A Seita da Estrela Vermelha é uma mistura de fanatismo neopentecostal com vudu: apresenta-se como o único caminho a ser percorrido e transforma seus fiéis em zumbis incapazes de perceber qualquer alternativa. 

Comandada por uma tropa de clones do Pinóquio e do “bispo” Pedir Mais Cedo, cujas principais habilidades são mentir muito e convencer os fiéis de que a salvação depende da negação na prática de todos os ideais que defendem em teoria, a Seita da Estrela Vermelha se dedica a um projeto de poder a todo custo cuja estratégia inclui eliminar a racionalidade da política, premiar a incapacidade em detrimento do mérito e insuflar o ódio pela excelência. 

O método de “pensamento” exigido dos fiéis da Seita da Estrela Vermelha é o duplipensar neo-orwelliano: a lógica não existe, somente os interesses da seita; ignorância é força; liberdade é escravidão; questionamentos devem ser ridicularizados e aniquilados. 

Toda a lealdade a princípios deve ceder ao pragmatismo para que a seita permaneça no poder: os hereges são excomungados, expulsos e perseguidos até mesmo pelos pais. 

Além de diversos episódios de lavagem de dinheiro, corrupção e quejandos, recaem sobre a Seita da Estrela Vermelha suspeitas terríveis, devido ao bloqueio sistemático às investigações do homicídio de um de seus líderes, que havia se tornado um incômodo. 

Apesar de todos estes métodos e episódios questionáveis, a Seita da Estrela Vermelha continua crescendo e com grande apoio popular, conquistado através da divisão de uma parte insignificante dos lucros que desvia da construção de um país melhor para o puxadinho do microconsumo subsidiado. 

E assim vai a cidadania para o buraco, ao som do coaxar de sapos barbudos nos bastidores. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 27/10/2012

Texto escrito há semanas no celular, numa noite de insônia, e hoje transcrito para o blog.  

22 thoughts on “A Seita da Estrela Vermelha

  1. Dilema cruel do eleitor brasileiro: entre eleger corruptos competentes e incompetentes honrados, como deve se comportar o cidadão? Votar nos corruptos, ser tido como idiota mas receber de volta os produtos e serviços que deseja, ou eleger os honestos, ser destratado em seus direitos mas ficar com a consciência tranquila?

    Não estou sendo parte da seita da estrela, nem da anti-seita da ave que não voa, apenas refletindo sobre uma coisa que o cidadão comum faz sempre antes de uma boa (ou má) escolha.

    1. Peraí… Que “dilema” é esse? Por que só haveria “corruptos competentes e incompetentes honrados”? Desde quando existe essa vinculação entre corrupção e competência?

    2. E desde quando corrupto devolve produto e honesto desrespeita/descumpre direitos? 😛

  2. Leandr Duran

    28/10/2012 — 08:10

    Competentes? A ideologia cega mesmo…

  3. Cada povo tem os incompetentes que merece,rs.

    Eu voto nulo.

    Nem me dei ao trabalho de sair de casa.

  4. Democracia é uma palavra que vem do grego: Governo do Demo! (Contrariando quem diz que a voz do povo é a voz de Deus! Palavra da danação!) Entre tantoutras, a opção entre a Seita da Estrela Vermelha e a Seita da Ave Que Não Voa (valeu! Fábio), é o resultado da ideia de que a espécie está madura e totalmente capacitada para escolher os seus líderes. A coisa fica com a aparência de séria, mas ao fundo você pode ouvir o ringido da gangorra: hoje você sobe e eu desço, amanhã eu subo e você bate com a bunda no chão! (Enquanto a torcida ruge como se fosse um jogo de futebol!) Se parar pra pensar a lógica não existe em nenhuma das seitas. Nem ideologias. Somente o mágico encontro do sedutor com o esperançoso ao som do marketing adulatório. E aí pode tudo: mentir, duplipensar, e comprar votos, pois crianças não sabem a diferença entre um tio carinhoso e um tio pedófilo! A vantagem (afinal é interessante ver o lado bom do processo) é que no sistema em voga, em que você é induzido a fazer um rodízio de ditadores, eles ficam um tempo, roubam, saem de férias, e só voltam um dia qualquer no futuro, mas então sob os auspícios da democracia. Enquanto isso a massa fica com a nítida impressão que escolheu e rola menos sangue!

    1. Acho que és otimista demais. :-/ Não acho que role menos sangue nesse processo. Só o que acontece é que as imagens são menos explícitas. Não estamos avançando social ou economicamente, estamos avançando teatralmente – cada vez fingimos melhor que estamos andando para a frente.

      Sim, existe uma certa alternância no poder. De fachada, pois ” a lógica não existe em nenhuma das seitas. Nem ideologias.” Sim, existe um rodízio de ditadores. Qual a vantagem se entra um e sai o outro?

      Mas o que nós estamos assistindo é um filme num telão de cinema e ninguém está percebendo a fumacinha que está saindo de um dos dutos de ar abaixo da tela. Nos bastidores o que está acontecendo é muito mais significativo que a imagem projetada no telão.

      Danos culturais profundos estão sendo produzidos. Um retrocesso terrível na área de Direitos Humanos está sendo ativamente conduzido e já não temos mais sequer ONGs que denunciem isso, pois as ONGs amigas-do-governo são as únicas financiadas e as únicas que aparecem na grande mídia (que recebe rios de dinheiro de propaganda oficial). A mediocridade virou fonte de ganhos indevidos e a excelência passou a ser punida e está quase equiparada a crime.

      Não compactuo com a ideologia da autora, mas esta obra-denúncia que ela redigiu sobre a fundamentação ideológica primária da Seita da Estrela Vermelha é ótima: http://aynrand.com.br/pages/excerpts.htm Lê, vale a pela. Depois procura o conceito de “virtude” de Maquiavel e o conceito de “hegemonia” de Gramsci e terás o quadro conceitual completo em mãos.

      Prometi escrever um artigo a respeito, mas concentrar-me sobre o tema tem sido estressante. Assim que arejar um pouco a mente (espero que não à bala) cumprirei essa promessa.

  5. E as outras seitas não são iguais? Vivo entre retrógrados de direita, e me parece a mesma coisa.

    1. Ou pior.

    2. Não é bem assim.

      A direita tem uma vantagem sobre a esquerda. A direita abraçou o lema “liberdade” e simplesmente não está interessada em solidariedade: ela quer liberdade para enriquecer e quem não conseguir enriquecer que morra, mas não está interessada em controlar a vida de ninguém que não interfira nesse objetivo. (A “maioria moral”, o “destino manifesto”, a submissão feminina e os ataques á cidadania dos gays não tem nada a ver com a direita, são ideologias oriundas da religião. Elas eram tradicionalmente aliadas da direita apenas porque não tinham espaço na esquerda, mas isso acabou. Ninguém percebeu ainda a aliança PT-IURD?)

      Já a esquerda abraçou o lema “igualdade” e não se contenta com nada menos do que o domínio total de todo o sistema político, econômico e cultural. Se você estiver meditando no fundo de uma caverna, você é inimigo, porque não está lutando ativamente para impor a hegemonia das idéias e objetivos da esquerda. Não há a menor possibilidade de diversidade ou de independência de pensamento sob o domínio da esquerda.

      Basta comparar o macartismo (extrema direita) com o stalinismo (extrema esquerda) e vocês verão que isso está certo: a extrema direita queria acabar com o comunismo e apenas com o comunismo, não se importando com tudo o mais que houvesse no universo; a extrema esquerda queria acabar com tudo o mais que houvesse no universo, não se importando com nada mais além de sua própria hegemonia, que deveria ser total e inquestionável.

      A propósito, uma coisa que me enche o saco é ver/ouvir alguém dizer que Adolf Hitler era de direita. Raios, o nome do partido de Adolf Hitler era “PARTIDO NACIONAL SOCIALISTA DOS TRABALHADORES ALEMÃES“. Desde quando “partido socialista” ou “partido dos trabalhadores” são partidos de direita onde quer que seja?

      Isso é uma coisa que tem que ficar bem clara: foi um “Partido dos Trabalhadores” que cometeu o Holocausto, sob a bandeira do socialismo. Qualquer semelhança com denúncias de autoritarismo e grave risco às liberdades individuais na atualidade não é mera coincidência.

    3. Arthur,
      Essa direita que defende a liberdade acima de tudo não existe, pelo menos não é a direita que existe de fato (ganhando eleições e implementando suas ideologias). A direita que existe é a que defende a liberdade das pessoas fazerem aquilo que a direita concorda que façam. Proibições estúpidas como as que você elencou no outro post (uso de drogas, homosexualismo, suicídio, etc) tem mais defensores dentro da direita que dentro da esquerda. E direita religiosa ainda é direita.
      Concordo que se associarmos a esquerda puramente com igualdade, e a direita com liberdade, a direita será mais atraente. Mas a esquerda defende também os direitos das minorias, e creio que a maioria que se identifica com o esquerda (e não faz parte de grupos militantes barulhentos) concorda que variantes do grupo “homens brancos heterossexuais” também tem direitos.

  6. Engraçado que nunca vi feminista reclamando de estupros cometidos por integrantes da Seita da Estrela Vermelha ou aliados. FARC, Roman Polanski e muçulmanos podem estuprar impunemente.

    1. Teve o caso de um dirigente petista de BH condenado por estupro que levou a uma série de protestos de sites feministas contra o PT. E elas costumam reclamar bastante do tratamento dado às mulheres nos países árabes.

    2. Dois excelentes artigos. Recomendo.

  7. Eduardo,
    Esse site e, especificamente, o autor desses textos (Gravataí Merengue ou Fernando Gouveia) tem uma histórico complicado, ele (como excelente escritor e advogado) é especialista em escrever textos sugerindo graves denúncias de forma implícita, que acabam virando pó numa analise mais aprofundada. Nesse episódio, houveram cobranças que extrapolaram em muito o fato central. Muita gente magoada com a esquerda em geral, e com os blogueiros progressistas, em particular, aproveitou para ir a forra. Não defendo feministas (aliás, meu histórico aqui mostra exatamente o contrário), mas já participei de encontros, palestras, etc. sem nunca ter procurado saber quem eram cada um dos organizadores.
    O Flávio M. eu não conheço a fundo, mas negar que ameaças de processo num país com um judiciário como o nosso (lento, caro e desigual) é uma forma de calar o outro me cheira a desonestidade intelectual.

  8. Um comentário ficou preso, ele ainda se encontra entre o mundo dos vivos?

    1. Recuperado acima.

    2. Valeu chefia.

  9. Devido ao isolamento e a obsessão por se diferenciarem, as seitas costumam ir desenvolvendo excentricidades ao longo do tempo, até chegarem a exageros e fanatismos. Convido a conhecerem meu canal no Youtube, “O que é uma Seita”, onde estou desenvolvendo vídeos didáticos que ajudam a explicar este assunto. Abraços! https://www.youtube.com/channel/UCisnj-7zBRYe5E-Ze_Oj96Q

    1. A seita que mais gosto é a seita que dói menos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *