Provas não constantes na petição inicial

Du-vi-do que a aberração alegada pelos jagunços de Temer no TSE seja sequer imaginável sem lautas gargalhadas no meio jurídico de qualquer país sério. Apresentarei uma descrição sucinta do que significa excluir as provas não constantes na petição inicial. 

O Ministério Público propõe uma ação criminal por homicídio contra um fulano. Na inicial, apresenta uma faca suja de sangue da vítima, um motivo bastante plausível para o assassinato, meia dúzia de depoimentos incriminadores e um laudo técnico indicando que a faca foi empunhada por um canhoto no momento em que desferiu os ferimentos fatais na vítima, sendo que o suspeito é canhoto.

O processo é aberto, é ouvida a acusação, são ouvidas as alegações da defesa, depoimentos são tomados. Lá pelas tantas, surge um vídeo em full HD com imagem nítida e cristalina e áudio alto e claro que mostra o assassino esfaqueando a vítima com requintes de violência e crueldade enquanto gargalha, conta vantagem e se certifica da morte da vítima com visível satisfação.

Então, quatro dos sete juízes, com a visível intenção de absolver o réu obviamente culpado, em franca contradição com as fundamentações por eles mesmo utilizadas em outros julgamentos recentes, alegam que não se pode apreciar provas não constantes na petição inicial e que os demais indícios não são suficientes para condenar o réu.

É isso o que está rolando no TSE no julgamento da cassação da chapa Dilma-Temer.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 08/06/2017

4 thoughts on “Provas não constantes na petição inicial

  1. Antoine Espagno

    11/06/2017 — 10:27

    Um desastre para a democracia, a justiça e a moral…

    1. Pelo qual todos pagaremos caro.

  2. Hemerson Braga

    19/06/2017 — 15:23

    Também achei fabuloso que há um processo, e no final depois das provas do crime apresentadas, se fala se concorda ou não.

    Incrível a posição do Gilmar Mendes ( boca mole)
    1° dia sentando o pau no relator = depois viu na tv que pegou mal.
    2° dia = MEU AMIGO RELATOR.

    e o melhor de tudo foi o argumento dele de que não podia cassar pq essa seria a pena máxima do tribunal.

    temer só tem 1 ano, então vai fazer o que? cassar por 15 dias.

    1. Pior que isso é ver a imprensa chapa-branca NÃO questionar a legitimidade da farsa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *