O apocalipse do petróleo (History Channel)

Vocês acham que eu sou pessimista? Vou provar que não. Assistam: 

Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=WbGp3N6Gl5w (10:58) 

Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=RTfom1uBJQk (10:49)

Parte 3: http://www.youtube.com/watch?v=K9K22kIxQww (10:46) 

Parte 4: http://www.youtube.com/watch?v=nf40mVwvxY0 (4:17) 

Parte 5: http://www.youtube.com/watch?v=BH7rN8WtqLE (8:06)

Acho que vou fundar o “Clube dos Paranóicos pela Sobrevivência”. 

Aceito sugestões para lemas melhores que “associe-se ou morra”.  

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 12/03/2012 

36 thoughts on “O apocalipse do petróleo (History Channel)

  1. Vejo que não estou sozinho na minha paranóia 😀

    1. Bem-vindo ao Clube. 🙂

  2. Por isso que eu pratico arco e flecha e sei produzir ou consertar a maioria dos artefatos tecnológicos básicos. 😀

    1. E pilotar um veleiro, sabes? 🙂

  3. Já que vai acabar, o lógico seria começar anteontem a reestruturação da matriz energética. Não só pela poluição/aquecimento global, mas para minimizar o impacto econômico.

    1. Põe anteontem nisso, Gerson. Nós ecologistas avisamos desde a década de 60 sobre o aquecimento global, naquela época chamado de “efeito estufa”. Demoraram 40 anos para começar a nos ouvir e mesmo assim ainda não nos levam a sério, pois as nações estão brincando de “bolsa de carbono” (malditos economistas!) ao invés de cortar emissões radicalmente e redesenhar com urgência a matriz energética.

      Sabe qual é a real? É que nós vivemos em um mundo limitado e ninguém quer saber de ouvir falar em limites. Isso é de uma arrogância mortal – mas também que importa, se quem vai se ferrar são nossos filhos e netos, né?

      Certo tipo de “intelectuais”, como por exemplo todos os que falam “blá-blá-blá neomalthusianismo blá-blá-blá Whiskas Sachê” e os lobbystas da energia atômica, preferem apostar nas mais absurdas ideologias insensatas e teorias alopradas ao invés de reconhecer que é necessário reduzir a população humana e limitar o consumo de energia per capita a um nível certamente bem inferior ao de um estadunidense médio.

      Por causa destes loucos ou mal-intencionados, que conferem credibilidade à estupidez em um sistema cultural pós-moderno em que “cada um tem sua verdade e todas as verdades devem ser igualmente respeitadas”, bilhões de pessoas vão enfrentar de modo horrível Guerra, Peste, Fome e Morte… Os quatro cavaleiros do Apocalipse.

  4. Meu vídeo-sugestão-retribuição. Talvez cê já tenha visto.
    http://www.youtube.com/watch?v=gaO3aYAz2Bo

    1. Genial! Obrigado, Gerson! Eu conheço a história do assassinato dos carros elétricos, mas não conhecia este vídeo. Vou assistir com gosto. 🙂

    2. Só não pode recarregar o carro elétrico usando termoeletricidade a carvão, óleo ou gás.

  5. Só no território americano tem mais pretóleo que todo os países do mundo junto. Se os americanos começar a fazer buracos a econômia mundial vai a colapsos. Isso é provado.

    1. Mas é só um adiamento. Vai acabar. Mesmo que descubram novas reservas isso só vai adiar o problema.

    2. E tem mais um problema dentro do problema: vamos supor que amanhã saia dos jornais a descoberta de uma jazida embaixo da Antártida que contenha petróleo suficiente para satisfazer todas as necessidades da humanidade pelos próximos 10 a 20 séculos, mesmo levando em consideração que tivéssemos 20 bilhões de pessoas na face da Terra, todas elas consumindo energia no mesmo padrão de um estadunidense super-hiper-mega-ultra-top-de-linha-esbanjador.

      Alguém acha que O PLANETA agüentaria mais um século de lançamento de carbono fóssil na atmosfera mesmo nos níveis atuais?

  6. Antes de acabar, o preço irá aumentar, e muitas alternativas que, hoje, não são economicamente viáveis passarão a ser.

    1. O que só demonstra o quanto nossa espécie é estúpida, certo? Porque “economicamente viável” nada mais é do que um eufemismo ridículo para rotular “aquilo que atende os interesses de grupos gananciosos que não estão nem aí para o bem estar e nem para a sobrevivência de ninguém”.

      Que diferença faz se a “inviabilidade econômica” for produzida por um consenso político mundial que simplesmente proíba a extração e a queima de combustíveis fósseis ou por sua real extinção? Num e noutro caso, “acabou a farra, pessoal”. Só que em um caso o planeta fica bem e os grupos gananciosos não têm sua ganância satisfeita e no outro o planeta se explode e bilhões sofrem e morrem para satisfazer os grupos gananciosos. Percebes?

    2. Percebo, mas a turma gananciosa geralmente anda bem armada. E eu não estou disposto a enfrentar a OTAN de arco e flecha.

    3. HAHAHAHAHAHA!!! Bem lembrado!

      Mas isso também prova que a democracia é uma farsa. Se o sistema democrático inteiro não fosse uma mera falácia ad populum levada ao extremo, se ele fosse realmente sustentado sobre valores como dignidade, ética, busca da felicidade, segurança e justiça, então não haveria dificuldade para legislar deste modo que proponho.

  7. Estou num dilema. Se por um lado, enxergo o processo como historicamente natural (todo meio de produção entra em colapso, o que só é ruim para a geração em que o colapso ocorreu, habituada ao modo de vida promovido pelo meio de produção anterior), por outro, entendo que minha sobrevivência e de mais pessoas possível só se dará na medida em que desenvolverem um entendimento claro dos saberes necessários para manter sua própria subsistência. Prevejo um neo-feudalismo.

    1. Desta vez é diferente, Félix. Não se trata de um episódio como a extinção dos Maias, em que os efeitos foram locais. Estamos perante um episódio como a Grande Extinção do Permiano, de intensidade catastrófica e alcance global.

      Se o “problema” fosse a mera ruptura do sistema econômico baseado em petróleo, eu não estaria preocupado: eu simplesmente faria um plano de enriquecimento e compraria alguns hectares de terra em algum lugar lindo e bucólico, onde provavelmente poderia viver em segurança e tranqüilidade, assistindo pela TV a baderna no mundo…

    2. Num tá exagerando com essa extinção do permiano não?

    3. Eu espero sinceramente que sim, mas tecnicamente considero a hipótese plausível e provável se as tendências de consumo de combustíveis fósseis continuarem na direção que vão.

      O “ponto sem retorno” do derretimento das geleiras é 2°C acima da média pós-glaciações. Nós estamos hoje com um aquecimento de 1,8°C acima desta média. Apenas dois décimos de grau Celsius nos separam do ponto sem retorno, uma margem ínfima. E há uma péssima notícia sobre o atual Ciclo de Schwabe, de número 24: ele deverá ser especialmente quente, com imensas erupções solares durante todo o ano de 2012 e todo o ano de 2013, talvez também a maior parte do ano de 2014. Somando esta influência com o consumo acelerado de combustíveis fósseis e a diminuição constante e acelerada da capacidade de tamponamento climático da biosfera, devido ao desmatamento, à desertificação (arenosa ou verde, que é a desertificação das monoculturas) e à poluição dos oceanos, o prognóstico mais provável é de ruptura da capacidade de Gaia manter a estabilidade climática.

      Eu estou assustado. De verdade.

    4. Leste sobre a arma de clatratos? Quando o aquecimento global passar de 2°C, ele formará um feedback positivo de temperatura, derretendo mais gelo quanto mais gelo for derretido. A exposição do solo nu sob o gelo ou da água sob o gelo reduzem o albedo terrestre, aumentando portanto a absorção de calor, o que derrete mais gelo, o que por sua vez expõe mais solo, fechando o ciclo.

      Se essa brincadeira levar a temperatura da Terra até 5°C acima da média pós-glacial, o que é bastante provável (espera-se que esse fenômeno sozinho possa elevar a temperatura média um pouco acima de 6°C acima da média pós-glacial), disparará o gatilho da arma de clatratos de metano dos leitos oceânicos – liberando tanto metano (um potente gás estufa) que a temperatura média do planeta pode chegar a se tornar 10° a 12°C superior à média pós-glacial em poucos anos. Uma mudança de temperatura desta magnitude, especialmente com a velocidade da variação após disparar o gatilho de clatratos, promoveria com certeza uma segunda extinção do tamanho da Grande Extinção Permiana.

  8. O capilismo sempre existiu, as trocas voluntárias, só que hoje devido ao avanço tecnológico ele se diversificou, acabando produzindo coisas além da necessidade, até mesmo de lazer. O capitalismo vai haver sempre, mas em menos escala de oferta de produtos, só o básico e mais o necessário para alguém ter seu lazer final de semana. Por exemplo: cerveja não vai ter como produzir com se produz hoje, consome muita água, vai ter que diminuir e o preço vai aumentar.

    1. E tu gostas desta perspectiva, Nelson? Um mundo em que só uma elite privilegiada poderá ter prazeres simples e a grande maioria viverá apenas para lutar por uma sobrevivência desprovida de sentido e de esperança?

  9. http://www.youtube.com/watch?v=XnXZzx9pAmQ&feature=relmfu >>>>> Para um curso bem mais aprofundado sobre isso, criado pelo Chris Martenson.

    Quem assiste a uma coisa dessas e consegue dormir 100%, é porque não entendeu ou porque tá pouco se f*dendo mesmo.

    1. Assisti as três primeiras partes. Isso é MUITO semelhante às aulas que eu dava no pós-graduação em ecologia! 😮

  10. Os videos sao interessantes, mas infelizmente longos, o que torna dificil a participacao no debate.

    Tambem ‘e uma pena que os videos sejam traduzidos, em vez de legendados, pois os erros de traducao sao infelizmente muito comuns. Eu prefiro ter acesso ao original, alem de a traducao na forma de legendas.

    “Quando faltar o petroleo podera’ haver uma guerra…” Bem, a ultima guerra entre os USA e outros paises acaba de ter sido motivada pelo petroleo, entao esta afirmacao nao pode ser feita no futuro, mas no presente ou passado. Esta historia de guerra contra o terror voces sabem bem que serve apenas para a opiniao publica…

    O petroleo pode ser esbanjado por individuos (carros, energia para casa, transporte aereo), mas estes videos sugerem que as pessoas sejam as responsaveis pelo “uso” da reserva nao-renovavel. Sim, mas apenas em parte. A verdade e’ que o desenvolvimento economico das comunidades bem como sua supremacia e’ diretamente dependente da energia, que ‘e por sua vez designada para o setor produtivo.

    Sim, os EUA como o resto do mundo, ‘e dependente de oleo como fonte de energia. Nos EUA ha’ subsidios para individuos que usam formas alternativas de energia, tanto para casa quanto para transporte. Depois de subsidios, mais recentemente ha’ modificacoes na legislacao, que obrigam fabricantes de produtos para consumo individual (transporte e moradia) a adequarem seus produtos nos proximos 10 anos a niveis de consumo de petroleo reduzido. Isso por sua vez impulsionou o desenvolvimento de tecnologia de fontes alternativas de energia para produtos destinados ao consumo individual, tais como carros eletricos ou hibridos de todas as marcas.

    A serie de videos foca muito nos automoveis. Mesmo que nao falem diretamente no consumo de gasolina, varias vezes os textos sao ilustrados com estradas lotadas de carros. Para mim, como nao e’ incomum, os videos do History Channel visam propaganda de politicas governamentais destinadas ao consumidor final. Gradualmente a ideia de ter um caminhao com 5 mil cavalos, que faz 3Km/L esta’ sendo substituida por ser “esperto e ecologico”, e comprar seu proprio carro eletrico, independente da potencia do motor.

    O Governo Norte americano faz muita propaganda nestes programas. Se economizar um pouco de petroleo diminuindo o consumo final pelos individuos, as grandes fabricas, transportes de massa e telecomunicacoes (setor produtivo) acabam favorecidas. O Governo tambem costuma “mandar recado” por canais como Discovery Channel e History Channel, de forma sutil, e sem causar panico na populacao.

    Ja’ no Brasil, apesar do Pre-sal, os programas bem organizados para o desenvolvimento de fontes alternativas de energia estao presentes desde o inicio dos anos 70. Na minha opiniao o Brasil esta’ na vanguarda neste quesito.

    A questao que fica ‘e de onde vamos conseguir agua para produzir tanta cana?

    1. Água é o que não falta no planeta – principalmente no Brasil, que tem o Amazonas. Mas o problema real é viver em um mundo que está à beira de um colapso energético e climático e os principais interesses das pessoas são estes: http://twittercounter.com/pages/100

      Isso é que me cansa a paciência.

      .
      .
      .

      Que maravilha te ver dizendo isso, Paulinha:

      “Quando faltar o petroleo podera’ haver uma guerra…” Bem, a ultima guerra entre os USA e outros paises acaba de ter sido motivada pelo petroleo, entao esta afirmacao nao pode ser feita no futuro, mas no presente ou passado. Esta historia de guerra contra o terror voces sabem bem que serve apenas para a opiniao publica…”

      Eu já estava pensando que, se escrevesse um artigo sobre isso, tu ias dizer “que absurdo dizer estas calúnias contra nosso amado ex-presidente Bush sem provas”… 😛

      “O petroleo pode ser esbanjado por individuos (carros, energia para casa, transporte aereo), mas estes videos sugerem que as pessoas sejam as responsaveis pelo “uso” da reserva nao-renovavel. Sim, mas apenas em parte. A verdade e’ que o desenvolvimento economico das comunidades bem como sua supremacia e’ diretamente dependente da energia, que ‘e por sua vez designada para o setor produtivo.”

      Indo além: e há também o fato de que as pessoas simplesmente não possuem outras opções exceto aquelas que lhes são oferecidas por um mercado a cada dia mais dominado por gigantescas corporações que não estão nem aí para o futuro do planeta. Dá uma olhadinha no artigo Você acha mesmo que faz a diferença? e analisa se os investimentos planejados pela Petrobrás são compatíveis com as sugestões de “deixe o carro em casa e vá de ônibus/bicicleta para o serviço”…

      A verdade é que todas estas iniciativas pseudo-ecológicas tendem apenas a produzir um mercado mais lucrativo para a classe A e mais inacessível para todas as demais.

  11. bom, se toda a frota de carros de passeio americana fosse substituida por veiculos classificados como low emission, o consumo de oleo diminuiria significativamente, mas seria IMEDIATAMENTE canalizado para o setor produtivo.

    por isso a propaganda para mudanca de conduta, para achar que flexifuel, hibrido ou eletrico sejam melhores que muitos cavalos que consomem demais, para o consumidor final.

    e isto e’ fato. qdo comprei meu primeiro carro hibrido aqui recebi mais de U$2500 de bonus na restituicao de meu IR.

    a lei agora determina que carros tenham emissao limitada ja’ na fabricacao. ou seja, o modelo que nao obedecer, nao podera’ mais ser vendido. por isso, de repente, todas as montadoras tem uma linha de producao de eletricos ou hibridos. alem disso, todos os carros passam por checagem de emissoes anualmente, e so’ recebem permissao para rodar por mais um ano se estiverem dentro dos limites legais.

    1. Pois é… de que adianta não queimar combustíveis fósseis em um lugar e queimar em outro? O mesmo carbono fóssil não vai para a mesma atmosfera, causando o mesmo problema? Por isso eu sugeri a leitura do “Você acha mesmo que faz a diferença?”.

  12. Colapso Ambiental ???? Peak Oil ???? Acordem para as falsas verdades científicas…a propósito vcs também acreditam que todo petróleo é de origem orgânica né ???

    1. Não, claro que não. A maior parte do petróleo é materializada telepaticamente no subsolo através da meditação transubstanciadora de uma tribo herege dos zygoteanos que deseja fortalecer a economia terrestre para que tenhamos condições de produzir armas capazes de enfrentar sua frota intergaláctica e chutar a bunda dos invasores verdinhos.

  13. O tema é legítimo, a preocupação também. Mas aqui entre nós: esse pessoal do HC sabe fazer vídeos sensacionalistas como ninguém.

  14. Os vídeos (misteriosamente) não estão mais disponíveis no Youtube! Não sabe se estão disponíveis em outros sites, ou mesmo se lembra dos títulos, Arthur? Fiquei curiosa! hahaha

    1. O título dos vídeos era o mesmo título do artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *