O padrão “politicamente correto” que sugeri aos leitores identificar na primeira parte deste artigo é o seguinte: para os PCs, não existem ações certas ou erradas, existem agentes certos ou errados, mesmo que pratiquem as mesmas ações. 

Ofender alguém é certo ou errado? Depende. Se você for um PC e ofender um não-PC, é certo. Se você for um não-PC e ofender um PC, é errado. Esta é a essência da moral politicamente correta. 

Existe, é claro, uma exceção: se você for membro de um dos grupos sociais defendidos pelos PCs (principalmente mulheres, negros e homossexuais) e discordar deles, então você está errado – e a razão disso é que você sofre de machismo internalizado, racismo internalizado ou homofobia internalizada. Afinal de contas, mesmo sendo o principal interessado (ou interessada), você não tem o direito de discordar dos dogmas politicamente corretos. 

Ah, sim: ênfase na palavra dogmas

A seita politicamente correta é messiânica e fundamentalista, impermeável à razão e cega para todas as evidências em contrário. Igualzinho aos cristãos que dizem que a Bíblia é um excelente guia moral mesmo quando mostramos que ela contém aberrações como a permissão para vender os próprios filhos como escravos, a permissão para espancar os escravos quase até a morte porque não passam de propriedade comercial, a submissão incondicional à autoridade independentemente de seu grau de corrupção devido à suposta legitimidade divina de toda autoridade, o homicídio de quem utilizar vestes compostas por mais de um tipo de tecido, ou de quem for flagrado trabalhando no sábado, ou de quem fizer sexo com pessoa do mesmo sexo, etc. 

E é mesmo assim que a lógica politicamente correta precisa ser

Por quê? 

Pense bem: qual é a solução que os PCs apontam para a gravidez indesejada, para a sub-representação de negros nas universidades e para a interdição de doação de sangue por parte dos homossexuais masculinos? E o que essas soluções têm em comum? 

Respostas na terceira parte do artigo. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 28/09/2012

3 thoughts on “Lógica politicamente correta (parte 2)

  1. “qual é a solução que os PCs apontam para a gravidez indesejada, para a sub-representação de negros nas universidades e para a interdição de doação de sangue por parte dos homossexuais masculinos? E o que essas soluções têm em comum?”

    Aborto, cotas e fim da interdição para a doação de sangue. As três propostas se pautam pela mesma linha de raciocínio: O Estado e a sociedade devem atender incondicional e acriticamente todas as nossas reivindicações, por mais injustas e absurdas que sejam, e eles que engulam os prejuízos. Ah, e quem reclamar é um reacionário-machista-racista-homofóbico, e deve sofrer.

    1. Isso. E, como eu disse na parte 1, há um padrão coerente por trás disso. Vamos á parte 3.

  2. Esse blog faz com que me sinta marxista as vezes. Vamos conferir a parte 3…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *