Porto Alegre está embaixo d’água há três dias. O trânsito está um caos. As ruas estão permanentemente alagadas. Ninguém chega em lugar algum com os sapatos secos. E lá vinha eu a pé, do estacionamento até meu local de trabalho, quando um xxxxx-xx-xxxx passou rápido sobre uma poça d’água a meu lado – e na mesma hora eu me lembrei de um documentário sobre gorilas que assisti na National Geografic.

gorilas 

Os gorilas fazem “ninhos”. Eles amontoam folhas e ramos em espaços mais ou menos circulares onde vários deles se acomodam juntos para dormir. E defecam indistintamente dentro e fora dos tais ninhos. Lembro-me de uma cena em que um gorila se levanta e algumas fezes sobre as quais ele estava dormindo se desprendem de seus pelos.

Caiu a ficha aqui que o ser humano médio não é muito diferente disso.

Os ninhos dos gorilas oferecem para eles um ambiente mínimo para a satisfação de uma necessidade básica – descanso. Poderiam ser muito mais saudáveis e confortáveis com um mínimo de esforço se os gorilas se importassem com isso, porque inteligência para isso os gorilas têm.

Nossas ruas nos oferecem um ambiente mínimo para a satisfação de uma necessidade básica – deslocamento. Poderiam ser muito mais saudáveis e confortáveis com um mínimo de esforço se (os gorilas se importassem) nós nos importássemos com isso, porque inteligência para isso nós temos.

Nossos carros possuem o mesmo formato básico há mais de um século, e nenhum engenheiro de nenhuma montadora até hoje resolveu o problema de onde colocar um guarda-chuva molhado ao entrar no carro em um dia de chuva. Inteligência para isso eu suponho que exista.

Nossos hospitais possuem “fila da emergência”. Em época de epidemia de gripe A, potencialmente fatal, as filas das emergências lotaram salinhas sem ventilação onde se amontoaram centenas de pessoas com as mais diferentes moléstias respiratórias misturadas entre si e com pessoas que ali tinham necessidade de estar pelos mais variados motivos. O tempo médio de atendimento em um hospital que procurei no meio da pandemia de gripe A de 2009 – quando fui infectado – era de seis horas e chegou a dez horas no auge da epidemia, que foi magnificada pela própria estrutura hospitalar descrita. Estamos em 2012. Adivinhem se algum hospital no Brasil alterou sua estrutura física para se preparar para uma outra eventual pandemia de moléstia respiratória. Inteligência para isso eu suponho que exista.

Em muitos lugares do Brasil há enchentes e desabamentos devido às chuvas. Todo ano algumas pessoas morrem em desabamentos de favelas. Todo ano muitas pessoas perdem seus móveis e até mesmo suas casas devido aos mesmíssimos fenômenos. Cadê o aprendizado com as tragédias passadas? Cadê as soluções proativas para enfrentar problemas que certamente voltarão a acontecer? Inteligência para isso eu suponho que exista.

Enfim, eu poderia passar páginas e páginas citando exemplos, mas isso não é necessário. Voltemos ao exemplo original. Há quanto tempo existe chuva? Nossas ruas e avenidas levam em consideração o fato de que existem pedestres que não querem ser atingidos por ondas de água e barro atirados pelos automóveis sobre as calçadas? As roupas, calçados e acessórios disponíveis no mercado para que as pessoas lidem com dias de chuva intensa são adequados? Por que a Nokia parou de produzir galochas?

Galocha Nokia

Não é que falte inteligência para tudo isso, é claro. Assim como não falta inteligência para resolver a maioria dos problemas de todos os primatas – das fezes nos ninhos à adequada distribuição de recursos e definição de processos de controle social e econômico para garantir saneamento, saúde, educação, moradia, transporte e demais necessidades para promover a cidadania para todos. O que falta mesmo é refinamento.

“Refinamento, Arthur? Por que não sensibilidade, talvez interesse ou mesmo compromisso? Ou simplesmente senso de prioridade, porque há questões mais importantes?”

Por causa do funk e do concurso de beleza que o Pedro Bial fez no “Na Moral”.

“Hein???”

É.

A Navalha de Occam é o princípio segundo o qual “as entidades não devem ser multiplicadas além da necessidade”, ou “Se em tudo o mais forem idênticas as várias explicações de um fenômeno, a mais simples é a melhor”.

Nossos cérebros são “programados” para detectar padrões. (Ótimos links dentro do link.)

Junte as duas coisas e entenderá por que raios eu estava procurando uma função única que explicasse tanto as fezes nos ninhos dos gorilas quanto os carros sem lugar para o guarda-chuva molhado, as filas nas emergências hospitalares e os imbecis que perdem todos os móveis pela quinta vez em enchentes iguais às dos anos anteriores.

E, surpreendentemente, foi a péssima escolha de “representantes de beleza” do programa do Pedro Bial e a ainda mais péssima qualidade supostamente “musical” do funk que me fizeram montar o quebra-cabeças. Tudo isso se explica através do refinamento, uma variável que para ser compreendida exige a própria presença no cérebro do receptor da mensagem.

Não é que o gorila perceba o problema de ter fezes no próprio ninho e não se importe com ele. O que acontece é que o gorila nem sequer percebe a existência de fezes no ninho como um problema, porque ele não tem refinamento suficiente para isso.

Do mesmo modo, não é que certas pessoas – muitas pessoas – percebam que existem problemas com a estrutura viária, com o conforto dos automóveis ou com a segurança dos hospitais e não se importem com eles. O que acontece é que estas pessoas nem sequer percebem estes fatos como problemas, porque elas não têm refinamento suficiente para isso.

Já que o blog é contra o “politicamente correto”, vamos pegar pesado e usar como exemplo para falar da falta de refinamento média nada mais nada menos que a beleza feminina. Mais especificamente a beleza do corpo feminino. 

Veja as participantes do “concurso de beleza” do Pedro Bial no programa Na Moral:

MIss Na Moral

Da esquerda para a direita, temos a Mulher Melão Renata Frisson, a top model Katy Carolla e a Garota Fitness SP Nathália Santoro. Essas três desfilaram de biquíni no centro do Rio de Janeiro. E fizeram sucesso, um grande sucesso.

Como??? 

Nenhuma das três tem um corpo bonito. A mulher melão é um enxerto de silicone em um corpo obeso, a top model é um cabide esquelético para roupas feitas por incompetentes que não gostam de corpo de mulher e a garota fitness é uma versão com seios do Schwarzenegger.

Dá licença, Bial, – e brasileiros em geral – mas mulher bonita com corpo bonito é assim: 

Mulher linda 1

Ou assim: 

Mulher linda 2

Eis duas mulheres que me enchem os olhos de prazer ao olhá-las. Ambas possuem rostos e corpos belíssimos, com todas as curvas no lugar certo e tudo muito proporcional. O “conjunto da obra” encanta. 

As modelos apresentadas no programa Na Moral, ao contrário, tinham sempre alguma coisa exagerada – ou muito peito e muita bunda, ou muito osso, ou muito músculo. É como se “mais” de uma determinada característica fosse necessariamente “melhor”. Falta de refinamento.

E quanto ao gênero musical que citei antes? Bem, depois de ver as beldades acima, não vou estragar o artigo citando letras de funk, mas quem quiser ter uma idéia do “refinamento” de um baile funk pode dar uma olhada neste vídeo de um baile funk e depois comparar com uma coisa “careta” e “chata” como por exemplo Bach no violão ou talvez um show no dulcimer. Ou talvez prefira algo mais moderno como solo incrível de Rick Wakeman ou esta versão fantástica de Canon Rock. Talvez você prefira relembrar a incrível revelação de Susan Boyle e de Paul Potts. Não importa muito o seu gosto musical, você vai reconhecer a qualidade de tudo isso. 

Da engenharia de automóveis à beleza das mulheres, de gerenciamento hospitalar à sonoridade musical, o fenômeno é o mesmo. Há pessoas que são suficientemente refinadas para apreciar a beleza e a qualidade – bem como detectar suas ausências – e há pessoas com o refinamento de um gorila. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 18/09/2012

72 thoughts on “Refinamento gorilesco

  1. Poderia citar também o Descartes, o Spinoza, o Schopenhauer, aliás tem alguns livros que são excelentes e são bastante úteis na sua aplicação.Muitas pessoas citam a arte de escrever bem.

  2. Alexandre,eu detesto leitura orientada,citei alguns autores para o Elvis porque ele demostrou interesse no assunto.

    E meu comportamento no mundo virtual sempre foi o de ajudar,quando possível.

    Detesto Descartes, o Spinoza, o Schopenhauer, por isso jamais os citarei.

    Prefiro indicar autores que posso entender.

  3. A moça número 3 ( tirando o salto ) é a que está melhor na foto.

    As outras estão mal vestidas.

    Mas não são as únicas.

    http://www.google.com/imgres?q=gente+mal+vestida&hl=pt-PT&client=firefox-a&hs=6ev&sa=X&rls=org.mozilla:pt-BR:official&channel=np&biw=1366&bih=639&tbm=isch&prmd=imvns&tbnid=6GULAQ0l2e02rM:&imgrefurl=http://alfinetadasblog.blogspot.com/2010/04/para-tudo-que-eu-quero-descer.html&docid=TGXnMAgH4OFCsM&imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_19ecIcAb-Lc/S7VSt_uCyBI/AAAAAAAAAFo/Mcw7xnkuk4A/s1600/aretha%252Bfranklin%252B%252Bgafe%252Bmoda.jpg&w=316&h=473&ei=N2JkUP29EImN0QG5qYCoDg&zoom=1&iact=hc&vpx=536&vpy=117&dur=8860&hovh=275&hovw=183&tx=97&ty=140&sig=101498529646127883849&page=1&tbnh=150&tbnw=103&start=0&ndsp=23&ved=1t:429,r:3,s:0,i:80

    http://www.insoonia.com/as-atrizes-mal-vestidas-da-historia-do-oscar/

    http://www.google.com/imgres?q=gente+mal+vestida&hl=pt-PT&client=firefox-a&hs=6ev&sa=X&rls=org.mozilla:pt-BR:official&channel=np&biw=1366&bih=639&tbm=isch&prmd=imvns&tbnid=bKPcLIu0SxdxLM:&imgrefurl=http://ligadafeminista.blogspot.com/2011/12/mal-vestida.html&docid=fAVFjyJPiKqSbM&imgurl=http://3.bp.blogspot.com/-G2K_BZ1C69M/TufiZC859jI/AAAAAAAABZY/Vjaist9CwZo/s1600/mal%252Bvestida.jpg&w=470&h=315&ei=N2JkUP29EImN0QG5qYCoDg&zoom=1&iact=hc&vpx=916&vpy=162&dur=6534&hovh=184&hovw=274&tx=107&ty=71&sig=101498529646127883849&page=1&tbnh=150&tbnw=207&start=0&ndsp=23&ved=1t:429,r:6,s:0,i:89

    http://www.google.com/imgres?q=gente+mal+vestida&hl=pt-PT&client=firefox-a&hs=6ev&sa=X&rls=org.mozilla:pt-BR:official&channel=np&biw=1366&bih=639&tbm=isch&prmd=imvns&tbnid=vS_diSZ6ElBVjM:&imgrefurl=http://www.vibeflog.com/misslohan/p/890715&docid=SxiSCQUHTBeRAM&imgurl=http://h1.vibeflog.com/2006/01/17/10/890715.jpg&w=450&h=372&ei=N2JkUP29EImN0QG5qYCoDg&zoom=1&iact=hc&vpx=478&vpy=12&dur=443&hovh=203&hovw=246&tx=144&ty=4&sig=101498529646127883849&page=1&tbnh=124&tbnw=150&start=0&ndsp=23&ved=1t:429,r:18,s:0,i:127

    1. Dentro do item “refinamento” a questão da vestimenta entra também, claro. E os exemplos que citaste são bem emblemáticos.

  4. Nos falta educação e espelho,rs.

    Se aceitamos TUDO,não podemos reclamar de nada.

    As cidades deixaram de ser um lugar agradável faz tempo,quem não percebeu?

    Alguém já notou a alta concentração de cloro na água tratada?

    Já notou a “imobilidade urbana” ?

    Já notou a falta de sensibilidade e bom-senso no cotidiano ?

    1. Já… Tudo isso… 🙁

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: