Caminhões matam pessoas. Armas salvam vidas

Quando dizemos que veículos automotores matam muito mais do que armas de fogo, os desarmamentistas dizem que veículos automotores não devem ser proibidos porque não foram feitos para matar e armas de fogo devem ser proibidas porque foram feitas para matar. Desta vez, porém, um terrorista matou dezenas de pessoas e feriu centenas atropelando-as com um caminhão e foi parado a tiros com armas de fogo. O que dizem os desarmamentistas a respeito? Nada. Estão calados, fingindo que sua tese estúpida não foi pulverizada por aquele terrorista. Mas ela foi pulverizada. 

Caminhão crivado de balas

O terrorista do caminhão nos fez o favor de demonstrar – ao custo de algumas centenas de vidas destruídas – aquilo que, se não houvesse tanto macaco falante retardado no mundo, já deveria ser óbvio há muito tempo: não existe esse maniqueísmo ridículo inventado pelos desarmamentistas para sustentar sua tese estúpida. O uso de objetos não se prende a supostas finalidades definidas. Gente má usa veículos automotores para matar inocentes e gente boa usa armas de fogo para meter bala na cara de gente má que mata inocentes. E muito menos gente teria morrido se uma massa crítica de cidadãos honestos e adequadamente treinados estivesse armada naquele dia e metesse bala no caminhão assim que ele começasse a atropelar as pessoas.

Eu precisava fazer um registro do óbvio, para não deixar passar e em branco, e estava com saudade de chamar a tese desarmamentista de estúpida. Ambos os objetivos foram cumpridos. Have a nice day. Bang.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 25/07/2016 

OBS: é, eu não ando com muita paciência para me repetir.

A cultura de submissão e o massacre na boate gay de Orlando

Eu já estou cansado de repetir isso, mas lá vai de novo: a primeira morte no massacre de Orlando foi causada pelo maluco assassino. Todas as demais mortes foram causadas pela prepotência e estupidez dos desarmamentistas organizados, pela famigerada imposição desarmamentista e pela cultura de submissão e covardia propagada por canalhas com pretensões fascistas e inocentes úteis com pretensões “politicamente corretas”. 

Gun Free Zone
Esta figura esclarece totalmente a estupidez desarmamentista.

Eu juro que eu adoraria compreender como funciona a mente desarmamentista, porque ela é irracional demais para que eu possa entender sua “lógica”. Basicamente, um desarmamentista pensa assim: “se as zebras não correrem nem derem coices, elas estarão seguras do ataque dos leões”. Tudo bem se um desarmamentista quiser apostar a sua própria vida nesta tese estúpida. O problema é que eles querem apostar a vida dos outros. E estão conseguindo, o que é impressionante, porque significa que muita gente está de acordo com uma tese simplesmente suicida.

O massacre ocorrido na boate gay em Orlando foi apenas mais um – não foi o primeiro e não será o último – massacre causado pelo prepotente e estúpido wishful thinking desarmamentista. “Especialistas” incapazes de somar dois e dois estão vomitando abobrinhas na grande mídia, dizendo que o problema é a facilidade com que o cidadão honesto obtém armas. Só que não. O problema é a dificuldade que o cidadão honesto tem para usar armas. Afinal, a boate gay em Orlando era uma “gun free zone“, uma “área livre de armas”. Livre para o cidadão honesto, óbvio, mas não para o assassino que promoveu o massacre.

Se a bicharada portasse revólveres e pistolas na mesma proporção em que portava camisinhas, quantas teriam virado purpurina na boate? Meia dúzia? Provavelmente nem isso. Se um percentual expressivo dos boêmios daquela fatídica noite estivesse armado, teria sido possível fazer um grande grupo de refém dentro do espaço de um banheiro? Nem pensar. Mas eu já estou cansado de explicar repetidamente o óbvio.

Mais armas nas mãos dos cidadãos honestos teriam salvo literalmente dezenas de vidas naquela noite.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 15/06/2016

O embrutecimento político é a derrota da civilização

Só para variar, houve quem pervertesse completamente o que eu disse no meu artigo anterior, Tragédia na França: a culpa é da própria Europa. OK, voltemos ao tema. Eu tratei basicamente de duas coisas: primeira, que a civilização ocidental – da qual a Europa é o berço e um dos dois melhores exemplos, o outro sendo a América do Norte – está pagando um preço altíssimo por perverter os conceitos que a sustentam; segunda, a estupidez do desarmamento da população honesta e a cultura de coitadismo da qual decorre esta aberração.

Vida de centrista

São valores básicos da civilização ocidental a democracia, a liberdade individual, o progresso científico-tecnológico, a primazia dos Direitos Humanos e a justiça social, entre outros. As duas forças embrutecedoras da política pós-Revolução Francesa – a direita e a esquerda – detestaram o artigo porque nele eu bato em uma ferida de cada uma.

A direita não gostou porque eu disse que a culpa pelo embrutecimento terrorista é da falta de compaixão e solidariedade pelo sofrimento de grandes populações deixadas à própria sorte e à mercê de “governos” opressores que massacram “seus” povos. A direita odeia ser cobrada por compaixão e solidariedade, valores de que ela desdenha alegando algo que é bem representado pelo ditado “quem não tem competência não se estabeleça” – ou “cada um que se vire”.

A esquerda não gostou porque eu disse que o empoderamento do indivíduo, inclusive para o uso de força letal para garantir sua segurança, é uma necessidade urgente e uma condição sine qua non para o convívio pacífico e harmônico em sociedade – paz e harmonia essas baseadas na capacidade de defesa do cidadão, não no Estado-papai que “protege” e domina o cidadão em todas as esferas de sua vida, o que a esquerda indubitavelmente sempre deseja fazer.

Mas a verdade é que não se constrói um mundo pacífico sem compaixão, solidariedade e capacidade de retaliação letal contra bandidos amplamente distribuída entre a população. E entre estes bandidos se incluem criminosos comuns, terroristas e qualquer governo que abuse de suas prerrogativas. Aliás, é por isso que o governo não tem que saber quem tem armas e quem não tem, nem quantas. Só o que o governo tem que saber é quem está habilitado a portá-las em via pública, pelo mesmo motivo que precisa saber quem está habilitado a dirigir um veículo automotor.

Todavia, de um modo nefasto, direita e esquerda se aliam para provocar o embrutecimento da política e o afastamento do cidadão médio da cuidadosa avaliação destes imperativos e da ponderação na política.

Eu disse com todas as letras que a culpa pelos ataques terroristas na França é da própria Europa. E eu sustento esta afirmação. Foi a falta de compaixão e solidariedade pelos povos que estavam sob domínio de ditaduras laicas ou religiosas e a fuga à responsabilidade pela sorte de milhões de inocentes massacrados que permitiu a expansão e a exportação de ideologias autoritárias e do terrorismo. Nenhum regime que submete inocentes à força é confiável. Alguns deles, ao se fortalecerem, se tornarão expansionistas. Aí estão a história do nazismo, do comunismo, do cristianismo e do islamismo para provar, cada um dos quatro com seu próprio deus único. Em um momento ou em outro, de um modo ou de outro, todos eles se tornaram expansionistas e massacraram muita gente.

Eu disse com todas as letras que o desarmamento da população honesta é uma estupidez coitadista que faz parte de um sistema de (des)educação que pretende emascular, acovardar e incapacitar o indivíduo a fazer uso de força – inclusive de força letal – para defender sua própria vida, sua família e sua propriedade. Aí está a história de todos os massacres em universidades americanas e de atentados terroristas na Europa para provar, cada um dos dois tipos de ataque com seu próprio método de explorar a incapacidade de reação da população honesta desarmada e a incapacidade do Estado de proteger seus cidadãos, seja com serviços de inteligência, seja com policiamento ostensivo, seja com que método for.

E eu também disse que não se pode sequer sonhar com uma sociedade livre de criminosos, fanáticos, intolerantes e insegurança. É algo com que teremos de conviver enquanto formos macacos falantes. Mas podemos minimizar muito os danos e construir uma sociedade agradável e segura de viver se – e somente se – deixarmos de dar ouvidos às ideologias pervertidas que sustentam o descaso para com o sofrimento do próximo, independentemente de fronteiras artificiais, e o mimimi coitadista e covarde de quem quer lavar as mãos e terceirizar a garantia de sua segurança para outros macacos falantes, uma expectativa irreal que mais uma vez foi demonstrada como tal.

O afastamento do centro na política é sempre embrutecedor. A terceirização obrigatória da segurança pessoal é sempre irrealista e inviável, por mais que seja útil contar com instituições que minimizem nossos riscos. Enquanto estas duas coisas não forem adequadamente compreendidas, não teremos paz, nem harmonia, nem segurança.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 15/11/2015

Tragédia na França: a culpa é da própria Europa

Milhões de pessoas foram e estão sendo massacradas na África e no Oriente Médio nas últimas décadas. O que a Europa fez para evitar estes massacres? Muito pouco ou quase nada. “Não é com a gente.” Centenas de pessoas foram mortas ou feridas por um punhado de terroristas. Quantas podiam se defender? Nenhuma. Estavam todas desarmadas, confiando no papai Estado para protegê-las. Descaso e coitadismo paralisante, eis as causas da tragédia.

Massacre na França

Ouvimos por tempo demais os pervertidos que dizem que intervir e derrubar ditaduras sanguinárias é uma violação ao princípio da autodeterminação dos povos. Levamos longe demais a mentira de que cidadãos honestos e bem educados se tornam criminosos apenas pelo fato de terem uma arma nas mãos. Produzimos uma civilização de avestruzes que metem a cabeça em um buraco quando seres humanos são massacrados no país ou na favela ao lado e de covardes omissos que querem pagar para que outros coloquem suas vidas em risco para protegê-los.

Uma civilização que não defende toda e qualquer vida inocente acima de qualquer alegação pervertida sobre “soberania” é uma civilização doente. Quem precisa de proteção não são os governos sanguinários, são as pessoas inocentes que eles dominam e massacram. Onde estava a Europa quando milhões de pessoas estavam sendo submetidas a atrocidades na Síria, na Líbia, no Sudão, na Somália? O que fizeram os países do berço da civilização para socorrer seus irmãos miseráveis, humilhados, submetidos, torturados e mortos além de votar moções na ONU e manter comércio com os ditadores que os oprimiam?

Agora a barbárie que nunca combateram adequadamente ataca dentro de sua própria casa.

A Europa não é uma vítima inocente da sexta-feira 13 sangrenta, assim como os Estados Unidos da América não são uma vítima inocente do onze de setembro – um ataque promovido por terroristas que os EUA mesmos armaram e treinaram. Não se lava as mãos perante a injustiça, porque as mãos continuam sujas e um dia a injustiça cresce de tal modo que atinge “quem importa”. Que se dane se a Al Qaeda está subjugando e massacrando inocentes, porque está sendo conveniente para os interesses do Tio Sam? O onze de setembro é a conseqüência. Que se dane se os sírios estão sendo massacrados, porque não é o nosso povo? Os ataques da sexta-feira 13 sangrenta na França são a conseqüência. O descaso para com o sofrimento dos outros fortalece os promotores do sofrimento e universaliza a barbárie.

E o que dizer dos mortos na casa de shows Bataclan? Três ou quatro terroristas mataram mais de setenta pessoas. Passaram quinze longos minutos matando as vítimas uma a uma. Recarregaram as armas pelo menos três vezes. Que as primeiras quatro ou cinco pessoas tenham sido mortas sem conseguirem se defender é absolutamente compreensível, mas o que fez com que mais de seis dezenas de pessoas ficassem passivas à espera da morte senão uma educação emasculante, acovardante e incapacitante que faz com que ninguém reaja nem mesmo perante a morte certa? Se todos os presentes partissem para cima dos assassinos nem que fosse a socos e pontapés, muito menos gente teria morrido e muito menos ataques desse tipo aconteceriam no futuro.

Não se trata de um conflito entre a barbárie e a civilização, mas de um conflito entre duas barbáries. De um lado a barbárie da intolerância, do outro lado a barbárie do descaso e do coitadismo paralisante. Enquanto isso continuar, ninguém viverá em paz, ninguém estará em segurança, ninguém terá liberdade.

Precisamos abandonar o discurso canalha de que o sofrimento de inocentes para além de uma fronteira convencionada não é problema nosso. Sabemos que há ditaduras sanguinárias que massacram povos inteiros e promovem atrocidades monstruosas – como na Coréia do Norte – e nada fazemos além de votar moções ou impor barreiras comerciais. Há quem chegue à extrema perversão de afirmar que é necessário “diálogo e diplomacia” para lidar com terroristas bárbaros que degolam inocentes à faca em frente às câmeras de TV para fazer propaganda de suas ideologias insanas para conquistar adeptos. Isso não pode ser tolerado. Quem oprime ou massacra pessoas inocentes é criminoso e quem tolera ou justifica isso é pervertido e monstruoso. Nada disso é condizente com o que deveria se chamar “civilização”.

Precisamos abandonar o discurso covarde de que pagamos impostos para que as instituições nos defendam. Sabemos que as instituições são compostas tão somente por outras pessoas e estas não são mais interessadas em salvar as nossas vidas do que nós mesmos, nem são capazes de fazer isso – como ficou absolutamente evidente nesta tragédia acontecida na França. A inteligência anti-terrorismo não foi capaz de prever os atentados e a polícia não foi capaz de proteger ninguém quando eles ocorreram. Mas o que é pior é que as pessoas chacinadas pelos terroristas não somente não estavam armadas para se defenderem como também não estavam mentalmente capacitadas a se defenderem – tanto é que foram chacinadas mesmo estando em muitíssimo maior número. Se educássemos nossos cidadãos para radicalmente não tolerar a intolerância, a maioria destas pessoas estaria viva.

Precisamos parar de arar e adubar o solo para os intolerantes plantarem suas ideologias. A miséria é a água parada para o mosquito do extremismo político ou religioso. Gente que estuda, trabalha, tem casa própria, carro próprio, passa o verão no litoral, tem um bom nível cultural e vê sentido para a vida dificilmente se torna extremista. Gente cuja maior preocupação é regar o jardim dificilmente amarra explosivos na cintura e massacra dezenas de inocentes.

Criminosos sempre houve e sempre haverá. Fanáticos sempre houve e sempre haverá. Intolerantes sempre houve e sempre haverá. Insegurança sempre houve e sempre haverá. Mas nós podemos parar de produzir estas coisas corrigindo a rota do desenvolvimento da civilização ocidental. Podemos reduzir imensamente o sofrimento, os conflitos e as injustiças se assim o decidirmos, mas isso só será possível se a civilização ocidental assumir uma identidade coerente e vigorosa. Se deixar de de dar ouvidos aos pervertidos. Se deixar de engolir ideologias de descaso e de dependência. Se investir em seus cidadãos para que se tornem metatolerantes e autônomos. Se investir também na metatolerância e na autonomia para além de suas fronteiras.

Não há garantias. Mas há necessidade de coragem e determinação.

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 14/11/2015

Resposta do leitor: casamento gay

Pessoas boas naturalmente fazem coisas boas. Pessoas más naturalmente fazem coisas más. Mas para que pessoas boas façam coisas más, normalmente é necessário alguma crença irracional e estúpida. O texto no quadro abaixo é de um amigo meu no Facebook em resposta ao artigo Pergunta ao leitor: casamento gay. Os grifos são meus. 

Fanáticos são inimigos da cidadania

Gente, estou deixando de resharear automaticamente os posts do Pensar Não Dói.

Embora eu seja amigo do autor, que considero uma pessoa razoavelmente inteligente e competente para muitas coisas, para outras ele apresenta uma visão preconceituosa e tacanha a que eu não tenho sempre tempo de oferecer o devido contraponto aqui (e, por óbvio, também não posso deixar a timeline servir de palanque para causas incivilizatórias). 

O motivo próximo para a decisão foi o post a respeito do casamento gay, onde o querido Arthur Golgo Lucas, com o jeito debochado que lhe é peculiar, repete os mais rasteiros lugares-comuns do lobby homossexual. É até indigno de uma pessoa alfabetizada como ele escrever um post naqueles termos, com quatro linhas fanfarrônicas, mas enfim… Como eu nem sempre tenho condições de comprar todas as polêmicas fúteis que se me aparecem nas redes sociais, prefiro me resguardar e deixar a meu alvitre escolher as em que vou me bater – ao invés de deixar ao NetworkedBlogs o papel de fazer isso automaticamente por mim. 

Quem sentir falta dos textos, não deixe de seguir diretamente o seu autor na página citada acima. 

Segundo meu amigo, sou ao mesmo tempo inteligente e tacanho. Segundo meu amigo, eu, que defendo intransigentemente os Direitos Humanos nos moldes originais, conforme a DUDH, defendo causas incivilizatórias. Segundo meu amigo, eu, que sou competente para muitas coisas, escrevi um texto indigno de uma pessoa alfabetizada. Segundo meu amigo, o texto que o incomodou tanto que ele deixou de compartilhar os artigos do Pensar Não Dói é uma polêmica fútil. 

Observe duas coisas, leitor: primeira, que o texto do meu amigo é bem esquizofrênico; segunda, que em nenhum momento meu amigo responde a pergunta feita no artigo original, limitando-se à adjetivação vazia. Eu acho isso lamentável, mas não estranho. É isso que eu quero analisar aqui.

Em primeiro lugar, ele disse que a minha visão é preconceituosa e tacanha, mas a posição que eu assumi implicitamente no artigo anterior e explicitamente neste artigo é a defesa da cidadania plena para todas as pessoas, independentemente de orientação sexual – ou de qualquer outro fator. Vamos deixar isso bem claro e bem definido: eu defendo a cidadania plena para todos mesmo, o que inclui os gays, lésbicas, transgêneros, o meu amigo, os bandidos, os criminosos, os estupradores, os torturadores, os assassinos, a Madre Teresa de Calcutá, Adolf Hitler, Mahatma Gandhi, Pinochet, Stálin, Stroessner, os Castro, o papa, o traficante da esquina, o raio que o parta, sem preconceito de espécie alguma, sem distinção de espécie alguma. Enquanto um indivíduo não violar algum direito de terceiros, nenhuma limitação a sua cidadania pode ser imposta e não deveria ser nem sequer sugerida, porque isso é a base da civilização. Julgue o leitor se minha visão é preconceituosa e tacanha.

Em segundo lugar, ele disse que a causa que eu defendi é incivilizatória, mas, como eu afirmei no parágrafo acima, minha posição é fundamentada e balizada em um modelo civilizatório em que ninguém tem direitos limitados ou tolhidos de qualquer modo a não ser que viole direitos de terceiros. E, no caso de alguém violar direitos de terceiros, eu defendo que o modo como devemos tratar estes indivíduos seja exatamente o modo como cada um de nós gostaria de ser tratado caso fosse acusado de modo injusto ou falso de ter violado algum direito de terceiros. Mais profundamente, devemos considerar a hipótese de recebermos uma condenação injusta – que é algo que infelizmente às vezes acontece mesmo nos mais perfeitos sistemas judiciários – e estabelecer para todos os tratamentos que gostaríamos de receber caso nos encontrássemos pessoalmente nesta situação. Por exemplo, se você for falsamente acusado de ser um torturador homicida e injustamente condenado, você não quer pena de morte, você não quer prisão perpétua, você não quer maus tratos, você quer uma pena de privação de liberdade em que você tem a oportunidade de trabalhar, de estudar e de provar ao Poder Judiciário o mais rápido possível que já está em condições de retornar ao convívio social. Julgue o leitor se eu defendo causas incivilizatórias.

Em terceiro lugar, ele disse que meu artigo anterior é indigno de uma pessoa alfabetizada, mas naquelas quatro linhas “fanfarrônicas” eu explicitei uma problemática de modo claro e preciso, que ele entendeu muito bem e no entanto não foi capaz de rebater senão com adjetivações vazias, sem apresentar um único argumento em contrário à posição que eu defendi. Sim, ele disse que não o fez porque não quis, porque tem o direito de escolher as causas pelas quais se bate. É uma meia verdade. A outra metade é que, para contra-argumentar, ele precisaria fundamentar seus argumentos – e ele não tem como fazer isso sem deixar claro que sua posição é baseada em uma crença irracional e estúpida. Para ser preciso, a crença de que um ser onisciente, onipotente e bondoso, capaz de criar um universo com a complexidade do nosso, engravidou de si mesmo uma virgem, sacrificou seu avatar humano a si mesmo para aplacar sua própria ira e exaltar sua própria glória, deixou instruções universais e atemporais codificadas por alguns safados que exploravam a fé de povos ignorantes no meio de um deserto há dois mil anos atrás e que uma destas instruções era que ninguém pode se relacionar com alguém do mesmo sexo ou será ressuscitado para ser torturado por queimaduras intoleráveis por toda a eternidade em nome do amor deste ser onisciente, onipotente e bondoso. Julgue o leitor se sou eu quem precisa de alfabetização e um pouquinho de aula de ciências.

Em quarto lugar, ele disse que não respondeu porque esta é uma polêmica fútil, mas se incomodou tanto com a polêmica fútil que decidiu parar de compartilhar os artigos do meu blog. Não estou reclamando que ele deixou de compartilhar os artigos, que fique bem claro, pois isso é direito dele e ele recomendou a seus amigos que sigam o Pensar Não Dói diretamente, indicando o link para fazê-lo. Julgue o leitor se a questão que eu propus é realmente uma polêmica fútil. 

Meu amigo, que eu conheço há uma década, desde o segundo ano de existência do Orkut, sempre me pareceu ser uma pessoa inteligente e decente. De fato, eu acredito que esta seja a essência da personalidade dele. Infelizmente, devido à doutrinação em uma crença irracional e estúpida, uma pessoa que de outra forma provavelmente seria um iluminista, capaz de raciocinar por conta própria e de defender posições sensatas e bondosas, tornou-se um intolerante, uma força do mal, um inimigo da cidadania, cuja atuação no mundo visa impor restrições aos direitos de pessoas inocentes cuja sexualidade ele se julga no direito de não aprovar, como se ele tivesse legitimidade para agir como legislador, promotor de justiça, juiz, júri e carrasco em nome de Deus. 

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 04/06/2015 

A herança maldita de Mahatma Gandhi

Sim, todo mundo conhece e reconhece o legado positivo de Mahatma Gandhi, o grande arauto da não-violência, que estava disposto a morrer mas não a matar por uma causa. Lindo… Mas tremendamente limitado a uma situação específica, em um momento histórico específico, perante um adversário específico, que tinha um senso de honra específico. 

gandhi

Depois de Gandhi, a não-violência passou a ser a justificativa moral fácil para a covardia, para a poltronice, para a inação e principalmente para a sabotagem das causas justas pelos hipócritas que fingem defender o diálogo, a não-violência e os métodos pacíficos com o objetivo de inviabilizar a defesa perante agressores injustos e a conquista de espaços onde injustiças estão sendo cometidas por criminosos e toda espécie de canalhas que não hesitam em utilizar a mentira, a traição, a manipulação e a própria violência para atingir seus objetivos. O próprio Gandhi teria vergonha disso e se afastaria com veemência desta perversão de suas idéias. 

Gandhi só poderia ter “vencido” com seu método a Inglaterra ou outra nação tão avançada quanto a Inglaterra. Por quê? Porque a Inglaterra era o centro de um império que se pretendia um exemplo de moralidade, honra e civilização. E a não-violência somente pode “vencer” quem possui um forte senso de moralidade, honra e civilização. Isso porque a não-violência não “vence” coisa alguma, ela somente convence quem já possui um forte senso de moralidade, honra e civilização a rever suas práticas para alinhar-se de fato com seus conceitos. A repetição destes conceitos neste artigo é proposital, para que fiquem bem marcados. 

Perceba: a Inglaterra não foi “vencida” por Gandhi, ela foi elevada por Gandhi à sua verdadeira estatura, que é o que faz a não-violência. E a estatura da Inglaterra era muito maior do que a estatura de um centro imperial que se impunha pela violência sobre inocentes. A Inglaterra perdeu o domínio de um império para ganhar o status que seu próprio senso de moralidade, honra e civilização exigiam que ela tivesse: o status de uma nação justa.

Gandhi teria fracassado retumbantemente contra Hitler, Stalin, Mao, Pol Pot, os Castro, Maduro, Ceaucescu, Franco, Ströessner, Pinochet, Médici e os tampinhas-kung-fu da Coréia cujos nomes eu nem me lembro. Por quê? Porque nenhum destes regimes jamais teve uma sólida base de moralidade, honra e civilização. A não-violência os rebaixaria à sua verdadeira estatura, que é ainda menor que a que conhecemos. 

Entenda: não se pode convencer um corrupto a agir com decência, um mau caráter a agir com ética, um brucutu a se portar como um lorde. Há adversários e há inimigos. Os que são sensíveis ao diálogo e aos argumentos alheios, capazes de fazer uma auto-crítica verdadeira, reconhecer seus erros e mudar seu proceder para alinhar-se a seu próprio discurso, mostrando assim que possuem os sensos de moralidade, honra e civilização que alegam, estes são no máximo adversários e podem ser bons parceiros no jogo democrático. Os que não o fazem e ainda tergiversam alegando algum tipo de superioridade são inimigos não apenas seus, mas de toda moralidade, honra e civilização. E, para lidar com estes, só o que funciona é tiro, porrada e bomba. 

Arthur Golgo Lucas – www.arthur.bio.br – 08/05/2015 

Faca livre: uma loucura libertária com efeitos desastrosos

Leia. Ria. Reflita. 

faca_proibição (1)

Faca livre: uma loucura libertária com efeitos desastrosos 

(Joel Pinheiro da Fonseca) 

Quinta-feira próxima completaremos um ano do fim da política de restrição à posse e ao uso de facas, política que, lembremos, recebera menção da ONU por sua eficácia no combate à violência. Desde então, estamos submetidos a um experimento social radical em que todo mundo pode ter, comprar, vender e portar uma faca afiada com potencialidade letal. E o resultado, como qualquer observador razoável e não movido por ideologias sectárias já percebeu, tem sido um desastre absoluto.

Lembram-se das promessas dos defensores da liberação? Diziam que o aumento de homicídios era mito, que as pessoas queriam facas para usos pacíficos. Diziam, ademais, que o crime já usava facas conseguidas ilegalmente. Asseguravam que as pessoas saberiam lidar com o risco de uma faca dentro de casa. A realidade, contudo, contou uma história bem diferente: de 2013 para cá, as mortes por faca em conflito residencial subiram de 3 para 56. Isso mesmo, um aumento de 1866,7%. Ainda não há dados para crimes passionais e acidentes domésticos que não terminaram em morte, mas tudo indica que o aumento foi ainda maior.

O que antes circulava apenas nas gangues mais violentas é agora um utensílio na gaveta de muitos lares, ao pleno alcance de um marido ciumento, de um jovem imprudente ou mesmo de crianças. O preço da faca no mercado caiu 60%, sendo vendida em qualquer esquina. Saber que traficantes perderam parte do seu lucro é um consolo pífio quando lembramos que a violência outrora restrita ao tráfico foi universalizada. Ademais, o tráfico continua ativo, vendendo facas de péssima qualidade, inseguras e mais afiadas do que a lei permite.

Outra falácia dos apóstolos da faca é a de que a liberação movimentaria a economia, devido ao aumento de vendas. Só se esqueceram de um detalhe: a nova lei decretou a morte de setores inteiros. A maioria das empresas alimentícias fechou a divisão de fatiamento do produto final, sem falar na categoria dos cortadores autônomos que já está em vias de extinção. O sindicato conseguiu um financiamento público para se “adaptar” à nova realidade, e há alguns pedidos de restrição ao que os usuários domésticos podem fazer com a faca. Cortar alimentos crus, como sushi, por exemplo, demanda providências de higiene que a maioria dos lares não tem. Também não está claro ainda se é lícito usar a mesma faca para alimentos e usos não-alimentares, que traz riscos de contaminação, acidentes, etc. Seja como for, o presidente do SINFaca é bem pessimista: “acabaram com o nosso sustento; jogaram a gente na rua”. Vivas ao livre mercado!

A indústria de facas (real interesse por trás da campanha) aumentou sua folha de pagamentos em 4.000 pessoas nos meses iniciais, bem abaixo do previsto. Como a estrutura produtiva básica já existia, os ganhos de escala fizeram com que poucos novos funcionários tenham sido necessários. No mês passado, dessa mão-de-obra adicional, 1.200 já tinham sido dispensados. Compare isso com os quase 10.000 empregos diretos e indiretos perdidos no setor de fatiamento, seja nas empresas, seja entre os autônomos. A perda econômica foi substancial.

A vida real, pra variar, contrariou as expectativas dos economistas teóricos, e por um motivo muito simples. A demanda por facas é pontual; cada domicílio se abastece de algumas que durarão vários anos sem necessidade de reposição. Já a necessidade de fatiar a comida é diária e recorrente. Ao se trocar essa demanda constante por uma demanda pontual perdemos empregos no longo prazo.

O lucro da indústria de facas trouxe riscos ao lar, custou empregos e renda da população mais carente e ainda explora a falta de informação do consumidor, que também saiu lesado. Fatiar um alimento não é tarefa para leigos. Um especialista percebe a diferença entre um corte bem-feito e um amador. O corte bem-feito é regular, o tamanho de cada pedaço é adequado às necessidades do cliente, de forma a garantir mastigação e deglutição agradáveis e saudáveis. Prontos-socorros têm reportado aumento nos casos de engasgo. Peixe e frango exigem cuidado especial para separar a espinha e ossinhos da carne comestível; técnica que, previsivelmente, a maioria dos leigos não domina. Isso leva à ingestão de detritos danosos ou ao desperdício da carne mais difícil de separar. Sem falar dos danos de longo prazo oriundos da mastigação e de pedaços grandes demais (e com detritos não comestíveis como ossos) e da digestão dificultada, que ainda demorarão a aparecer, mas não são menos reais.

Só uma pequena quantidade de famílias mais instruídas tem a informação necessária para fazer uma escolha consciente; essas continuam a consumir apenas comida fatiada por profissionais devidamente formados e credenciados. Para a imensa maioria, a nova lei significou a lei da selva: exposição elevada a riscos sob o pretexto de que cada um faz o que quer.

Com a nossa vida e a vida dos nossos filhos em risco, é hora de repensar a tirania anárquica a que temos nos submetido. Faca dentro de casa, não! Os dados mostram que os riscos e os custos em muito superam os ganhos de uma liberdade de escolha fictícia e desinformada. 

::

Fonte: Instituto Ludwig von Mises Brasil

Quem lucra com as execuções do Hamas?

Israel estava perdendo o apoio do mundo inteiro por causa das inúmeras mortes de inocentes causadas por suas operações militares na Faixa de Gaza. Então, muito convenientemente,  apareceram os vídeos do Hamas executando publicamente diversos palestinos por suposta colaboração com Israel. 

Hamas executa 18 palestinos por colaborar com Israel

Só eu acho estranho demais que, quando o mundo inteiro estava retirando o apoio a seu inimigo, o Hamas resolva dar uma demonstração teatral de intolerância e barbárie que óbvia e previsivelmente supera em muito o nível de rejeição de todas as mortes de civis de que ele mesmo acusa Israel, atraindo novamente para si o ódio de todo o planeta? 

Se eu fosse Benjamin Netanyahu, a estas horas estaria pulando de alegria, batendo palmas e dando vivas ao Hamas, pelo incrível favor prestado. De um momento para o outro, todo o mundo deixou de comentar as mortes de crianças e outros inocentes devido aos bombardeios de Israel e passou a condenar furiosamente as execuções promovidas pelo Hamas. 

A conveniência do momento político, dos métodos brutais e da justificativa das execuções é tão grande, mas tão grande, mas tão grande, que eu começo a pensar se os extremistas do Hamas não são um bando de palermas raivosos financiados por extremistas israelenses muito mais espertos e maquiavélicos. 

Que sorte que eu não tenho como investigar a hipótese. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 26/08/2014. 

Legitimidade

No artigo anterior eu escrevi esta frase para comparar as ações do Estado de Israel e as ações da organização terrorista Hamas: “Não se trata de proporcionalidade, mas de legitimidade.” Houve quem me criticasse por “defender” Israel. Estão equivocados: eu defendi a legitimidade. 

É legítimo que Israel, dispondo de alternativas tecnológicas e de recursos humanos e materiais abundantes, atire mísseis em escolas e hospitais, ou que destrua a única usina elétrica da região, numa verdadeira ação de terrorismo de Estado, colocando a vida e o bem estar de toda a população palestina em risco? Não, não é legítimo. 

Para quem não lembra ou não sabe, eu já escrevi sobre o que eu acho que Israel deve fazer para pacificar a região definitivamente. Clique no link abaixo e leia: 

Como Israel pode resolver o conflito com a Palestina

Utopia? Óbvio.

Qualquer solução razoável é utópica no Planeta dos Macacos. 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 04/08/2014 

Quando a diplomacia é um agente do mal

Poucas coisas me soam mais estúpidas ou mal intencionadas do que a exigência de que o Estado de Israel use diplomacia para lidar com a organização terrorista Hamas (“Movimento de Resistência Islâmica”). 

Míssil palestino é destruído no ar por sistema de defesa israelense.
Míssil palestino é destruído no ar por sistema de defesa israelense.

O que quer o Estado de Israel? Deixar de sofrer atentados aleatórios contra a população civil. 

O que quer o Hamas? A aniquilação do Estado de Israel, a morte de todos os malditos judeus e a implantação da Sharia não somente em Gaza mas em toda a Palestina Histórica, em nome de Allah, o misericordioso. 

A assimetria destas intenções torna pornográfica a exigência de que o Estado de Israel use diplomacia para lidar com o Hamas. 

O simples fato de sugerir tal aberração já constitui uma ofensa a Israel, porque confere legitimidade aos terroristas que diariamente cometem dezenas de tentativas de homicídio aleatórias contra o povo israelense. 

“Ah, mas o conflito é “desproporcional”, porque Israel está matando “um número excessivo” de mulheres e crianças palestinas”, dizem. 

Como é que é? Sério que estão usando um argumento numérico de contagem de vítimas para classificar as ações de Israel? 

Então os partidários deste argumento indecente respondam aí: quantas mulheres e crianças palestinas vocês autorizam Israel a matar por dia para que o conflito se torne “proporcional”? 

Ou talvez vocês prefiram que Israel intercepte menos foguetes do Hamas, para aumentar o número de civis israelenses mortos e assim justificar um número maior de mortes entre os civis palestinos? 

Não se trata de proporcionalidade, mas de legitimidade. 

De um lado, há um grupo terrorista que armazena armamento e posiciona dispositivos lança-mísseis dentro de creches, escolas, hospitais, mesquitas e bairros residenciais e ameaça de morte os civis que desejam fugir das proximidades destes locais – porque o Hamas quer que eles sejam vitimados para poder promover a guerra de propaganda contra o infiel a ser aniquilado, não importa o preço. 

Do outro lado, há um Estado Nacional que tem que se defender diariamente de dezenas de mísseis lançados com o objetivo de assassinar e mutilar aleatoriamente seus cidadãos e provocar medo, pânico, terror. 

Clamar por diplomacia nestas condições é uma perversão. É conferir legitimidade aos terroristas e a seus métodos, ao mesmo tempo que condena a vítima do terrorismo a ceder às exigências de seus algozes fundamentalistas – que nunca ficarão satisfeitos, porque seu objetivo insano é aniquilar o Estado de Israel inteiro. 

“Ah, mas o Estado de Israel também não tem legitimidade, porque foi construído sobre o lar dos palestinos e blá-blá-blá”, dizem.  

Certo, certo… Então os que pensam assim tenham coragem e questionem na ONU a própria existência do Estado de Israel. 

Ou vão querer que o Estado de Israel exista mas esteja sempre errado pelo simples fato de existir? Muito conveniente, não? 

Certos discursos tornam evidente que para alguns há muito tempo a questão israelense-palestina não se trata de um conflito que deve ser resolvido para evitar a morte de inocentes, mas de um conflito que deve ser mantido e agravado para que se possa explorar politicamente a morte de inocentes. 

Fazem mais condenações ao Estado de Israel, que é vítima de dezenas de atentados terroristas diários, do que ao Hamas, que pratica tentativas de homicídio aleatórias todos os dias. Fazem muito mais exigências de que Israel use diplomacia do que exigências de que o Hamas pare de cometer crimes. 

São discursos convenientes e hipócritas

Ao mesmo tempo que tentam amarrar as mãos do Estado de Israel, exigindo dele o uso de blá-blá-blá notoriamente inútil, nada fazem para que o agressor terrorista cesse seus ataques. Isso é querer a manutenção do conflito. Isso é não se importar com mulheres e crianças mortas. Isso é usar estas mortes politicamente para os mais abjetos propósitos. 

A estes que querem resolver o conflito através da diplomacia eu convido a ir a Israel exigir das autoridades israelenses o uso de diplomacia e depois ir aos redutos do Hamas e exigir dos terroristas o uso de diplomacia. Mostrem que acreditam no que falam. Vão até lá e façam isso! E LOGO, porque tem gente inocente morrendo. O que estão esperando? 

Ah, não querem ir porque “esse é um conflito que deve ser resolvido entre as partes”? Bem, então calem a boca e não se metam a dizer para somente uma das partes – sempre a mesma – o que ela deve ou não deve fazer para não ser vítima de atentados e homicídios aleatórios diariamente. 

Vamos deixar isso bem claro: as opções que Israel tem não são usar a diplomacia ou usar a força. As opções que Israel tem são ou permitir que o Hamas continue assassinando civis israelenses aleatoriamente ou levar a culpa pela morte dos civis palestinos que o Hamas usa como escudos humanos para seu armamento e seus lança-mísseis. 

Entre uma e outra destas alternativas, qualquer Estado soberano ou grupo de combatentes no planeta faria exatamente o mesmo que o Estado de Israel faz: proteger os seus, mesmo que isso implique multiplicar as baixas do outro lado, seja de combatentes, seja de inocentes. 

Portanto, leitor do Pensar Não Dói, muita atenção perante estes discursos “pró-diplomacia”. Muitos deles – a maioria – são apenas discursos anti-Israel, anti-EUA, anti-“imperialismo”, anti-sociedade-ocidental, anti-“tudo-isso-que-está-aí”, etc.

Uma boa dica para detectar a orientação ideológica e ética desses discursos: verifique se quem exige que Israel use diplomacia também exige que o Hamas use diplomacia; verifique se as críticas aos abusos de Israel também se estendem ao uso de inocentes como escudos humanos por parte do Hamas; e principalmente verifique se a preocupação humanitária para com as vítimas dos bombardeios de Israel também se estende às vitimas dos bombardeios do Hamas. 

Se qualquer uma das respostas for “não”, você já sabe com certeza que não está diante de um defensor sincero da diplomacia. Isso para dizer o mínimo. 

 

Arthur Golgo Lucas – arthur.bio.br – 26/07/2014

::

AAA: Não há uma única palavra de apoio à morte de civis no texto acima. Se você acha que eu defendi que Israel mate palestinos inocentes porque o Hamas mata israelenses inocentes, então você entendeu tudo errado. Neste caso, leia o artigo de novo.