Nós sempre pensamos que as pessoas vão para o crime porque não conseguem um trabalho legal. Mas a chance maior em um país como o Brasil é que as pessoas vão para mercado de trabalho legal porque não conseguem uma vaga no crime. 

Crime 1

Sim, o que eu disse é chocante. Mas se você acompanhar meu raciocínio verá que todos os indícios apontam nesta direção. 

Caso 1

Vamos supor que você seja, sei lá, padeiro e confeiteiro há dez anos. Hoje de manhã cedo você chegou em seu local de trabalho e recebeu a notícia de que a padaria faliu. Você voltou para casa preocupado, porque o dinheiro que tem de reserva numa gaveta não é suficiente nem para cobrir o próximo aluguel. E tratou de já no primeiro dias procurar outra padaria onde trabalhar. 

Dois meses depois, trinta e poucos currículos distribuídos depois, você está sem um centavo no bolso, já vendeu a sua bicicleta para um amigo que prometeu revendê-la de volta pelo mesmo preço se você quiser e o seu celular já está pai-de-santo, só recebe. 

Você vai pegar uma arma, sair caminhando por algum bairro pouco movimentado, abordar um desconhecido e “perdeu, perdeu, cala a boca, me passa a carteira, o celular e o relógio e sai fora, vamos, vamos, vamos!”? 

Acho que não, né? 

Mas vamos supor que fosse o caso. 

Quanto tempo você acha que conseguiria repetir o mesmo golpe antes de encontrar pela frente uma vítima que reaja, um policial à paisana, uma viatura que ia passando por perto e foi informada ou os criminosos que já dominam a região? 

Crime 2

As cidades já estão completamente loteadas pelo crime organizado. Existem mapas de posse de território e pontos de crime estabelecidos. Ladrões, receptadores, traficantes e trambiqueiros controlam e defendem pelas armas estes territórios. Nem mesmo a prostituição de rua trabalha sem pagar proteção ao dono da quadra, sejam prostitutas, michês ou travestis. Muito menos o crime organizado haveria de permitir a presença de “empreendedores independentes” explorando a mesma clientela. 

Você teria sorte se fosse mandado sumir do mapa ao invés de ser sumido do mapa.

Isso acontece porque o mercado do crime já está saturado. Não é que não vá aumentar – vai – mas todo aumento nas vagas do crime pressupõe uma pressão de demanda por território e por defesa de território – uma competição que no caso do crime só pode ser resolvida pela violência, uma vez que o sistema judiciário nacional é legalmente incompetente para dirimir conflitos de natureza ilegal (você não pode ir ao PROCON reclamar que o traficante lhe vendeu chá de macela ao invés de maconha e exigir a substituição da mercadoria ou a devolução do dinheiro). 

Se você insistir em tentar sobreviver do crime, ou você será morto, ou terá que se embrutecer muito para defender o seu espaço, ou terá que se contentar com um “mercado” extremamente marginal e paupérrimo, como um descuidista-ambulante-quase-mendigo. E digo “quase” porque até entre mendigos existe competição violenta pelos territórios e pontos de esmola. 

Crime 3

Chega uma hora que só resta mesmo procurar um biscate ou um (argh!) emprego, que em geral é a opção mais trabalhosa, mais exigente, mais subserviente, mais limitante de horários, menos rentável financeiramente e menos realizadora de todas, tanto que do ponto de vista de muitos é pior até que ser mendigo, porque mendigo não leva broncas humilhantes nem punições disciplinares por chegar tarde ao trabalho ou por cometer algum erro. 

Você sabe quem são estes indivíduos.

É o auxiliar de pedreiro que rouba o celular do dono da casa em que o pedreiro está trabalhando.

É o funcionário da lancheria que leva um bife para casa enrolado dentro de um saco plástico transportado dentro da cueca.

É a doméstica que furta uma lata de leite condensado da despensa da patroa e a leva para casa na bolsa.

É aquele trabalhador que nunca está contente em serviço nenhum, não faz nada com boa vontade, não cumpre determinações direito e acaba sendo dispensado ou está permanentemente de licença-saúde no bar da esquina, sem camisa, de bermudas frouxas e havaianas, jogando sinuca com um cigarro na mão e um copo de cerveja na borda da mesa. 

É gente que não presta nem para o crime, então vai entulhar o mercado legal com sua mão-de-obra sem qualidade, sem vontade e sem confiabilidade. 

Crime 4

Caso 2

Agora vamos percorrer o caminho inverso. 

Vamos supor que você seja, sei lá, traficante há dez anos. Já puxou uma cana de dois anos e meio, voltou com moral pra boca porque nunca abriu o bico pra falar nada de ninguém e sempre foi camarada com os manos enquanto estava “guardado”. 

Mas um dia sumiu um pacote de pedra e dois de pó, preju pra mais de duzentos contos de réis, e a responsabilidade era sua. Alguém te sacaneou legal, normalmente você seria morto, mas você teve sorte porque sempre foi de confiança e foi apenas mandado desaparecer pra sempre. Hoje. 

Aí você foge com a roupa do corpo para a casa de uma tia que mora numa vila-satélite de um bairro industrial lá na casa do capeta, na Conchinchina do Mato Adentro. 

Como a única padaria da vila não faz confeitos e você por acaso foi criado por uma falecida tia que fazia salgadinhos e confeitos para festas, você começa a fazer alguns salgadinhos e confeitos e vendê-los como ambulante, próximo à parada de ônibus da vila industrial. 

Crime 5

E, puxa!, o padeiro não vem meter bala na sua cara. 

Você pede um alvará e recebe uma visita do fiscal da prefeitura, não da polícia para lhe dar uns safanões e tomar toda a sua mercadoria. 

Você trabalha à luz do dia, sóbrio, lúcido, tem sua carteira de identidade no bolso, fica anos e anos com o mesmo número de celular, tem residência fixa, conta no banco e crédito para comprar um carrinho popular. 

Mas principalmente você tem uma perspectiva de vida. Você provavelmente estará vivo daqui a vinte anos, e seus filhos também. 

O que tem de errado nessa história?

Não sei se você percebeu, mas nos dois casos hipotéticos acima você se daria muito mal no mundo do crime e muito melhor – ainda que não ficasse completamente satisfeito – no mundo civilizado. E a tendência realmente é sempre essa. 

Então, por que na realidade é fácil verificar que a demanda reprimida do crime é muito maior que a demanda reprimida do trabalho honesto? 

Repetindo: é fácil verificar que a demanda reprimida do crime é muito maior que a demanda reprimida do trabalho honesto. 

Basta você se perguntar o seguinte: se os padeiros se matassem entre si e fossem mortos pela polícia na mesma proporção com que os criminosos se matam entre si e são mortos pela polícia, você acha que ainda existiriam padeiros no Brasil? 

Quem seria auxiliar de pedreiro se os auxiliares de pedreiro se matassem entre si ou fossem mortos pela polícia nas mesmas proporções que os traficantes se matam entre si ou são mortos pela polícia? 

Quem seria entregador de pizza se os entregadores de pizza se matassem entre si ou fossem mortos pela polícia nas mesmas proporções que os assaltantes se matam entre si ou são mortos pela polícia? 

Ninguém, né? 

Mas traficantes e assaltantes são mortos em taxas estratosfericamente superiores em relação a qualquer outra atividade e mesmo assim a demanda por vagas no tráfico e no roubo é tanta que ninguém jamais ouviu falar de uma boca de tráfico que tenha fechado por falta de funcionários ou de um bairro em que que ninguém nunca tenha sofrido um assalto por falta de ladrões. 

Crime 6

Já no setor legal da economia… 

Falta de mão de obra especializada se agrava e atinge 91% das empresas

“Uma pesquisa da Fundação Dom Cabral mostra que 91% das companhias pesquisadas têm dificuldade na contratação de profissionais, especialmente para vagas de compradores, técnicos, administradores, gerente de projetos e trabalhador manual.” 

Texto completo: Estadão.

Falta mão de obra qualificada no mercado

“Ainda segundo os dados da pesquisa do CNI, as empresas têm enfrentado o problema de diversas formas, por exemplo; 78% das empresas pesquisadas capacitam o profissional dentro da própria companhia, 40% delas fortaleceram suas políticas de retenção de talentos, 33% delas buscam a capacitação de seus profissionais fora da empresa, através de empresas de Educação e Treinamento Profissional.” 

Texto completo: TecHoje.

Falta de mão de obra qualificada afeta 65% das empresas, diz CNI

“De acordo com a pesquisa, 68% das empresas afirmaram ter dificuldade para encontrar profissionais preparados na área administrativa, 67% informaram déficit de contratação de engenheiros, 61% de profissionais de venda e marketing, 60% para postos gerenciais e 59% para trabalhadores na área de pesquisa e desenvolvimento.

Para superar a escassez de mão de obra qualificada, segundo a CNI, as empresas têm investido na capacitação dos próprios funcionários. De acordo com o levantamento, 81% das empresas informaram que desenvolvem programas de treinamento, 43% investem na política de retenção do trabalhador, com oferta de bons salários e benefícios, e 38% promovem capacitações fora das empresas.

Algumas empresas (24%) adotam a estratégia de substituir a mão de obra humana por máquinas. Essa solução é usada por 26% entre as de pequeno porte, 24% entre as médias e 21% entre as grandes.”

Texto completo: Brasil Econômico (iG).

Escancarando o absurdo

Você percebeu? 

Existe uma imensa demanda por vagas no crime, a ponto de o setor se permitir o luxo de matar dezenas de milhares de funcionários por ano.

O crime não têm contrato de trabalho escrito, não têm férias remuneradas, não têm décimo-terceiro, não têm plano de saúde, não tem vale-alimentação, não tem vale-transporte, não tem seguro-desemprego, não tem nem garantia de vida – pelo contrário, o crime mata seus próprios funcionários o tempo todo – e mesmo assim é procurado por dezenas de milhares de novos interessados em suas vagas todos os dias. 

Já as empresas oferecem todas estas vantagens e estão desesperadas à cata de funcionários, com dezenas de milhares de vagas abertas e não preenchidas. 

O crime tem muito mais demanda que o trabalho honesto.  

Por quê?

Porque o Brasil é uma imensa fábrica de criminosos.  

Crime 8

A Fábrica de Criminosos Brasil S. A.

O moleque pobre nasce em um ambiente degradado moral, física e economicamente. Ele não recebe nutrição adequada, bebe leite materno com álcool e cocaína; não recebe estímulos intelectuais adequados, só ouve funk e outros lixos pornográficos e apologéticos da violência; não cresce em uma família estruturada, normalmente é criado só pela mãe ou pela avó, com alguma ajuda das tias e irmãos mais velhos; não recebe assistência alguma do Estado, tudo que ele tem de serviço estatal é a polícia lhe dando uma dura sempre que o vê. E isso tudo é apenas a ponta do iceberg

O moleque pobre tem esfregadas no nariz desde criança sua completa miséria e falta de valor. Sua cidadania não é apenas negada, ela não é sequer lembrada. Nunca existiu, a não ser na forma de pequenos lampejos de oportunidade devidos ao interesses da cambada de canalhas e ladrões que infectam e dominam os Três Poderes da União, o Quarto Poder e boa parte do Terceiro Setor. Vale-Gás. Bolsa-Família. Desarmamento. Cotas. Copa do Mundo. 

Crime 9

Enquanto isso o moleque pobre cresce sem valores e sem valor. Não é só a falta de recursos materiais. É a falta de respeito em cada minuto de seu cotidiano e a falta de perspectiva em cada minuto de sua vida. 

É a comparação entre como ele é tratado e como outros estratos da sociedade são tratados. É o pé na porta e a invasão de sua casa, enquanto em outras casas a polícia só entra com mandato. É o Estado mentir e matar o seu cachorrinho para o BOPE poder subir o morro à noite sem que ninguém diga que isso é errado, enquanto qualquer vira-latas de rua é defendido ardorosamente na internet. É o bar da favela ser fechado aos pontapés à meia-noite enquanto o bar da avenida não é incomodado.

É a escola não ter giz na sala de aula, não ter água no banheiro, não ter calçamento no pátio e não ter utilidade nenhuma para a vida. É a rua não ter saneamento básico. É viver no meio do lixo. É ter que acordar às três da madrugada para disputar uma ficha de atendimento num posto de saúde. 

Crime 11

É ir para o trabalho em pé e apertado em um ônibus lotado até o teto e quente como o inferno. É só poder comprar smartphone marca Diabo, de camelô. É ver todos os dias na TV dezenas de objetos de desejo que ele sabe que nunca poderá comprar com o que chamam de “salário honesto”, mas que ele poderá comprar com o dinheiro do crime.

É ter necessidades e desejos e não conseguir satisfazê-los por mais que se esforce. É não ter perspectivas nem esperanças. É ter a frustração cíclica de ver os políticos prometerem que vai começar a viver melhor antes de cada eleição e ver sua vida permanecer a mesmíssima porcaria depois de cada eleição. 

É não ter um bom exemplo em casa, nem na comunidade em que vive, nem uma orientação decente na escola. É ser exposto a todo tipo de pornografia, de violência e de desregramento desde a mais tenra infância. É não ter a menor oportunidade de imaginar um mundo decente porque os valores a seu redor ou são corrompidos ou são inexistentes. 

É a completa falta de cidadania desde o berço. 

Crime 10

Um indivíduo que é mal nutrido, mal orientado, mal educado, mal amado, mal tratado e desrespeitado assim desde criança, cuja visão de mundo se forma em um ambiente degradado, sob os piores exemplos da família, das amizades, da vizinhança, da escola, do mercado e do Estado, sem ver nenhuma recompensa pela honestidade a não ser um salário miserável, submissão, humilhação e frustração, enquanto o crime lhe dá muito maior acesso econômico, liberdade e autonomia, vai se tornar um cidadão honesto e produtivo como e por quê

Dadas as informações que ele tem sobre o mundo, ir para o crime é tanto a tendência natural quanto a decisão mais racional. Ele não tem como tirar do nada a idéia inimaginável de fazer um curso de mecatrônica para disputar uma vaga técnica. (Meca-o-quê?)

Se tivesse a idéia, não teria nem o desenvolvimento cognitivo nem a disciplina necessária para se dedicar a um projeto de tão longo prazo. Se tivesse estas características, não teria tempo para fazer o curso, pois não teria como estudar e se sustentar durante o curso.

Se tivesse condições para tudo isso e conseguisse se formar, não teria jamais o acesso econômico, a liberdade e a autonomia que o crime proporciona, nem qualquer motivação para sacrificar sua melhor oportunidade para garantir a segurança e o conforto de quem nunca lhe garantiu nada. 

É óbvio que ele vai para o crime. 

Crime 12

E você achava que a tendência era que os mais capazes e competentes fossem para o mercado de trabalho legal e os menos capazes e competentes fossem para o crime. Nada disso. Quem é fabricado sem cidadania tem o crime como primeira ou única opção. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 26/02/2014 

40 thoughts on “A demanda reprimida do crime

  1. e a solução… qual é?

    1. Próximos artigos. 🙂

  2. Não precisa indicar a solução. A capacidade de enxergar corretamente o problema é uma capacidade distinta de encontrar a solução.

    Inclusive porque não me parece haver uma solução fácil para o problema. Pelo menos não ANTES do desenvolvimento econômico e cultural do país como um todo.

    1. A solução está implícita no texto. Vou desenvolvê-la de modo explícito nos próximos artigos. 😉

      Mas esse “antes” é problemático. Como promover “o desenvolvimento econômico e cultural do país como um todo” para resolver o problema se o problema é justamente “o desenvolvimento econômico e cultural do país como um todo”?

  3. Depois de uma descrição como a que se lê acima, como não achar (ou melhor, ter certeza de) que vivemos na Fábrica de Criminosos Brasil S/A?
    A solução depende do desenvolvimento de nosso país, mas é coisa para a segunda metade deste século.
    É, vai demorar para mudarmos esse quadro.

    1. Acrescentei “S. A.” no texto graças a este comentário. 🙂

      E sim, vai demorar muito para mudar este quadro. 🙁

  4. Qual é a solução da miséria? MAIS ESTADO, MAIS ESTADO…
    ou seja, queremos mais do venono que está nos matando..

    1. Não “mais”, mas “melhor” é certamente imprescindível.

    2. A direita quer menos Estado, a esquerda quer mais Estado e ambas dizem que o centro quer um equilíbrio entre ambas. Estão erradas. A posição de centro é um Estado melhor, o que inclui um tamanho adequado.

  5. Cara, seu artigo foi a Análise Minuciosa com o detalhamento que eu queria no meu artigo sobre o tema. Você foi perfeito. Com exemplos didáticos deu os complementos que ficaram faltando no meu texto. Sem palavras.

    1. Valeu! 🙂

      Mas lembra que meu artigo nem existiria se eu não tivesse o teu artigo como base e se não tivesses me alertado para o exemplo do auxiliar de pedreiro.

      Depois que a trilha é aberta, é fácil caminhar. Mas o mérito é dos desbravadores! 😉

  6. joaquim salles

    27/02/2014 — 00:39

    Olá Roberto Tramarim

    O ponto, quando li seu artigo, que fiquei muito triste quando você disse: “o crime é a total ausência de cidadania”. E deu vários exemplos como isso pode ocorrer. E pior, tenho que concordar com você. É terrível isso e tem varias implicações. (http://analiseminuciosa.wordpress.com/2014/02/23/fabrica-de-criminosos-brasil/)

    Muito ruim ver a ausência de cidadania …”Se esse pais não me quer, pra que vou…”

    1. Joaquim, tomei a liberdade de corrigir o link para o artigo do Roberto no teu comentário, tudo bem?

      E de fato: a falta de cidadania é a chave para compreender a maior parte da lógica da criminalidade.

    2. Exato Joaquim. Não se ganha dividendos se não investir, não se ganha prêmio se não jogar, não se colhe se não plantar. Por que seria diferente aqui? Se não oferecer cidadania, não terá cidadãos. E no Brasil esse problema acontece em escala industrial. Dai essa fabrica de criminosos, cujo número não é controlado pelo Estado ou polícia, e sim pelos próprios criminosos.

    3. Pois é… Esse conceito de “mercado controlado pelos próprios criminosos” poderia ter sido melhor trabalhado no artigo… Acho que vou escrever mais um a respeito antes de escrever sobre as soluções como o Mauro pediu…

  7. ” A posição de centro é um Estado melhor, o que inclui um tamanho adequado.”

    Os tigres asiáticos erradicaram a pobreza com um estado pequeno, eficiente. Investiram pesado em educação e liberalizaram a econômia. Hoje são as econômias mais prosperas e estáveis do mundo.

    1. E continuam com mendigos nas ruas.

    1. Deixa eu te contar una coisa sobre esta foto: é uma vergonha comparar-se com os piores criminosos da Terra para dizer que é melhor.

      Tenta pesquisar quais são os países que aparecem nas dez primeira colocações em TODOS os rankings de qualidade de vida, harmonia social, menor violência, menor criminalidade e melhores programas sociais.

      Vais descobrir que TODOS eles ou são países que optaram por Estados de Bem Estar Social, ou são micro-países convertidos em zonas de excelência de algum mercado próspero.

      E vais descobrir que todos eles enfrentam problemas econômicos e descontentamento social sempre que se afastam do centro, seja para a esquerda, seja para a direita.

      Estes povos sabem (e mesmo assim às vezes pisam na bola devido à sedução de algum grupo político) que não há outra política mais confiável e confortável do que uma política centrista, que investe sempre em infra-estrutura, educação para a autonomia, excelência escolar, empreendedorismo, sistema de impostos progressivo, poupança, seguridade social, valores morais, cultura elevada, estado laico, tolerância ideológica e religiosa, presunção de honestidade, combate à corrupção, igualdade perante a lei, liberdade econômica, solidariedade social, justiça célere, voto universal facultativo e secreto, confiança na política, facilidade de prosperar e facilidade de controlar a política dentro da ordem.

      São todos valores típicos de classe média. São todos valores que tanto a direita quanto a esquerda ou olham com o nariz torcido, ou pervertem de algum modo. Não são valores convenientes nem para intolerantes, nem para extremistas.

  8. joaquim salles

    27/02/2014 — 22:12

    Oi arthur,

    Obrigado. Pavorosa essa situação de “falta de cidadania”. Ela “explica” muita coisa.

    Abraços

    Joaquim

    1. Explica. E assusta.

  9. “Tenta pesquisar quais são os países que aparecem nas dez primeira colocações em TODOS os rankings de qualidade de vida, harmonia social, menor violência, menor criminalidade e melhores programas sociais.
    Vais descobrir que TODOS eles ou são países que optaram por Estados de Bem Estar Social, ou são micro-países convertidos em zonas de excelência de algum mercado próspero.”

    E estão quebrados por causa desse modelo. Não existe almoça grátis, alguém tá pagando.

    1. E nisso que dá não ler o texto inteiro:

      “E vais descobrir que todos eles enfrentam problemas econômicos e descontentamento social sempre que se afastam do centro, seja para a esquerda, seja para a direita.”

      É óbvio que alguém sempre está pagando.

      Por isso o modelo da esquerda não funciona.

      E por ninguém querer pagar o modelo da direita não funciona.

      O único modelo que funciona bem, com a maior justiça e harmonia social, de modo estável, sem crises nem solavancos, é modelo de centro, com as características que eu citei acima.

      De novo o que eu disse em outro lugar (não lembro onde agora): toda vez que se confundiu Estado de Bem Estar Social com Estado Providência o país se ferrou. Não são a mesma coisa. Não existe Bem Estar Social sem autonomia, empreendedorismo e aqueles outros itens que citei acima.

  10. “E continuam com mendigos nas ruas.”

    Nada disso, inoformação falsa…

    1. Continuam. Os únicos países sem mendigos nem miseráveis no mundo são os países nórdicos e os micro-países que eu citei.

  11. om benefícios sociais generosos, Dinamarca sofre
    Com benefícios sociais generosos, Dinamarca sofre com “preguiçosos”País reconsidera auxílio a desempregados, estudantes e idosos para lidar com a crise
    Robert Nielsen vive de benefícios desde 2001: não quer “trabalhos degradantes” e comprou até apartamento

    Tudo começou como um experimento para provar
    que dificuldades e pobreza ainda faziam parte da Dinamarca, aquele país
    rico e distante, mas o experimento deu errado. Visite uma mãe solteira
    de dois filhos vivendo sob os cuidados da seguridade social, propôs um
    membro liberal do Parlamento a um adversário político cético, e veja por
    si mesmo o quão difícil é viver assim.
    Eles descobriram que a vida sob o bem-estar não
    era tão difícil assim. A mãe solteira de 36 anos de idade, que recebeu o
    pseudônimo de “Carina” na mídia, tinha mais dinheiro para gastar do que
    muitos dos trabalhadores período integral do país. Ao todo, ela recebia
    cerca de US$ 2.700 mensais (cerca de R$ 5,5 mil), e estava no bem-estar
    social desde que tinha 16 anos de idade.
    http://economia.ig.com.br/2013-04-23/com-beneficios-sociais-generosos-dinamarca-sofre-com-preguicosos.html

    1. Qual a novidade? Isso é uma distorção de esquerda do Estado de Bem Estar Social. Eu falo tempo todo que não existe Bem Estar Social sem autonomia e empreendedorismo, não existe Bem Estar Social sem autonomia e empreendedorismo, não existe Bem Estar Social sem autonomia e empreendedorismo, chego a ser chato com isso. 🙂

  12. Tigres Asíaticos: Cingapura – Coréia do Sul – Taiwan – Hong Kong

    IDH do Brasil (2011): 0.718 (Desenvolvimento Humano Alto)

    IDH de Cingapura (2011): 0.866 (Desenvolvimento Humano Muito Alto)
    IDH da Coréia do Sul (2011): 0.897 (Desenvolvimento Humano Muito Alto)
    IDH de Hong Kong (2011): 0.898 (Desenvolvimento Humano Muito Alto)
    IDH de Taiwan (2011): Não possui pois a ONU não considera Taiwan como um Estado soberano.
    Source:
    http://www.pnud.org.br/atlas/ranking/IDH

    1. Singapura e Hong-Kong são duas cidades. Coréia do Sul e Taiwan enfrentam problemas com mendigos e criminalidade, como qualquer país do mundo exceto os nórdicos e alguns micro-países. Tudo isso eu já disse.

      E o IDH não é um bom indicador de coisa nenhuma, tanto que o Brasil tem IDH alto e qualquer um que conheça a situação do Brasil sabe que esse número não reflete a realidade brasileira.

  13. Boa análise da demanda do crime, falta analisar a oferta de ‘trabalho’, o brasil tem milhões de CNPJs, mas dever ter no minimo mil vezez menos grupos de criminosos organizados.

    No mais, sim, o ser humano tende naturalmente para o “crime”, logo não espanta a maioria das pessoas irem pro mercado legal por serem coagidas à não ir pro crime.

    1. O que eu digo é que o ser humano médio só tem como primeira (ou única) opção o crime se nasce e cresce sem cidadania. Se tivéssemos um Estado como o norueguês, teríamos um desenvolvimento social como a Noruega…

  14. “Singapura e Hong-Kong são duas cidades. Coréia do Sul e Taiwan enfrentam problemas com mendigos e criminalidade, como qualquer país do mundo exceto os nórdicos e alguns micro-países. Tudo isso eu já disse.”

    Provas e dados fiáveis?

    Tributar metade da população para que a outra não faça nada e depois dizer que não tem pobres nos países nórdicos é um absurdo. Esse o modo de erradicar a pobreza? Um ´país se mede pelo número de quantas pessoas dependem do gorverno, os tigres asiáticos é bem pequeno, e não sair distribuindo esmola estatal só pra fazer números. Os países liberais não dão o peixe e nem ensinam a pescar, fazem com que o rio produza o máximo possível de peixe e cada um que se vire pra pescar.


    1. “Os países liberais não dão o peixe e nem ensinam a pescar, fazem com que o rio produza o máximo possível de peixe e cada um que se vire pra pescar.” (João/Antonio/Nelson)

      Não.

      O liberalismo não investe no rio.

      Quem faz isso é o Estado de Bem Estar Social. 🙂

  15. Os caras acham que ser nórdico é uma beleza, um sistema onde o cidadão é tutelado pelo estado do nascimento até a morte, um bando de criancinhas mimadas que não sabem fazer nada sem pensar no estado. PQ O AMERICANO É RICO e poderoso, o jovem lá antes dos 18 já está pensando em sair de casa, trabalha em uma lanchonete pra pagar seu próprios estudos, os pais cobram que ele sai de casa e se torne independente. Num pais nordico como a Suécia, o moleque chega aos 14 anos cheios de problemas psicológicos, os país tem que interna numa clínica psiquiatrica para que o moleque não se mate. É no sofrimento que as pessoas amadurecem, elas tem que andar com as próprias pernas..

    1. Pára de dizer bobagem, raios:

      “In sum, we estimate that, as of the beginning of 2011, about 1.46 million U.S. households with about 2.8 million children were surviving on $2 or less in income per person per day in a given month. This constitutes almost 20 percent of all non-elderly households with children living in poverty. About 866,000 households appear to live in extreme poverty across a full calendar quarter. The prevalence of extreme poverty rose sharply between 1996 and 2011.”

      http://www.npc.umich.edu/publications/policy_briefs/brief28/

      Existe POBREZA EXTREMA nos EUA: 1,46 milhões de lares, com mais de 2,8 milhões de crianças, vivem com menos de dois dólares por dia. Isso dá cerca de 20% dos lares com crianças do país. E a pobreza extrema aumentou rapidamente entre 1996 e 2011.

      “O americano é rico” só nos delírios da ultra-direita.

      Não por acaso, eles têm a maior população carcerária do mundo, tanto em termos absolutos quanto relativos.

      Xeque-mate. Não respondo mais estas bobagens.

  16. “A honestidade é própria das classes médias.
    As de baixo não a ignoram, mas não sabem para que serve.
    As de cima não a ignoram, mas não sabem para que ainda serve.” (Vergílio Antonio Ferreira)

    1. Eu não consigo entender essa raça de macacos.

  17. Pensar Não Dói » Onde estão os indomáveis?
  18. “Nós sempre pensamos que as pessoas vão para o crime porque não conseguem um trabalho legal. Mas a chance maior em um país como o Brasil é que as pessoas vão para mercado de trabalho legal porque não conseguem uma vaga no crime.”



    ..

    Acaso o senhor está afirmando que os mais de 80 milhões de trabalhadores honestos deste país são na verdade “bandidos” sem posto???? aaff…

    Paciência, Senhor… Paciência!!!

    1. O que eu afirmo é o que está escrito no artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *