Reflexão sobre o discurso e a prática da fé (com especial enfoque na fé cristã)

Meu amigo Alyson Vilela comentou assim no Facebook a notícia do terceiro homicídio cometido por um cristão fervoroso: “não é a crença que leva a fazer o bem ou o mal“. Eu quase concordo com ele: não é aquilo em que as pessoas dizem que acreditam ou em que elas pensam que acreditam que as leva a fazer o bem ou o mal. 

Peixe - símbolo cristão
Como símbolo cristão, a palavra grega para peixe, ichthys, era dividida como segue: / (Je­sus); ch (Cristo); th (de Deus); y (Filho); s (Salva­dor). A frase grega, por inteiro, era: Ieosous Christós Theou hyiós, Soter, ou seja: Jesus Cris­to, Filho de Deus, Salvador.

Pense bem: exceto um ou outro coitado sob efeito de drogas ou de doença mental, ninguém se atira do alto de prédios achando que vai voar.

As pessoas têm uma profunda na lei da gravidade. Elas acreditam que a gravidade irá funcionar sempre. E, em plena conformidade com isso, elas se comportam segundo sua crença. ISSO é “acreditar”. 

Outro exemplo laico: Hugo Chávez acreditava que a melhor medicina que tinha a sua disposição era cubana e quando precisou foi mesmo para Cuba. Lula e Dilma diziam que o SUS é ótimo e quando precisaram correram para o capitalista e elitista Hospital Sírio-Libanês.

Essa é a diferença entre acreditar de fato e apenas dizer que acredita. 

A crença dos cristãos

Quase todos os cristãos, incluídos aí tanto os católicos quanto os evangélicos, falam no Amor de Deus, no amor ao próximo, em obedecer a Deus, em fazer a obra de Deus, etc. Mas quantos entre os cristãos se comportam segundo sua crença declarada? 

Jesus Cristo deixou um ensinamento muito claro e objetivo, que apresento aqui em duas versões, uma tirada de uma Bíblia Católica, outra de uma Bíblia Evangélica: 

Parábola do Bom Samaritano (Bíblia Online Católica)

25. Levantou-se um doutor da lei e, para pô-lo à prova, perguntou: Mestre, que devo fazer para possuir a vida eterna?

26. Disse-lhe Jesus: Que está escrito na lei? Como é que lês?

27. Respondeu ele: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu pensamento (Dt 6,5);  e a teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18).

28. Falou-lhe Jesus: Respondeste bem; faze isto e viverás.

29. Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: E quem é o meu próximo?

30. Jesus então contou: Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de ladrões, que o despojaram; e depois de o terem maltratado com muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o meio morto.

31. Por acaso desceu pelo mesmo caminho um sacerdote, viu-o e passou adiante.

32. Igualmente um levita, chegando àquele lugar, viu-o e passou também adiante.

33. Mas um samaritano que viajava, chegando àquele lugar, viu-o e moveu-se de compaixão.

34. Aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho; colocou-o sobre a sua própria montaria e levou-o a uma hospedaria e tratou dele.

35. No dia seguinte, tirou dois denários e deu-os ao hospedeiro, dizendo-lhe: Trata dele e, quanto gastares a mais, na volta to pagarei.

36. Qual destes três parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?

37. Respondeu o doutor: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Então Jesus lhe disse: Vai, e faze tu o mesmo. 

(Lucas 10: 25-37)

E:

Parábola do Bom Samaritano (Bíblia Online Evangélica)

25 E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna?

26 E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês?

27 E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.

28 E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás.

29 Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo?

30 E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.

31 E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo.

32 E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo.

33 Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão;

34 E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu animal, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;

35 E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar.

36 Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?

37 E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.

(Lucas 10:25-37)

Entretanto…

Quantos católicos e quantos evangélicos podem dizer sem medo – não para mim, não no Facebook, mas para Deus, que vê diretamente o coração dos homens e que não pode ser enrolado com nenhum argumento – que vivem suas vidas segundo este preceito?

Olhemos para as ruas de nossas cidades.

Quantos católicos e quantos evangélicos estão “amando seu próximo como a si mesmo”, “enchendo-se de compaixão”, parando (suas montarias) seus carros junto a algum necessitado, tomando-o em seus braços, cuidando de suas feridas, levando-o a alguma instituição que possa cuidar de suas necessidades e dizendo “eis aqui meu irmão muito necessitado – cuida dele, e tudo que gastares eu te pagarei”? 

E quantos católicos e quantos evangélicos simplesmente fecham o vidro do carro para não ter que lidar nem mesmo com a existência dos necessitados? 

Então eu me lembro do que Jesus Cristo disse e que foi registrado em Mateus 12:33:  é pelos frutos que se conhece a árvore

Versão católica

33 Ou dizeis que a árvore é boa e seu fruto bom, ou dizeis que é má e seu fruto, mau; porque é pelo fruto que se conhece a árvore.

E: 

Versão evangélica

33 Ou fazei a árvore boa, e o seu fruto bom, ou fazei a árvore má, e o seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore.

E me pergunto: qual é o fruto de fechar a janela ao invés de acolher e amparar o necessitado? É bom? 

Nossas ações não nos deixam mentir

Se você acredita na lei da gravidade, então você não se joga do alto dos prédios, porque sabe que vai se arrebentar no chão. 

Se você acredita nas palavras de Cristo, então você não age como o sacerdote e o levita da parábola, porque sabe que vai se arrebentar no inferno

(Se você é cristão, não explique para mim que não obedece o que Cristo manda porque não tem tempo, porque não tem dinheiro, porque precisa pagar o aluguel e o telefone, porque tem que levar as crianças na escola, porque já cuida de uma tia velha ou seja lá o que for. É para Deus que você tem que se explicar. Eu não tenho nada a ver com isso.)

Coisas que os cristãos dizem

Uma coisa que eu costumo ouvir quando cito a Parábola do Bom Samaritano é que eu também não estou recolhendo mendigos ou vítimas de assalto na rua. (Como se o fato de eu também ir para o inferno amenizasse a estadia de alguém por lá.) 

Mas no que a minha atitude deveria influenciar quem recebeu orientações do próprio Deus? Eu não digo que a Bíblia é a Palavra de Deus, nem sequer que ela foi inspirada por Ele. É quem diz que acredita nisso que deveria se preocupar com a própria Salvação, não é?  

Outra coisa que eu costumo ouvir é que “cada um faz o que pode, e, se eu não posso fazer mais do que isso, Deus vai entender”. 

Mas quem diz isso não conhece a Bíblia. Cristo ensinou que Deus não tolera gente omissa. Deus distribuiu responsabilidades conforme a capacidade de cada um e avisou de modo bem claro que vai cobrar resultados e que não vai aceitar nenhuma desculpa. 

Confira: 

Parábola dos Talentos (Bíblia Online Católica)

14. [O Reino de Deus] Será também como um homem que, tendo de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens.

15.A um deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu.

16.Logo em seguida, o que recebeu cinco talentos negociou com eles; fê-los produzir, e ganhou outros cinco.

17.Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois.

18.Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor.

19.Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes contas.

20.O que recebeu cinco talentos, aproximou-se e apresentou outros cinco: – Senhor, disse-lhe, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei.’

21.Disse-lhe seu senhor: – Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.

22.O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: – Senhor, confiaste-me dois talentos; eis aqui os dois outros que lucrei.

23.Disse-lhe seu senhor: – Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.

24.Veio, por fim, o que recebeu só um talento: – Senhor, disse-lhe, sabia que és um homem duro, que colhes onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste.

25.Por isso, tive medo e fui esconder teu talento na terra. Eis aqui, toma o que te pertence.

26.Respondeu-lhe seu senhor: – Servo mau e preguiçoso! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei.

27.Devias, pois, levar meu dinheiro ao banco e, à minha volta, eu receberia com os juros o que é meu.

28.Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez.

29.Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á mesmo aquilo que julga ter.

30.E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes. 

(Mateus 25: 14-30)

E:

Parábola dos Talentos (Bíblia Online Evangélica)

14 Porque isto [o Reino de Deus] é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens.

15 E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe.

16 E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles, e granjeou outros cinco talentos.

17 Da mesma sorte, o que recebera dois, granjeou também outros dois.

18 Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.

19 E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles.

20 Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles.

21 E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

22 E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles granjeei outros dois talentos.

23 Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

24 Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste;

25 E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.

26 Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?

27 Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros.

28 Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.

29 Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.

30 Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.

(Mateus 25: 14-30)

As duas versões deixam bem claro: quem é cristão não tem desculpa para não fazer o que Deus mandou e espera dos cristãos. O choro e o ranger de dentes estão reservados não para os mal intencionados, mas para os servos inúteis.

Segundo o próprio Cristo, se você não faz o que Deus manda e espera de você, então você é um servo inútil. E não existem desculpas ou justificativas para falhar. Afinal, segundo o julgamento do próprio Deus, o fardo que foi dado a cada um para transportar está de acordo com suas forças. 

(Tipo… “Quem você pensa que é para dizer na cara de Deus que Ele não sabe do que está falando e que a sua avaliação é melhor do que a dEle?”)

Isso não deveria ser mais do que suficiente para todos os cristãos se lançarem de corpo e alma na construção de um mundo fraterno, em que amar ao próximo como a si mesmo, não em teoria, mas na prática de cada segundo de vida, fosse a prioridade número um? 

Antecipando um questionamento

“Ei, Arthur, espera aí! 

Você está mesmo dizendo que eu deveria sair pela cidade e catar um miserável para praticamente adotar como se fosse um filho?

Você está mesmo dizendo que, só porque eu sou cristão, o objetivo da minha vida é sair por aí “sendo bom”, servindo os outros e corrigindo os males do mundo?” 

Não, eu não estou dizendo isso. 

Foi Jesus Cristo quem disse tudo isso.

Pelo menos é o que consta na Bíblia, na tradição e na fé cristã.

Não era pra ser a sério? 

Conclusão

Apesar de tudo o que citei ter sido dito pelo próprio Cristo de modo muito claro, as evidências mostram que não é assim que os cristãos católicos e evangélicos se comportam. Aí estão todos os países com maioria cristã no planeta cheios de miséria, sofrimento, intolerância e ideologias de ódio e conflito para provar isso. 

Basta olhar para a desarmonia que reina entre os próprios cristãos para ver que cristãos católicos e evangélicos dizem que amam o próximo como a si mesmos, mas não cuidam do próximo como gostariam de ser cuidados (como Cristo ensina na Parábola do Bom Samaritano), nem se esforçam ao máximo para fazer o que Deus espera deles (como Cristo ensina na Parábola dos Talentos). 

Interessantemente, os cristãos não costumam se atirar do alto dos prédios. Isso prova que eles se comportam segundo sua crença. Não tem nada de muito complicado e perigoso nesse padrão de comportamento, não? 

Você entende realmente as profundas implicações e a gravidade das conseqüências desse padrão de comportamento se “usa de misericórdia com teu próximo e viverás” e “para o servo inútil haverá choro e ranger de dentes” forem mesmo a própria Palavra de Deus? 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br –  28/02/2014 

143 thoughts on “Reflexão sobre o discurso e a prática da fé (com especial enfoque na fé cristã)

  1. Alô! Fui bloqueado? Não tinha dito nenhuma blasfêmia! “Assim não dá! Assim não pode!” (FHC)

    1. É esse recuperado abaixo? Com hora de postagem quatro minutos POSTERIOR ao registro do bloqueio? (!)

  2. Arthur! Depois de ler o leque de prédicas acima conclui que devo pedir perdão a JC, constantemente, pela minha declarada intenção de continuar pecando. Vou manter o citado programa de bolsas fakes para os próximos delinquentes, não vou dar aos próximos pobres os ganhos que permitem blindar tanto minha carruagem quanto meu castelo, e vou baixar o cacete no próximo que me bater na face. Por enquanto vou tolerar os próximos bonzinhos, especialmente os que carregam minha herança genética, se não me pisarem o calo com muita frequência! Acho que de carro eu seguiria o Senhor mais rapidamente além de ir mais longe. Se eu der tudo ao próximo, bem socialisticamente, corro o risco de ver tudo jogado aos porcos e eu sem recursos para atender os mesmos próximos idiotas.

    Está escrito: “Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus. E ainda vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus…” (Mt XIX:22-24) e, um pouco antes, “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus…” (Mt, V: 3). Logo meu caso não tem solução: como pago impostos me chamam de rico e como não me considero pobre de espírito vou ser barrado duas vezes no baile. Sou aquele camelo que ficou fora da arca de Noé por que tinha três corcovas.

    Os advogados dizem que a boa lei é aquela que permite ser interpretada para os dois lados. Vide a indecisão do Supremo pra cima dos mensaleiros. A Bíblia é uma boa lei.

    1. Tsc, tsc, tsc… Jesus disse “Vai, e não peques mais!” 😉

      Eu já fiquei preocupado com isso, mas hoje dou muita risada quando leio “bem-aventurados os pobres de espírito”. Ninguém se dá conta do ridículo desta frase? Jesus deve estar se revirando no túmulo… Ou em órbita, vai saber.

      Mas a questão é simples: se Jesus Cristo era o que os cristãos dizem que ele era, então não há margem para discordâncias, deve-se obedecer e pronto, ou não se é cristão.

      Por outro lado, se Jesus Cristo não era o que os cristãos dizem que ele era, restam duas interpretações sobre o que ele realmente era.

      A primeira, positiva, é que o sujeito era bem intencionado e tentava fazer as pessoas assumirem uma espiritualidade mais elevada.

      A segunda, negativa, é que o sujeito era um charlatão e saía por aí fazendo truques (Cuspir no chão, esfregar o barro no olho do cego e o cego sair enxergando? Sei.) misturados com um blá-blá-blá místico adequado à manutenção da farsa.

      Que ele era um questionador inteligente das contradições e sofismas do ambiente religioso de sua época, isso é inegável. Resta saber com que intenções. Ou alguém duvida que daqui a um século a IURD será considerada uma instituição tão séria quanto a ICAR por quem não fizer parte de nenhum dos rebanhos?

      Por puro otimismo, eu prefiro ficar com a primeira alternativa, embora a segunda seja mais provável se levarmos em consideração a prática habitual de “milagres”. Mas, como os registros também não são nada confiáveis, como saber se essa prática existiu realmente ou se foi acrescentada a posteriori para facilitar a adesão dos supersticiosos desesperados por “salvação”?

      Enfim, como bem percebeste, nada como cobrar coerência e obediência aos ensinamentos de Cristo para que as pessoas mostrem o quanto realmente acreditam neles…

  3. André

    Tudo mentirinha maçônica e iluminista. Primeiro, o cristianismo humanizou o direito moderno, coibiu a tortura como prática processual e dentro do processo inquisitorial, ao contrário da lenda, a inquisição foi uma instituição que raramente usava a tortura. Do resto, vc é burro mesmo, bem palpiteiro, produto da nossa falta de educação das escolas públicas, cheias de marxistas.

  4. Paul Muadib

    19/10/2014 — 19:11

    Não existe cristãos mas sim “fãs de cristo”, porque estes não fazem 30% do que está na bíblia. Na verdade isso é bom para a humanidade pois com as leis absurdas nesse livro, os cristãos teriam comportamento semelhantes aos fundamentalistas islâmicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *