A polícia não pode servir como segurança privada para empresas de entretenimento com fins lucrativos. Os clubes de futebol são empresas deste tipo e precisam assumir a responsabilidade pela garantia da segurança dos freqüentadores de seus espaços, assim como qualquer estabelecimento comercial. 

Se você é dono de uma danceteria, de um bar, de um cinema ou de qualquer outro estabelecimento comercial aberto ao público em geral, você não pode ligar para a PM e solicitar “ei, mandem aí uns policiais para garantir a segurança do meu estabelecimento”, por mais que você alegue que seu estabelecimento é “público”, no sentido de que é um ambiente que qualquer um pode freqüentar desde que pague ingresso ou consumação. 

Você tem que garantir a segurança dos freqüentadores do seu estabelecimento com recursos próprios, contratando segurança privada – os habituais “leões-de-chácara” e similares. 

E, se rolar um tumulto dentro do seu estabelecimento e houver violência, resultando em diversas pessoas hospitalizadas, você será responsabilizado no âmbito cível e no âmbito penal, e seu estabelecimento poderá ter seu alvará de funcionamento suspenso enquanto não forem tomadas as devidas providência para garantir a segurança dos freqüentadores ou mesmo cancelado caso os eventos de violência sejam freqüentes ou provoquem resultados intoleráveis. 

Mas os clubes de futebol, que são empresas de entretenimento, tanto quanto qualquer danceteria, bar ou cinema, ao invés de ter que contratar segurança privada, como qualquer estabelecimento comercial aberto ao público em geral, simplesmente requisitam força policial equipada e paga com dinheiro público para proteger seus eventos privados. 

Qual o critério que permite esse tratamento privilegiado? 

Por que o Poder Público assume os custos e a responsabilidade de garantir a segurança dos freqüentadores dos eventos de grandes empresas do ramo do entretenimento ao invés de simplesmente exigir delas o mesmo que exige de qualquer outra empresa? 

Por que o Poder Público permite que estas empresas que promovem eventos onde ocorrem brigas, espancamentos e até mortes continuem funcionando, enquanto fecha outras empresas em que a segurança dos freqüentadores não é garantida por recursos da própria empresa? 

Por que o Poder Público coloca em risco a vida e a integridade física dos seus agentes, colocando policiais no meio destes caldeirões de violência explosiva que são as torcidas organizadas, retirando das empresas que lucram com os eventos a responsabilidade de controlar a selvageria de seus próprios associados? 

Polícia não é segurança privada. Não pode ser usada para reduzir os custos de eventos de empresas de entretenimento com orçamentos mensais multimilionários, que se dão o luxo de pagar centenas de milhares de reais mensais para alguns de seus funcionários.

Se estas empresas podem pagar tanto assim a alguns de seus funcionários, com certeza podem pagar também um bom sistema de segurança, com câmeras, equipamentos modernos  e um contingente adequado de seguranças privados para evitar cenas de violência e batalhas campais em seus eventos e garantir a segurança do público que freqüenta seus espaços. 

E, se não podem garantir a segurança dos freqüentadores, então que fechem as portas e que seus dirigentes sejam responsabilizados cível e penalmente por tudo que acontecer no interior dos espaços que controlam, porque não é função do Estado alocar equipamentos e expor a risco seus agentes de segurança pública para reduzir custos e eximir de responsabilidade empresas que não querem se indispor com selvagens e criminosos que freqüentam seus espaços para provocar brigas, espancamentos e mortes. 

–//–

Qualquer relação entre este artigo e eventos recentemente ocorridos não é mera coincidência. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 09/12/2013 

20 thoughts on “Tirem a polícia dos estádios de futebol!

  1. Concordo plenamente. E digo mais. Esse discurso que não dá pra conter a violência das torcidas é a maior cascata que ja falaram no futebol. Se punir PRA VALER os clubes, dirigentes e torcidas organizadas, a violência acaba rapidinho.
    Enquanto isso não acontece(sabe-se lá quando irá acontecer nessas bandas) continuam as medidas paliativas, como proibir, latinha, cerveja, bandeira e instrumentos musicais. Há 20 anos que só fazem esses pailativos e tudo o que aconteceu foi aumentar ano a ano a violência nos estádios.

  2. Esqueceu de mencionar também que essa mesma polícia faz escolta para as torcidas organizadas ou seja bancam os guardas costas dessa gentalha, enquanto isso a população que não tem nada a ver com futebol ficam com menos efetivos na rua.
    O duro de tudo isso é que depois fazem politicagem do evento e dirimir a violência que é bom bulufas.
    Vai chegar uma hora que as torcidas organizadas e os clubes seja banido do futebol ou melhor vão exigir que se extingua o futebol como evento. O que não é difícil, germes do totalitarismo temos de sobra só não vê quem não quer.

    1. Não… Ninguém vai pedir para acabar com uma indústria tão lucrativa… Mas é bem capaz que alguém peça mais policiamento ainda, lançando ainda mais na mão do Estado os custos e a responsabilidade pela segurança do torcedor ao invés de cobrar investimentos e responsabilidades de quem gerencia e lucra com o futebol.

  3. Temos uma promiscuidade muito grande entre o que é público e o privado, e isso ocorre no futebol, é isso. Agora os gringos devem estar é muito preocupados já que mostramos o quão somos selvagens e que isso reflete no clima de insegurança no cotidiano. Cada vez mais terei receio de andar na rua e se por acaso cruzar com alguém trajando alguma camiseta de algum clube, saio pela tangente, quem anda com isso, coloca-se numa condição de alvo e salvem-se quem estiver perto. Sai que é macumba.

    1. Mal posso esperar para descobrir o que vai acontecer na Copa do Mundo. Na melhor das hipóteses assistiremos o vexame de ver o exército nas ruas para conseguir garantir a segurança.

  4. Eu penso que na entrada do estádio deveria ser oferecido a cada torcedor um porrete de dimensões padronizadas. Quem não quisesse entrar poderia ter seu dinheiro devolvido. Depois de uns dois meses acabaria a violência nos estádios.

    1. Porrete, capacete e escudo, com cores padronizadas para cada torcida, para podermos torcer por este ou aquele time de gladiadores… 😉

    2. Hehehehe… Isso se chama “ocupar espaços”.

      Vulgo “sempre puxar a brasa para a própria sardinha”.

  5. Podiam proibir o futebol, ou pelo menos as conversas sem graça sobre esse assunto chato que rolam nas faculdades e bares da vida.

    Gostei da sua argumentação.

    1. Eu me lembro de ir a estádio de futebol quando criança com meu canivete suíço novinho na mão e beber guaraná vendido em garrafa. Hoje eu não entro em estádio de futebol nem de armadura.

  6. Na Argentina se eu não me engano em dia de clássico, só pode uma torcida no estádio.

  7. Tenho a solução, chega a policia e fala para a torcida dos dois times, olha quem tiver afim de briga fica no estádio, quem não tiver, sai. Tranca o estádio e manda descer um helicoptero com caixa cheios de facões de distribuiu pra galera. Toma, agora podem se matar! No próximo jogo vai esta bem mais tranquilo..

    1. Gostei! Simples e prático!

    2. E resolutivo. 😛

  8. Good practice in dealing with offences by attending fans. Clubs have introduced a variety of methods for reporting, monitoring and dealing with any unacceptable abuse. Fans can report to stewards or via text at the game, by phone or email after the match, or via Kick It Out. If fans report offences to stewards on the day, offences can be dealt with immediately. Some offenders are caught by proactive stewarding and CCTV to identify offenders as verification of events and identity can be difficult in the circumstances of a match itself. Reports are given to the police, and where there is evidence prosecutions can be brought. Where offences are reported post-match Clubs will typically use a number of methods to gather evidence and identify offenders: contacting those seated near the alleged offender; monitoring the area with CCTV at future matches; seating plain clothed stewards in the area to identify offences. These methods have proved to be successful and fans at Premier League football are fully aware that if they use racist or other unacceptable language they can expect to be ejected from the stadium, have their season ticket suspended or revoked, be banned from future matches and possibly have legal action taken against them.

    http://www.publications.parliament.uk/pa/cm201213/cmselect/cmcumeds/89/89vw12.htm

    1. O problema no Brasil, Paulinha, é que os clubes terceirizam a segurança nos estádios para uma empresa chamada “Polícia” que é paga por todos os otários do país, sejam ou não fãs de futebol.

      Os clubes primeiro precisam ser obrigados a assumir suas responsabilidades, para então saírem à procura de soluções. As soluções existem, mas só serão implementadas se os clubes forem severamente punidos caso não garantam a segurança dos freqüentadores de seus espaços.

    1. “Não é papel da PM cuidar de evento privado. Quando uma entidade promove um evento, aufere lucro. Não faz sentido tirar PMs das ruas para colocar em estádios de futebol. Você tem um evento privado com uso de recursos públicos e prejuízo à população. Não tem sentido pagar a policia militar para colocar oficiais em campo”, afirmou o promotor.

      Eu concordo totalmente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: