O blog Pensar Não Dói começou a sofrer ataques de trolls ideologicamente vinculados aos movimentos sociais aqui criticados. É um bom sinal. Significa que o blog está incomodando ao desmascarar mentiras e falácias e lançar luz sobre as verdadeiras intenções destes grupos lobbystas. Mas isso também significa que os amigos do blog terão que tomar alguns cuidados extras daqui em diante. 

Quer tirar o melhor proveito possível da internet?

Em primeiro lugar, lembre-se de que a internet é um ambiente onde pessoas de todos os tipos podem circular anonimamente. Muita gente abusa deste privilégio para cometer abusos que não cometeria se estivesse frente a frente com seus interlocutores. Portanto, é necessário estar alerta e saber como agir no ambiente virtual para não passar por experiências desagradáveis ou mesmo perigosas. 

Em segundo lugar, lembre-se de que, se você não é o dono ou o administrador do espaço virtual, seja um blog, uma comunidade do Orkut, um canal do Youtube, etc., você não tem como impedir a degradação do ambiente, porque lhe faltam as ferramentas necessárias para deletar postagens impróprias e bloquear a participação dos inconvenientes. Portanto, não tente fazer o impossível, pois você só vai se incomodar e divertir os trolls

Alerta e ciente de suas limitações, siga estas dicas: 

1. Não alimente os trolls

Não responda as mensagens de um troll tentando convencer o troll, pois ele não se importa com a lógica, com a racionalidade ou com quem tem razão – os objetivos de um troll são apenas incomodar, confundir, estragar os debates e divertir-se à custa dos outros. 

2. Jogue para a platéia

Se você achar que um troll apresentou um argumento que precisa ser refutado, mantenha a postura e responda de modo a esclarecer os demais leitores e interlocutores honestos daquele espaço, sem se preocupar com o que o troll diz ou com o quanto o troll provoque. 

3. Não se coloque na linha de fogo

Seja educado, mantenha o foco em sua própria linha de raciocínio e não se rebaixe ao nível do troll, de modo que o administrador ou moderador do espaço não confunda você com um troll e não tenha dificuldade de separar as suas postagens das do troll

4. Pense na internet como um buffet

Quando você se serve em um bom buffet, você pega o que gosta e vai para sua mesa, você não passa o resto da refeição reclamando que não gosta de um dos pratos disponíveis, nem tenta convencer os outros a não comerem aquilo. 

Por outro lado, se você entra no restaurante e encontra o chão sujo, os pratos e talheres sebosos, a comida com mau aspecto e moscas voando ao redor, você não tenta obter tratamento especial, você vai comer em outro lugar. 

5. Dica especial para moderadores

Quem entrar com um pé na porta

deve sair com um pé na bunda. 

É simples assim, pessoal.

Outras dicas são bem-vindas. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 28/08/2012

34 thoughts on “Pensar Não Dói, mas incomoda

  1. problema é que eu não acredito que o all mon, por exemplo, seja um troll, eu comecei o curso de direito esse ano e dá pra ver que tem muitos que acreditam naquelas teorias que ele tava defendendo…

    1. Isso. Mas faltou civilidade, né?

    2. Gente, vocês estão sendo ingênuos desta vez. 🙂

      Primeiro um “Leonardo” disse: “Se pensar não dói porque você não pensa?” – ataque puro.

      Depois uma “Pricila” respondeu: “Ele é masoquista!” – aproveitando a deixa do primeiro troll.

      Depois essa “Pricila” disse: “Dizer que mulheres, homossexuais e negros tem os mesmos direitos é, no mínimo, vergonhoso!” – sem nenhuma fundamentação.

      Depois um “Max” disse: “Olavo de Carvalho fazendo escola e coletânea de falácias clássicas, tsc, tsc, tsc, chega a ser grotesco.” – ataque puro.

      Depois ele continuou: “Continuando o destroçar de nosso querido reaça:” – ataque puro.

      Aí chegou o All Mon e no primeiro comentário disse:

      Meu caro, antes de disseminar tanta asneira pela internet, procure aprender o mínimo. Já ouviu falar na distinção entre IGUALDADE FORMAL E IGUALDADE MATERIAL? Aprenda tal distinção e, a partir daí, conversaremos.
      O máximo que você consegue é reciclar, mal e porcamente, os velhos clichês dos reacionários. Se os homens brancos e heterossexuais sofressem, em razão dessas condições, a sua fala teria algum valor. Mas, para qualquer pessoa que não sinta dores ao pensar, a realidade é muito diferente desta pintada por você.
      Da próxima vez que quiser falar sobre algum assunto, seja, ao menos, honesto com os seus próprios preconceitos. Diga, sem eufemismos, que você apoia o racismo, a homofobia e o machismo. É algo bem menos deprimente do que tentar deturpar as lutas sociais com o intuito de disseminar preconceitos.
      Em suma, pensar não dói, mas deve ser um sacrifício imenso para você

      Vocês acham mesmo que alguém que se apresenta deste modo é um interlocutor respeitável? 😮

      Depois o mesmo “Max” disse: “Imagino que arturzinho tenha frequentado inúmeras darkrooms para formar uma opinião séria a respeito, e é claro, não condena em absoluto os vários estabelecimentos meretrícios de boites ou single bar qdo se trata de heteros, afinal problema de saúde pública só existe quando se tratam de gays, rs…. Oh Medo não é não? rs”

      E o “All Mon” respondeu ao “Max”: “Claro, Max. Afinal, as DST”s são exclusivas de gays. Prova disso é que, até hoje, não morreu nenhum heterossexual em função da AIDS.
      E o sujeito ainda diz que “pensar não dói”.”

      O conjunto da obra, só até aí, é mais do que suficiente para identificar a trollagem e deletar todas as postagens destes trolls.

      Eu só não deletei tudo porque vi que alguns dos leitores honestos do blog se puseram a debater com os trolls e foram impecáveis em suas respostas, refutando com classe as bobagens ditas pelos trolls.

      Observem que depois que os trolls viram que não tinham sido deletados, as mensagens deles se tornaram mais longas e melhor argumentadas. Ou seja, eles sabiam desde sempre (muito óbvio) que já haviam chegado ultrapassando os limites da boa educação e do respeito, e que seriam deletados logo a seguir, mas como eu fiquei sem acessar internet no fim de semana eles resolveram aprofundar a chafurda discutindo com os outros leitores ao invés de jogar pedras em mim.

      O “All Mon” chegou a dizer: “E a má-fé desse senhor é escandalosamente canalha.” Quem faz isso no blog alheio espera outro tratamento que não o de troll? 😉

      Todo e qualquer argumento supostamente digno que o palhaço por trás do nome “All Mon” postou depois não apagam o fato incontestável que ele entrou aqui para trollar o espaço e ofender o autor dos textos que desmascaram os podres da ideologia dele.

      E o fato de toda a trollagem citada nesta mensagem ter sido praticada por gente sem identificação, num período de 24 a 48 horas e num único artigo, mostra que provavelmente houve uma ação estimulada em algum fórum virtual “politicamente correto”.

      Eu aposto que algum PC esquentadinho ou algum troll, postou o link daquele artigo em uma comunidade do Orkut para os outros virem aqui trollar.

    3. bom, pelo menos o All Mon foi o único que trouxe alguma coisa que pudesse ser aproveitada no meio das ofensas…

      sobre a falta de civilidade, o uso da falácia do pote envenenado e o patrulhamento ideológico são o comportamento padrão dos esquerdistas…

    4. Que não era um “troll profissional”, isso está claro. Trolls profissionais não chegam batendo, porque sabem que depois não dá pra recuperar a credibilidade. Mas que a intenção original era “tróllica”, creio que a explicação acima demonstra claramente.

  2. “Quem entrar com um pé na porta
    deve sair com um pé na bunda.”

    Adorei! Posso dizer que é minha? 🙂

    Essa devia ser a Regra de Ouro da Internet(e não só da internet).

    1. Eu já uso a expressão há algum tempo, mas autorizo a reprodução… Desde que citada a fonte. Hehehehe… 🙂

  3. Eu estava trolando os trols. Nem se preocupe rs. Mas falei muitas verdades.

    1. Eu tambem. Às vezes usava um estilo de trollagem particularmente chato naquele meu fórum. Consiste em não me zangar e responder ao troll sobre cada detalhe do que ele escreveu. Como o que o troll quer é irritar, ele fica irritado por não conseguir. E explicando tecnicamente é como explicar uma piada, estraga. E uso um estilo professora primária puxando orelha.

      Fiz um pouco disso, acho que meio no automático. Mas requer tempo, paciência e energia. No fim concordo que não compensa no geral o esforço, a não ser que você esteja com muita vontade de brigar.

    2. Ou brincar

    3. Eu de vez em quando trollo os trolls também… Mas às vezes isso abre espaço para um terrível jogo de desgaste, pois o troll percebe e começa a deixar “ganchos” para manter o bate-boca – e aí estamos presos a uma espiral de discussão que não podemos abandonar facilmente.

      Trolls experientes são bem desagradáveis.

  4. Cuma? Onde? Quando? Quem? Como?

    1. Aqui:
      http://arthur.bio.br/2011/08/19/direitos-humanos/os-movimentos-sociais-feminista-negro-e-gay-nao-defendem-direitos-humanos#.UD4UPKOCmA8

      Houve uma invasão de trolls devidamente repelida pelos glóbulus brancos (e afrodescendentes e índios, assim como glóbulas*) daqui.

      *-É melhor não arriscar um processo por discriminação.

    2. HUAHUAHUAHUAHUA!!!

      Tá ficando preta a situação.

      Xi… Lá vem processo…

  5. Aliás glóbulos de um blog são o que? Blógulus?

    1. Gerson B sempre trazendo humor pra esse blog tão sério 😀

      Eu achei melhor não responder lá por um motivo. Imaginei um fórum ou algo similar com a galera falando “esses reaças são tudo assim, a gente critica um já chegam mais de 8 mil pra brigar, não sabem discutir”, e imaginei alguém se referindo a “arthurzetes”. Daí, concluí que a melhor maneira de proceder era deixar o Arthur responder, (ou talvez responder bem tecnicamente e sem levar pro lado pessoal, como você sugeriu, mas isso realmente é dá trabalho demais, hahaha).

    2. Glóblogus. 😀

    3. Arthurzete é cruel. Ô palavrinha esdrúxula! Ainda não tinha visto ninguém dizer isso. 😛

      Mas a técnica de trollar o troll do Gerson é a única inatacável por um terceiro honesto, e costuma desmascarar 100% o troll. O brabo é mesmo o consumo de tempo e energia – e o troll sabe disso.

      Tem que ser um Félix Maranganha pra ganhar dos trolls no cansaço. Ô cara persistente numa discussão! E sempre centrado, educado e didático.

  6. Eu também achei melhor não responder porque eu sabia que o Arthur ia dar conta. E também porque eu até sei que aquele povo chegou pra trollar, mas eu me irrito muito facilmente quando vejo alguém distorcendo a lógica de um argumento só pra causar confusão. Se eu respondesse, ia acabar trollando o artigo sem intenção de fazer isso.

    1. É, foi uma pena eu ter demorado para ver o que estava acontecendo. Mas acabou sendo legal, o pessoal argumentou no meio do tiroteio sem perder a linha, ficou muito bom para terceiros que leiam sem comentar.

      E ainda rendeu um artigo e umas dicas para os internautas não serem facilmente manipulados pelos trolls. No final das contas, deu lucro. 🙂

  7. Até aqui apareceu isso? Como sempre tem algo que se aproveite, fiquei abismado com a elegância do Arthur e dos demais leitores do blog. Sério, até evitei responder porque certamente destoaria da compostura e educação de todos os que responderam aos…ops…não posso perder a compostura. Aos xxx, vamos assim dizer.
    O que me intriga é que nos xxx daonde vem esses xxx, você pode tentar argumentar com toda razoabilidade, coerência e educação que acaba sendo ofendido e bloqueado. E os xxx se consideram no direito de invadir espaço alheio ofendendo todo mundo sem um único argumento minimamente lógico, somente repetição de clichês e ofensas de baixo calão.
    Sim, estou me censurando pra não destoar da classe e refinamento do Arthur e demais leitores do blog que se prestaram a responder a uns xxx.

    1. É, apareceu. Não é a primeira vez, aliás. Mas desta vez foi mais evidente.

      Acho que eles não voltarão. Primeiro porque não conseguiram irritar ninguém, nem fazer o nível baixar. Segundo porque devem saber que suas próximas intervenções receberão ainda menos respostas e que provavelmente eu as deletarei.

      E esse lance de nos ambientes deles a gente ser expulso ou bloqueado bastando divergir, por mais educado que se seja, enquanto que fora eles exigem tolerância a todo tipo de ofensa e agressividade, isso é bem real. E mostra o caráter das pessoas, claro.

  8. HUAHUAHUAHUAHUA só agora percebi uma coisa. Os leitores do Pensar não Dói deram um banho intelectual em um dos perfis mais boçais do orkut. E já que ele falou tanto sobre “caráter”, sugiro ao Arthur convidar a Elenita Rodrigues, uma das maiores defensoras dos direitos BGLT. Creio que, no que diz respeito a CARÁTER, ela tem muito o que contar sobre este cidadão e alguns amiguinhos dele.

    1. Achas que era ele?

  9. Caro Arthur! Quero parabenizá-lo por seu blog ter alcançado o estágio de trollagem. Mantendo a linha de pensamento acredito que você não espera gerar os vazamentos de um WikiLeaks, mas “Thinking is not Painful” bem que poderia se transformar num meme internacional. Um abraço.

    1. Hehehehehe… Agora só me falta um stalker virtual. 😛 Aí é a glória! 😛

  10. Que massada. Perdi a festa.

    Porra, seu Zé Ruela. Na próxima me avisa. Vou vir aqui me divertir.

    1. Eu também cheguei atrasado! Só comentei depois de terminado o show!

  11. A propósito, mudando de pau pra cavaco. Já procurou o Procon pra reclamar da Claro? Seu contrato chegou em casa?

    1. Não pedi a cópia do contrato ainda. Pretendo me informar melhor para decidir o que fazer nesta semana. PROCON ou JEC? Qual pode me ajudar melhor e mais rápido?

  12. JEC costuma ser lento como uma carroça. Passo essa raiva todo dia.

    1. Mas não é o meio mais rápido para resolver pequenas causas?

  13. O Procon é ágil, mas ele só garante que o cliente seja ressarcido, no máximo com uma multa simbólica, e não venha a ser explorado.

    Processos mais onerosos vão pro juizado especial e isso requer uma demanda de tempo e paciência maior, além de ter garantias bem menores de ganhar a causa, já que o querelante tem que arrumar as provas, diferente do Procon.

    1. Eu quero é uma ordem para que a Claro cumpra o contrato original. Isso o PROCON faria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *