Não se tratava de “combater a pirataria”. Todo mundo sabe que é impossível eliminar a pirataria e que ela será tão mais forte quanto mais abusivos forem os preços das mercadorias. A verdadeira razão para o fechamento do Megaupload é que ele estava prestes a lançar um modelo legal de negócios muito mais benéfico para os artistas e para o público que o monopólio das gravadoras. O “combate à pirataria” é apenas a fachada para garantir o fechamento do mercado nas mãos de (um cartel) uma máfia multibilionária que não admite concorrência. 

Fiquei sabendo disso graças à divulgação da informação original do TecMundo/Baixaki feita pelo blog Lacônico e Reticente do meu amigo Danilo LaGuardia . Confiram lá o artigo “Megaupload lançaria site para concorrer com gravadoras“.

Atualização poucas horas depois:

Mas nem tudo é má notícia: usuários do Megaupload devem processar o FBI devido aos prejuízos causados pela perda de arquivos pessoais. (Confiram o artigo do TecMundo clicando no link.)

Conforme seus autores “esta iniciativa é um ponto de partida para ajudar usuários de internet legítimos a se defenderem de abusos legais promovidos por aqueles que desejam trancar materiais culturais de forma agressiva para seu próprio ganho financeiro”.

Ainda bem que ainda tem gente disposta a lutar contra os abusos dos governos e das corporações deste mundo cão.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 28/01/2012

 

16 thoughts on “A verdadeira razão do fechamento do Megaupload

  1. A verdadeira razão…é muita pretensão para um Lacônico e Reticente,mas sem dúvida é um bom tempero para fazer parte do cozido da sopa.

    1. “A verdadeira razão” é o título que eu escolhi. O Lacônico e Reticente apenas reproduziu sem alterações o artigo do TecMundo.

  2. Concordo plenamente com os processos.
    Eu estou processando o Or…kut…via goo.gle,rs.
    Faz um ano e nada.
    Tudo bem,tenho tempo.
    O que me deixa feliz é que fiz o que pude fazer.

    1. A justiça falha porque tarda.

  3. Sei Francisco, Sei… A questão é unicamente pirataria. Logo, meu pequeno blog que apenas reproduziu a notícia está preste a levar um toco. Huahuahuahehua…

    O engraçado, é que antes de abrir uma empresa convencional, pensei em criar uma empresa de músicas nesse estilo do Megaupload. O nome que eu pretendia colocar seria Musipédia. Acho que foi por isso que a notícia me chamou tanto a atenção.

    1. E eu que pirateei a notícia pirateada? Fico bloqueado nessa encarnação e na próxima? 😛

  4. tua postagem foi parar lá no Cubancheiro…

    1. Valeu o aviso. 🙂

  5. Escrevi dois textos diferentes, um reclamando de sonegação de links, outro reclamando de sonegação parcial de links.

    Falo com o maior prazer que me enganei. O Cubancheiro manteve o link pro artigo publicado no meu blog inalterado, e clicando no título, a Janela pro Pensar não dói permanece inalterada.

    Escambo editorial com consciência, ele pratica essa idéia.

    1. Que o Hélio Cordeiro é gente boa eu sei faz tempo. A parte sobre teres te enganado eu não entendi. 😛 O que e quando foi isso?

  6. Eu não conheço ele, me referia ao caso em específico. Já que os links não são necessariamente destacados, dá a impressão de que foram omitidos. E é um trem que eu reparo muito na net, o de dar devido crédito ao autor da idéia. Imaginei que ele tivesse omitido, escrevi um comment reclamando, resolvi fuçar de novo pra ter certeza e apaguei antes de escrever bobagem.

    1. Já dei umas mancadas feias assim… 😛

  7. Tá sabendo disto, Arthur? Não sabia onde botar, talvez aqui tenha mais a ver:

    “A Internet já conectou mais de dois bilhões de pessoas em todo o mundo.
    Alguns governos querem fazer uma reunião a portas fechadas em dezembro para permitir a censura e regulamentar a Web.
    Dê seu apoio a uma Internet livre e aberta.”

    https://www.google.com/takeaction/?utm_source=google&utm_medium=hpp&utm_campaign=12032012freeandopen_pt-br

    1. Não estava sabendo nem desta questão nem desta iniciativa. Mas isso é um jogo de bandido versus bandido, no qual somos massa de manobra. Pensa bem: a Google está realmente preocupada com a liberdade e a experiência do internauta? Será que o comportamento deles em relação, por exemplo, à gestão do Orkut permite deduzir que eles estejam capitaneando esse movimento em função de princípios? Mas então por que não aplicaram estes princípios na gestão do Orkut?

      A gente acaba tendo que defender o filho-da-puta cujos interesses vão nos ferrar menos no futuro. Dá até pra entender por que tanta gente prefere se manter alienada.

      (Não estou num bom dia, né?) 😛

    2. Mas é verdade. Mocinhos estão cada vez mais raros. Com muita sorte um anti-heroi.

      Mas vou apoiar. Ainda me parece o lado menos perigoso.

    3. É o que nos resta… Até construirmos um movimento que constitua uma alternativa verdadeira a isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *