Como era óbvio que aconteceria, tem gente me crucificando por aí porque eu ofendi o Dalai Lama quando descobri que ele se declarou marxista. Reconheço que fui desnecessariamente grosseiro na forma de fazer a crítica, o que só aconteceu porque a notícia me enfureceu muito além do que qualquer um pode imaginar, mas não mudo uma vírgula do conteúdo da minha crítica. E trago algumas citações históricas para lançar luz sobre a questão. 

Dalai Lama e Karl Marx - tudo a ver

Muitos disseram que “não se pode julgar alguém pela ideologia que ele defende”. Ora, isso é um total absurdo. O Dalai Lama não conseguiu porcaria nenhuma de resultado na sua luta pela libertação do Tibete, mas ganhou um Prêmio Nobel pelas idéias que defendeu. Se ele pode ser julgado por suas idéias para ganhar prêmios, então pode sim ser julgado por suas idéias. 

Se eu defendesse a imposição de idéias pela violência, você não faria um mau julgamento a meu respeito por causa disso?  Se eu defendesse o terrorismo, você não faria um mau julgamento a meu respeito por causa disso? Se eu defendesse a quebra da ordem institucional e a implantação de uma ditadura pela força das armas e pelo medo, você não faria um mau julgamento a meu respeito por causa disso? 

Pois é, só que quem defende violência, terrorismo e ditadura é o Dalai Lama, não eu: 

“Só há um modo de abreviar, simplificar, de concentrar as dores mortais da agonia da antiga sociedade e as dores ensangüentadas do parto da nova sociedade, um meio só: o terrorismo revolucionário”. (MARX apud PIETTRE, 1969, p.94)

“A violência invencível é a parteira de toda a velha sociedade que está grávida de uma nova.” (MARX, 1996, p.370)

“Os comunistas não podem dissimular as suas perspectivas e propósitos violentos. Tem de declarar abertamente que os seus fins só podem ser alcançados pelo derrube violento de toda a ordem social até aqui.” (MARX e ENGELS, 1848)

“Somente pelo mais determinado terrorismo contra os povos, nós poderemos assegurar a Revolução. (…) Então haverá uma luta, uma luta de vida-e-morte inexorável ; uma batalha de aniquilação e terrorismo cruel – não nos interesses da Alemanha, mas nos interesses da Revolução!” (ENGELS, 1849) 

“Uma revolução é certamente a coisa mais autoritária que se possa imaginar; é o ato pelo qual uma parte da população impõe a sua vontade à outra por meio das espingardas, das baionetas e dos canhões, meios autoritários como poucos; e o partido vitorioso, se não quer ser combatido em vão, deve manter o seu poder pelo medo que as suas armas inspiram aos reacionários.” (ENGELS, 1873)

Ao esboçar em traços gerais as fases do desenvolvimento do proletariado, descrevemos a história da guerra civil, mais ou menos oculta, que se desenvolve no seio da sociedade existente, até ao momento em que esta guerra se transforma numa revolução aberta e o proletariado, derrubando pela violência a burguesia, implanta a sua dominação. (MARX e ENGELS, Manifesto do Partido Comunista) 

Isso é marxismo.

Isso é o que o Dalai Lama declarou apoiar.  

O Nobre Caminho Óctuplo budista, o Caminho do Meio, que conduz à extinção do sofrimento.(Nirvana), é formado por Compreensão Correta (ou Visão Correta), Pensamento Correto (ou Intenção Correta), Linguagem Correta, Ação Correta, Modo de Vida correto, Esforço Correto, Atenção Plena Correta e Concentração Correta.

Como o Dalai Lama diz que é “meio budista, meio marxista”, fico aqui no aguardo da explicação de como seria essa mistura. O que ele propõe? Transformar o Nobre Caminho Óctuplo no Nobre Caminho Décuplo, incluindo o Terrorismo Revolucionário Correto e a Ditadura do Proletariado Correta? 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 09/07/2013

36 thoughts on “O Nobre Caminho Décuplo do Dalai Lama

  1. é Arthur, resposta é simples, culhões debaixo das penas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *