Postei hoje no Twitter:”Prezado presidente @MichelTemer: que o sr. não presta eu já sabia, por ter sido vice do PT. Mas que era BURRO eu descobri hoje. Lamentável.” Gente, pelo Amor de Deus, como é que o Brasil ainda está em pé depois de ter sido presidido pela jararaca, pela anta e pelo burro? 

Jararaca Anta Burro

Era para ser um longo artigo, mas eu deletei tudo o que escrevi. Decidi fazer apenas o registro abaixo:

Eu esperava por um milagre, mas não espero mais. Eu esperava que, apesar de ter sido vice da anta parida pela jararaca, o burro pudesse nos surpreender e se revelar um estadista. Entretanto, Temer sabia que seu governo seria alvo do mais intenso escrutínio e das mais intensas sabotagens e traições e mesmo assim montou um ministério com vários tubarões investigados e com o rabo preso. Graças a esta quadrupedice monumental, mais um traíra soltou uma gravação e agora assistimos a porcosfera pogressista (sic) cacarejando crocodilagem aos urros e bramidos e corremos o risco real de ver a anta voltar e nomear a jararaca ministro.

É dose pra mamute.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 23/05/2016

8 thoughts on “E o zoológico virou zona

  1. Estadista? Difícil. Depois do chilique epistolar (vice decorativo, ora, me poupe) eu não esperava nada dele. E você conhece meu niilismo no que se refere à política. Dito isso, dali NINGUÉM se salva. Ter esperança é wishful thinking , meh. Com o perdão do palavrão, estamos todos fodidos.

    1. Que estamos, estamos. Eu só esperava que não tanto. Ele não está demonstrando capacidade. E ninguém está dando os tradicionais 100 dias de prazo de avaliação para este governo. Muito atipicamente, a imprensa não está dando espaço para o novo governo mostrar a que veio. Isso é sacanagem da braba.

    2. “Dito isso, dali NINGUÉM se salva”
      Não, ninguém mesmo. EU digo pros meus: dos corredores das secretárias de obras municipais aos gabinetes do Palácio da Alvorada. Ninguém.

  2. Considerando os recentes eventos da política nacional, se desfaz o segundo mito que circundava a classe política tupiniquim: o de que os canalhas são necessariamente inteligentes. Delcídio do Amaral, Romero Jucá e Dilma Rousseff caíram mais em virtude da própria boçalidade do que pela astúcia de outrem. Mais um exemplo: Eduardo Cunha, que bastou sair do analfabetismo funcional e ler os regimentos da Câmara para se tornar o terceiro nome da ordem sucessiva e manobrar a casa a seu bel prazer, também derrubado pela própria boçalidade de esconder o dinheiro oriundo da corrupção em contas na Suíça abertas em nome próprio e de familiares.

  3. Vou botar lenha nessa fogueira: e se ele realmente agisse como o estadista que todos esperavam, colocando um Ministério de “notáveis” sem nenhuma ascendência no Congresso? Seria “mais uma Dilma”, rifada na primeira crise institucional fabricada por grupos que querem, a todo custo, provar que o presidente interino não tem legitimidade.

    1. A resposta para isso é “segundo escalão”. O primeiro escalão é altamente visível e tem uma função simbólica muito importante. O segundo escalão do ministério poderia ter nomes influentes ou com bom trânsito político para viabilizar as ações de governo. Inverter isso e colocar figurões queimados e enrascados no primeiro escalão é o modo tradicional de fazer as coisas… E dá no que está dando. Muita incomodação.

      Isso para nem questionar a fundo a desgraça que é um país não ter figurões notadamente honestos, de histórico ilibado e incorruptíveis…

  4. Nas favelas, no senado
    Sujeira pra todo lado
    Ninguém respeita a constituição
    Mas todos acreditam no futuro da nação

    Que país é esse?
    *****************************************
    “Há uma maioria de( 300 picaretas ? )que defendem apenas seus próprios interesses.” A frase sobre o Congresso, dita em setembro de 1993, é do Lula.

    Que país é esse?

    Resposta:
    Sbornia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *