis, buceta=vagina, etc). E aí? Mesmo assim não poderiam ser usados?

    Sera que o sexo entre menores é mais extremo que o assassinato (para que seriam usadas as balas do fuzil do exemplo real do professor?)? Ou são ambos crimes hediondos? Por acaso não sabe que traficantes alem do tráfico, praticam sequestros, assassinatos, torturas, morte por imolação, decapitação, etc? Que tal um exemplo de qual a força e quantos golpes o traficante x deve usar para o machado cortar a cabeça do x9?

    Parece um pouco de hipocrisia sua arthur, você achar que os exemplos que foram recusados por serem extremos demais (apesar de reais) devem ser usados, mas alguns que arbitrariamente voce decide que são extremos demais não devam (a linguagem chula foi removida).

    Por favor tente responder sem sátiras desta vez, se possivel. Sei que voce consegue ser um debatedor de mais alto nível do que isso

  11. Olá para todos! Talvez esteja subindo este comentario tarde, mas acho que vale a pena registrar algo! Primeiro, acho que todos devem reavaliar suas considerações. Não estao tendo em conta o método PF em essencia. Vejamos porque.
    PRIMEIRO:o MÉTODO é valido para zona rural como para grandes metrópoles, pois se trata de tomar como ponto de partida o universo cultural do aluno. Simples.
    SEGUNDO: a discussão entre arthur y juca… ambos perderam a direção e ficaram nas palavras. Vejam, amigos. Para Freire, o homem é um ser que está em busca e que tal busca só tem sentido se estiver direcionada em poder SER MAIS, do que ele já é. Daí a liberdade e a capacidade de transformação do seu entorno ser algo próprio do homem. Essas duas idéia são bem trabalhadas por Freire nas obras EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA PARA A LIBERDAE e AÇÃO CULTURAL. Além do mais, Freire o despertar para a transformação supoe um processo educativo dinâmico onde o ponto de partida são as vivências e experiencias culturais do aluno aqui e agora, ou no dizer de Freire, no seu ESTAR SENDO.
    TERCEIRO: A consciência de SER MAIS que parte do ESTAR SENDO, e que exige a problematização do universo vivencial do aluno deve ser apontada para a TRANSFORMAÇÃO. A partir de aqui começa-se o processo dialético entre a determinação do universo (situações limites)do aluno e o que ele pode vir a ser (ATOS LIMITES). Nesse processo cobra importancia as contradições que se deve sofrer para extirparse do ciclo OPRESSOR-OPRIMIDO.
    RESUMINDO: O professor esteve certo enquanto identificou o universo cultural daqueles alunos de periferia urbana. Talvez tenha faltado, na prova ou em outra instancia avaliativa, esse direcionamento a SER MAIS PARA TRANSFORMAR. Isso é o que deve estar esplícito na aplicação do MÉTODO.
    Quanto aos demais comentarios…. acho que ainda falta conhecimento profundo, não apenas do estudo do método mas dos pressuposto filosóficos e antropológicos implícitos no discurso de Freire. Esta percepção daria mais conteúdo para os comentarios postados.
    Abraço. Henrique Oliveira (Prof. Filosofia e Educador Social – Guarulhos)

    1. Oi, Oliveira!

      Grato pela explicação.

      Minha posição é que utilizar elementos do cotidiano do aluno como ganchos (subsunçores) para a aprendizagem é ótimo, mas o resto todo do discurso do oprimido é descabido em um contexto de alfabetização ou de ensino de modo geral. Trata-se de uma doutrinação ideológica e não de uma capacitação para a leitura da realidade.

      Concordo com o primeiro e o segundo pontos que apresentaste, mas no terceiro ficou caracterizada uma ideologia que eu condeno. Talvez isso seja inescapável, afinal essa era a ideologia do Paulo Freire… E sem dúvida ele aproveitou o aspecto técnico de seu método para dar impulso a sua ideologia.

      O engraçado é que não precisa ser assim. A parte técnica do método pode se prestar a impulsionar praticamente qualquer outra ideologia, inclusive às opostas à ideologia do próprio Paulo Freire. Mas é difícil desvincular uma coisa da outra, até pelo contexto em que normalmente é estudado o método.

    1. Adorei as questões! 🙂

    2. HAHAHAHA!!! Quem pode dizer que não? 🙂

      Mas a pergunta do Sudowoodoo não tem sentido.

    3. Acho que a correta é a c.

    4. Cheguei a pensar nessa possibilidade, caso ele estivesse falando de convergência adaptativa, mas na verdade “c” é a resposta para quase tudo em biologia.

      Essa questão e as alternativas estão mal formuladas.

  12. O método Paulo Freire + a gramsciano que resultou em uma educação falida que nós temos..
    http://www.youtube.com/watch?v=h1XibftmbDg

    1. Tem algum complô entre nazistas, alienígenas, habitantes de Atlântida, vampiras lésbicas e lobisomens dançarinos de ballet detonando a minha internet. Não consigo abrir a charge. Toda vez que acesso o site, minha velocidade cai a zero kbps.

    2. HAHAHAHAHA!!!! Vi!!!! Excelente!!!!! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *