Michel Temer e Gilmar Mendes foram burros

Ao invés de perpetrar aquela farsa pornográfica no TSE, Michel Temer e Gilmar Mendes tinham a sua disposição uma estratégia muito melhor para exorcizar de vez o fantasma da aliança com o PT, cassar os direitos políticos da Dilma, evitar a desmoralização do ministro do STF, livrar a cara do presidente da República e ainda mantê-lo no cargo com legitimidade redobrada.

A solução era muito simples: cassar a chapa Dilma-Temer no TSE, cassando os direitos políticos de Dilma mas não o de Temer, e então, na eleição indireta que necessariamente seria chamada para escolher o novo presidente da República para um mandato-tampão até o final de 2018, reconduzir Michel Temer ao cargo. Acordão por acordão, este teria sido uma manobra de alta categoria.

Michel Temer lançaria “uma pá de cal oficial” no discurso do golpe, imputando a queda da chapa exclusivamente à corrupção do PT, conferiria total legitimidade ao restante de seu mandato e se reempoderaria como presidente da República, consolidando sua aliança com o Congresso Nacional e abrindo caminho para a aprovação de todas as reformas que seu governo deseja fazer.

Gilmar Mendes, por sua vez, não precisaria bancar o jagunço para defender o mandato de Temer, não se desmoralizaria daquele modo vergonhoso e não queimaria desnecessariamente aquele imenso cartucho, podendo defender o sinhozinho mordomo de filme de terror por mais algum tempo com alguma credibilidade.

O Brasil teria a arena política pacificada, a economia estabilizada e metade da mídia dando piti, metade dando risada.

Nada mal, né? 

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 29/06/2017

2 thoughts on “Michel Temer e Gilmar Mendes foram burros

  1. Embora a grande maioria não acredite nisso, é preciso ter um cenário ideal para se tomar decisões politicamente viáveis: as provas, testemunhas e tudo o mais tem que fazer sentido. Da forma como estava definido o processo de cassação da chapa Dilma-Temer, isso era impossível.

    1. Tá querendo dizer que o CAMINHÃO de evidências apresentado era “insuficiente”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *