O sexo realmente atingido pela violência no Brasil é o sexo masculino. Quando os dados mostram claramente que a vitimização entre homens é DOZE VEZES maior que a vitimização entre mulheres, não há dúvida quanto a quem realmente precisa de políticas especiais e medidas especiais de proteção contra a violência: são os homens, não as mulheres. 

.

“O risco de óbito por homicídio no Brasil em 2003 foi de 28 por 100 mil habitantes, sendo 12 vezes maior entre homens (53/100 mil) do que entre mulheres (4/100 mil).” 
.
“Os maiores riscos de óbito por homicídio foram observados na faixa etária de 20 a 29 anos, independentemente de sexo ou raça/cor. Destacaram-se, também, os adolescentes com o segundo maior risco de óbito na maioria das categorias de raça/cor, em ambos os sexos. O sexo masculino, a partir dos 10 anos de idade, apresentou maior risco de óbito do que o sexo feminino.
.
“As taxas de mortalidade por homicídio no sexo masculino evoluíram com aumento em todas as faixas etárias analisadas, de 2000 a 2003. Os maiores aumentos nas taxas de mortalidade entre homens ocorreram na faixa de 20 a 29 anos de idade (…) No sexo feminino, as taxas apresentaram-se estáveis na faixa etária de 15 a 19 anos, evoluindo com aumento na faixa de 20 a 29 anos, para diminuir nas faixas de 30 a 39 e 40 a 49 anos.” 
.
Fonte: Scielo.
.
Já que esta realidade está muito bem demonstrada pelas estatísticas oficiais, quero ver as feministas defenderem a criação de políticas especiais e de medidas protetivas especiais para a população masculina, que evidentemente tem muito maior necessidade de amparo contra a violência do que a população feminina. 
.
Vamos lá, números são números. Aguardo a demonstração de maturidade e coerência das feministas, exigindo para seus pais, maridos, irmãos, filhos e sobrinhos a mesma proteção legal especial que exigiram para si por se acharem mais vitimizadas pela violência doméstica. 
.
Ou será que “tratar desigualmente os desiguais para produzir igualdade” só vale na hora de puxar a brasa para a própria sardinha? 
.
Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 26/02/2012 

271 thoughts on “Cadê as feministas para exigir igualdade?

  1. “MULHERES CONTRIBUEM MENOS PARA SE APOSENTAR MAIS CEDO? EXISTEM DIFERENTES FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO DE ACORDO COM A TAREFA DE CADA UM, POR EXEMPLO, SE FOR “DO LAR” (TERMINHO PERJORATIVO) E ETC… MAS ENTÃO VAMOS PEDIR PARA QUE TODOS CONTRIBUAM COM OS MESMOS VALORES E SE APOSENTEM NA MESMA IDADE… ISSO DEPOIS, É CLARO, QUE TODOS GANHAREM OS MESMOS SALÁRIOS PELOS MESMOS CARGOS… OU É JUSTO UMA MULHER PAGAR MAIS SE ELA RECEBE MENOS?”

    Se voce conseguir demonstrar alguma empresa por aqui que paga um salario menor a mulher pelas MESMAS horas trabalhadas, pelo mesmo tempo de experiencia e pela mesma tarefa. http://omarxismocultural.blogspot.com.br/2012/03/diferencas-salariais-o-que-o-movimento.html . Agora querem passar a lei que pune quem paga menos a mulher, mesmo que esta trabalhe menos http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,mulheres-receberam-723-do-salario-dos-homens-em-2011-diz-ibge,105384,0.htm, más a lei NÃO menciona que se deve punir empresas que pagam salario inferior ao homem pelo mesmo trabalho, ou seja outra vantagem sexista. Agora me responda, se mulheres recebem menos que homens, mas para o mesmissimo trabalho, as empresas poderiam contratar a grande maioria de mulheres, para arcar com um custo muito menor e conseguir aumentar um lucro em cerca de 20%. Será que esses empresários porcos capitalistas são tão sexistas assim?

  2. Bom o blog esta bloqueando meus links mas vou mandar os comentarios seguidos das fontes

    “MULHERES CONTRIBUEM MENOS PARA SE APOSENTAR MAIS CEDO? EXISTEM DIFERENTES FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO DE ACORDO COM A TAREFA DE CADA UM, POR EXEMPLO, SE FOR “DO LAR” (TERMINHO PERJORATIVO) E ETC… MAS ENTÃO VAMOS PEDIR PARA QUE TODOS CONTRIBUAM COM OS MESMOS VALORES E SE APOSENTEM NA MESMA IDADE… ISSO DEPOIS, É CLARO, QUE TODOS GANHAREM OS MESMOS SALÁRIOS PELOS MESMOS CARGOS… OU É JUSTO UMA MULHER PAGAR MAIS SE ELA RECEBE MENOS?”

    Se voce conseguir demonstrar alguma empresa por aqui que paga um salario menor a mulher pelas MESMAS horas trabalhadas, pelo mesmo tempo de experiencia e pela mesma tarefa. Agora querem passar a lei que pune quem paga menos a mulher, mesmo que esta trabalhe menos más a lei NÃO menciona que se deve punir empresas que pagam salario inferior ao homem pelo mesmo trabalho, ou seja outra vantagem sexista. Agora me responda, se mulheres recebem menos que homens, mas para o mesmissimo trabalho, as empresas poderiam contratar a grande maioria de mulheres, para arcar com um custo muito menor e conseguir aumentar um lucro em cerca de 20%. Será que esses empresários capitalistas são tão sexistas assim?

  3. FONTES:

    economia estadao com br/noticias/economia,mulheres-receberam-723-do-salario-dos-homens-em-2011-diz-ibge,105384,0 htm

    omarxismocultural blogspot com br/2012/03/diferencas-salariais-o-que-o-movimento html

    (espaços por pontos)

  4. “PROTAGONISTA TINHA DOIS NAMORADOS FOI CONDENADO PELA OPINIÃO PÚBLICA, MAS UM SERIADO ONDE UM HOMEM TINHA DUAS MULHERES OU A NOVELA ONDE ELE É CASADO COM DUAS E POSSUI UMA AMANTE, É VISTO COMO NROMAL E DIVERTIDO… ”

    Só aqui no ocidente voces podem propagar comerciais como da bombril colocando o homem em posição semelhante a do cachorro, colocando coleira e tudo mais e sairem numa boa, se o mesmo inverter a posição e colocar a mulher como cadela, apanhando do marido e tudo é provavel que os reponsaveis sejam presos.

    Na sua cabeça, tudo isso que voce citou faz parte de um complo invisivel, de um movimento que NÃO existe chamado machismo, ja quando acontece isso aqui http://www.youtube.com/watch?v=Dh8gVdx0vt4 jamais seria atribuido ao feminismo, mesmo que casos assim tenham se multiplicado JUNTO com a ascenção do movimento e que algumas das mulheres sejam feministas declaradas.

  5. “JAMAIS CONFUNDA FEMISMO COM FEMINISMO”
    “E MACHISMO COM MASCULINISMO”

    Vamos ver o que feministas pensam do femismo:

    “pela milésima vez não existe femismo, o que você quer em?”

    “Haru femismo não existe, é um rótulo que os machinhos inventaram.
    Leia alguns tópicos antigos, se ainda tiver dúvida.”

    “E cadê os tais comentários femistas?Enfim, não gosta da comunidade, a porta da rua é a serventia da casa. Agora vir chamar de femista é querer ofender sim. Dizer que não é, não muda as coisas. ”

    “Olha, sinceramente, já entrou muita garota aqui com verdadeiro ódio de homem que eu não condenei, que eu compreendi e pedi que compreendessem. Porque mulher passa por tanta coisa na vida, e coisas tão bárbaras, que irracional é pedir pra ela ficar calminha, não botar pra fora sua revolta. Irracional é dizer pra ela “até aqui você pode ir na sua revolta, mas se passar desse limite você é femista (COISA QUE NÃO EXISTE). Mas esse caso aqui me cheira a trollagem simplesmente pela auto-definição como femista. Porque ninguém que tenha verdadeiro ódio dos homens pelo que já sofreu se intitula assim. Isso aí me pareceu uma tentativa de legitimar esse conceito babaca – o femismo – dentro de um espaço feminista. Fora a artificialidade dos supostos pensamentos. Eu não vou dar corda pra isso mesmo! ”

    muito mais para voce degustar aqui http://www.orkut.com/Main#Main$CommMsgs?cmm=412404&tid=5713162602565260762

  6. Ja sobre o machismo eu sei. Esta aqui uma breve historia

    s mulheres sempre foram exploradas pelos homens. Se há uma verdade que ninguém põe em dúvida, é essa. Dos solenes auditórios de Oxford ao programa do Faustão, do Collège de France à Banda de Ipanema, o mundo reafirma essa certeza, talvez a mais inquestionada que já passou pelo cérebro humano, se é que realmente passou por lá e não saiu direto dos úteros para as teses acadêmicas.

    Não desejando me opor a tão augusta unanimidade, proponho-me aqui arrolar alguns fatos que podem reforçar, nos crentes de todos os sexos existentes e por inventar, seu sentimento de ódio ao macho heterossexual adulto, esse tipo execrável que nenhum sujeito a quem tenha acontecido a desventura de nascer no sexo masculino quer ser quando crescer.

    Nosso relato começa na aurora dos tempos, em algum momento impreciso entre Neanderthal e Cro-Magnon. Nessas eras sombrias, começou a exploração da mulher. Eram tempos duros. Vivendo em tocas, as comunidades humanas eram constantemente assoladas pelos ataques das feras. Os machos, aproveitando-se de suas prerrogativas de classe dominante, logo trataram de assegurar para si os lugares mais confortáveis e seguros da ordem social: ficavam no interior das cavernas, os safados, fazendo comida para os bebês e penteando os cabelos, enquanto as pobres fêmeas, armadas tão-somente de porretes, saíam para enfrentar leões e ursos.

    Quando a economia de coleta foi substituída pela agricultura e pela pecuária, novamente os homens deram uma de espertinhos, atribuindo às mulheres as tarefas mais pesadas, como a de carregar as pedras, domar os cavalos, abrir sulcos na terra com o arado, enquanto eles, os folgadinhos, ficavam em casa pintando potes e brincando de tecelagem. Coisa revoltante.

    Quando os grandes impérios da antiguidade se dissolveram, cedendo lugar aos feudos perpetuamente em guerra uns com os outros, estes logo constituíram seus exércitos particulares, formados inteiramente de mulheres, enquanto os homens se abrigavam nos castelos e ali ficavam no bem-bom, curtindo os poemas que as guerreiras, nos intervalos dos combates, compunham em louvor de seus encantos varonis.

    Quando alguém teve a extravagante idéia de cristianizar o mundo, tornando-se necessário para tanto enviar missionários a toda parte, onde arriscavam ser empalados pelos infiéis, esfaqueados pelos salteadores de estradas ou trucidados pelo auditório entediado com os seus sermões, foi novamente sobre as mulheres que recaiu o pesado encargo, enquanto os machos ficavam maquiavelicamente fazendo novenas ante os altares domésticos.

    Idêntica exploração sofreram as infelizes por ocasião das cruzadas, onde, armadas de pesadíssimas armaduras, atravessaram os desertos para ser passadas a fio d’espada pelos mouros (ou antes, pelas mouras, já que o machismo dos sequazes de Maomé não era menor que o nosso). E as grandes navegações, então! Em demanda de ouro e diamantes para adornar os ociosos machos, bravas navegantes atravessavam os sete mares e davam combate a ferozes indígenas que, quando as comiam, – era porca miséria! – no sentido estritamente gastronômico da palavra.

    Finalmente, quando o Estado moderno instituiu o recrutamento militar obrigatório, foi de mulheres que se formaram os exércitos estatais, com pena de guilhotina para as fujonas e recalcitrantes, tudo para que os homens pudessem ficar em casa lendo A Princesa de Clèves.

    Há milênios, em suma, as mulheres morrem nos campos de batalha, carregam pedras, erguem edifícios, lutam com as feras, atravessam desertos, mares e florestas, sacrificando tudo por nós, os ociosos machos, aos quais não sobra nenhum desafio mais perigoso que o de sujar nossas mãozinhas nas fraldas dos nossos bebês.

    Em troca do sacrifício de suas vidas, nossas heróicas defensoras não têm exigido de nós senão o direito de falar grosso em casa, de furar umas toalhas de mesa com pontas de cigarros e, eventualmente, de largar um par de meias no meio da sala para a gente catar.

  7. Não entendo porque estão discutindo,é pura perda de tempo.
    Aqui NÃO é o Canal do Búfalo,rs.

    Existem homens que amam suas mulheres e homens que odeiam suas mulheres,é difícil de entender?

    Entre esses dois existem os que ganham publicidade com o assunto,simples assim.

    Homens e mulheres,se não forem gays,sempre serão dependentes um do outro.

    Mas para uns poucos essa “guerra” é fomentada até a loucura.

    E tem quem se preste a sustentar essa NEURA,rs.

    1. é verdade. So estou analisando os argumentos feministas. So debatendo se pode chegar a verdade, acho interessante observa-los.

  8. “EXISTEM DIFERENTES FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO DE ACORDO COM A TAREFA DE CADA UM, POR EXEMPLO, SE FOR “DO LAR” (TERMINHO PERJORATIVO) E ETC…”

    Voce não pode institucionalizar algo, no caso 5 anos a menos, por algo que não é universal, nem obrigatotio. Mas se quiserem, voces so estão afirmando que lugar da mulher é na cozinha, poderia ser feito, mas ai sera regra que a mulher terá que cuidar da cozinha e o homem descansar quando chegar em casa (estatisticas dizem que ele trabalha mais horas mesmo), alem é claro de ter que aumentar a expectativa de vida para 8 anos do homem ( ou diminuir a da mulher que creio fora de questao, ja que não queremos acabar com os beneficios dos outros)

  9. Tentemos ver por este lado,se for possível…

    O passado só serve pelas conquistas adquiridas e pela lição,preciosa,de como não errar mais
    do mesmo jeito.

    O que precisamos agora é manter o que é bom e descartar o que já não serve mais.

    Sem homens e mulheres,minimamente equilibrados,não existe a tão sonhada sociedade que
    almejamos.

    Se formos armados para a frente de combate e só sobrarem corpos pelo chão,quem ganhou?Quem perdeu?

    Vale dizer que existem pessoas,seres humanos,falhos,ignorantes e mesquinhas.
    Mas isso sempre vai existir.

    Nesta sociedade de relações e conquistas canibalizantes,o que queremos pra nós?

  10. Arthur, gostaria que você, como biólogo comentasse este texto:
    http://blogdomrx.blogspot.com.br/2012/04/o-papel-das-mulheres-e-do-feminismo-na.html

    É correta a avaliação do sisyema LEK?

    Como diz a letra dos Cassetas, mulher é tudo vaca?

    1. Sabe, escolher dentre celebridades é até compreenssivel, mas me pergunto o que acontece para que maniaco do parque, anders breivik, guilherme de padua dentre outros inumeros casos conhecidos recebam milhares de cartas de amor de mulheres, alguns até se casaram novamente, claro apos selecionar a dedo. Talvez a biologia e a ciencia nos responda.

    2. Gerson, o sistema LEK estritamente falando é apenas um sistema de organização de acasalamento, típico de algumas espécies, que no entanto reflete uma característica central de todos os sistemas de acasalamento: as fêmeas procuram os melhores machos e os machos procuram o maior número possível de fêmeas, obviamente que com uma ordem de prioridade (primeiro as melhores, depois as outras, enquanto for possível acasalar).

      Não há novidade alguma, para um biólogo, em dizer que as fêmeas humanas preferem os melhores machos, porque essa é a única escolha que podem fazer, e que os machos humanos preferem o maior número de fêmeas possível, modulado dentro do contínuo r-K: r-estrategistas são os que investem em prole muito numerosa com pouco cuidado e K-estrategistas são os que investem em prole pouco numerosa com muito cuidado. A “escolha” depende das características ambientais.

      Acontece que a capacidade da fêmea de produzir filhotes é limitada, enquanto a do macho é ilimitada. Isso faz com que a fêmea só tenha uma escolha, que é selecionar os machos pela qualidade, enquanto os machos possuem duas escolhas, que são selecionar as fẽmeas pela qualidade e pelo número.

      APARENTEMENTE paradoxal é o fato de que isso confere às fêmeas maior poder de escolha no que diz respeito à adaptação ao meio. É isso que gera o tal PARADOXO LEK. Explico.

      As fẽmeas só podem escolher os machos pela qualidade, então todas elas tendem a escolher os melhores machos, os alfas.

      Os machos podem escolher as fẽmeas tanto pela qualidade quanto pela quantidade, então os alfas escolhem as melhores fêmeas (as alfas) e os betas encaram o que sobrar, desesperados para tentar passar algum gene adiante seja lá como puderem.

      Já viste aquele tipo de homem-capacho que se submete a qualquer indignidade para tentar ter acesso sexual a uma mulher? São estes betas.

      O problema é que, numa espécie “inteligente”, as fêmeas percebem que podem obter inúmeros benefícios dos betas, justamente porque eles são uns capachos. Assim sendo, elas passam a se aproveitar disso e nesse processo paradoxalmente acabam aumentando o sucesso reprodutivo dos betas em detrimento do sucesso reprodutivo dos alfas.

      Já viste algum alfa feminista? Isso non ecziste. Mas beta feminista é o que mais há – porque os betas se submetem a qualquer indignidade para tentar ter acesso sexual a uma mulher.

      O resultado desta dinâmica é nefasto para ambos os sexos.

      No curto prazo, as mulheres que exploram betas obtém benefícios diretos: homens-capacho paparicam, dão presentes, pagam sempre a conta, toleram caprichos, etc. No longo prazo, elas convivem com capachos e produzem filhotes-capachinhos. Isso pode trazer uma ilusão cultural de “sucesso”, mas não é difícil perceber que a maioria destas mulheres não tem a satisfação de seus instintos de fêmea. Ou seja, “alguma coisa” não as deixa felizes, nem realizadas.

      No curto prazo, os betas pagam um preço pequeno por seu sucesso reprodutivo. No longo prazo, sentem-se como ômegas, obrigados a pagar por sexo, tratados como lixo e permanentemente sem afeto e inseguros, porque a barganha em que se meteram os emascula, e não é difícil perceber que a maioria destes homens não tem a satisfação de seus instintos de macho. Ou seja, “alguma coisa” não os deixa felizes, nem realizados.

      Essa “alguma coisa”, nos dois casos, é a violação da natureza psicológica dos sexos, que é biologicamente determinada – e não “historicamente determinada” ou “culturalmente determinada”, como os ignorantes em biologia evolutiva insistem em afirmar em nome de ideologias aberrantes.

      Se somente os betas fossem afetados nesse jogo abjeto de prostituição bilateral que aniquila as relações afetivas, eu não me incomodaria. O problema é que isso subtrai dos machos alfa as fêmeas alfa, iludidas e estragadas pelos betas lambe-botas. E, como os alfas são alfas, isso promove uma reação de dominância.

      Um alfa não admite ser vencido por um beta. Por outro alfa, faz parte do jogo. Por um beta, é uma afronta. E afrontas são intoleráveis. Afrontas promovem reações ao nível dos instintos mais primitivos. E o instinto mais primitivo de um alfa é a dominação, que pode ser exercida de inúmeras maneiras, conforme o desenvolvimento da sociedade em que ele se encontra, da violência pura e simples às mais elaboradas formas de dominação política e econômica… de qualquer modo temperadas por ressentimento.

      Isso não gera o tipo de sociedade em que gostaríamos de viver, como bem podes imaginar.

      Neste tipo de ambiente cultural em que as fêmeas dão preferência de acesso sexual aos capachos, alfas nascidos nas favelas se tornam líderes do tráfico, enquanto que alfas nascidos em mansões se tornam empresários inescrupulosos e políticos corruptos. Quando somente vencer determina o sucesso reprodutivo, um alfa vencerá – e isso não pode ser barrado por lei alguma, por ética alguma, por ditadura alguma, custe o que custar.

      Na natureza não existe a possibilidade de um organismo usar mais do que seu próprio corpo e um pouquinho de política de alianças para obter sucesso reprodutivo, por isso não vemos grandes absurdos acontecerem. Na sociedade humana temos infindáveis ferramentas à disposição destes instintos implacáveis, o que gera resultados em escala muito maior.

      Somos apenas macacos com armas poderosas em mãos. E, enquanto não reconhecermos isso, principalmente em função de ideologias que não reconhecem o papel importantíssimo da biologia em nossas sociedades, não poderemos lidar com isso, nem mesmo em nosso próprio benefício.

  11. Sabem……

    Para alguns homens mulher não é apenas vaca,mas galinha,piranha,cadela…a lista vai longe.

    E se irritam quando querem atrair, mulheres que não se afinam com suas personalidades,sem sucesso.

    Não existe gente feia,existe gente que não se cuida…

    Quem não se cuida não pode cuidar de outra pessoa.

    Quem não sabe cuidar não parece ser confi[avel.

    Macho Alfa é coisa de BICHO,gente não tem isso.

    Um cara bancando o gostoso é risível.

    1. Tecnicamente não sei se as vacas pertencem às espécies LEK. Se bem que acho que vários animais chifrudos (no sentido físico, não no conjugal) competem pelas fêmeas. Galinhas tambem. Cadela, cães tem matilhas com hierarquias complexas, herdadas dos lobos. Mas piranhas? Acho que não, se bem que competição já ocorre até em peixes aqueles cardumes parecem caóticos.

      Mas falando sério, você não pode tirar todas as mulheres por você, Li. Rola esse lance sim. Já levei cantadas ousadas quando tava acompanhado de mulher bonita. E certamente não foi pela minha beleza física nem meus apolíneos músculos.

    2. É… Nada atrai mais uma mulher do que um homem já rodeado por mulheres. É impressionante. Já os homens fazem sua avaliação quanto às mulheres de modo independente quanto a elas estarem rodeadas de homens ou não.

  12. A mulher do Obama não disse que foi discriminada, por que na época que ela trabalhava numa empresa importante, só colocaram ela de vice presidente e não de presidente.

    kkkk…

  13. Você é gaucho? Homem? Está inconformado com o tratamento legalmente diferenciado que confere privilégios às mulheres?

    SEUS PROBLEMAS TERMINARAM-SE!!!

    Chegou a nova e revolucionária Lei de Feminização Legal dos TTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTs!

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1086281-travestis-do-rio-grande-do-sul-ganham-direito-de-ter-rg-feminino.shtml

    Graças a ela você, com um mínimo de trabalho, pode ser reconhecido como mulhérrrr, sem precisar cortar nada importante fora!

    Mesmo que não seja lá muito bonito, basta fazer barba, comprar uma peruca e alegar que é Drag!

    E seguindo as novas tendências você poderá até frequentar os banheiros femininos. Se alguma usuária reclamar do seu olhar pidão lá dentro você sempre poderá alegar que é lésbica, está sendo duplamente discriminada, e entrar com um proce$$$o!

    Use agora mesmo a nova Lei de Feminização Legal dos TTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTs. Um produto com a garantia dos Movimentos Sociais.


    1. “Um produto com a garantia dos Movimentos Sociais.”

      HUAHUAHUAHUAHUAHUA!!!!!

  14. Quando morrem 400 homens de um grupo de 1.000 homens (40%) e uma mulher de um grupo de duas (50%), o enfoque é algo do tipo: “proporcionalmente morrem mais mulheres que homens”. Consequentemente, daí em diante todos os esforços e investimentos em melhorias são centrados nelas, ignorando os homens afetados em quantitativos muito superiores.Ou algo do tipo: Morreram 4.000 pessoas (pessoas = referência neutra), inclusive 44 mulheres (ênfase ao gênero, mas essa ênfase ao gênero ocorre geralmente quando a vítima não é o homem).

    A referência neutra se dá quase sempre quando o homem é a vítima, não, porém, quando a mulher é a vítima, ainda que preponderem vítimas do sexo masculino.

    No exemplo acima de 4.000 pessoas, temos ao todo 98,9% de vítimas homens e apenas 1,1% de vítimas mulheres. Mesmo assim preferem indicar o número de 44 mortes de mulheres inserindo os 3.956 homens na referência neutra (pessoas), não evidenciando o sexo mais afetado.

    Não se quer que seja diferente com a mulher, mas sim respeitosamente com o homem, o mesmo respeito já dedicado às mulheres.

    Muitas vezes, diferente é o enfoque ao gênero quando um homem tem uma atitude reprovável. Em casos assim geralmente não é referido por algum adjetivo ou substantivo neutro, sempre remetem a designação ao gênero. Poderiam dizer duas pessoas roubam um carro, mas preferem dizer dois homens quando ocorre esse ato reprovável.

    Corriqueiramente, quando o enfoque é alguma culpa, utilizam muito a indicação neutra para o gênero feminino, mas dão enfoque ao gênero quando é o masculino, como no exemplo.

    É como se o homem (ou homens em geral) sempre fosse mau, só se prestasse ao mal, sem qualquer mérito, jamais fosse vítima, fosse mero delinquente ou opressor.

    É meio que assim que as coisas estão sendo difundidas, como se todos os homens se prestassem a coisas ruins e todas as mulheres a coisas boas. Não há mentira maior que essa. Dos dois lados há pessoas boas e más, com acertos e erros.

    A consequência que eclode é um estereotipo que reflete em tudo mais, como num tribunal, num embate político, na família ou em qualquer situação, com a ideia preconcebida e falaciosa, impregnada no inconsciente coletivo de que o homem é mal e a mulher sempre boa e inocente.

  15. A frieza é enorme. Quando um homem comete suicídio, mesmo diante da obviedade absoluta do seu desespero, constatável pelo próprio ato de tirar a vida, ainda assim muitas vezes o retratam como um covarde, ao invés do enfoque humanitário de que ali há uma vítima, como outras mais que nesse estado não estariam se recebessem uma pequena ajuda. Mas essa ajuda não chega, pois implicaria o poder público reconhecer o homem no mesmo patamar da mulher e dar-lhe iguais direitos e atenção.

    Note as inúmeras políticas do estado em prol da mulher, mas nenhuma específica em prol do homem em situação lastimável.

    Essa cultura misândrica recusa encarar um homem como vítima, tratamento esse que dedicam exaustivamente às mulheres.

  16. Parece absurdo, mas para muitos, sempre haverá recusa em reconhecer um homem na condição de vítima, por mais evidente que seja. Não é que não percebam, só fingem propositalmente por lhes interessar.

    Sejam mulheres utilitárias ou meramente misandricas ou por estarem vazias de bom conteúdo ou mais propriamente cheias de ódio, ou homens demagogos, subjugados ou meramente oportunistas de holofotes da falsa-abnegação de si em prol das mulheres, ou por qualquer outra razão igualmente repugnante.

    Por essa lógica, se você é homem, mesmo numa traição você não pode ser tido como vítima. Essas pessoas querem que você perca sempre. E assim é em tudo. Na agressão doméstica você não pode ser reconhecido como o agredido. Na catástrofe deve ser relegado como último a ser socorrido (vejam os números de mortes de homens no Titanic), tudo porque você é do sexo masculino.

    Quem disse que a vida de um homem vale menos que de uma mulher? Se alguém fez isso, sua expressão mental só poderia estar reduzida a um resíduo podre, degradada pelas próprias escolhas anti-humanas. Toda vida humana é preciosa, esse termo abarca a todos, não escolhe um sexo.

  17. o que é mais triste é que parece que NINGUÉM percebe o que está acontecendo com a sociedade. Não sou machista, muito pelo contrário, luto pelos direitos iguais entre homem e mulher, porém vejo que as mulheres (e alguns homens) relutam em admitir que a sociedade está expurgando todos os homens de seus direitos. Nos tratam com uma indiferença enorme. Hoje em dia só somos amados mesmo por nossas mães… e olhe lá! Parece que nem ser humanos somos.
    É triste de se ver. Parecem que as mulheres esquecem o importante papel que temos. Parecem que se esquecem que já tiveram avô, pai, irmão… e que um dia terão 1 filho… e com certeza, a despeito da hipocrisia da situação, elas mesmas não vão querer que o filho sofra como sofremos.
    Além disso os homens (metidos a machões) não gostam de admitir a fraqueza atual em que nos encontramos. Como se tudo isso fosse uma especulação.

    A câmara legislativo do DF aprovou há pouco tempo uma LEI que faz com que haja um vagão de metrô exclusivo para as mulheres. Se fosse para as grávidas, pessoas idosas ou com deficiência eu entenderia. Mas foi para as mulheres para não serem “abusadas” no metrô. Como se todo homem que estivesse lá fosse um maniaco, e não um estudante, um pai de família, ou um trabalhador que só quer chegar em casa e ir por trabalho… mas não… a sociedade e a mídia oportunista fica classificando-nos como os vilões do século. Nos culpando pelos erros de 4 ou 10 gerações atrás

    1. Vagões de metrô reservados para mulheres são o fim da presunção de inocencia.

  18. Ó, céus… deixei inúmeros comentários deste artigo sem resposta! Amanhã pretendo responder os comentários atuais e antigos.

    1. Alguns já foram. Outros virão.

    2. Querido Artur

      Errei no comentário abaixo.

      Eu perguntei a você se crimes contra mulheres merecem não-punição, mas foi uma pergunta idiota da minha parte(reconheço), pois, em momento algum, você escreveu isso.

      A pergunta que quero fazer é esta:

      Você é um Juiz e você irá julgar um homem que matou um homem e uma mulher, para roubar, por exemplo

      Você daria pena para ele, tipo, 30 anos por matar um homem e 30 anos por matar uma mulher ou você:

      Daria 30 anos por ter matado um homem e

      20 anos por ter matado uma mulher?

      O que quero perguntar é:

      É verdade que homens são mais assassinados que as mulheres, mas, para isso melhorar, você , por acaso, acha que os crimes contra mulher devem ser julgados com menos severidade que os crimes contra os homens ou severidade igual?

      Se eu fosse juiza, eu condenaria o reu a 60 anos de prisao, 30 por ter matado o homem e 30 por ter matado a mulher

      E você, Artur, que se diz nã0-sexista, concorda com penas iguais?

      OUtro assunto; sobre licença-maternidade

      Acho uma sacanagem o pai não ter direito ao mesmo tempo de licença-maternidade da mulher

      Eu tambem acho uma sacanagem o pai não dividir com a mulher o trabalho com os pimpolhos, afinal, eu suponho, querido Artur, que quando você disse que queria tempo igual para curtir o bebê, eu entendi que isso tambem queria dizer tempo igual para limpar o coco do bebê, ou me enganei?

      Bjaum, querido Artur

    3. Aquilo que o Estado pode garantir são direitos iguais. Se os comportamentos de um sexo e outro serão iguais, isso cai na esfera da biologia, da psicologia e da cultura. Não vejo razoabilidade em obrigar os sexos a terem o mesmo comportamento, afinal há diferenças intrínsecas entre os sexos e é esperável que apresentem comportamentos distintos.

      O resto respondi abaixo.

    4. “Não vejo razoabilidade em obrigar os sexos a terem o mesmo comportamento, afinal há diferenças intrínsecas entre os sexos e é esperável que apresentem comportamentos distintos.”

      Você quer dizer, Artur, que, já que homens e mulheres são diferentes mas merecem ter os mesmos direitos, você é a favor da licença para cuidar da criança igual, mas você acha que é a mãe que deve ser responsavel por cuidar da criança, devido à sua biologia, e o pai tem todo o direito, na sua licença paternidade se fosse de 6 meses, de ficar “de papo para o ar”.

      Quem amamenta é a mãe, mas o pai pode trocar a fralda, também, ou o homem é “biologicamente incapaz” de cuidar de uma criança?

      Foi isso que você quis dizer? Se puder me esclarecer isso, agradeço, afinal, tenho 5 bilhões de neurônios a menos que você, então, minha inteligência não é tão brilhante quanto a sua.

      Grata, bjocas

    5. Não é a primeira vez que me perguntam isso. O exemplo preferido parece ser sempre o de trocar as fraldas do nenê. Mas quando eu digo “ok, eu troco as fraldas do nenê, tu trocas o pneu do carro, consertas o encanamento estourado e carregas as compras do supermercado” costuma ficar claro que não é uma questão de ser “biologicamente capaz”.

  19. Querido Artur

    Acho que os homens e mulheres devem ter a mesma proteção contra crimes. Os homens são mais atingidos contra crime do que as mulheres, é verdade, mas ambos merecem ter proteção contra crimes

    E você, o que acha?

    Você concorda que ambos devem ter os mesmos direitos de serem defendidos contra crimes ou so crimes contra as mulheres NAO DEVEM SER PUNIDOS?

    Tambem espero resposta
    Bjaum

    1. Direitos e deveres iguais são direitos e deveres iguais. Não vejo o menor sentido em cominar penas diferentes nem conforme o sexo do agressor, nem conforme o sexo da vítima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *