Quando a verdade não interessa para a ciência

Os cientistas não fazem ciência num vácuo histórico ou cultural. Tem gente que não consegue publicar artigos que relatam experimentos bem feitos porque o resultado do experimento é inaceitável para os revisores, mesmo que esteja correto. Aliás, muitos cientistas não conseguem nem sequer o financiamento para realizar certos estudos “inaceitáveis”. Eu mesmo já passei por isso!

Baseado sendo preparado

Uma vez uma conhecida minha quis fazer um doutorado sobre a influência da maconha fumada pela gestante no desenvolvimento cognitivo da criança. Eu bolei um delineamento experimental quádruplo-cego fantástico, o melhor que eu já bolei na vida, no qual nem os bioquímicos, nem os médicos, nem os professores, nem a própria pesquisadora saberiam que dados corresponderiam a que mães e a que crianças antes, durante e nem mesmo depois da análise dos dados. A minha proposta era que ela apresentasse a tese sem saber qual dos tratamentos era fumante e qual dos tratamentos era não fumante e que a banca avaliasse a tese e desse a nota final dela e concedesse o grau de doutor também sem saber qual tratamento era qual e só depois de ela receber o grau nós abriríamos um envelope que conteria a chave para identificar qual era cada tratamento, de modo que seria absolutamente impossível qualquer interferência ideológica em qualquer etapa do estudo.

A idéia foi rejeitada não tanto por ser tão ousada mas por existir o risco de provar de maneira cabal que fumar maconha durante a gravidez pudesse fazer bem para o desenvolvimento cognitivo da criança.

É.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 20/09/2016

A dieta paleolítica de baixo carboidrato é perigosa?

Volta e meia alguém me diz que a dieta que eu faço é “desequilibrada”, que vai me fazer mal e que eu preciso voltar a comer de acordo com os conselhos dos médicos, nutricionistas e educadores físicos que nos mandam reduzir a carne vermelha, evitar as gorduras saturadas, comer cereais integrais, óleos “saudáveis” de soja, canola, milho e girassol, substituir a manteiga por margarina e ingerir 60% das calorias na forma de carboidratos. Será?

CHURRASCO-PICANHA-E-SALADA

Eu passei 26 anos doente, obeso, deprimido, tive onze diverticulites, estava com uma indicação para colectomia, fiquei diabético, minha glicemia chegou a 195 num exame de doze horas em jejum e minha hemoglobina glicada estava em 9,8 (equivalente à glicemia média de 212), meus triglicerídeos estavam nas alturas, minha Proteína C Reativa estava em 0,63 (alto risco cardíaco) cheguei a ficar incapacitado para o trabalho por cerca de dois anos… E aí abandonei as orientações que os médicos, nutricionistas e educadores físicos me deram durante todo este tempo e me joguei em uma dieta paleolítica de baixo carboidrato radical, sem tomar medicamentos nem fazer exercícios, contra todos os conselhos de médicos, nutricionistas, educadores físicos, amigos e familiares.

Eu fiz exatamente o contrário do que recomendam os médicos, nutricionistas e educadores físicos: eliminei os cereais da minha vida, eliminei os óleos de soja, canola, milho e girassol, eliminei  a margarina, cortei quase completamente os carboidratos da minha dieta e passei a me entupir de carne vermelha gorda, cheia de gordura saturada, meia dúzia de ovos todos os dias, tudo assado ou frito na banha de porco, mais uma saladinha verde com óleo de oliva, meio tomate e meio limãozinho e eventualmente um punhado de nozes ou castanhas-do-Pará.

Resultado: emagreci 25 kg, curei minha depressão, nunca mais tive diverticulites (exceto nas duas únicas vezes em que furei a dieta e comi derivados do trigo), não fiz e não vou fazer a colectomia, minha glicemia está permanentemente entre 70 e 100, minha hemoglobina glicada despencou para menos de 5,5, meus triglicerídeos desabaram, minha Proteína C Reativa caiu a zero (baixíssimo risco cardíaco) e nunca estive tão bem de saúde, tanto que estou ótimo no trabalho e depois de tudo isso comecei até a fazer musculação.

Ah, sim… Meu colesterol total aumentou um pouquinho. Oh! Céus! Vou morrer a qualquer momento! 😛

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 13/09/2016

Ministério da Saúde lança campanha cientificamente ERRADA

O Ministério da Saúde lançou uma campanha que vai adoecer, mutilar e matar milhões de pessoas. Ele está oferecendo informações nutricionais ERRADAS que vão causar o aumento da prevalência da obesidade, da diabetes, da depressão, das doenças vasculares, dos infartos, dos AVCs, das cardiopatias, das neuropatias e de outras doenças degenerativas. É um completo absurdo, que contraria totalmente a melhor evidência científica produzida no planeta sobre a proporção adequada de macronutrientes na dieta humana. 

Carboidrato Faz Bem - Campanha Criminosa do Ministério da SaúdeFonte

Em primeiro lugar, “a energia que o corpo precisa para funcionar bem” não deve vir de carboidratos, deve vir da gordura. O ser humano não evoluiu comendo grandes quantidades de carboidratos, não tem capacidade metabólica para lidar com quantidades muito superiores a 150 g de carboidratos por dia e sofre danos metabólicos quando exposto a grandes quantidades de carboidratos por períodos prolongados. A alimentação que faz bem impõe restrições. É o excesso de consumo de carboidratos que nos deixa gordos e é o excesso de consumo de carboidratos que nos torna diabéticos. Além disso, o excesso de consumo de carboidratos está associado a doenças vasculares e neurodegenerativas.

A base evolutiva disso é óbvia: o ser humanos foi caçador-coletor por mais de 3.200.000 anos, que é a idade de  Lucy, a Australopithecus afarensis homenageada na música dos Beatles Lucy in the Sky with Diamonds e que durante muitas décadas foi considerada o mais antigo fóssil humano encontrado. A tribo de Lucy já era caçadora-coletora. E caçadores-coletores evoluem comendo principalmente o produto da caça, ou seja, proteína animal e gordura animal, e secundariamente ou complementarmente o produto da coleta, ou seja, vegetais folhosos verdes, frutinhas silvestres com baixo teor de açúcar, nozes e castanhas. Raízes e tubérculos devem necessariamente ser raros na dieta de um organismo originalmente arborícola como o ser humano.

Em segundo lugar, além de “estimular a energia vital” ser um vocabulário de alquimista e não de cientista, se essa informação divulgada pelo Ministério da Saúde estivesse correta, uma pessoa que não comesse carboidratos deveria passar mal ou até morrer por falta de energia ou pelo mal funcionamento do sistema nervoso central, e aqui estou eu – que não como carboidratos desde dezembro de 2014 – a cada dia mais saudável e bem disposto. Mas não sou somente eu quem ficou mais saudável com uma dieta com pouco carboidrato e muita gordura, que é a proporção adequada de ingestão destes nutrientes para a espécie humana. Os pacientes de todos os estudos clínicos de alto nível citados abaixo também.

  1. Shai I, et al. Weight loss with a low-carbohydrate, mediterranean, or low-fat diet. N Engl J Med 2008;359(3);229–41.
  2. Gardner CD, et al. Comparison of the Atkins, Zone, Ornish, and learn Diets for Change in Weight and Related Risk Factors Among Overweight Premenopausal Women. The a to z Weight Loss Study: A Randomized Trial. JAMA. 2007;297:969–977.
  3. Brehm BJ, et al. A Randomized Trial Comparing a Very Low Carbohydrate Diet and a Calorie-Restricted Low Fat Diet on Body Weight and Cardiovascular Risk Factors in Healthy Women. J Clin Endocrinol Metab 2003;88:1617–1623.
  4. Samaha FF, et al. A Low-Carbohydrate as Compared with a Low-Fat Diet in Severe Obesity. N Engl J Med 2003;348:2074–81.
  5. Sondike SB, et al. Effects of a low-carbohydrate diet on weight loss and cardiovascular risk factor in overweight adolescents. J Pediatr. 2003 Mar;142(3):253–8.
  6. Aude YW, et al. The National Cholesterol Education Program Diet vs a Diet Lower in Carbohydrates and Higher in Protein and Monounsaturated Fat. A Randomized Trial. Arch Intern Med. 2004;164:2141–2146.
  7. Volek JS, et al. Comparison of energy-restricted very low-carbohydrate and low-fat diets on weight loss and body composition in overweight men and women. Nutrition & Metabolism 2004, 1:13.
  8. Yancy WS Jr, et al. A Low-Carbohydrate, Ketogenic Diet versus a Low-Fat Diet To Treat Obesity and Hyperlipidemia. A Randomized, Controlled Trial. Ann Intern Med. 2004;140:769–777.
  9. Nichols-Richardsson SM, et al. Perceived Hunger Is Lower and Weight Loss Is Greater in Overweight Premenopausal Women Consuming a Low-Carbohydrate/High- Protein vs High-Carbohydrate/Low-Fat Diet. J Am Diet Assoc. 2005;105:1433–1437.
  10. Krebs NF, et al. Efficacy and Safety of a High Protein, Low Carbohydrate Diet for Weight Loss in Severely Obese Adolescents. J Pediatr 2010;157:252-8.
  11. Summer SS, et al. Adiponectin Changes in Relation to the Macronutrient Composition of a Weight-Loss Diet. Obesity (Silver Spring). 2011 Mar 31. [Epub ahead of print]
  12. Halyburton AK, et al. Low- and high-carbohydrate weight-loss diets have similar effects on mood but not cognitive performance. Am J Clin Nutr 2007;86:580–7.
  13. Dyson PA, et al. A low-carbohydrate diet is more effective in reducing body weight than healthy eating in both diabetic and non-diabetic subjects. Diabet Med. 2007 Dec;24(12):1430-5.
  14. Keogh JB, et al. Effects of weight loss from a very-low-carbohydrate diet on endothelial function and markers of cardiovascular disease risk in subjects with abdominal obesity. Am J Clin Nutr 2008;87:567–76.
  15. Volek JS, et al. Carbohydrate Restriction has a More Favorable Impact on the Metabolic Syndrome than a Low Fat Diet. Lipids 2009;44:297–309.
  16. Partsalaki I, et al. Metabolic impact of a ketogenic diet compared to a hypocaloric diet in obese children and adolescents. J Pediatr Endocrinol Metab. 2012;25(7-8):697-704.
  17. Daly ME, et al. Short-term effects of severe dietary carbohydrate-restriction advice in Type 2 diabetes–a randomized controlled trial. Diabet Med. 2006 Jan;23(1):15–20.
  18. Westman EC, et al. The effect of a low-carbohydrate, ketogenic diet versus a low- glycemic index diet on glycemic control in type 2 diabetes mellitus. Nutr. Metab (Lond.)2008 Dec 19;5:36.

Se você quiser ficar saudável e reduzir as chances de desenvolver qualquer uma das doenças citadas neste artigo, você não pode comer de acordo com a erradíssima e totalmente anti-científica “pirâmide alimentar”. Não confie em argumentos de autoridade de qualquer profissional ou instituição, consulte diretamente as fontes científicas de melhor qualidade e faça aquilo que diz a ciência com mais alto nível de evidência disponível. Comece pelos dezoito artigos listados acima.

O Ministério da Saúde deveria fazer o dever de casa e estudar aquilo que a melhor ciência do planeta diz antes de lançar uma campanha daninha dessas. A “pirâmide alimentar” é cientificamente errada e isso já é sabido há muito tempo por quem conhece a biologia evolutiva humana e/ou acompanha as publicações científicas com seriedade e responsabilidade. Sugerir o consumo de carboidratos para uma população que já tem uma alta prevalência de obesidade, diabetes, doenças vasculares, cardiopatias, neuropatias e outras doenças degenerativas como a população brasileira tem é pior do que uma irresponsabilidade, é uma terrível maldade.

A dieta mais adequada para a saúde humana ficou conhecida como dieta paleolítica de baixo carboidrato. É isso que faz bem à saúde humana e é deste modo que você deve se alimentar. Há toda uma “blogosfera paleo” que habitualmente divulga as informações científicas adequadas já selecionadas segundo os melhores critérios de qualidade e nível de evidência científica e muita informação disponível gratuitamente na PUBMED para quem souber o que é ciência de alto nível de evidência e quiser fazer sua própria busca.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 11/09/2016 

A evolução e a dieta dos médicos e nutricionistas

Muita gente se pergunta o que afinal deve comer para ter uma boa saúde. Este artigo responde isso de modo bem claro e objetivo, com base na evolução biológica humana, conhecimento que obviamente todo médico e todo nutricionista responsável e com boa formação científica domina com perfeição e sabe aplicar com maestria ao prescrever uma dieta saudável para um ser humano.

piramide-alimentar

P: Por que uma vaca deve comer grama e não carne?

R: Porque há mais de três milhões de anos todos os ancestrais das vacas comeram grama e não carne. Devido à seleção natural, ao longo de todo o período paleolítico, as proto-vacas que melhor digeriam e melhor metabolizavam grama tinham melhor saúde, vigor, capacidade reprodutiva e longevidade, deixaram maior número de descendentes férteis e com isso gradualmente as vacas foram se tornando mais capazes de digerir grama e não outros alimentos. É por isso que as vacas de hoje estão adaptadas a comer grama e não carne.

P: Por que um leão deve comer carne e não grama?

R: Porque há mais de três milhões de anos todos os ancestrais dos leões comeram carne e não grama. Devido à seleção natural, ao longo de todo o período paleolítico, os proto-leões que melhor digeriam e melhor metabolizavam carne tinham melhor saúde, vigor, capacidade reprodutiva e longevidade, deixaram maior número de descendentes férteis e com isso gradualmente os leões foram se tornando mais capazes de digerir carne e não outros alimentos. É por isso que os leões de hoje estão adaptados a comer carne e não grama.

P: Por que um ser humano comer cinco a nove porções de cereais, pães, tubérculos, raízes e massas, quatro a cinco porções de hortaliças, três a cinco porções de frutas, três porções de leite e derivados, uma porção de leguminosas e apenas uma ou duas porções de carnes e ovos por dia, mantendo ao mínimo o consumo de gorduras e sendo aceitável a mesma quantidade de açúcar, de preferência fazendo uma refeição a cada três horas, e não a maior quantidade possível de carne de caça, ovos, peixes e uma pequena quantidade de folhas verdes e frutinhas silvestres, fazendo o menor número de refeições possível por dia?

R: Porque há mais de três milhões de anos todos os ancestrais dos seres humanos consultavam médicos e nutricionistas que lhes diziam que comer de três em três horas de acordo com a pirâmide alimentar é que era saudável e não comer aquilo que estava disponível no ambiente selvagem de modo irregular e bastante espaçado. Devido à seleção natural, ao longo de todo o período paleolítico, os proto-humanos que melhor digeriam e melhor metabolizavam uma refeição a cada três horas com coisas como granola, pão integral, suflê de batata, macarrão à carbonara, tofu, peitinho de frango feito sem gordura no microondas, gelatina sabor abacaxi, duas bolachinhas recheadas e um suco de laranja geladinho tinham melhor saúde, vigor, capacidade reprodutiva e longevidade, deixaram maior número de descendentes férteis e com isso gradualmente os seres humanos foram se tornando mais capazes de digerir a inteligente dieta recomendada pelos médicos trogloditas e nutricionistas das cavernas e não outros alimentos. É por isso que os seres humanos de hoje estão adaptados a comer de três em três horas de acordo com a pirâmide alimentar e não o menor número de refeições possível por dia de acordo com aquilo que eu e outros irresponsáveis alucinados como eu recomendamos e que se chama dieta paleolítica de baixo carboidrato.

Hein?

Você acha que há algo errado com o raciocínio acima?

Não pode ser.

Os médicos e nutricionistas recomendam isso. É óbvio que, como estes profissionais são todos muito responsáveis e profundos conhecedores da biologia humana, o ser humano só pode ter evoluído comendo de três em três horas pão integral, granola, arroz e feijão, peitinho de frango feito sem gordura no microondas, suflê de batatas, gelatina sabor abacaxi e chazinho com adoçante para ajudar a fazer a digestão.

Você não acha que os médicos e nutricionistas seriam tão ignorantes sobre a biologia evolutiva humana a ponto de recomendarem uma dieta para a qual o ser humano não está adaptado, né? Afinal de contas, eles estudaram para isso! E são os responsáveis pela sua saúde!

Claro, se o ser humano tiver evoluído comendo algo diferente e você seguir o que os médicos e nutricionistas recomendam, então você pode acabar tão saudável quanto uma vaca alimentada com churrasco ou um leão alimentado com salada. Mas você não corre esse risco. Todo mundo sabe que já existia pão integral, tofu, gelatina sabor abacaxi e adoçante no paleolítico. Todo mundo sabe que médicos, nutricionistas, a indústria de alimentos e a indústria farmacêutica são absolutamente competentes, isentos de interesse financeiro e só pensam no que é melhor para a sua saúde. Pare de pensar bobagem.

Tire estas minhocas da cabeça e vá comer um pãozinho integral com margarina e um chazinho com sucralose.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 02/09/2016

O nível das estatísticas brasileiras

Imagine você que uma determinada região do país tem apenas dois municípios. Um deles tem dez mil imóveis e o outro tem cem mil imóveis. Aí eu visito 100% dos imóveis do primeiro município e 10% dos imóveis do segundo município. Qual o percentual de imóveis da região eu visitei?

internet-memes-troll-math-divide-by-zero

Bem, de acordo com um certo programa governamental federal que anda por aí, eu visitei 55% dos imóveis! Afinal, 100% + 10% = 110% e 110%/2 = 55%!!!

A conta correta, obviamente, é 10.000 + 10.000 = 20.000 imóveis visitados, divididos por 110.000 imóveis totais, o que dá um total de 18,18% dos imóveis visitados.

Felizmente os dados deste programa específico já estão sendo corrigidos, mas muitas decisões administrativas, inclusive financiamentos importantes, foram tomadas com base em “estatísticas” deste nível. Outras estão sendo tomadas hoje com base em estatísticas que já estavam obsoletas há mais de quinze anos.

Vocês nem imaginam qual é o real nível de competência de nossos governos.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 22/06/2016

A revolta dos que não estão nem aí

Hoje recebi pelo Facebook o compartilhamento de uma reportagem da Folha de São Paulo tão absurdamente falaciosa e abjeta que conseguiu me tirar do sério. Vamos à reportagem, depois eu volto com a segunda versão do meu artigo, já que a primeira, escrita pelo meu fígado, é impublicável.

Etanolamina

Decisão da Justiça abre precedente para charlatanismo na medicina

CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

É compreensível que doentes terminais de câncer recorram a promessas milagrosas de cura, mas é temerário quando o órgão máximo do Poder Judiciário brasileiro endosse essa busca insana e obrigue o Estado a fornecer tais “poções mágicas”.

O caso em questão é a decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), em liberar o fornecimento da fosfoetanolamina sintética, substância produzida experimentalmente na USP, mas que nunca passou por testes clínicos e muito menos tem o aval da agência reguladora (Anvisa).

A decisão foi acatada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, que antes havia suspendido liminares que autorizavam a entrega da substância. Uma das justificativas do desembargador José Renato Nalini é a de que “não se pode ignorar os relatos de pacientes que apontam melhora no quadro clínico.”

Vamos então liberar tudo o que as pessoas relatam como substâncias capazes de curar o câncer? O cogumelo do sol? O bicarbonato de sódio? O suco de babosa? A folha de graviola?

Vamos rasgar os manuais de ética em pesquisa, passar por cima de todas etapas que envolvem o desenvolvimento, a aprovação e a comercialização de um novo medicamento? Vamos fechar as agências regulatórias?

Do ponto de vista jurídico, o caso tem uma contraposição de princípios fundamentais, como bem lembrou Nalini: de um lado está o resguardo da legalidade e da segurança dos remédios, do outro a necessidade de proteção do direito à saúde.

Em relação à fosfoetanolamina, prevaleceu o direito de o paciente ter acesso a uma substância sem respaldo algum da medicina baseada em evidência. Abriu-se aí um perigoso precedente para o charlatanismo.

Estima-se que a quantia de dinheiro gasto no mundo só com o charlatanismo oncológico passe de US$ 1 bilhão.

O desejo de cura para o câncer leva muitas pessoas a procurarem tratamentos não convencionais, a retardarem ou até desistirem dos tratamentos convencionais.

Foi o que ocorreu com o empresário Steve Jobs, fundador da Apple, que retardou a cirurgia do câncer de pâncreas para aderir a um tratamento com ervas, o que teria agravado o seu quadro.

Estimativa da ASCO (American Society of Clinical Oncology) mostra que cerca de 80% dos pacientes com câncer recorrem a tratamentos alternativos. A sociedade é enfática: não há nenhum indício de que esses tratamentos contribuam para a regressão ou a cura do câncer.

Além de não contribuir para a melhora, terapias alternativas podem interferir nos resultados das terapias-padrão. Muitas dessas substâncias são metabolizadas no fígado e podem alterar a absorção de quimioterápicos, sua eficácia e a eliminação.

É verdade que há compostos com atividades antitumorais bem demonstradas em laboratório, mas existe um longo caminho para serem usados na prática clínica.

São necessários testes laboratoriais e em humanos, com diferentes tipos de tumores e cenários clínicos controlados. E os resultados comparados aos de drogas existentes. Caso sejam mais eficientes, o laboratório pede o registro às agências reguladoras. Nada disso foi feito no caso da fosfoetanolamina.

O oncologista Drauzio Varella costuma dizer: “Se um dia você ouvir que foi encontrada a cura do câncer, não leve a sério”. O problema é quando a Justiça o leva.

Fonte: Folha de São Paulo.

AGL

Voltei. Com “ASCO”, mas voltei.

A reportagem é uma peça abjeta de hipocrisia e sensacionalismo barato.

Primeiro porque esta decisão da justiça não é uma súmula vinculante. É uma decisão exatamente do tipo que se espera que a justiça profira, atuando em um momento de dúvida e impasse para garantir um bem maior – a saúde dos pacientes, que relatavam em uníssono uma melhora significativa com a utilização da fosfoetanolamina – em detrimento de um bem menor – a burocracia emperrada que não se importa se pessoas que estavam alegando melhoras sensíveis vão voltar a desenvolver uma doença que causa grande sofrimento e em geral péssimos desfechos.

Segundo porque a reportagem desrespeita e procura deslegitimar os depoimentos dos principais interessados na questão, tratando os pacientes como imbecis iludidos por uma pajelança ao invés de tratá-os como pessoas que já experimentaram a substância e relatam efeitos impossíveis de serem obtidos por efeito placebo ou qualquer tipo de wishful thinking. Um dos relatos é de uma senhora desenganada, em estado terminal, incapacitada, totalmente dependente de cuidados, que precisava tomar morfina de três em três horas, e com o uso da fosfoetanolamina voltou a ter autonomia para banhar-se, trocar de roupa e cozinhar sozinha e ficou nove dias sem tomar morfina sem sentir dor. Se este relato for verdadeiro, esta reportagem é criminosa. Se for falso, é apenas péssimo jornalismo, porque um relato assim excepcional jamais poderia deixar de ser verificado.

Terceiro porque o que mais tem por aí é charlatanismo, legal ou ilegal, e eu não vejo os mesmos atores que estão reclamando disso se pronunciarem contra as picaretagens. Homeopatia é água suja sem princípio ativo nenhum, tudo que um homeopata faz é manipular o efeito placebo, e no entanto é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina como especialidade médica e consumida avidamente por milhões de iludidos que a defendem com unhas e dentes porque se sentem bem – mas muita gente deixa de procurar tratamentos solidamente fundamentados em ciência de boa qualidade e tem doenças agravadas porque confia na homeopatia. Diabetes tipo 2 é totalmente curável com uma dieta de baixíssimo carboidrato, e no entanto os endocrinologistas e nutricionistas recomendam uma alimentação com 60% das calorias vindas de carboidratos e até mesmo o uso de insulina, algo que o diabético tipo 2 já tem em excesso no corpo e que causa inúmeros danos metabólicos nas altas concentrações necessárias para reduzir a glicemia se não for adotada uma dieta de baixíssimo carboidrato. Cadê as manifestações de indignação contra estes absurdos que causam milhões de vítimas por parte dos mesmos que estão esbravejando por causa da garantia de fornecimento da etanolamina a um punhado de pacientes desesperados, muitos deles terminais?

Há muito mais gente defendendo os interesses dos laboratórios em ter a propriedade da patente da fosfoetanolamina “para não correr riscos financeiros de investir no desenvolvimento do medicamento e depois não recuperar seu investimento” ou o “correto segimento dos protocolos” do que gente defendendo aguerridamente a saúde dos pacientes.

Eu vejo pedidos de liminares dos pacientes desesperados para obter a substância que os está fazendo recuperar a saúde e pedidos de liminares de quem não quer mais fornecer a substância independentemente do que os pacientes estejam dizendo.

Mas onde estão as propostas de instituições de pesquisa ou de laboratórios comerciais para realizarem estudos adequados o mais rápido possível, seja para que o impasse seja desfeito de uma vez e inúmeras vidas possam ser salvas, seja para que não haja mais falsas esperanças?

E onde estão as propostas de contratos decentes de licenciamento ao dono da patente, assumindo o compromisso de produzir da fosfoetanolamina em larga escala se a substância demonstrar ter de fato propriedades terapêuticas, para acabar logo com o impasse e salvar vidas?

Tudo o que vejo é a defesa de todo o tipo de interesse menos a mitigação do sofrimento e a possível cura dos doentes.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 16/10/2015

Chamamento aos profissionais da saúde para um debate

Em O mundo assombrado pelos demônios, de Carl Sagan, consta a citação de um trecho traduzido de The ethics of belief, de William K. Clifford, que reproduzo (com algumas correções) logo abaixo. Leia com atenção. Depois eu volto. 

carl-sagan-o-mundo-assombrado-pelos-demonios

Um proprietário de navios estava prestes a mandar para o mar um navio de emigrantes. Ele sabia que o navio estava velho, e nem fora muito bem construído; que vira muitos mares e climas, e com frequência necessitara de reparos. Dúvidas de que possivelmente não estivesse em condiıes de navegar lhe haviam sido sugeridas. Essas dúvidas lhe oprimiam a mente e o deixavam infeliz. Ele chegou a pensar que o navio talvez tivesse de ser totalmente examinado e reequipado, ainda que isso lhe custasse grandes despesas.

No entanto, antes que a embarcação partisse, ele conseguiu superar essas reflexões melancólicas. Disse para si mesmo que o navio passara por muitas viagens e resistira a muitas tempestades em segurança, que era infundado supor que não voltaria a salvo também dessa viagem. Ele confiaria na Providência, que não podia deixar de proteger todas essas famílias infelizes que estavam abandonando a sua terra natal em busca de dias melhores em outro lugar. Tiraria de sua cabeça todas as suspeitas mesquinhas sobre a honestidade dos construtores e empreiteiros.

Dessa forma, ele adquiriu uma convicção sincera e confortável de que o seu navio era totalmente seguro e capaz de resistir às intempéries; assistiu sua partida de coração leve e cheio de votos bondosos para o sucesso dos exilados naquele que seria o seu estranho novo lar; e embolsou o dinheiro do seguro, quando o navio afundou no meio do oceano, sem contar histórias a ninguém.

O que devemos dizer desse homem? Sem dúvida, o seguinte: que ele foi de fato culpado da morte desses homens. Admite-se que ele acreditava sinceramente nas boas condições de seu navio; mas a sinceridade de sua convicção não o ajuda de modo algum, porque ele não tinha o direito de não acreditar na evidência que estava diante de si. Não adquirira a sua opinião conquistando-a honestamente pela investigação paciente, mas reprimindo as suas dúvidas…

William K. Clifford, The ethics of belief (1874)

AGL

Voltei.

Pergunto: o que se pode dizer de um profissional da saúde que tem em mãos o mesmo tipo de responsabilidade e poder de decisão que o dono do navio da história acima? Se houver a menor chance de que suas convicções estejam equivocadas – por exemplo, se houver alguém que alegue ter evidências de alto nível que provem que suas convicções estão equivocadas – terá o profissional da saúde o direito de não examinar as novas evidências ou de não acreditar nelas? Ou, agindo assim, ele se tornará de fato culpado por todo o sofrimento e por todo o desfecho negativo que vier a sofrer qualquer um de seus pacientes, por mais que ele confie sinceramente que está fazendo o melhor que pode? 

Respondo: pelos mesmos motivos pelos quais o dono daquele navio não tinha o direito de lançá-lo ao mar sem uma profunda e adequada verificação de seu estado, especialmente no caso de alguém o haver informado de um possível defeito ou mau funcionamento, eu penso que um profissional da saúde não tem o direito de não fazer constantemente uma verificação profunda e adequada na mais recente e qualificada informação publicada sobre seu ramo de atuação e muito menos de ignorar as evidências científicas de mais alto nível disponíveis. 

Dito isso… 

Eu afirmo que há evidências fortes de que as orientações nutricionais tradicionais, baseadas na pirâmide alimentar, estão erradas e causam malefícios à saúde humana. 

Eu afirmo que há evidências fortes de que uma dieta paleolítica de baixíssimo carboidrato é a orientação nutricional mais adequada para o tratamento da síndrome metabólica, da obesidade, da diabetes, da hipertensão, do risco cardíaco e de outras enfermidades como o TDAH, a depressão e o mal de Alzheimer, além de diversas outras condições crônico-degenerativas. 

Eu afirmo que as evidências que citei são de alta qualidade, que muitas delas estão amplamente disponíveis a custo zero e que eu estou disposto a ajudar qualquer profissional da saúde e qualquer leigo interessado em cuidar melhor de sua saúde a localizar, avaliar e debater algumas destas evidências. 

Assim sendo, convido todos os leitores, especialmente os profissionais da saúde, a divulgar este artigo nas redes sociais, a ler e avaliar com atenção e profundidade as evidências científicas sobre a dieta paleolítica e sobre as dietas de baixo carboidrato e a participar deste debate aqui na caixa de comentários do Pensar Não Dói (não nas redes sociais, porque lá os tópicos “afundam” e se tornam inacessíveis muito rapidamente). 

Sugiro em primeiro lugar a leitura do artigo Meta-análise comprova: dieta paleolítica é a mais saudável

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 20/08/2015 

Um mundo de Fábios Robertos

Você é marceneiro. Trabalha com um serrote. Um belo dia eu caio de pára-quedas a seu lado e digo: “Meu amigo, eu não sou marceneiro, mas descobri que existe uma coisa chamada serra circular. Ela permite que você trabalhe muito mais rápido, com muito maior precisão de corte e com muito menos esforço. Eu aprendi a usar este equipamento e gostaria de ensinar você a usá-lo também, pois será muito útil para você e para seus clientes. Estou disposto a fazer isso de graça. O que você me diz?” 

serrote

Acredite se quiser, amigo leitor, isso é o que eu estou dizendo há um mês para diversos profissionais – de outra área, não da marcenaria – e todos estão respondendo que eles aprenderam a trabalhar com serrote, logo, a minha “serra circular” não funciona. “Lógica” interessante, não? 

Além disso, quando eu insisto dizendo que sei que eles aprenderam a trabalhar com serrote, mas que o mundo evoluiu e agora existe a serra circular, um equipamento novo que funciona muito melhor que o serrote, eles se mostram ofendidos e afirmam que não é verdade. Eu mostro um móvel que construí, eu mostro os móveis que outros marceneiros construíram, eu mostro o manual do usuário da serra circular, mas eles mal olham e já torcem o nariz. Impossível não lembrar do Fábio Roberto.

A situação não é, porém, perfeitamente análoga. No caso do marceneiro, se ele não quiser trabalhar com a serra circular, o pior que pode acontecer é construir um móvel torto ou com um acabamento inferior ao que poderia ser feito com um equipamento mais adequado. Não há sofrimento, risco de mutilação ou morte para o cliente do marceneiro que insiste em usar o serrote. Pa bo ente me pala bas. 

E aqui estou eu, preocupadíssimo com os clientes destes “marceneiros”, quebrando a cabeça, tentando convencer alguém da marcenaria de que eu não estou louco, que o velho serrote já está obsoleto e que a tal da serra circular não somente funciona muito bem como é o equipamento mais adequado para os objetivos da marcenaria. Absurdamente, eles só querem saber do serrote. 

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 19/08/2015 

A verdadeira descrição do fim do mundo

Você quer saber como será o fim do universo? Prepare o seu coração… Pras coisas que eu vou contar… 

 

M81_M82

Cada galáxia do universo está se afastando de todas as demais em velocidade crescente. Com o passar do tempo, esta aceleração fará com que as galáxias estejam se afastando umas das outras em velocidades assintoticamente cada vez mais próximas à velocidade da luz. 

Segundo a Teoria da Relatividade, a velocidade da luz é insuperável. A conseqüência disso será o afastamento entre as galáxias a uma velocidade insuperável. Portanto, chegará o momento em que absolutamente nada – nem mesmo a luz – que saia de uma galáxia jamais alcançará outra galáxia. 

Isso provocará o completo isolamento de todas as galáxias entre si, de tal modo que uma suposta civilização que porventura floresça em qualquer uma delas após este isolamento olhará para o céu e verá somente as estrelas da própria galáxia… E mais nada. Nunca.

Esta suposta civilização jamais saberá sequer que existem outras galáxias no universo. Seus melhores físicos e astrônomos dirão que o universo é composto por um determinado conjunto de estrelas após o qual se estende um vazio infinito. Ela não poderá nem sequer descobrir o Big Bang. Mistérios que nós já resolvemos serão imperscrutáveis para ela, por mais avançada que seja. 

Cada galáxia individual, por sua vez, sofrerá o inescapável efeito da entropia. Algumas poucas novas estrelas serão formadas a partir dos destroços da explosão de algumas supernovas, mas ao final todas suas estrelas vão se extinguir, uma a uma, emitindo cada fóton possível e então esfriando até que a temperatura de tudo nela se aproxime também assintoticamente do zero absoluto. 

O universo então será totalmente constituído destes túmulos solitários e congelados de toda a vida e de toda a matéria que já existiu, que nunca jamais serão descobertos por qualquer explorador, para todo o sempre afastando-se vertiginosamente uns dos outros em meio ao mais absoluto silêncio e escuridão. 

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 12/08/2015 

Fórmula Humpf

Existe coisa mais chata que assistir um campeonato de Fórmula 1 que antes mesmo de começar já tinha o campeão (Hamilton), o vice-campeão (Rosberg) e o terceiro colocado (Vettel) definidos? Se a F-1 não mudar logo, vai perder muito público e ainda mais dinheiro. 

Emerson-Fittipaldi-Lotus-1972
Este é o Emerson Fittipaldi em sua very old fashioned Lotus de 1972. Coloquei essa foto aqui só porque ela fica bonita na chamada do artigo no Facebook. 🙂

Eu não sou um grande fã da Fórmula 1, mas sou um nerd de personalidade competitiva, então sempre curti o desenvolvimento tecnológico e gosto de assistir disputas francas e emocionantes. Nenhuma destas coisas está presente na F-1 de hoje. Os sites e blogs especializados em F-1 apontam as mais variadas causas para isso, mas a minha explicação predileta diz respeito à origem de Jean Todd, o chefão da FIA: o cara é um ex-co-piloto de rally

Se você não sacou qual a importância de o chefão da FIA ser um ex-co-piloto de rally, vou explicar isso com dois exemplos simples: as regras sobre o fluxo de combustíveis e a qualidade dos pneus. 

A regra do fluxo de combustíveis é a seguinte: em um determinado sensor cuja instalação foi tornada obrigatória, não pode passar mais de uma determinada quantidade de combustível em um determinado período de tempo, a qualquer momento da corrida. Os valores em si são irrelevantes. 

A regra da qualidade dos pneus é a seguinte: há tipos de pneus diferentes, cada equipe é obrigada a usar pelo menos dois tipos diferentes em cada corrida e a qualidade de todos os tipos é previamente determinada, fazendo com que as equipes tenham que lidar com diversos pneus que se esfarelam facilmente. 

Aí eu pergunto: o que o fã de Fórmula 1 quer? 

Quer gritar ASSSULÉÉÉRA AÍÍÍRTONNN?

Ou quer gritar ECONOMIZA SETE VÍRGULA QUATRO MILILITROS DE GASOLINA, ROSBEEERG? 

Quer assistir uma disputa acirrada, com ultrapassagens ousadas e muita perícia?

Ou quer assistir seu piloto predileto ganhar ou perder posições porque os carros estão com os pneus se desmanchando e uma equipe ou outra fez um “emocionante” cálculo para determinar o melhor momento para trocar o pneu médio pelo macio? 

Pois é. 

Para quem teve sua formação no automobilismo como co-piloto de rally, modular o estilo de pilotagem para respeitar o limite da taxa de consumo de combustível provavelmente seja emocionante. Ou talvez calcular a melhor estratégia de troca de pneus seja emocionante. Sério, eu sou um nerd, eu reconheço que isso deve ser muito emocionante para algumas pessoas – mas não para o público da Fórmula 1.

Se o Jean Todd não sabe, eu conto a real para ele: o público da Fórmula 1 quer ver velocidade, ultrapassagens ousadas e perícia nas manobras. Se quisesse ver economia de recursos e cálculos, assistiria rally, não F-1. 

Dito isso, creio que é fácil dar umas sugestõezinhas para evitar que a Fórmula 1 acabe com menos audiência que o campeonato de carrinho de rolimã do meu bairro. Eis aqui três delas: 

1) Desregulamentar quase tudo. Nada de determinar qual será a potência do motor, o número de cilindros, os detalhes aerodinâmicos, os tipos de pneus, o limite de fluxo de combustível e a estrutura da rebimboca da parafuseta. Determinem a volumetria do tanque em cerca de dois terços do necessário para completar a corrida e equalizem o peso dos pilotos. Ponto. 

OBS: “Equalizar o peso dos pilotos” é o seguinte: todos os pilotos devem pesar, digamos, 100 kg. Como nenhum deles pesa tudo isso, deve-se acrescentar peso complementar sob o assento de cada piloto de modo a completar 100 kg. Afinal, queremos ver disputa de habilidade, não de magreza ou de nanismo. 

No início haveria uma grande confusão, o que seria divertido, mas em duas ou três temporadas provavelmente todas as equipes convergiriam para um motor V-10 com uma cilindrada de cerca de 3.0 e um carro com excelente aerodinâmica, que é o que já se demonstrou ser o melhor e mais emocionante. A partir daí, teríamos novamente uma disputa franca, em alto nível, sem o atual fedor de bode na sala. 

2) Proibir a recuperação de potência. Não porque não seja uma boa idéia desenvolver mecanismos de recuperação de potência, mas porque a Fórmula 1 não é o ambiente adequado para fazer isso. Palavra de nerd que manja um pouco de Teoria do Caos

A relação entre os inúmeros componentes responsáveis pela produção de potência, pela recuperação de potência e pelo reaproveitamento de potência é tão complexa, mas tão complexa, mas tão complexa, que obter o melhor ajuste deixa de ser uma questão de capacitação técnica e passa a ser uma questão de sorte. Eu não consigo imaginar um fator mais frustrante e desestimulante do que esse. Isso é péssimo para qualquer esporte e ainda pior para um esporte tão caro. 

3) Parar de mudar o regulamento toda hora e de introduzir gambiarras desastrosas como controle de fluxo de combustível, redução da qualidade dos pneus e limitações aerodinâmicas para “evitar hegemonias”.

Não é a hegemonia que estraga o esporte, mas a ausência de disputa. O melhor piloto e a melhor equipe devem vencer tantas vezes quantas conseguirem vencer. Mas a disputa pode ser aumentada sem a indecente introdução de obstáculos planejados para frustrar especificamente a equipe que melhor fez exatamente aquilo que deveria fazer.

Ao invés de inventar gambiarras para quebrar artificialmente a hegemonia de um piloto ou de uma equipe específica, basta e é muito mais ético introduzir uma regra de achatamento de vantagens que seja sempre igual para todos. Você vai entender isso direitinho com o exemplo a seguir. 

Imagine que, a cada ponto conquistado no campeonato, seja acrescentado um peso de 150 g no carro. 

Tabela de pontos e pesos acrescidos

Perceba que essa regra é igual para todos, não altera nenhum componente ou vantagem específica de qualquer piloto, carro ou equipe, mas achata as vantagens obtidas ao longo do campeonato, dificultando que uma equipe dispare de modo inalcançável na tabela. Tão logo outra equipe se aproxime na tabela, entretanto, ela também vê seu avanço dificultado pela mesma regra, restabelecendo a diferença. Isso aumenta a disputa sem interferir no resultado final. 

Eu não digo que a Fórmula 1 deva adotar essa regra específica, que pode ou não cair no agrado dos fãs, mas que a linha de pensamento deveria ser a seguinte: primeiro, competir pelos critérios corretos, respeitando a vocação do esporte; segundo, ao invés de intervir de modo casuísta e oportunista, mudando as regras com o objetivo de alterar artificialmente os resultados, violando a meritocracia e a própria razão de ser do investimento no esporte, deveria ser procurado um modo negociado e ético de valorizar o espetáculo e aumentar a disputa – para que nenhum fã fique decepcionado, nenhum piloto frustrado, nenhuma equipe desmotivada e nenhum investidor ressabiado.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 14/06/2015