O apartamento térreo é uma excrescência da engenharia que reúne todos os defeitos de uma casa e de um apartamento sem ter as vantagens de nenhum dos dois. E ainda possui defeitos próprios originais e exclusivos. Os apartamentos térreos já existentes deveriam ser desapropriados e transformados em salões de festa ou lojas comerciais. Os que ainda não existem jamais deveriam ser construídos. 

O apartamento térreo tem o tamanho reduzido de um apartamento, a segurança reduzida de uma casa e a privacidade reduzida muito além de uma casa ou de um apartamento, mas seus problemas são todos ampliados.

O tamanho do apartamento térreo em geral é menor que o dos outros apartamentos, porque é necessário deixar uma área de portaria no térreo que não tem equivalente nos outros andares. Portanto, com o perdão do trocadilho, o apartamento térreo já começa mal na entrada.

É justamente na entrada que está também o segundo problema do apartamento térreo: sua incrível facilidade de acesso.

Na porta de quem as pessoas vão bater quando não souberem qual é o apartamento do síndico ou do zelador? Na porta do apartamento térreo, é óbvio.

Na porta de quem o entregador da farmácia ou da tele-pizza vai bater quando não consegue ler o número dos apartamentos num interfone mal iluminado embaixo de chuva? Você queria que ele subisse de moto até a cobertura para pedir para entrar?

E na janela de quem as pessoas vão passar falando alto, fumando ou batendo com uma varetinha nas grades? Na janela do vizinho do quarto andar?

Janela de apartamento térreo ou fica de frente para a calçada, ou fica de frente para uma área comum do condomínio. Isso significa que a privacidade de um apartamento térreo é mais ou menos a mesma de uma jaula de macacos no zoológico. Existe um cantinho onde o macaco pode se esconder sem ser visto, mas é pequeno, sombrio e abafado. 

Você pode fechar as janelas para evitar os olhares alheios, mas isso acabará com a já precária ventilação do apartamento térreo. Além disso, janelas eliminam olhares, mas não eliminam o barulho dos pedestres que passam conversando alto, não elimina o cheiro do cigarro dos passantes e não elimina o burburinho do trânsito. 

As crianças do condomínio jogam bola embaixo da janela do apartamento térreo. De preferência no sábado de manhã, é claro. Acordar com o barulho de boladas nas persianas é uma bênção – ou pelo menos é bem melhor do que acordar com o barulho dos vidros da sua janela se espalhando pelo chão do quarto e por cima de sua cama. 

Para fugir destas pequenas perturbações, pode ser que o morador do apartamento térreo tente se refugiar no pequeno pátio que costuma existir. Certo, vamos analisar a estrutura desta “área privilegiada”.

O pátio do apartamento térreo ou é inseguro, porque tem um muro baixo, ou é mal ventilado, porque tem um muro alto, ou não tem privacidade alguma, porque é gradeado. Não que tivesse alguma privacidade caso fosse murado, porque afinal de contas todos os vizinhos dos andares de cima do próprio prédio e do prédio ao lado podem olhar tudo que acontece no pátio do apartamento térreo, bastando olhar pelas janelas – aquelas janelas que eles não precisam fechar para ter privacidade e que eles podem deixar abertas para garantir uma boa ventilação.

Colocar um biquíni para tomar um banho de sol no próprio pátio do apartamento térreo garante uma foto no álbum de um fake do Orkut: “minha vizinha gostosa” ou “baranga que se acha”, dependendo do gosto do vizinho. Topless garante uma aparição naqueles sites do tipo “caiu na net”.  E se for um homem pode cair uma casca de banana ou um balde de urina em cima, porque sempre tem um imbecil que se acha no direito de “não ter que ver homem seminu da minha janela”.

Isso para não falar do festival de bitucas de cigarro, pó de tapetes batidos na janela, papéis de bala e outras milhares de pequenas porcarias atiradas ou cuspidas pela janela dos andares de cima.

O apartamento térreo paga mais condomínio por causa do pátio, mas não recebe desconto no condomínio porque não precisa usar o elevador. E é o único que não pode reclamar do barulho do vizinho do andar de cima para não correr o risco de ser bombardeado por um vaso de flores que caiu “acidentalmente” de uma janela – um grande vaso de barro que ninguém nunca viu em sacada alguma, evidentemente. Só para não dizerem que não falei de flores. 

Agora adivinhe onde eu moro. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 28/02/2012 

 

80 thoughts on “O apartamento térreo

  1. maria elizabeth gonçalves

    02/02/2017 — 20:46

    Moro em apartamento térreo e descobri todos os defeitos que você enumerou. Vizinhos barulhentos, intrusos, fofoqueiros. Resolvi fazer um pergolado na área externa e os vizinhos me denunciaram na Secretaria de Obras da Prefeitura. Estou respondendo à autuação, mas nada paga a tranquilidade de estar na minha varanda, longe dos olhares dos vizinhos. O que vai acontecer? Não sei, mas vou brigar pela minha paz, tranquilidade.

    1. O inferno é que, se a gente tem que brigar, já não está em paz, nem tranquilo…

    2. Marcela Ramos

      15/02/2017 — 21:21

      Boa noite Maria Elizabete e Artur
      Gente como é terrível essa coisa de térreo!
      O Artur relatou muito bem, com graça e sem exageros!
      Bom, hoje eu comecei uma luta para instalar o meu pergolado também!
      Só que não conseguir pq zelador e síndica (apesar de autorização prévia verbal) não deixaram instalar!
      Li a convenção e nada diz!
      Enfim, formalizei por e-mail minha necessidade e pedir autorização novamente! A síndica disse que vai encaminhar para o jurídico, enquanto isso os ferros do meu pergolado estão no quintal.
      Caso seja negada a autorização para instalá-lo, vc tem dicas de quais caminhos devo seguir ?

    3. Que pena que eu não vi isso aqui antes. A resposta é: instala e pronto. Eles já tinham dito que sim, então bastaria ter instalado e pronto. E eles que recorressem à justiça se quisessem retirar.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: