Quando uma pessoa falha em manter uma dieta saudável e fazer exercícios para emagrecer, que alternativas ela tem no mercado para recuperar seu peso adequado e sua saúde? Qual destas alternativas você escolheria? 

Tela costurada na lingua

Dona Maria está com 160 kg. Quer emagrecer, mas não consegue. Vive comendo coisas que não devia, chega a esconder chocolate em cima do armário para comer sem ninguém ver, mas depois se sente culpada e come ainda mais chocolate para aliviar a culpa.

Dona Maria não se sente em condições de fazer exercícios: mal consegue caminhar até a padaria, a 200m de casa, para comprar leite e pão, e já se sente exausta. Não teria força de vontade para freqüentar uma academia. Desistiria na primeira semana. 

Dona Maria precisa de ajuda.

O que podemos oferecer de ajuda à Dona Maria?

Psicoterapia?

Uma sessão de cinqüenta minutos por semana para Dona Maria falar sozinha sobre os sonhos que consegue lembrar? Enquanto o terapeuta fala “arrãm”, “arrãm” e “arrãm” e toma notas? Para daqui a dez anos Dona Maria estar com 180 kg e constatar “acho que essa terapia não está ajudando”? E o terapeuta dizer que “ela não consegue vencer suas resistências internas” e que precisa de mais tempo de terapia?

Bom, não seria o meu método de escolha.

Medicamentos supressores de apetite?

Já vi estes medicamentos causarem insônia grave (72h a 96h sem dormir direto, a ponto de a pessoa ir parar na emergência de três hospitais diferentes, até conseguir obter uma receita de sonífero, porque os dois primeiros médicos não quiseram receitar nada, simplesmente disseram que ela “ia acabar dormindo uma hora”), crises de ansiedade, taquicardias, retenção de líquidos e distúrbios na fala.

Também não seria o meu método de escolha.

Cirurgia bariátrica?

Conheço quem tenha feito. A pessoa só pode comer em cada refeição o equivalente a três copinhos de cafezinho daqueles bem pequenininhos, pelo resto da vida. Caso contrário, sente dores e vomita tudo, ou acaba alargando o estômago de novo e voltando a engordar, ou acaba arrebentando o estômago e tem que sofrer uma cirurgia de emergência ou morrer de um modo nada agradável.

Se o sujeito não tinha disciplina antes da cirurgia bariátrica, de um momento para o outro ele vai ter que ter disciplina na porrada ou se arrebentar feio. E terá essas limitações para o resto da vida, tornando-se dependente de suplementos alimentares (porque não consegue comer o suficiente para ter uma dieta saudável) e de exames laboratoriais freqüentes, porque vive tendo anemias.

Definitivamente, não seria o meu método de escolha.

O que sobra?

Hipótese 1: tentar dietas malucas do tipo comer só abacaxi por quinze dias, sementinhas aplicadas com esparadrapo na orelhas, o poder dos cristais, cirurgias espirituais, sessões de desencapetamento… Bom, quem me conhece sabe o que eu penso a respeito: mostre-me um artigo científico publicado em periódico indexado internacionalmente reconhecido com dados que demonstrem que a técnica tem efeito estatisticamente distinto do efeito placebo que a gente conversa a respeito. 

Hipótese 2: levar Dona Maria para o SPA do Arthur. [Gargalhada cavernosa ao fundo.] Eu faria a Dona Maria emagrecer sem precisar de médicos ou nutricionistas, você pode ter certeza disso. Infelizmente, o tanto que eu economizaria com o salário dos médicos e nutricionistas eu teria que gastar depois com o salário dos advogados. Então, melhor deixar quieto.

Hipótese 3: a técnica do Dr. Nikolas Chugay – costurar uma telinha sobre a língua da Dona Maria e fornecer-lhe um shake nutritivo porém hipocalórico por trinta dias. Imagine que essa seja a opção escolhida. 

Dona Maria termina esses trinta dias 20 kg mais leve. Está com 140 kg agora. Já consegue ir até a padaria para se entupir de pão com mais facilidade.

Volta para a clínica do Dr. Nikolas Chugay com 150 kg. Faz de novo o processo e fica com 130 kg.

Volta para a clínica do Dr. Nikolas Chugay com 140 kg. Faz de novo o processo e fica com 120 kg.

Volta para a clínica do Dr. Nikolas Chugay com 130 kg. Faz de novo o processo e fica com 110 kg.

Volta para a clínica do Dr. Nikolas Chugay com 120 kg. Faz de novo o processo e fica com 100 kg.

Loucura?

Até este ponto Dona Maria perdeu 60 kg e para fazer isso levou 30 pontos na língua e gastou 5 pedacinhos de tela com uns 5 cm² cada um, mais cinco anestesias locais na língua.

Neste ponto, a vida dela está completamente diferente.

Ela consegue se deslocar com facilidade, percebe uma mudança muito significativa em seu corpo e está em condições emocionais de entrar em uma academia para entrar em forma ao invés de apenas emagrecer.

E ela já passou bastante tempo com uma tela costurada na língua para aprender a valorizar uma alimentação saudável e começar uma reeducação alimentar.

Se eu tivesse que escolher entre passar por tudo isso e fazer uma cirurgia bariátrica, eu não pensaria por mais que dois segundos para escolher a técnica do Dr. Nikolas Chugay.

Sério. 

Atualização no mesmo dia

Alguém me criticou no Facebook porque eu teria omitido a possibilidade de Dona Maria utilizar um balão intragástrico. OK, analisemos isso. 

Um balão gástrico atua segundo a mesma lógica básica da telinha na língua e da cirurgia bariátrica: é uma barreira física à alimentação.

A telinha na língua só precisa de uma anestesia local e de seis pontos, é um procedimento extremamente simples, seguro, não invasivo e facilmente reversível.

O balão gástrico precisa de duas anestesias gerais e duas endoscopias (uma de cada para colocar o balão, outra para retirar), com todos os riscos trazidos pelas duas técnicas, que são muito maiores que o de seis pontinhos na língua. 

Na boa? Isso é como comparar um mata-moscas com um canhão. Os dois podem matar uma mosca. Qual você escolheria? 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 22/06/2014

20 thoughts on “Costurar a língua para emagrecer (2)

  1. Arthur, como quase todo mundo você parece confundir psicoterapia com Psicanálise, uma das muitas visões conflitantes que existem na Psicologia. A coisa toda é um tiquitinho mais complicada que isso. Há procedimentos terapêuticos que, diferente da Psicanálise tem eficácia comprovada por pesquisas com base científica.

    1. Eu sabia que tu ias chiar. 😛

      Psicoterapia é um termo beeeeem genérico. Não nego a existência de psicoterapias que funcionam. Minha bronca é com aquele pessoal que diz que “todo mundo precisa de psicoterapia” e que diz que “está resolvendo” um problema há vinte anos na psicoterapia.

      Segundo essa turma, 5% da população do planeta devia ser psicoterapeuta e atender dois pacientes de manhã e dois de tarde a semana inteira…

      Mas divago.

      O caso é que esse tipo de psicoterapia, até onde eu sei, não funciona para tratar de coisas como obesidade. Por isso foi citada assim no artigo.

  2. Realmente, técnica interessante. Fiquei imaginando como seria meio desagradável ficar com essa telinha na língua, mas, como você disse, para quem tem uma vida de baixa qualidade por conta do peso, valeria a pena.

    Entretanto, fiquei imaginando umas variações de cirurgia que não afetassem tão intensamente a vida da pessoa. Reduzir o comprimento do intestino delgado seria uma opção, ao reduzir a área de absorção de nutrientes? Ou talvez “forrar” a maior parte do intestino delgado com um filme impermeável à gordura, principal responsável pela engorda?

    Tenho interesse por todos os artigos relacionados à Ciência, mas esses relacionados à Medicina me importam mais, já que pretendo me tornar um médico. E não se preocupe, não vou mentir pela classe.

    Até,
    Lucas.

    PS: Curioso em relação ao SPA do Arthur. Quais as técnicas que empregaria nos “pacientes”?

    1. Qualquer cirurgia envolve o risco de morte, que afeta intensamente a vida da pessoa. E qualquer procedimento mais complexo e caro ainda pode ser realizado no caso da telinha falhar.

  3. Joaquim Salles

    22/04/2014 — 21:47

    Bom, sobre psicanalise existe uma antiga questão entre Karl Popper e Freud que acaba qualificando, a psicanalise, de pseudo-ciência. Existem vários sites sobre esse tema. Já quanto a sua eficacia existem vários lugares que afirmam que a “papo terapia” não é lá essas coisas e sem muito destaque de eficiência. Só a titulo de curiosidade via um desses sites: https://racionalistasusp.wordpress.com/tag/pseudociencia/ ou sobre pseudociencia https://ateus.net/artigos/ceticismo/como-distinguir-ciencia-de-pseudociencia/
    http://ceticismo.net/ciencia-tecnologia/freud-nao-explica-quase-nada/
    ou mesmo em http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_pseudoci%C3%AAncias.

    Pessoalmente acho que a psicoterapias resolvem bem o problema financeiro do terapeuta…

  4. Ainda fica valendo o meu comentário na postagem anterior. Mande para um adepto do Nikolas, mas com espírito crítico e investigativo, meia dúzia de ônibus de obesos bulêmicos sem endocrinopatias. Depois das línguas costuradas, os corpos repesados, as funções reavaliadas e os pacientes entrevistados poderemos dar uma opinião com algum caráter científico. Antes disso, tudo não passa de especulação no máximo esperançosa e no mínimo desfocada.

    Em tempo: a adição da Ritalina na merenda escolar foi uma notícia fake que um desocupado de Pernambuco jogou na rede como se fosse um projeto de lei de um deputado João Não Sei das Quantas. Como os nossos deputados costumam ocupar o tempo ocioso (que não é pouco) em coisas assombrosas, alguém acreditou e replicou a notícia até que o próprio Dráuzio engoliu a piada e fez comentários neutros num Saia Justa, quando o correto seria dizer: “É Piração ou Pegadinha?”

    E voltando ao assunto do caput é bom lembrar que se o resultado chegar num quadro estatístico elaborado pelo IPEA seria interessante considerar uma variação para mais ou para menos de 250 pontos percentuais. 🙂

    1. 1) Hehehehe… Eu concordo 100% que sejam feitos estudos a respeito, que se ouçam os pacientes, que se traduza em números os resultados e que se faça uma avaliação ponderada de prós e contras. Mas eu fiquei furioso com o que eu vi nas reportagens!

      Dois presidentes de associações médicas brasileiras dizerem o que disseram, condenando a técnica pelos motivos mais fajutos possíveis, é um acinte contra a inteligência.

      O presidente da Associação dos Cirurgiões Modificadores de Anatomia por Motivos Estéticos condenar a técnica por “modificar a anatomia por motivos fúteis” e insinuar que isso é doença mental… e o presidente da Associação dos Modificadores de Metabolismo com Drogas Perigosas condenar a técnica por não ter fibra suficiente na dieta… Dá licença, é deboche demais.

      Ou seja, ainda que eu mesmo tenha achado a técnica grotesca, fui obrigado a defendê-la. Isso porque “grotesco” é mera impressão estética – e o caso é importante demais para eu me pautar pela repulsa estética que a técnica me causa.

    2. 2) Essa maldição do politicamente correto me dá engulhos, muito mais do que a técnica do Dr. Nikolas Chugay. Na boa, colocar ritalina na merenda é o tipo de coisa que deveria ter feito o Dráusio pegar a cadeira em que estava sentado e desmontar nos cornos do cretino que deu a idéia. Se ele ponderou calmamente e de modo neutro a respeito, fico com medo do Dráusio. O que ele diria se alguém sugerisse misturar barbitúricos na água dos presídios para reduzir a violência? Analisaria ponderadamente a proposta, apontando os pontos favoráveis e desfavoráveis? Mas isso é pra enfiar o microfone na garganta de quem perguntar a sério!

    3. 3) Veja só a desmoralização das instituições promovida pela esquerda… Não dá para levar a sério mais nada que o IPEA e o IBGE digam… Por osmose, o IBOPE também não… É a desmoralização da sociedade pelos marxistas de que nos falava Yuri Bezmenov.

  5. Arthur, tu acha que mora na Disney, onde as pessoas depois de emagrecerem por usar a telinha na língua por um tempo vão se reeducar, malhar e ficar esbeltas e felizes para sempre. Não vão. Obesidade se resolve quando tu resolve o problema que te deixou obeso de uma vez por todas (hormônios, psicoterapia, e olhe lá) ou opta por uma alternativa que não te deixa caminho de volta (a cirurgia bariátrica), que não é nada ruim perto do quadro da dor de passar o resto da velhice (precoce) sem saúde, sem auto estima e sem alternativa.
    A telinha ali tu pode colocar no pacotinho da dieta do abacaxi e dos remedinhos pra emagrecer que ó, adiantam é merda nenhuma. Aliás, até adiantam: sempre tem aquele cabeça dura que vai emagrecer com telinha e dieta do abacaxi e vai se manter magro e saudável pro resto da vida, porque a mudança vai desenvolver aquele componente que faz qualquer dieta funcionar: autocontrole.

    1. TG, tem um ditado muito antigo que diz o seguinte: “ou as pessoas aprendem pelo amor, ou aprendem pela dor”. O que eu acho legal na técnica da telinha é que ela incomoda. Ela funciona na porrada. O cara não consegue comer e pronto. Ou ele emagrece, ou ele emagrece. É como uma cirurgia bariátrica… Só que muito menos cruel. Afinal, o sujeito mantém todas as alternativas em aberto, o que não acontece no caso da cirurgia bariátrica.

      Como é uma técnica segura e barata, e pode funcionar em muitos casos, mesmo caindo em diversas repetições seguidas, ela pode ajudar muita gente que de outro modo ia acabar caindo na cirurgia bariátrica. E, para quem não aprender assim mesmo, sempre há de restar a cirurgia bariátrica…

      Visto por este ângulo melhora?

  6. Você não sabia da Ritalina na merenda? Que desinformado! Então também não sabia do pinico para cachorro em volta dos postes e nem das fraldas pra cavalo! Vai ver nem sabia da “tiara de Cristo” que dá choques em quem diz palavrão!!!

    1. Eu ouvi falar uma vez – há muitos anos – de uma idéia pirada de colocar fraldas nos cavalos para os desfiles da Semana Farroupilha, mas me lembro que a idéia foi tão ridicularizada que ninguém mais tocou no assunto.

      Mas do penico para cachorro e da tal “tiara de Cristo” é a primeira vez que estou ouvindo. Mas… Peraí… Pára tudo… Não… Penico para cachorro em volta dos postes e “tiara de Cristo” para dar choque em quem fala palavrão

      Não, não. Pensando bem, eu nunca ouvi falar disso. Nem agora. Deletei da minha memória. Não posso infartar com 45 anos, seria letal.

      Conta uma de papagaio, pô.

  7. Nos seus textos, toda vez em que aparece a palavra “dieta”, há links para “Um segredo para emagrecer – Erda do Pesó”. Pergunto: Isso é do Arthur? Do editor de blog? Aparece pra todo mundo? É uma sacanagem da internet? Pagam por isso? Você compactua? É indiferente? Fica irritado, mas não há o quê fazer?

    1. HEIN? Ma che cazzo???

      Não sei do que estás falando. Nunca coloquei links deste tipo. Não aparece nada para mim quando eu navego no blog.

      Já clicaste em algum destes links? Caso positivo, me passa o link para eu investigar. Vou perguntar se o pessoal da minha hospedagem de domínio sabe o que é isso.

      Era só o que faltava parasitarem o blog com inserção de links não autorizados! Mas que mundo maldito é esse que tem gente que só usa a inteligência para dar golpes, raios?!

  8. Dizem que quem faz redução do estômago fica com a digestão incompleta e passa a fazer cocô muito fedido, a ponto de ter que instalar exaustor no banheiro. Procede ou é lenda urbana?

    1. Uia! A coisa tá feia pro meu lado hoje… Não sei. Primeira vez que ouvi falar disso também. 🙁

  9. Não :P. Eu entendi que tu quis foi incomodar com a ideia, só tô dando pedrada no teu argumento de que essa porrinha aí funciona de verdade. Ser humano, quando dá de ter problema com sexo, pança ou grana, só matando (ou, como tu disseste, deixar sem alternativas em aberto).
    Essa ideia de telinha aí deveria ser apenas tão incomodativa quanto as da dieta do abacaxi e do remédio pra emagrecer. Em quesito desconforto e sugar dinheiro de gente trouxa elas empatam.

    1. Mas peraí… Que funciona, funciona! Numa das reportagens eles falam de alguém que perdeu 20 kg e depois engordou 10 kg de novo. Ou seja, a pessoa perdeu 20 kg usando a telinha! Funcionou! Se a mesma pessoa ganhou peso depois, isso só mostra que a solução não é definitiva sem uma reeducação alimentar, o que me parece bem lógico.

  10. Joaquim Salles

    24/04/2014 — 23:44

    Bom, sobre psicanalise existe uma antiga questão entre Karl Popper e Freud que acaba qualificando, a psicanalise, de pseudo-ciência. Existem vários sites sobre esse tema. Já quanto a sua eficacia existem vários lugares que afirmam que a “papo terapia” não é lá essas coisas e sem muito destaque de eficiência. Só a titulo de curiosidade via um desses sites: https://racionalistasusp.wordpress.com/tag/pseudociencia/ ou sobre pseudociencia https://ateus.net/artigos/ceticismo/como-distinguir-ciencia-de-pseudociencia/
    http://ceticismo.net/ciencia-tecnologia/freud-nao-explica-quase-nada/
    ou mesmo em http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_pseudoci%C3%AAncias.
    Pessoalmente acho que a psicoterapias resolvem bem o problema financeiro do terapeuta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *