O blog Pensar Não Dói oferece uma aula gratuita de tradução do politiquês, baseada nas declarações do presidente dos EUA quanto à espionagem de líderes mundiais aliados e pessoas comuns de outros países.

Obama

O texto-base será esta reportagem do Estadão:

Obama condiciona monitoramento de aliados à segurança nacional

Entre mudanças do programa da NSA. presidente dos EUA falou em mais garantias para estrangeiros

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta sexta-feira, 17, o fim do monitoramento a líderes mundiais de países parceiros ou aliados de Washington como parte das mudanças no programa da NSA, agência de segurança nacional do país. “Se não houver um objetivo de segurança nacional evidente, não vamos espionar líderes de países amigos e aliados”, afirmou o presidente em pronunciamento. 

No ano passado, a chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, tiveram seus telefonemas monitorados pela agência americana.

Obama também prometeu mais garantias para cidadãos estrangeiros. “Nossos esforços só terão resultado se os cidadãos de outros países confiarem que os EUA respeitam sua privacidade. Pessoas ao redor do mundo devem saber que os EUA não estão espionando pessoas comuns que não ameaçam a nossa segurança nacional.

O presidente americano criticou a ação do ex-técnico da CIA Edward Snowden de revelar o funcionamento do programa de monitoramento da NSA. “Não vou julgar as motivações ou ações do senhor Snowden. A segurança da nossa nação depende, em parte, da fidelidade daqueles envolvidos com os segredos da nossa nação. Não seremos capazes de manter nosso povo seguro se as pessoas divulgarem informações sigilosas.

Obama justificou a existência dos programas de monitoramento como uma necessidade para evitar ataques terroristas e citou o ataque de 11 de setembro de 2001. “Não podemos prevenir ataques terroristas ou ataques cibernéticos sem a capacidade de rastrear algumas comunicações digitais.

Entre as mudanças, foi anunciado o fim à prática da NSA de recolher “metadados” de telefonemas feitos nos EUA e ao redor do mundo. Os metadados dão detalhes da duração e destino das chamadas, mas não revelam o conteúdo das conversas.

“Precisamos de uma nova abordagem. Por isso ordenei uma transição que eliminará o programa que recolhe metadados do jeito que existe hoje e vai estabelecer um mecanismo que preserve a capacidade que temos sem que o governo mantenha (armazenado) esses metadados“, afirmou o presidente. Foi anunciado ainda que os agentes da NSA deverão pedir permissão judicial para ter acesso aos dados de uma pessoa de interesse especial.

Antes de finalizar o discurso, Obama disse que não pediria desculpas a outros governos por ter um serviço “mais efetivo” de monitoramento, mas ressaltou que aprovou novas diretrizes para a coleta de dados, considerando a privacidade de estrangeiros./ AP, EFE e REUTERS 

Fonte:Estadão

Agora vamos traduzir as partes destacadas: 

1)Se não houver um objetivo de segurança nacional evidente, não vamos espionar líderes de países amigos e aliados“, mas é claro que, se houver, eles vão espionar, sim. E, como em qualquer situação basta dizer que que havia algum objetivo de segurança nacional “evidente”, é óbvio que essa declaração não terá absolutamente nenhuma conseqüência. Eles vão continuar a fazer o mesmo de sempre.

2)Pessoas ao redor do mundo devem saber que os EUA não estão espionando pessoas comuns que não ameaçam a nossa segurança nacional“, mas é claro que não existe um único ser humano no planeta que não ameace a segurança nacional dos EUA.

3)Não seremos capazes de manter nosso povo seguro se as pessoas divulgarem informações sigilosas“, ou seja, vocês jamais saberão se qualquer coisa do que eu estou dizendo é verdade, porque isso é uma informação sigilosa.

4)Não podemos prevenir ataques terroristas ou ataques cibernéticos sem a capacidade de rastrear algumas comunicações digitais“, o que significa que vamos continuar fazendo isso e esta declaração serve apenas para justificar o fato caso algum outro desgraçado como o Snowden nos ferre de novo.

5)Ordenei uma transição que eliminará o programa que recolhe metadados do jeito que existe hoje e vai estabelecer um mecanismo que preserve a capacidade que temos sem que o governo mantenha (armazenado) esses metadados“, ou seja, nós vamos mudar uma vírgula ou duas na programação, para podermos alegar em juízo que “tecnicamente, se mudou uma vírgula, não é mais do mesmo jeito” e vamos passar a deletar os dados inúteis depois de cinco ou dez anos para poder alegar em juízo que “tecnicamente, se deletamos os dados, não estamos mais armazenando os dados, ainda que haja um pequeno lapso temporal necessário ao trabalho do serviço de inteligência para garantir a segurança nacional”.

6)Obama disse que não pediria desculpas a outros governos por ter um serviço “mais efetivo” de monitoramento“, ou seja, vão lamber sabão e parem de mimimi, porque não adianta.

Moral da história: aprender a decifrar o politiquês faz uma diferença bárbara na compreensão do mundo.

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 18/01/2014

27 thoughts on “Você sabe falar politiquês?

  1. Tá parecendo aquele tipo de pai que abre tudo quanto é correspondência do filho e fica atrás da porta ouvindo a conversa telefônica dele com amigos e colegas e diz que é “pro bem dele e pra segurança da família”. Bando de velhas faladeiras… problema é que essas velhas faladeiras estão armadas até os dentes o.O

    1. Vovós Metralhas. 😛

  2. Hahahaha do mais o mesmo, grande diferença, ou seja vão continuar fazendo. Detalhe: Que eles eliminem os caguetas de plantão sem pena e sem dó. Aprenda com os chineses e com os norte coreanos. O pior inimigo não é o externo e sim o interno que os babacas dos americanos coloque isso na cabeça. O Snowden não é herói, não passa de um medíocre que resolveu caguetar ou seja um zé-riuela que quebrou contrato, tanto que nunca mais poderá pisar em solo americano. Um cara desses é capaz de caguetar a própria família.

    A única certeza é que o Obama antecipou o primeiro de abril.

    1. Discordamos bastante quanto ao Snowden. Acho que ele fez a coisa certa. Nenhum governo tem que ter o poder de invadir a privacidade de ninguém. A inteligência anti-terrorismo tem que trabalhar de outro jeito.

    2. A favor do Estado contra um cidadão que denunciou o abuso do Estado? Alexandre tá virando comuna? O PT VENCEU!!!! FUJAM PARA AS MONTANHAS!!!

    3. Também estranhei. 🙂

  3. Segurança nacional é uma preocupação subsidiária em relação a preocupação com a OPINIÃO PÚBLICA em si.

    1. Não deveria ser o contrário?

  4. Mefistófeles Sucks

    18/01/2014 — 22:27

    Todas as nações que pretendem garantir sua soberania praticam a espionagem. Os EUA como potência mundial, e com a capacidade tecnológica que detém, fazem isso melhor que os outros. Azar dos outros. Ao invés de ficar choramingando que foi espionado pelos states, o espionado deveria buscar evoluir seu domínio na área cibernética e de telecomunicações.
    Além disso, com tantos malucos soltos por aí (alguns: árabes, chineses, latino-americanos), os EUA tem mais é que espionar mesmo. Será que o Obama vai ler essa mensagem????

    1. Será que eu sou o único que pensa que não é necessário espionagem para garantir a soberania e a segurança?

    2. Eu também penso que não…

    3. Eu penso que se outros espionam você acaba tendo que desenvolver algum serviço do tipo. Não dá pra ficar sem, mesmo não gostando.

    4. Ao invés de pensar em espionagem e contra-espionagem, que tal simplesmente não ter segredos que valham a pena ser espionados? Se alguém quiser me “espionar”, pode simplesmente seguir meu blog e meu Facebook, com a vantagem de não ter que lidar com centenas de microinformações inúteis como “agora eu vou ao supermercado comprar uma pizza congelada”, “agora eu cheguei em casa e vou colocar a pizza no forno”, “agora eu vou jantar”, “agora eu vou escovar os dentes”…

      Tipo… É só não fazer nada errado e não confiar em quem não dá mostras claras de também não fazer nada errado que a “necessidade” de esconder as próprias informações e de levantar informações sigilosas de terceiros cai praticamente a zero.

      Se os EUA gastassem 90% do que gastam em segurança na promoção do bem-estar das pessoas – do seu país e dos países amigos – todos os países do mundo iriam querer ser amigos dos EUA. Os gastos em segurança se tornariam desnecessários e todo o mundo viveria melhor.

  5. Se o Snowden fez a coisa certa, por que nenhum país concede a ele o status de asilado político? O Putin vai deixar ele na mão, ganhou fama logo vai parar no xilindró.

    1. Simples: tua análise do mundo parte do princípio de que a maioria dos governos está interessada em fazer a coisa certa, mas isso não corresponde à realidade.

      Partindo de premissas erradas, chega-se a conclusões erradas.

      Tenta analisar essa questão partindo do seguinte pressuposto: todos os governos são corruptos, fazem coisas erradas e têm o rabo uns dos outros presos.

      Agora faz sentido que ninguém dê asilo a Snowden?

  6. Mefistófeles Sucks

    19/01/2014 — 17:04

    Arthur, o problema é que os outros vão estar sempre espionando, e se vc não espionar, estará sempre um passo atrás, logo, com a segurança e soberania ameaçadas. O que pode-se discutir é o nível e os alvos da espionagem, mas, em maior ou menor grau, ela precisa ser feita. Os países sempre mantêm uma vigília em diplomatas estrangeiros, principalmente os de nações consideradas de maior risco. O que cada país deve fazer é aprimorar seus métodos de contra-espionagem, além de manter suas forças armadas preparadas e bem aparelhadas, requisitos básicos para a manutenção da soberania nacional.

    1. Se todas as políticas de um país forem honestas e públicas, por que esse país precisará se preocupar com espionagem?

  7. Joaquim Salles

    20/01/2014 — 12:24

    Realmente é uma questão “de valores”, subjetiva diria, mas se pensarmos em estados com um bom nível de democracia, com um a imprensa e mídia razoavelmente livre, “como” essa informação chega ao publico em geral pode ser muito importante e, até mesmo, acabar com qualquer “ação de segurança”

    Inclusive, em vários países, muitas “ataques” foram evitados graças a espionagem. Noutros, fizeram “bobagem” e atacaram baseados em informações falhas ( tirando a hipótese de passar ao “publico” uma informação falsa propositalmente). Assim segurança não é só uma ação “ostensiva” mas também requer uma certa dose de “prevenção e antecipação”. Já notou, que na maioria dos países, sempre existe uma policia “fardada” e uma policia “não fardada”, mais oculta? Que agem, não só na investigação mas também na “espionagem e tentativa de prevenção”?

    A titulo de curiosidade, já existem sites que oferecem um “serviço de espionagem”, que dão o belo nome “verificar a sua reputação”, que tenta descobrir como seu perfil é visto pelos outros. 🙂 Simples, usa a internet, mas não deixa de ser uma certa forma de espionagem 🙂

    Abraços

    1. Bem, mas se for baseado em informações publicadas (ou seja, tornadas públicas), que mal tem? O que eu posto na internet eu sei que eu publiquei (tornei público). Como vou reclamar se alguém souber do que eu tornei público? 😛

      Claro, usar mal aquilo que é publicado é outro assunto. Usar aquilo que foi dito de modo responsável e digno é uma coisa. Descontextualizar ou de alguma forma distorcer o significado do que foi dito é outra.

  8. Joaquim Salles

    20/01/2014 — 12:26

    Xiii, o html falhou aqui, que chato…

    1. Era do jeito acima que querias que ficasse?

  9. Joaquim Salles

    20/01/2014 — 12:40

    Arthur
    janeiro 18th, 2014 às 22:31
    Discordamos bastante quanto ao Snowden. Acho que ele fez a coisa certa. Nenhum governo tem que ter o poder de invadir a privacidade de ninguém. A inteligência anti-terrorismo tem que trabalhar de outro jeito.

    “Ter o direito”, não deveria ter, mas que fazem ..fazem. Claro que sempre existirá a alegação: foi para defender “a sua liberdade” ou algo semelhante…
    E esse é o dilema de lideres de países “democráticos”…

    1. Não se constrói uma democracia violando os valores da democracia. Esse é o problema.

  10. joaquim salles

    21/01/2014 — 14:48

    Arthur
    janeiro 20th, 2014 às 17:06
    Não se constrói uma democracia violando os valores da democracia. Esse é o problema.

    Concordo plenamente, contudo, na pratica é o que ocorrer.Claro que sempre existe a linha de pensamento que diz:”mas o outro lado não pensa assim e não vê problemas em ser centralizador,totalitário ou anti democrático-republicano”. É quase a historia do armamento, bandido e “ser da paz”. Pessoas honestas deveriam poder ter armas ( pois bandido fica feliz ao saber que vc não faz uso delas 🙂 ) e no final pode acabar num “bang-bang” (Honestos X Bandidos)

    1. Tem duas questões misturadas aí.

      A primeira é o definir o que deve ser feito.

      A segunda é definir quem deve fazer.

      O que deve ser feito é agir rigorosamente dentro de princípios éticos sempre. Dito assim, pouca gente há de discordar abertamente, mas sempre haverá quem defenda que “os fins justificam os meios”. Mas dá pra ouvir quem pensa assim? Isso é a negação da ética.

      Quem deve fazer isso (agir rigorosamente dentro de princípios éticos sempre) são todas as pessoas. Mas aí surge a grita dos que, além de achar que os fins justificam os meios, querem que os outros sujem as mãos por eles.

      Ou seja, falhar no primeiro quesito é canalhice, e falhar no segundo quesito, além de canalhice, é hipocrisia. Mas se vê muito de ambos por aí.

      Complicado.

  11. Alexandre
    janeiro 18th, 2014 às 16:50 · Reply
    Hahahaha do mais o mesmo, grande diferença, ou seja vão continuar fazendo. Detalhe: Que eles eliminem os caguetas de plantão sem pena e sem dó. Aprenda com os chineses e com os norte coreanos. O pior inimigo não é o externo e sim o interno que os babacas dos americanos coloque isso na cabeça. O Snowden não é herói, não passa de um medíocre que resolveu caguetar ou seja um zé-riuela que quebrou contrato, tanto que nunca mais poderá pisar em solo americano. Um cara desses é capaz de caguetar a própria família.

    MOTIVO BASTANTE FORTE para nossa sociedade ser o que é.
    A liberdade tem que ser banida.
    A lei violentada em praça pública.
    A verdade morta sem dó.

    Se Snowden não é HERÓI,quem é o herói?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *