31°C às 03:00

Um único evento climático não significa nada em termos de mudança climática, faço questão de sublinhar desde o primeiro momento. Mas, se o calor dos últimos dias é uma amostra do que está por vir, então de repente a Sibéria começou a me parecer muito convidativa. 

Calor demais para dormir

Continue reading “31°C às 03:00”

Projetos arthurianos (6): o autorama urbano

Desde a década de 1980 eu sabia que o transporte se tornaria um fator importantíssimo na qualidade de vida de todos os centros urbanos. O autorama urbano foi desenvolvido naquela época e ainda hoje permanece um projeto futurista, mas eu acredito firmemente que veremos algo semelhante funcionando nas próximas décadas, eu adoraria se em conjunto com os túneis de casulomóveis. 

Autorama Urbano

Continue reading “Projetos arthurianos (6): o autorama urbano”

Projetos arthurianos (5): a fiscalização voadora

Houve uma época em que eu participei de ações voluntárias de fiscalização do desmatamento dos morros de Porto Alegre junto com um pessoal da AGAPAN, percorrendo os morros de carro. Depois de ser corrido uma vez a facão e outra vez a bala, comecei a pensar em estratégias mais razoáveis de fiscalização ambiental. 

paramotor-1
Esta é a foto de um paratrike em primeiro plano, com um paratrike e uma bela paisagem ao fundo, tirada a partir de outro paratrike. O objetivo desta foto é mostrar como é possível usar este equipamento para fazer fiscalização ambiental voando com um equipamento simples e barato e fazendo filmagens ou tirando fotografias nítidas das mais diversas altitudes.

Continue reading “Projetos arthurianos (5): a fiscalização voadora”

Projetos arthurianos (4): os túneis de casulomóveis

A grande vantagem do transporte individual é a liberdade de destinos e horários. A grande vantagem do transporte coletivo é liberação de espaço nas vias. A grande vantagem do transporte sobre rodas é a capacidade de mudar de rota. A grande vantagem do transporte sobre trilhos é o trânsito rápido e desimpedido. Que tal poder juntar todas estas vantagens em um sistema só? Eu fiz isso com os casulomóveis. 

Casulomóvel moderno
Um casulomóvel moderno seria semelhante aos carrinhos da montanha-russa da Ferrari no Ferrari World em Abu Dabi: pequeno, aerodinâmico, com espaço para quatro passageiros e um porta-malas regular, MAIS um sistema guia para se manter nos trilhos (que poderia ser embutido e ter acionamento hidráulico) e magnetos em toda extensão para propulsão como um trem-bala. O cockpit seria fechado, como um carro comum.

Continue reading “Projetos arthurianos (4): os túneis de casulomóveis”

Projetos arthurianos (3): as locomotivas de bicicletas

Nenhuma cidade no mundo foi programada para o deslocamento eficiente e seguro de bicicletas. E nenhuma cidade no mundo tem condições de implantar ciclovias que atendam de maneira realmente adequada as necessidades dos ciclistas. Mas há muitas coisas que poderiam ser feitas para tornar mais eficiente e seguro o uso de bicicletas nas cidades – e uma delas é implantar um sistema de locomotivas de bicicletas. 

Locomotiva de bicicletas

Continue reading “Projetos arthurianos (3): as locomotivas de bicicletas”

Projetos arthurianos (2): o Parque do Dilúvio

O Arroio Dilúvio é um arroio de Porto Alegre que foi fixado pela construção de uma avenida em cada margem. É o Rio Tietê de Porto Alegre, digamos assim. E corta uma grande extensão da cidade. 

Arroio Dilúvio 1 - vista aérea da bacia hidrográfica
Vista aérea da bacia hidrográfica do Arroio Dilúvio

Continue reading “Projetos arthurianos (2): o Parque do Dilúvio”

Projetos arthurianos (1)

O artigo anterior, “Mais de duas décadas à frente do meu tempo“, fez com que eu me recordasse de diversos projetos que desenvolvi e que jamais suscitaram interesse nem mesmo em seus maiores beneficiários. Alguns foram rejeitados tão logo apresentados, outros nem mesmo conseguiram espaço para serem apresentados. Mas eu continuo acreditando em todos eles. 

Professor-Pardal-e-Lampadinha

Continue reading “Projetos arthurianos (1)”

Mais de duas décadas à frente do meu tempo

No início da década de 1990 eu apresentei à prefeitura de Porto Alegre, numa reunião ocorrida na Secretaria do Meio Ambiente, a sugestão de que fossem aumentados os índices construtivos e reduzido o IPTU de prédios que fossem construídos segundo certas especificações que contribuiriam para tornar a cidade mais bela e com um microclima mais ameno.

green home

Continue reading “Mais de duas décadas à frente do meu tempo”

Gente que não é amiga de ninguém

Estava eu assobiando e tocando flauta no Facebook quando tropecei no velho assunto “capitalismo x socialismo” de sempre. Fiz um comentário e surgiu um breve diálogo que me sugeriu algumas reflexões sobre ideologia, intolerância e amizade. Confira.

O Amigo da Onça

Continue reading “Gente que não é amiga de ninguém”